Por que o ma­te­ri­a­lis­mo atu­al é mais an­ti­go do que vo­cê ima­gi­na

BBC History Brasil - - História agora / notícias -

Vo­cê po­de pen­sar, en­quan­to na­ve­ga pe­la in­ter­net no seu smartpho­ne ou de­vol­ve aque­les úl­ti­mos pre­sen­tes in­de­se­ja­dos de Na­tal, que o con­su­mis­mo – com­prar e usar gran­des quan­ti­da­des de bens ma­te­ri­ais e ser­vi­ços – é um fenô­me­no ex­clu­si­va­men­te mo­der­no. Po­rém, no­vas pes­qui­sas su­ge­rem que ele é par­te de uma ten­dên­cia mui­to mais an­ti­ga, e re­co­nhe­cer is­so po­de ser cru­ci­al nas pró­xi­mas dé­ca­das.

Es­sa pesquisa é no­tá­vel por­que sem­pre foi am­pla­men­te acei­to que o con­su­mis­mo das mas­sas foi re­sul­ta­do de um au­men­to da ri­que­za nas dé­ca-

Lon­ge de ser uma ten­dên­cia pós-guer­ra, um no­vo es­tu­do su­ge­re que o con­su­mis­mo exis­te há sé­cu­los – e que es­sa his­tó­ria po­de ser a cha­ve pa­ra o nos­so fu­tu­ro Matt El­ton re­la­ta

das se­guin­tes à 2ª Guer­ra Mun­di­al – em par­ti­cu­lar nos anos de 1960 e 70. No en­tan­to, Frank Trent­mann – cu­jo no­vo li­vro, Em­pi­re of Things: How We Be­ca­me a World of Con­su­mers, from the 15th Cen­tury to the 21st (O Im­pé­rio das Coi­sas: Co­mo nos Tor­na­mos um Mun­do de Con­su­mi­do­res, do Sé­cu­lo 15 ao 21, em tra­du­ção li­vre), foi pu­bli­ca­do em fe­ve­rei­ro na In­gla­ter­ra – ar­gu­men­ta que o nos­so amor por “coi­sas” vem de mui­to lon­ge. “Até re­cen­te­men­te, a his­tó­ria do con­su­mis­mo foi con­ta­da co­mo uma sa­ga an­glo- ame­ri­ca­na ini­ci­a­da no sé­cu­lo 18 com um pi­co de­pois de 1945 nos EUA, que de­pois ex­por­tou o mo­do de vi­da ame­ri­ca­no pa­ra o res­to do mun­do”, ele diz. “No en­tan­to, a sua his­tó­ria é mui­to mais ri­ca, mais in­te­res­san­te e mais per­tur­ba­do­ra do que os crí­ti­cos da ri­que­za ima­gi­nam.”

Trent­mann su­ge­re que, des­de o Re­nas­ci­men­to, as “coi­sas” pas­sa­ram a ser va­lo­ri­za­das co­mo um si­nal de en­ri­que­ci­men­to pa­ra a hu­ma­ni­da­de e a ci­vi­li­za­ção. Ele apon­ta o cres­cen­te co­mér­cio de bens co­mo ta­pe­tes e se­das no sé­cu­lo 12 e, a par­tir de 1500, a pro­pa­ga­ção do chá e da por­ce­la­na da Chi­na pa­ra a Eu­ro­pa.

Con­cen­trar-se em tal co­mér­cio é vi­tal pa­ra Trent­mann, por­que cor­ri­ge o viés oci­den­tal das vi­sões an­te­ri­o­res so­bre o con­su­mis­mo. Mas ele tam­bém ar­gu­men­ta que, mes­mo quan­do es­pe­ci­a­lis­tas re­co­nhe­cem o con­tex­to mais am­plo, mui­tas ve­zes não en­ten­dem co­mo o fenô­me­no se de­sen­vol­veu.

“A vi­são con­ven­ci­o­nal é so­bre ne­ces­si­da­des e de­se­jos. Ar­gu­men­ta-se que so­ci­e­da­des po­bres fo­cam nas ne­ces­si­da­des bá­si­cas, co­mo ali­men­ta­ção e mo­ra­dia, en­quan­to ape­nas so­ci­e­da­des ri­cas de­sen­vol­vem um gos­to por coi­sas que re­al­men­te não pre­ci­sam: en­tre­te­ni­men­to, mo­da e ele­trô­ni­cos. Nes­sa vi­são, o con­su­mis­mo é re­cen­te: fi­lho da ri­que­za e do mi­la­gre econô­mi­co das dé­ca­das de 1960 e 70.”

Trent­mann – que é pro­fes­sor de his­tó­ria em Birk­beck, na Uni­ver­si­da­de de Lon­dres – apon­ta es­tu­dos de ca­so que vão con­tra es­sa ten­dên­cia. Até mes­mo no sé­cu­lo 17, por exem­plo, os con­su­mi­do­res eram acon­se­lha­dos so­bre os me­lho­res ti­pos de te­ci­dos de al­go­dão pa­ra se com­prar. Até mes­mo no sé­cu­lo 20, pou­co mais de uma dé­ca­da an­tes do bo­om da ri­que­za, Trent­mann ci­ta o exem­plo de Hei­di Si­mon, uma ga­ro­ta que cres­ceu na Ale­ma­nha Oci­den­tal ar­rui­na­da pe­la des­trui­ção da 2ª Guer­ra Mun­di­al. “Hei­di en­trou em um con­cur­so do go­ver­no de fo­to­gra­fia ama­do­ra em 1952 e ga­nhou um dos prê­mi­os prin­ci­pais: uma mo­to­ci­cle­ta Ves­pa”, diz ele. “Mas os ju­ra­dos de­vem ter fi­ca­do sur­pre­sos com a re­a­ção de­la. Hei­di es­ta­va mui­to fe­liz por ter ga­nha­do, ela es­cre­veu, mas, sem que­rer pa­re­cer ‘im­per­ti­nen­te’, que­ria sa­ber se não po­de­ria ga­nhar uma Lam­bret­ta – já que, du­ran­te to­do o ano an­te­ri­or, ela ha­via de­se­ja­do ‘apai­xo­na­da­men­te’ aque­la mo­to mais es­ti­lo­sa. Os ju­ra­dos ne­ga­ram e man­da­ram a Ves­pa pa­ra ela.”

Tais exem­plos po­dem pa­re­cer ex­ce­ções, mas Trent­mann ar­gu­men­ta que re­ve­lam co­mo as pes­so­as sem­pre de­se­ja­ram por “coi­sas”. “Hei­di vi­via no meio de es­com­bros, mas não pe­diu por ti­jo­los e ar­ga­mas­sa, e sim uma mo­to mais es­ti­lo­sa”, afir­ma.

Mas por que is­so é im­por­tan­te? Trent­mann su­ge­re que en­ten­der o con­tex­to his­tó­ri­co do con­su­mis­mo po­de nos aju­dar a li­dar com seus efei­tos ne­ga­ti­vos atu­ais. “Pre­ci­sa­mos re­co­nhe­cer que os nos­sos es­ti­los de vi­da, que eu di­ria se­rem in­sus­ten­tá­veis, não são uma ino­va­ção re­cen­te que po­de­mos fa­cil­men­te cor­ri­gir ape­nas al­te­ran­do o pa­drão de cres­ci­men­to pós­guer­ra, mas sim o re­sul­ta­do de uma his­tó­ria mais lon­ga”, diz ele.

No en­tan­to, exis­tem ma­nei­ras pe­las quais es­sa no­va abor­da­gem po­de­ria nos aju­dar a li­dar com os de­sa­fi­os do fu­tu­ro. “Uma vi­são mais am­pla da his­tó­ria mos­tra co­mo os es­ti­los de vi­da e as idei­as de con­for­to e con­ve­ni­ên­cia das pes­so­as têm si­do mu­tá­veis”, fi­na­li­za Trent­mann.

Li­qui­da­ção cen­te­ná­ria - Mer­ca­do­res ven­dem ou­ro, pra­ta, te­ci­dos e sa­pa­tos nes­sa mi­ni­a­tu­ra. Nos­so amor por “coi­sas” re­mon­ta a um tem­po mui­to mais an­ti­go do que às ve­zes pen­sa­mos, ar­gu­men­ta Frank Trent­mann

Pon­tos co­mer­ci­ais - Mer­ca­do­res tro­cam mer­ca­do­ri­as na Ín­dia, nes­ta ima­gem do sé­cu­lo 16. Es­se ti­po de co­mér­cio ofe­re­cia aos con­su­mi­do­res uma vas­ta ga­ma de pro­du­tos: “No fi­nal do sé­cu­lo 17, já ha­via uma enor­me va­ri­e­da­de de co­res e ti­pos de te­ci­dos de al­go­dão”, diz Frank Trent­mann

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.