“A vi­são im­pi­e­do­sa de Ho­me­ro ain­da é po­de­ro­sa ho­je”

Mi­cha­el Wo­od so­bre… O Con­to de Troia

BBC History Brasil - - Com a palavra -

Ao ler a ex­ce­len­te no­va tra­du­ção de Ca­ro­li­ne Ale­xan­der pa­ra a Ilía­da, en­con­trei-me pen­san­do no­va­men­te so­bre a his­tó­ria da len­da de Troia. Ela ain­da ins­pi­ra an­ti­gas per­gun­tas: co­mo o con­to sur­giu? Uma guer­ra troi­a­na re­al­men­te acon­te­ceu? E por que o con­to é tão im­por­tan­te pa­ra nós?

Des­de os pri­mór­di­os da li­te­ra­tu­ra, o hor­ror da guer­ra e a fra­gi­li­da­de dos fei­tos hu­ma­nos têm si­do in­te­res­ses bá­si­cos dos po­e­tas. Uma das pri­mei­ras e mais po­de­ro­sas tra­di­ções poé­ti­cas do mun­do – as La­men­ta­ções de Ur – já re­co­nhe­cia que “o sa­que das ci­da­des e o can­to das la­men­ta­ções” fa­zem par­te do pre­sen­te da­do pe­los deu­ses à ci­vi­li­za­ção.

Mas hou­ve uma guer­ra his­tó­ri­ca de Troia? Se exis­tiu, é pro­vá­vel que te­nha acon­te­ci­do no sé­cu­lo 13 a.C., co­mo fi­cou cla­ro pe­la re­cen­te re­es­ca­va­ção do sí­tio de Troia. Ho­je, sa­be­mos que o que foi en­con­tra­do no sé­cu­lo 19 por Hein­ri­ch Sch­li­e­mann e Wi­lhelm Dörp­feld era ape­nas a ci­da­de­la re­al; ago­ra, foi tra­ça­do um cir­cui­to in­fe­ri­or de 6km de com­pri­men­to, com por­tões e va­las de­fen­si­vas cer­can­do uma ci­da­de mais bai­xa que se pa­re­ce mui­to mais com o lu­gar cu­ja me­mó­ria foi trans­mi­ti­da e des­cri­ta por Ho­me­ro.

Adi­ci­o­ne a is­so as re­cen­tes re­a­va­li­a­ções de uma co­le­ção de car­tas di­plo­má­ti­cas dos ar­qui­vos hi­ti­tas en­tre um rei dos aqueus (o no­me de Ho­me­ro pa­ra os gre­gos) e o rei hi­ti­ta. Elas se re­fe­rem a hos­ti­li­da­des en­tre os dois na cos­ta do mar Egeu no sé­cu­lo 13 a.C., com fo­co no no­ro­es­te da Ana­tó­lia, e em uma ci­da­de que mui­to pro­va­vel­men­te era Troia.

Mas quan­to da his­tó­ria re­al da guer­ra em si é ba­se­a­do em fa­tos é ou­tra ques­tão. O nú­cleo da tra­ma – o se­ques­tro de uma rai­nha e a ex­pe­di­ção pa­ra res­ga­tá-la – é uma te­má­ti­ca an­ti­ga na po­e­sia in­do-eu­ro­peia. No en­tan­to, o se­ques­tro de mu­lhe­res fa­zia par­te da guer­ra da Ida­de do Bron­ze, e mu­lhe­res asiá­ti­cas pri­si­o­nei­ras oriun­das de mui­tos lu­ga­res ao lon­go da cos­ta do mar Egeu são lis­ta­das nos ar­qui­vos pa­la­ci­a­nos em gre­go li­ne­ar B, mis­te­ri­o­sa­men­te su­ge­rin­do o des­ti­no das mu­lhe­res de Troia nas obras poé­ti­cas e dra­má­ti­cas pos­te­ri­o­res.

As­sim, o sa­que de Troia em si po­de ter si­do um acon­te­ci- men­to re­al que ins­pi­rou os bar­dos, tal­vez por­que foi a úl­ti­ma gran­de ex­pe­di­ção dos “reis po­de­ro­sos” de Mi­ce­nas. Na Ida­de das Tre­vas gre­ga, em Tes­sá­lia, par­tes do con­to fo­ram trans­for­ma­das em po­e­mas mais ela­bo­ra­dos, fa­lan­do es­pe­ci­al­men­te do he­rói lo­cal, Aqui­les. Na Ida­de do Fer­ro, eles fo­ram trans­mi­ti­dos pa­ra as ilhas jô­ni­cas, que é on­de Ho­me­ro apa­re­ce. A ver­são de­le era tão ad­mi­ra­da que foi fi­el­men­te pas­sa­da a seus des­cen­den­tes e, lo­go de­pois de 600 a.C., re­es­cri­ta em Ate­nas.

Des­de en­tão, o con­to tem si­do cons­tan­te­men­te rein­ter­pre­ta­do e re­tra­ba­lha­do, até a epo­peia hollywo­o­di­a­na de 2004, es­tre­la­da por Brad Pitt. Mas, ape­sar de to­da a sua ma­gia em com­pu­ta­ção grá­fi­ca, o fil­me per­deu a es­sên­cia do con­to. Os ro­tei­ris­tas fi­ze­ram com que Pá­ris e He­le­na fu­gis­sem jun­tos ao pôr do sol, mas o pon­to dos gran­des mi­tos é que to­dos nós sa­be­mos co­mo eles vão aca­bar – e nos mi­tos gre­gos há pou­cos fi­nais fe­li­zes.

En­tão, o que o con­to de Troia nos diz so­bre a re­la­ção en­tre mi­to e his­tó­ria? Bem, os mi­tos por ve­zes sa­em dos con­tos de fa­das e são, en­tão, vin­cu­la­dos a even­tos re­ais co­mo for­ma de con­tar a his­tó­ria. Por ou­tro la­do, po­dem co­me­çar com uma se­men­te his­tó­ri­ca que se trans­mu­ta em con­tos de fa­das. Mas em seu âma­go, co­mo com a his­tó­ria de Troia de Ho­me­ro, é uma vi­são psi­co­lo­gi­ca­men­te re­a­lis­ta de vi­da, de amor e ódio, de cru­el­da­de e he­roís­mo.

Co­mo os re­cen­tes e trá­gi­cos acon­te­ci­men­tos no Ori­en­te Pró­xi­mo nos mos­tram, as mu­lhe­res asiá­ti­cas ain­da são ví­ti­mas da guer­ra. A que­da de uma ci­da­de co­mo Ale­po, uma das mais be­las ci­da­des an­ti­gas ain­da exis­ten­tes e que já era an­ti­ga quan­do Troia caiu, mos­tra-nos que os “sa­que­a­do­res de ci­da­des” ain­da pro­pa­gam sua mal­da­de. A des­trui­ção de ci­da­des, a ma­tan­ça de pri­si­o­nei­ros e a es­cra­vi­dão e abu­so de mu­lhe­res e cri­an­ças ain­da são fa­tos imu­tá­veis da con­di­ção hu­ma­na. No fi­nal das con­tas, é por is­so que a vi­são im­pi­e­do­sa de Ho­me­ro ain­da é tão po­de­ro­sa ho­je.

Mi­cha­el Wo­od é pro­fes­sor de his­tó­ria pú­bli­ca na Uni­ver­si­da­de de Man­ches­ter e pro­du­tor de sé­ri­es pa­ra a BBC TV.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.