VEL­VET UNUNDERGROUND

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Segunda Era -

A ban­da for­ma­da por Lou Lo­ou Re­ed, John Ca­le, Ster­r­ling Ster­ling Mor­ris­son e Mau­re­en TuTuc­ker Tuc­ker nun­ca ven­deu mui­tos dis­cos, mas o Vel­vet Un­der­ground en­qua­dra-se na ca­te­go­ria “anos-luz à fren­te de seu tem­po”. A in­fluên­cia do gru­po po­de ser me­di­da pe­lo fa­to de ser pre­cur­sor do punk, tan­to em ter­mos mu­si­cais co­mo es­té­ti­cos, usan­do dis­tor­ção pa­ra cri­ar uma pai­sa­gem mu­si­cal de­so­la­do­ra e agres­si­va ao mes­mo tem­po, cos­tu­ra­da por me­lo­di­as sen­ti­men­tais e letras im­pac­tan­tes. Po­de-se cre­di­tar ao gru­po a (ir)res­pon­sa­bi­li­da­de por tor­nar o rock mais so­ci­al­men­te es­cra­cha­do e se­xu­al­men­te per­ver­so. As re­fe­rên­ci­as fe­ti­chis­tas, o uso de­cla­ra­do (e can­ta­do em ver­sos) de he­roí­na e a ati­tu­de ni­i­lis­ta fi­ze­ram do Vel­vet deu­ses do un­der­ground. Eles co­me­ça­ram a se apre­sen­tar em 1965 e fo­ram apa­dri­nha­dos pe­lo ar­tis­ta plás­ti­co Andy Warhol, que lhes deu su­por­te e aju­dou a con­sa­grar sua ar­te tra­ves­ti­da, dark e sa­do­ma­so­quis­ta. Warhol in­sis­tiu pa­ra que eles in­cluís­sem na ban­da a mo­de­lo ale­mã Ni­co que, ao la­do de Lou, can­tou e to­cou tam­bo­rim no con­sa­gra­do ál­bum de es­treia The Vel­vet Un­der­ground and Ni­co, gra­va­do em 1966, mas lan­ça­do qu­a­se um ano de­pois por pro­ble­mas com a gra­va­do­ra, de­vi­do ao con­teú­do pe­sa­do das letras e não ter ne­nhu­ma fai­xa que fos­se acei­ta pe­las rá­di­os.

No ano se­guin­te, sem Ni­co, lan­çam o se­mi­nal Whi­te Light/Whi­te Heat, uma re­fe­rên­cia cla­ra à co­caí­na lo­go no título. O ál­bum con­tém as fai­xas mais ra­di­cais e ba­ru­lhen­tas do gru­po, in­cluin­do Sis­ter Ray uma vi­a­gem tor­tu­ran­te de 17 mi­nu­tos. Mas Ca­le e Re­ed, as for­ças cri­a­ti­vas da ban­da, tam­bém eram dois egó­la­tras e não se en­ten­di­am. Lou ven­ceu a pa­ra­da e Ca­le deu lu­gar a Doug Ya­le na gra­va­ção do ter­cei­ro LP, Vel­vet Un­der­ground, lan­ça­do em 1969 e um pou­co mais con­ven­ci­o­nal que os an­te­ri­o­res.

Em 1970 as­si­nam com uma gran­de gra­va­do­ra e lan­çam Lo­a­ded, que se­ria o úl­ti­mo dis­co com Lou Re­ed. Ho­je, sa­be-se que os pro­du­to­res pe­di­ram que o gru­po re­ti­ras­se as re­fe­rên­ci­as às dro­gas e per­ver­sões se­xu­ais, tor­nan­do o dis­co mais aces­sí­vel pa­ra as mas­sas. No in­ter­va­lo, gra­va­ram al­gum ma­te­ri­al, lan­ça­do pos­te­ri­or­men­te jun­ta­men­te com ou­tras so­bras de es­tú­dio no óti­mo V.U., em 1985. Ain­da em 1970, Lou Re­ed ini­cia sua não me­nos po­lê­mi­ca car­rei­ra so­lo e a ban­da im­plo­de.

Ál­buns es­sen­ci­ais

• The Vel­vet Un­der­ground and Ni­co (1967)

• Whi­te Light/Whi­te Heat (1968)

• V.U (1985)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.