Por que a Rús­sia re­sol­veu mos­trar sua for­ça no Ori­en­te Mé­dio?

A san­gren­ta guer­ra ci­vil na Sí­ria fi­cou ain­da mais con­fu­sa com o iní­cio de uma ma­ci­ça cam­pa­nha rus­sa de bom­bar­deio a al­vos da­que­le país. Dois his­to­ri­a­do­res ofe­re­cem su­as opi­niões pes­so­ais so­bre o que há por trás des­ses ata­ques

BBC History Brasil - - História agora / fatos a fundo - En­tre­vis­tas por Ch­ris Bo­wlby, jor­na­lis­ta da BBC es­pe­ci­a­li­za­do em His­tó­ria

Es­ta é a pri­mei­ra ação mi­li­tar da Rús­sia fo­ra da ex-União So­vié­ti­ca, mas as li­ga­ções de Mos­cou com o Ori­en­te Mé­dio e a Sí­ria têm raí­zes pro­fun­das. O en­vol­vi­men­to so­vié­ti­co na re­gião co­me­çou de fa­to em me­a­dos de 1950. O pa­no de fun­do foi o pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção de­pois da 2ª Guer­ra Mun­di­al, com 25 Es­ta­dos sur­gin­do ape­nas en­tre 1957 e 1962. A União So­vié­ti­ca ofe­re­ceu um mo­de­lo al­ter­na­ti­vo de mo­der­ni­za­ção: an­ti­o­ci­den­tal, mas pro­gres­si­vo. Is­so a trans­for­mou em uma po­tên­cia po­pu­lar en­tre al­guns paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to da épo­ca.

O grau de in­fluên­cia so­vié­ti­ca era, no en­tan­to, con­tes­tá­vel, es­pe­ci­al­men­te no Ori­en­te Mé­dio. O Egi­to sob o pre­si­den­te Nas­ser foi o prin­ci­pal re­cep­tor da aju­da mi­li­tar e econô­mi­ca so­vié­ti­ca nos anos 1950 e 1960. No en­tan­to, o Egi­to mu­dou ra­di­cal­men­te a ori­en­ta­ção de sua po­lí­ti­ca ex­ter­na sob o su­ces­sor de Nas­ser, Sa­dat, cul­mi­nan­do nos acor­dos de Camp Da­vid em 1978, após o qual se tor­nou a pri­mei­ra na­ção ára­be a as­si­nar um tra­ta­do de paz com Is­ra­el.

De­pois da de­ser­ção do Egi­to, Sí­ria e Ira­que tor­na­ram-se os de­pen­den­tes mais im­por­tan­tes da URSS na re­gião – e, no ca­so da Sí­ria, es­sa con­ti­nua sen­do a si­tu­a­ção ho­je. Os so­vié­ti­cos trei­na­ram o cor­po de ofi­ci­ais e for­ne­ce­ram ar­mas e aju­da econô­mi­ca a seu ali­a­do sí­rio. Nes­se pe­río­do, cer­ca de 70% do ar­ma­men­to da Sí­ria vi­nha da Rús­sia, en­quan­to que, em me­a­dos da dé­ca­da de 2000, cer­ca de dez mil ofi­ci­ais sí­ri­os ti­nham si­do trei­na­dos nas aca­de­mi­as mi­li­ta­res rus­sas. Tais re­la­ções mi­li­ta­res es­trei­tas fa­ci­li­ta­ram a re­cen­te in­ter­ven­ção rus­sa ao la­do do re­gi­me de Assad, em­bo­ra es­sa não se­ja de for­ma al­gu­ma a prin­ci­pal ra­zão por trás dis­so.

A Rús­sia tam­bém vê o en­vol­vi­men­to oci­den­tal no Ori­en­te Mé­dio co­mo um fa­tor de de­ses­ta­bi­li­za­ção (por exem­plo, a Guer­ra do Ira­que, em 2003, e a Lí­bia, em 2011), com ba­se na pro­je­ção equi­vo­ca­da dos va­lo­res oci­den­tais em to­do o mun­do. O Oci­den­te, por sua vez, cul­pa a Rús­sia de apoi­ar re­gi­mes que per­de­ram sua le­gi­ti­mi­da­de mo­ral.

O Ori­en­te Mé­dio tam­bém é im­por­tan­te pa­ra a Rús­sia pois ele es­tá no cen­tro das po­lí­ti­cas mun­di­ais. Ao en­vol­ver­se co­mo uma fi­gu­ra cen­tral na Sí­ria, o Krem­lin pre­ten­de trans­for­mar o seu sta­tus de po­tên­cia re­gi­o­nal em mun­di­al.

O de­se­jo de re­co­nhe­ci­men­to oci­den­tal tem si­do a for­ça mo­triz da po­lí­ti­ca ex­ter­na rus­sa du­ran­te a mai­or par­te de sua his­tó­ria. Is­so fi­cou mui­to cla­ro após o colapso da União So­vié­ti­ca em 1991, quan­do o país per­deu seu sta­tus de su­per­po­tên­cia de uma ho­ra pa­ra ou­tra.

Na fal­ta de ou­tros mei­os pa­ra se afir­mar, as ações da Rús­sia na Ucrâ­nia e na Sí­ria mos­tram, em uma lei­tu­ra mo­der­na da fa­mo­sa fra­se de Ale­xan­dre III, que “a Rús­sia tem ape­nas dois ali­a­dos – seu exér­ci­to e sua ma­ri­nha”.

As­sim, um pa­drão ge­ral é per­cep­tí­vel na Rús­sia: uma ten­ta­ti­va fra­cas­sa­da de re­for­ma é ge­ral­men­te se­gui­da por um pe­río­do de re­a­ção que vê o re­nas­ci­men­to de um for­te sen­ti­men­to an­ti­o­ci­den­tal. O fra­cas­so da Pe­res­troi­ka na dé­ca­da de 1980 e da de­mo­cra­ti­za­ção na dé­ca­da de 1990 fi­ze­ram o an­ti­o­ci­den­ta­lis­mo de Pu­tin pa­re­cer qua­se ine­vi­tá­vel. A ques­tão é: quan­to tem­po es­se pe­río­do de re­a­ção irá du­rar até que um no­vo ci­clo de re­for­mas re­co­me­ce?

O de­se­jo de re­co­nhe­ci­men­to oci­den­tal tem si­do a prin­ci­pal for­ça mo­triz por trás da po­lí­ti­ca ex­ter­na rus­sa por sé­cu­los ALE­XAN­DER TITOV

Não es­ta­mos di­an­te de uma no­va uma Guer­ra Fria. O con­fli­to ide­o­ló­gi­co en­tre di­rei­tos hu­ma­nos ver­sus va­lo­res so­ci­ais tra­di­ci­o­nais, es­tá em se­gun­do pla­no ago­ra. Na ver­da­de, qua­se in­sig­ni­fi­can­te. Es­sa é a gran­de po­lí­ti­ca do po­der, mais pa­re­ci­da com a se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo 19 do que o sé­cu­lo 20. É de­fi­ni­ti­va­men­te so­bre a Rús­sia, não ape­nas Pu­tin; a mai­o­ria dos ou­tros es­ta­dis­tas rus­sos se­gui­ri­am uma li­nha se­me­lhan­te. É cla­ro que a sua má­qui­na de pro­pa­gan­da tem um pa­pel im­por­tan­te, mas a mai­o­ria dos rus­sos, es­pe­ci­al­men­te nas eli­tes, con­cor­da com o que ele es­tá fa­zen­do.

As raí­zes do atu­al con­fli­to es­tão nos anos após a que­da da União So­vié­ti­ca, quan­do es­ta­dis­tas in­ter­na­ci­o­nais pre­ci­sa­ram de­ci­dir a for­ma de ga­ran­tir a paz e a se­gu­ran­ça da Eu­ro­pa co­mo um to­do. Os rus­sos que­ri­am uma no­va or­ga­ni­za­ção – o que se tor­nou a Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Se­gu­ran­ça e Co­o­pe­ra­ção na Eu­ro­pa (OSCE) – pa­ra as­su­mir no lu­gar da Otan co­mo a prin­ci­pal ins­ti­tui­ção es­tru­tu­ral. No en­tan­to, o oci­den­te não es­ta­va in­te­res­sa­do. Os es­ta­dis­tas oci­den­tais, li­de­ra­dos pe­los EUA, de­ci­di­ram que a Otan lhes ti­nha ser­vi­do bem – na ver­da­de, na opi­nião da mai­o­ria, a Otan ti­nha “ga­nha­do” a Guer­ra Fria – e, por­tan­to, de­ve­ria for­ne­cer a es­tru­tu­ra pa­ra a se­gu­ran­ça do fu­tu­ro da Eu­ro­pa.

A Rús­sia es­ta­va fra­ca na dé­ca­da de 1990 e sen­tiu-se obri­ga­da a con­cor­dar, mas fi­ca­ram res­sen­ti­men­tos. Quan­do se sen­ti­ram mais for­tes, de­ci­di­ram que não iri­am mais to­le­rar pas­si­va­men­te, es­pe­ci­al­men­te de­pois que a Otan vi­o­la­ra um acor­do tá­ci­to da dé­ca­da de 1990 ao ex­pan­dir sua in­fluên­cia pa­ra o les­te a par­tir da reu­ni­fi­ca­ção da Ale­ma­nha e ab­sor­ver a mai­o­ria dos paí­ses do Pac­to de Var­só­via, até mes­mo par­te da an­ti­ga União So­vié­ti­ca: os Es­ta­dos bál­ti­cos. Um con­se­lho OtanRús­sia foi cri­a­do pa­ra mi­ti­gar es­ses sen­ti­men­tos e in­cluir a Rús­sia nas ne­go­ci­a­ções da Otan em uma ex­ten­são li­mi­ta­da, mas não ob­te­ve su­ces­so.

Es­se é o pa­no de fun­do das cri­ses ucra­ni­a­na e sí­ria. A UE e a Otan agi­ram im­pru­den­te­men­te ao ten­ta­rem uma ex­pan­são pa­ra a Ucrâ­nia sem fa­zer qual­quer es­for­ço pa­ra che­gar a um acor­do com a Rús­sia. A de­cla­ra­ção da Otan em 2008 de que ti­nha a in­ten­ção de acei­tar a Ucrâ­nia e a Geór­gia co­mo mem­bros foi es­pe­ci­al­men­te pre­ci­pi­ta­da, e já pro­vo­cou du­as gran­des cri­ses in­ter­na­ci­o­nais. De­ve­ria ter si­do ób­vio pa­ra os es­ta­dis­tas oci­den­tais que a Ucrâ­nia é a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na da Rús­sia, por vá­ri­as ra­zões di­fe­ren­tes. E que a Rús­sia não per­mi­ti­ria que ela sim­ples­men­te se tor­nas­se par­te do oci­den­te sem lu­tar.

Não quero su­ge­rir que a Rús­sia não te­nha ne­nhu­ma cul­pa. Lon­ge dis­so: a ane­xa­ção da Cri­meia foi uma vi­o­la­ção des­ca­ra­da das leis in­ter­na­ci­o­nais e de acor­dos de se­gu­ran­ça. O Oci­den­te es­ta­va cer­to em re­a­gir ca­te­go­ri­ca­men­te. Além dis­so, o re­gi­me da Rús­sia não é um bom mo­de­lo pa­ra a Ucrâ­nia. Mas a cri­se não é ape­nas uma cri­a­ção da Rús­sia. Nós con­tri­buí­mos pa­ra ela.

Na Sí­ria, até on­de posso ver, a Rús­sia tam­bém es­tá ten­tan­do res­ta­be­le­cer-se co­mo uma gran­de po­tên­cia, ca­paz de de­fen­der os seus in­te­res­ses fo­ra do pe­rí­me­tro ime­di­a­to da an­ti­ga União So­vié­ti­ca. Assad é de­pen­den­te dos rus­sos e lhes ofe­re­ce uma ba­se de ope­ra­ções no Me­di­ter­râ­neo. A Rús­sia tam­bém pre­ten­de mos­trar que po­de in­ter­vir de for­ma efi­caz co­mo um pa­ci­fi­ca­dor on­de os EUA fa­lha­ram. Se ela po­de re­al­men­te con­se­guir is­so, es­ta­mos lon­ge de sa­ber.

Pu­tin não es­tá so­zi­nho. A mai­o­ria dos rus­sos, es­pe­ci­al­men­te nas eli­tes, con­cor­da com o que ele es­tá fa­zen­do GEOFFREY HOSKING

Dr Ale­xan­der Titov é con­fe­ren­cis­ta em His­tó­ria Eu­ro­peia Mo­der­na na Qu­e­en’s Uni­ver­sity Bel­fast e tra­ba­lha em uma no­va bi­o­gra­fia de Ni­ki­ta Kh­rush­chev

Uma equi­pe de apoio mi­li­tar rus­so ins­ta­la uma bom­ba gui­a­da por sa­té­li­te em um ca­ça­bom­bar­dei­ro SU-34 na ba­se aé­rea sí­ria de Hmei­mim. A Sí­ria foi um dos ali­a­dos do Ori­en­te Mé­dio mais pró­xi­mos da União So­vié­ti­ca du­ran­te a mai­or par­te da Guer­ra Fria

O pre­si­den­te egíp­cio Nas­ser (di­rei­ta) e o pre­mi­er so­vié­ti­co Kh­rush­chev ce­le­bram a re­la­ção cor­di­al de su­as na­ções, em maio de 1964

Geoffrey Hosking é pro­fes­sor emé­ri­to de his­tó­ria rus­sa na Uni­ver­sity Col­le­ge Lon­don

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.