DI­RE­TO DO PAS­SA­DO

O CA­FÉ

BBC History Brasil - - História agora / fatos a fundo -

En­ten­da co­mo a plan­ta na­ti­va do nor­des­te da Etió­pia se es­pa­lhou pe­lo mun­do após se tor­nar in­gre­di­en­te de uma das be­bi­das mais con­su­mi­das pe­lo ho­mem mo­der­no

Co­mo o ca­fé se tor­nou in­gre­di­en­te pa­ra a be­bi­da que tan­to apre­ci­a­mos?

Atri­bui-se a des­co­ber­ta do ca­fé a um pas­tor etío­pe cha­ma­do Kal­di, que te­ria ob­ser­va­do o es­ta­do de eu­fo­ria de su­as ca­bras após in­ge­ri­rem fo­lhas e grãos da plan­ta. A par­tir daí, os se­res hu­ma­nos pas­sa­ram a con­su­mir os fru­tos ver­me­lhos do ca­fe­ei­ro, plan­ta mui­to co­mum da re­gião cha­ma­da Ka­fa, daí o no­me. Não se sa­be exa­ta­men­te quan­do is­so te­ria acon­te­ci­do, mas es­sa his­tó­ria es­tá re­gis­tra­da em ma­nus­cri­tos do sé­cu­lo 6, en­con­tra­dos no Iê­men, de on­de a cul­tu­ra do ca­fé foi in­tro­du­zi­da no mun­do ára­be.

No iní­cio, con­su­mia-se o fru­to in na­tu­ra, de­pois co­me­çou a ser ma­ce­ra­do e mis­tu­ra­do com ba­nha ani­mal. Já por vol­ta do ano 1000, os ára­bes pre­pa­ra­vam uma in­fu­são com o ca­fé, fer­ven­do os grãos com água, mas ain­da sem tor­rá-los. Is­so acon­te­ce­ria ape­nas no sé­cu­lo 14, quan­do co­me­çou a ad­qui­rir ca­rac­te­rís­ti­cas pró­xi­mas às atu­ais.

Co­mo a be­bi­da se es­pa­lhou pe­lo mun­do?

No sé­cu­lo 15, o ca­fé já es­ta­va di­fun­di­do e in­se­ri­do no co­ti­di­a­no do mun­do ára­be, tal­vez co­mo uma al­ter­na­ti­va ao ál­co­ol, cu­jo con­su­mo é proi­bi­do aos mu­çul­ma­nos. O mais acei­to é que a be­bi­da te­nha si­do in­tro­du­zi­da no Ve­lho Con­ti­nen­te por co­mer­ci­an­tes ve­ne­zi­a­nos no iní­cio do sé­cu­lo 17 e a par­tir de lá se es­pa­lhou por to­da a Eu­ro­pa e de­pois pe­las Amé­ri­cas e a Oce­a­nia, com­ple­tan­do sua con­quis­ta do mun­do.

E as ca­fe­te­ri­as, co­mo sur­gi­ram?

O pri­mei­ro ca­fé que se tem no­tí­cia no mun­do é o Ki­va Han, cons­truí­do em Cons­tan­ti­no­pla, em 1475. Em me­a­dos do sé­cu­lo 15, ci­da­des co­mo Cai­ro e Me­ca pos­suíam inú­me­ras ka­veh ka­nes, ca­sas on­de os pe­re­gri­nos se reu­ni­am pa­ra con­ver­sar, ou­vir mú­si­ca e apre­ci­ar o ca­fé. Por vol­ta do fi­nal do sé­cu­lo 17, as prin­ci­pais ci­da­des eu­ro­pei­as pos­suíam seus ca­fés. Ape­nas Lon­dres abri­ga­va cer­ca de 700 ca­fe­te­ri­as no iní­cio do sé­cu­lo 18.

Es­sas ca­sas lo­go se trans­for­ma­ri­am em cen­tros de de­ba­tes e dis­cus­sões li­te­rá­ri­as, fi­lo­só­fi­cas e po­lí­ti­cas. Não por aca­so, eram vis­tas co­mo re­du­tos de cons­pi­ra­do­res. Em 12 de ju­lho de 1789, Ca­mil­le Des­mou­lins, uma das fi­gu­ras cen­trais da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, su­biu em uma me­sa do Ca­fé de Foy, em Pa­ris, e pro­cla­mou um in­fla­ma­do dis­cur­so in­ci­tan­do os ci­da­dãos a pe­ga­rem em ar­mas. A Bas­ti­lha cai­ria dois di­as de­pois.

Quan­do o ca­fé che­gou ao Bra­sil?

Há re­gis­tros de que em 1663 ha­via um tí­mi­do cul­ti­vo da plan­ta no Ma­ra­nhão. A ver­são mais acei­ta, en­tre­tan­to, é de que o sar­gen­to Francisco de Me­lo Pa­lhe­ta te­nha tra­zi­do da Gui­a­na Fran­ce­sa as pri­mei­ras se­men­tes com a fi­na­li­da­de de cul­ti­var a plan­ta em es­ca­la co­mer­ci­al. A ini­ci­a­ti­va de Pa­lhe­ta es­tá do­cu­men­ta­da em car­tas ré­gi­as da­ta­das de 1734, nas quais cons­tam que o pi­o­nei­ro te­ria mais de mil pés e so­li­ci­tou ao go­ver­no cem ca­sais de es­cra­vos pa­ra to­car sua la­vou­ra. Na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo 19 o ca­fé tor­nou-se o prin­ci­pal pro­du­to de ex­por­ta­ção bra­si­lei­ro, sen­do co­nhe­ci­do co­mo “ou­ro ne­gro”.

Sem lei­te, por fa­vor: um ca­fé lon­dri­no em 1705

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.