U2

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Quinta Era -

Em 1976, um mo­le­que ir­lan­dês de 14 anos cha­ma­do Lar­ry Mul­len

Jr. co­lo­cou um anún­cio na es­co­la pro­cu­ran­do uma ban­da. Adam Clay­ton, Paul Hew­son, Da­vid Evans e seu ir­mão Dick apa­re­ce­ram e mon­ta­ram um gru­po cha­ma­do Fe­ed­back. Dick lo­go dei­xou a ban­da, que de­pois se trans­for­mou em The Hy­pe pa­ra fi­nal­men­te ado­tar U2. Ou­tros no­mes ain­da mu­da­ri­am: Paul se tor­na­ria Bo­no Vox e Da­vid, The Ed­ge. Em um ca­so ra­ro no rock, o quar­te­to de Du­blin nun­ca mais se se­pa­ra­ria. As­si­nam o pri­mei­ro con­tra­to em 1980 e no mes­mo ano lan­çam Boy, um ál­bum com uma so­no­ri­da­de até en­tão úni­ca, clas­si­fi­ca­do co­mo pós­punk, car­re­ga­do de letras com te­mas es­pi­ri­tu­ais, hu­ma­nis­tas e pes­so­ais, além da gui­tar­ra ino­va­do­ra de The Ed­ge. Um ano de­pois lan­çam Oc­to­ber, com cli­ma mais in­tros­pec­ti­vo, mas igual­men­te bem­su­ce­di­do em ter­mos de crí­ti­ca e pú­bli­co. Já bas­tan­te co­nhe­ci­dos na In­gla­ter­ra e nos EUA, pro­du­zem sua obra-pri­ma e um dos ál­buns mais mar­can­tes dos anos 80: War. Hi­nos de uma ge­ra­ção co­mo Sun­day Blo­ody Sun­day e New Ye­ar's Day, fa­zem des­sa fa­se uma das mais sim­bó­li­cas do gru­po. Mas ain­da ti­nham mais car­tu­chos, e em 1984 sai The Un­for­get­ta­ble Fi­re, com Pri­de (In the Na­me of Lo­ve), ou­tro hit dos anos 80 que os aju­dou a ex­pan­di­rem ain­da mais as fron­tei­ras de seu su­ces­so. O quin­to ál­bum de­mo­ra­ria mais de dois anos, mas a es­pe­ra foi re­com­pen­sa­da com The Joshua Tree, que trou­xe hits co­mo Whe­re the Stre­ets Ha­ve No Na­me, I Still Ha­ven't Found What I'm Lo­o­king For e With or Without You, e a ban­da atin­ge ver­da­dei­ra­men­te o sta­tus de su­pers­tars glo­bais. Em 1988 sai Ra­tle and Hum, um ál­bum du­plo re­che­a­do de re­fe­rên­ci­as blu­es e coun­try, que ape­sar da boa in­ten­ção, não man­tém a prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca do gru­po: a ori­gi­na­li­da­de. Is­so se­ria re­to­ma­do em 1991, já na era do CD, com Ach­tung Baby, gra­va­do em Berlim, na Ale­ma­nha. Com mais pe­so (e no­vos efei­tos) nas gui­tar­ras, além de ba­ti­das pe­sa­das e dan­çan­tes, com um pé na música ele­trô­ni­ca, e a voz mar­can­te de Bo­no, eles pra­ti­ca­men­te se rein­ven­tam e di­tam a so­no­ri­da­de do rock mo­der­no. Se ho­je o U2 é a ban­da em ati­vi­da­de mais bem su­ce­di­da do pla­ne­ta, de­ve mui­to a es­se ál­bum. Por ou­tro la­do, foi a úl­ti­ma gran­de sa­ca­da do gru­po que se­guiu fa­zen­do bons ál­buns (cin­co, exa­ta­men­te) e em 2014 aur­pre­en­deu com Songs of In­no­cen­ce.

Ál­buns es­sen­ci­ais

• Boy (1980)

• War (1983)

• The Joshua Tree (1987)

• Ach­tung Baby (1991)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.