THE KINKS

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Segunda Era -

Eles po­de­ri­am ter si­do tão gran­des quan­to os Be­a­tles e os Rol­ling Sto­nes – e, por al­gum mo­men­to fo­ram. Gra­va­ram ál­buns tão bons e ino­va­do­res quan­to seus com­pa­tri­o­tas mais co­nhe­ci­dos e até fi­ze­ram mui­to su­ces­so. Mas a per­so­na­li­da­de di­fí­cil e os de­sen­ten­di­men­tos en­tre os ir­mãos Ray e Dave Da­vi­es, a es­pi­nha dor­sal do The Kinks, fi­ze­ram com que a ban­da não apro­vei­tas­se su­as me­lho­res opor­tu­ni­da­des. Eles sem­pre ti­nham a pi­or ati­tu­de nes­ses mo­men­tos. Dis­cu­ti­am com (e, não ra­ra­men­te, agre­di­am) pro­du­to­res, téc­ni­cos de es­tú­dio, com os ou­tros in­te­gran­tes, com eles mes­mos, sem con­tar os quar­tos de ho­téis e ca­ma­rins des­truí­dos. Os in­ci­den­tes fo­ram tan­tos que a ca­da bi­o­gra­fia pu­bli­ca­da (to­das em in­glês) sur­gem no­vas his­tó­ri­as.

Por ou­tro la­do, a im­por­tân­cia mu­si­cal de­les é imen­su­rá­vel. Quan­do cri­a­ram a ban­da, em 1963, ain­da não exis­ti­am pe­dais de dis­tor­ção e Dave que­ria um som mais po­de­ro­so pa­ra sua gui­tar­ra. Co­mo não po­dia com­prar am­pli­fi­ca­do­res mais po­ten­tes, sim­ples­men­te re­sol­veu re­ta­lhar os al­to-fa­lan­tes com uma lâ­mi­na de bar­be­ar, pa­ra que a vi­bra­ção pro­du­zis­se o som que bus­ca­va. A “téc­ni­ca” foi usa­da na gra­va­ção do me­ga hit You Re­ally Got Me, o ter­cei­ro sin­gle de­les, lan­ça­do em 1964 e, mui­to pro­va­vel­men­te, a pe­dra fun­da­men­tal do hard rock. Mas eles ti­nham mui­to mais a ofe­re­cer. Ray é um com­po­si­tor fe­no­me­nal. Su­as letras pos­su­em um con­teú­do so­ci­al e po­lí­ti­co pro­fun­do, bem hu­mo­ra­das e não-pan­fle­tá­ri­as. En­tre 1964 e 67, lan­ça­ram cin­co LPs, dos quais é bem di­fí­cil di­zer qual o me­lhor. A par­tir de 1968 mu­dam um pou­co o es­ti­lo, mas sem per­der a qua­li­da­de, e pro­du­zem di­ver­sos ál­buns con­cei­tu­ais até a me­ta­de da dé­ca­da de 70. Exem­plos são o in­crí­vel The Kinks Are The Vil­la­ge Gre­en Pre­ser­va­ti­on So­ci­ety (1968) em que pre­do­mi­na um dis­cur­so eco­ló­gi­co que ain­da soa atu­al e Arthur Or The De­cli­ne And Fall Of The Bri­tish Em­pi­re (1969) em que pra­ti­ca­men­te dis­se­cam a so­ci­e­da­de in­gle­sa, com mui­ta iro­nia e sar­cas­mo, cla­ro. A par­tir de 1977, com Sle­epwal­ker, ado­tam um es­ti­lo mais pu­xa­do ao hard rock, com a gui­tar­ra de Dave pre­do­mi­nan­do. O punk, a new wa­ve, o brit­pop e os al­ter­na­ti­vos de­vem mui­to a eles. Nós tam­bém.

Ál­buns es­sen­ci­ais

• The Kinks (1964)

• Fa­ce to Fa­ce (1966)

• The Kinks Are The Vil­la­ge Gre­en Pre­ser­va­ti­on So­ci­ety (1968)

• Gi­ve The Pe­o­ple What They Want (1982)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.