O que as com­pe­ti­ções vi­to­ri­a­nas de ar­rom­bar fe­cha­du­ras po­dem nos en­si­nar so­bre se­gu­ran­ça na web?

BBC History Brasil - - História agora / notícias - Matt El­ton

Ase­gu­ran­ça on-li­ne é uma das mai­o­res pre­o­cu­pa­ções do sé­cu­lo 21. Hac­kers der­ru­bam si­tes pro­e­mi­nen­tes e tra­ba­lham pa­ra cri­ar – e es­pa­lhar – ví­rus ca­da vez mais ne­fas­tos. Po­rém, co­mo um no­vo es­tu­do su­ge­re, a cor­ri­da pa­ra de­sen­vol­ver e der­ro­tar es­sas téc­ni­cas po­de ter um pre­ce­den­te his­tó­ri­co sur­pre­en­den­te: as com­pe­ti­ções vi­to­ri­a­nas de ar­rom­bar fe­cha­du­ras.

Es­ses cam­pe­o­na­tos co­lo­ca­vam fren­te a fren­te fa­bri­can­tes ou tra­ba­lha­do­res de mar­cas ri­vais de fe­cha­du­ras e o de­sa­fio era que­brar os dis­po­si­ti­vos de se­gu­ran­ça alhei­os.

Uma das pri­mei­ras edi­ções foi re­a­li­za­da na Gran­de Ex­po­si­ção de Lon­dres em 1851, e dis­pu­tas sub­se­quen­tes fo­ram avi­da­men­te acom­pa­nha­das pe­la im­pren­sa. Os ce­ná­ri­os mui­tas ve­zes si­mu­la­vam os ris­cos en­fren­ta­dos pe­los usuá­ri­os do pro­du­to, co­mo um ata­que de la­drões ha­bi­li­do­sos. In­cen­ti­vos fi­nan­cei­ros eram ofe­re­ci­dos às ve­zes, mas a mai­or re­com­pen­sa – e ris­co – era o su­ces­so ou o fra­cas­so pú­bli­co de seu pro­du­to mais re­cen­te.

Da­vid Chur­chill, da Uni­ver­si­da­de de Le­eds, cu­ja pesquisa so­bre o as­sun­to foi pu­bli­ca­da no His­tory Workshop Jour­nal, ar­gu­men­ta que es­ses con­cur­sos têm mui­to a nos di­zer so­bre as nos­sas ati­tu­des em re­la­ção à se­gu­ran­ça no sé­cu­lo 21. “Pre­ci­sa­mos cons­tan­te­men­te atu­a­li­zar os pro­gra­mas an­ti­ví­rus, apa­ren­te­men­te pa­ra acom­pa­nhar o rit­mo das mais re­cen­tes ame­a­ças”, diz ele. “Era o mes­mo, de cer­ta for­ma, com o ar­rom­ba­men­to de fe­cha­du­ras, e o es­for­ço pa­ra pro­je­tar ca­de­a­dos ca­da vez me­lho­res. Um pa­ra­le­lo ain­da mais di­re­to po­de ser fei­to com as con­fe­rên­ci­as so­bre hac­kers, nas quais es­pe­ci­a­lis­tas em se­gu­ran­ça e hac­kers se jun­tam pa­ra dis­cu­tir as fa­lhas de se­gu­ran­ça e tes­tar sis­te­mas de com­pu­ta­dor em um for­ma­to com­pe­ti­ti­vo.”

Chur­chill ar­gu­men­ta que is­so sig­ni­fi­ca que de­ve­mos evi­tar ver os te­mo­res so­bre a se­gu­ran­ça on-li­ne co­mo um fenô­me­no in­tei­ra­men­te no­vo. “A ideia de que uma se­gu­ran­ça no­va é uma se­gu­ran­ça me­lhor – de que ela de­va se man­ter atu­a­li­za­da – não é tão no­va co­mo mui­tas ve­zes ima­gi­na­mos”, diz ele. “No iní­cio da dé­ca­da de 1850, os es­pe­ci­a­lis­tas ti­nham es­pe­ran­ças de que es­ses con­cur­sos aca­ba­ri­am pro­du­zin­do uma fe­cha­du­ra in­vi­o­lá­vel. Mas as pró­xi­mas du­as dé­ca­das vi­ram uma acei­ta­ção da ne­ces­si­da­de de ino­va­ção e adap­ta­ção cons­tan­tes pa­ra aten­der às no­vas ame­a­ças.

“Ho­je, nin­guém es­pe­ra por uma so­lu­ção de se­gu­ran­ça per­ma­nen­te­men­te in­vi­o­lá­vel, no ci­be­res­pa­ço ou em qual­quer ou­tro do­mí­nio”, diz Chur­chill. “As­sim, po­de­mos re­la­ci­o­nar nos­sos pon­tos de vis­ta mo­der­nos des­sas ques­tões com o pe­río­do vi­to­ri­a­no.”

Um ca­de­a­do do sé­cu­lo 19 cri­a­do co­mo de­sa­fio ao can­di­da­to a ar­rom­ba­dor de fe­cha­du­ra. Es­sas com­pe­ti­ções têm pa­ra­le­los on-li­ne ho­je em dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.