A Fran­ça na gui­lho­ti­na

BBC History Brasil - - Regime do terror -

Ma­ri­sa Lin­ton re­ve­la co­mo os ar­qui­te­tos do pe­río­do san­gren­to que var­reu Pa­ris de­pois da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa se tor­na­ram ví­ti­mas

Em sua ce­la, du­ran­te mui­tas ho­ras an­tes do al­vo­re­cer, Ca­mil­le Des­mou­lins, ra­di­cal re­vo­lu­ci­o­ná­rio e de­pu­ta­do da Con­ven­ção Na­ci­o­nal, es­cre­veu uma úl­ti­ma car­ta pa­ra sua mu­lher, Lu­ci­le, na qual ele ten­ta­va com­pre­en­der o sú­bi­to ru­mo dos acon­te­ci­men­tos que o le­ve­ra pa­ra aque­le lu­gar ter­rí­vel.

Era pri­ma­ve­ra de 1794, ápi­ce do ter­ror re­vo­lu­ci­o­ná­rio, e as pri­sões es­ta­vam lo­ta­das por mi­lha­res de pes­so­as de­ti­das sob a si­nis­tra Lei de Sus­pei-

tos. Mas Des­mou­lins es­ta­va em uma ca­te­go­ria di­fe­ren­te da mai­o­ria dos pri­si­o­nei­ros – ele co­nhe­cia pes­so­al­men­te seus acu­sa­do­res, os ho­mens que ti­nham as­si­na­do a sua pri­são. Vá­ri­os de­les fo­ram seus ami­gos, en­tre eles Ma­xi­mi­li­en Ro­bes­pi­er­re, co­nhe­ci­do de Des­mou­lins des­de seus tem­pos de es­co­la. Du­ran­te cin­co anos Des­mou­lins fez par­te da van­guar­da da re­vo­lu­ção que ago­ra se vol­ta­va con­tra ele. “Mi­nha que­ri­da Lo­lot­te, eu, a quem os ho­mens que se di­zem re­pu­bli­ca­nos cha­ma­vam de ami­go, fui jo­ga­do em uma ce­la, na so­li­tá­ria, co­mo se fos­se um cons­pi­ra­dor”, es­cre­veu, sob lá­gri­mas man­chan­do o pa­pel. O go­ver­no re­vo­lu­ci­o­ná­rio te­ve su­as ra­zões pa­ra a pri­são. No in­ver­no an­te­ri­or, Des­mou­lins, um jor­na­lis­ta ta­len­to­so e im­pru­den­te, co­me­çou a es­cre­ver um no­vo jor­nal, Le Vi­eux Cor­de­li­er, em que pres­si­o­na­va o go­ver­no, já aba­la­do. Des­mou­lins não só pe­diu uma po­lí­ti­ca de cle­mên­cia pa­ra en­cer­rar o ter­ror, mas de­sa­fi­ou a au­to­ri­da­de das du­as co­mis­sões que con­du­zi­ram o go­ver­no re­vo­lu­ci­o­ná­rio – a de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e o Co­mi­tê de Se­gu­ran­ça Ge­ral. Os co­mi­tês já ha­vi­am or­ga­ni­za­do a pri­são, o jul- ga­men­to e a exe­cu­ção de um gru­po de ra­di­cais ex­tre­mos, os Cor­de­li­ers, que se no­me­a­ram por­ta-vo­zes dos mi­li­tan­tes de Pa­ris, os sans-cu­lot­tes.

Cres­ce o ter­ror

Ain­da no Le Vi­eux Cor­de­li­er, Des­mou­lins ata­cou re­pe­ti­da­men­te Hé­bert, o lí­der dos Cor­de­li­ers, que pe­dia o acir­ra­men­to da po­lí­ti­ca de ter­ror e a su­pres­são vi­o­len­ta da Igreja Católica. En­tão, os co­mi­tês, pa­ra mos­trar im­par­ci­a­li­da­de e in­to­le­rân­cia à opo­si­ção, de­ci­di­ram re­pri­mir o gru­po de Des­mou­lins tam­bém.

Foi em uma reu­nião à meia-noi­te que os dois co­mi­tês fi­ze­ram um acor­do pa­ra a pri­são de Des­mou­lins e de vá­ri­os de seus co­le­gas de­pu­ta­dos – in­cluin­do Ge­or­ges Dan­ton. Es­te, co­mo Des­mou­lins, era um mem­bro de um gru­po ra­di­cal, os Ja­co­bi­nos. Foi tam­bém o pri­mei­ro Mi­nis­tro da Jus­ti­ça e per­ten­ceu ao Co­mi­tê de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. Is­so sig­ni­fi­ca­va que ne­nhum de­pu­ta­do (nin­guém, na ver­da­de) es­ta­va a sal­vo.

A no­tí­cia de que Des­mou­lins, Dan­ton e ou­tros es­ta­vam pre­sos cau­sou um gran­de re­bu­li­ço, mas no fi­nal os de­pu­ta­dos acei­ta­ram as pri­sões – em par­te, por me­do uns dos ou­tros. Os po­lí­ti­cos ou­vi­ram co­mo o co­le­ga de Ro­bes­pi­er­re no Co­mi­tê de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, o jo­vem, bo­ni­to e alar­man­te­men­te in­ten­so

Show no tri­bu­nal

Saint-Just, fez a de­nún­cia for­mal. Ele dis­se que Dan­ton, Des­mou­lins e seus ami­gos fa­zi­am par­te de uma cons­pi­ra­ção, se­cre­ta­men­te em con­cha­vo com apa­ren­tes ini­mi­gos, os ex­tre­mis­tas Cor­de­li­ers, e jun­to a for­ças es­tran­gei­ras em guer­ra con­tra a Fran­ça, pla­ne­ja­vam der­ru­bar a Re­vo­lu­ção.

Três di­as de­pois, os acu­sa­dos en­ca­ra­ram seus jul­ga­men­tos. Dan­ton, ora­dor de prestígio, dis­cu­tiu até per­der a voz, mas sem efei­to. Um ou­tro de­cre­to foi ob­ti­do da Con­ven­ção pa­ra si­len­ci­ar os pro­tes­tos e ex­cluir os réus de seus pró­pri­os jul­ga­men­tos. Em 5 de abril, fo­ram con­de­na­dos à mor­te co­mo trai­do­res e cons­pi­ra­do­res con­tra a Re­pú­bli­ca. En­quan­to era le­va­do a ca­mi­nho da gui­lho­ti­na, Dan­ton gri­ta­va: “Den­tro de três me­ses, vo­cês vão se­guir pe­lo mes­mo ca­mi­nho!”. O epi­só­dio trá­gi­co é vis­to co­mo icô­ni­co na Re­vo­lu­ção. Dra­ma­tur­gos, ro­man­cis­tas e ci­ne­as­tas re­tra­ta­ram Dan­ton co­mo pro­ta­go­nis­ta, bem co­mo o obs­cu­ro e claus­tro­fó­bi­co mun­do de po­lí­ti- cos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os em que vi­veu. Mais de um crí­ti­co com­pa­rou a his­tó­ria de Dan­ton a um es­pe­tá­cu­lo sta­li­nis­ta, no qual o per­so­na­gem fran­cês é re­tra­ta­do co­mo um he­rói hu­ma­no e sim­pá­ti­co.

No en­tan­to, o que é me­nos com­pre­en­di­do é o fa­to de que o Ca­so Dan­ton era par­te de um pa­drão. Um sur­pre­en­den­te nú­me­ro de re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os foi ví­ti­ma do ter­ror, an­tes e de­pois de­le. Dos 749 de­pu­ta­dos da Con­ven­ção Na­ci­o­nal, 86 mor­re­ram de for­ma vi­o­len­ta. A mai­o­ria na gui­lho­ti­na, al­guns se sui­ci­da­ram e qua­se um ter­ço foi pre­so. Tra­ta-se de um fenô­me­no que cha­mo de “ter­ror po­lí­ti­co”.

A se­gun­da coi­sa que não é mui­to bem com­pre­en­di­da é que o jul­ga­men­to de Dan­ton e Des­mou­lins não foi con­du­zi­do de uma ma­nei­ra co­mum. Os re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os fi­ze­ram uso de uma lei­tu­ra rí­gi­da da lei e as de­ci­sões fo­ram rá­pi­das, sem chan­ce de ape­la­ção – na mai­o­ria dos ca­sos an­tes do Tri­bu­nal Re­vo­lu­ci­o­ná­rio ha­via pe­lo me­nos uma ten­ta­ti­va de es­ta­be­le­cer cul­pa ou ino­cên­cia. No ge­ral, qua­se me­ta­de dos acu­sa­dos não era con­si- de­ra­da cul­pa­da, e mes­mo de­pois que os pro­ces­sos em Pa­ris se in­ten­si­fi­ca­ram, em ju­nho e ju­lho, qua­se um quar­to es­ca­pou da mor­te. Mas os jul­ga­men­tos des­ses lí­de­res re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os fo­ram par­ti­cu­lar­men­te cruéis.

De vol­ta aos pri­mei­ros me­ses da re­vo­lu­ção em 1789, quan­do a Bas­ti­lha caiu, quan­do a De­cla­ra­ção ds Di­rei­tos do Ho­mem e do Ci­da­dão foi es­cri­ta, quan­do os de­pu­ta­dos da As­sem­bleia Na­ci­o­nal de­sis­ti­ram de seus pri­vi­lé­gi­os e de­cla­ra­ram os fran­ce­ses iguais pe­ran­te a lei, pes­so­as co­mo Ca­mil­le

“Até a Re­vo­lu­ção, a po­lí­ti­ca ti­nha si­do um ne­gó­cio ex­clu­si­vo do rei e de seus mi­nis­tros. En­tão, um no­vo ti­po de ho­mem en­trou em ce­na – o po­lí­ti­co pro­fis­si­o­nal”

De­mo­cra­tas ra­di­cais

Des­mou­lins re­a­gi­ram com es­pan­to, es­pe­ran­ça e en­tu­si­as­mo sem li­mi­tes. Mui­tos der­ra­ma­ram lá­gri­mas de ale­gria – em­bo­ra al­guns no­bres, que vi­am seu mun­do pri­vi­le­gi­a­do des­mo­ro­nar, cho­ras­sem de rai­va.

Até a Re­vo­lu­ção, a po­lí­ti­ca era um ne­gó­cio ex­clu­si­vo do rei e de seus mi­nis­tros. En­tão, um no­vo ti­po de ho­mem en­trou em ce­na – o po­lí­ti­co pro­fis­si­o­nal. Os de­pu­ta­dos fo­ram imer­sos em uma no­va po­lí­ti­ca, em que ten­ta­ram es­ta­be­le­cer cre­di­bi­li­da­de com a po­pu­la­ção, co­mo ho­mens de in­te­gri­da­de, não con­ta­mi­na­dos pe­la cor­rup­ção do ve­lho re­gi­me. Ro­bes­pi­er­re, Des­mou­lins e seus ami­gos fa­zi­am par­te de um gru­po de­mo­crá­ti­co ra­di­cal e igua­li­tá­rio. Ne­nhum de­les en­trou pa­ra a po­lí­ti­ca re­vo­lu­ci­o­ná­ria pre­ten­den­do se tor­nar as­sas­si­no. Em 1791, Ro­bes­pi­er­re ten­tou abo­lir a pe­na de mor­te, que con­si­de­ra­va uma pu­ni­ção de­su­ma­na. Jun­ta­ram-se pa­ra com­par­ti­lhar ide­ais. Tor­na­ram-se bem-su­ce­di­dos ho­mens den­tro do no­vo mun­do da po­lí­ti­ca re­vo­lu­ci­o­ná­ria.

Os lu­cros do jor­na­lis­mo po­lí­ti­co fi­nal­men­te ha­vi­am pro­por­ci­o­na­do a Des­mou­lins con­di­ções de pe­dir em ca- sa­men­to a ga­ro­ta que ama­va, Lu­ci­le Du­ples­sis. Lu­ci­le era uma mu­lher gra­ci­o­sa e ele­gan­te, de uma fa­mí­lia ri­ca. En­quan­to Des­mou­lins es­pe­ra­va an­si­o­sa­men­te por sua res­pos­ta, ela o sur­pre­en­deu cho­ran­do e rin­do ao mes­mo tem­po. O ca­sa­men­to acon­te­ceu em de­zem­bro de 1790 e foi as­sis­ti­do por mui­tos dos mais bri­lhan­tes jo­vens re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os, ho­mens a quem Des­mou­lins ti­nha or­gu­lho de cha­mar de ami­gos.

O fu­tu­ro pa­re­cia as­se­gu­ra­do sob uma mo­nar­quia cons­ti­tu­ci­o­nal, mas ao lon­go dos pró­xi­mos dois anos, a si­tu­a­ção se de­te­ri­o­rou. Even­tos su­ces­si­vos – a ten­ta­ti­va de fu­ga do rei; uma ca­deia de de­sas­tres mi­li­ta­res ines­pe­ra­dos e trai­ções por par­te de lí­de­res de al­to per­fil; a der­ru­ba­da da mo­nar­quia em uma ba­ta­lha cam­pal em Pa­ris – cul­mi­na­ram em uma pe­ri­go­sa de­ses­ta­bi­li­za­ção po­lí­ti­ca. Quan­do, em se­tem­bro de 1792, a Con­ven­ção es­ta­be­le­ceu uma Re­pú­bli­ca, a at­mos­fe­ra era ten­sa. A Re­pú­bli­ca pa­re­cia in­di­vi­sí­vel, mas por trás des­sa pre­ten­sa uni­da­de sur­gi­am no­vas di­vi­sões en­tre os de­pu­ta­dos.

Ini­mi­gos se­cre­tos

A no­va fac­ção, os Gi­ron­di­nos, do­mi­nou os pri­mei­ros me­ses da Con­ven­ção. Seu lí­der era Bris­sot, que se tor­nou ini­mi­go de Des­mou­lins, Ro­bes­pi­er­re e

de sua fac­ção ja­co­bi­na. Des­mou­lins es­cre­veu um pan­fle­to des­mas­ca­ran­do Bris­sot, afir­man­do que es­te era um ini­mi­go se­cre­to da Re­vo­lu­ção.

Ele foi um dos pri­mei­ros gi­ron­di­nos que propôs o fim da imu­ni­da­de dos de­pu­ta­dos, mas, iro­ni­ca­men­te, foi um dos pri­mei­ros a so­frer com a me­di­da. Em ou­tu­bro de 1793, 21 de­les, in­cluin­do Bris­sot, fo­ram con­de­na­dos à mor­te em meio a ce­nas dra­má­ti­cas. Um dos con­de­na­dos se es­fa­que­ou. Se­te dos con­vi­da­dos no ca­sa­men­to de Des­mou­lins es­ta­vam en­tre os con­de­na­dos. Na ga­le­ria pú­bli­ca, Des­mou­lins cho­rou de re­mor­so por su­as de­nún­ci­as con­tra os ex-ami­gos.

O Gi­ron­di­nos fo­ram pa­ra a gui­lho­ti­na can­tan­do a Mar­se­lhe­sa e cho­ran­do aos gri­tos de “Vi­va a Re­pú­bli­ca!”. Os car­ras­cos tra­ba­lha­ram tão ra­pi­da­men­te que as exe­cu­ções le­va­ram ape­nas 36 mi­nu­tos. Após as pri­mei­ras ca­be­ças ro­la­rem, a mul­ti­dão co­me­ça a se afas­tar, hor­ro­ri­za­da com o que es­ta­va ven­do.

A mai­or ma­tan­ça de uma fac­ção po­lí­ti­ca ocor­reu com a que­da de Ro­bes­pi­er­re, Saint-Just e os seus apoi­a­do­res. En­tre 28 e 30 de ju­lho de 1794, mais de cem pes­so­as en­con­tra­ram a mor­te na gui­lho­ti­na. En­tre elas, Re­né-Fran­çois Du­mas, que até a noi­te an­te­ri­or era o pre­si­den­te do tri­bu­nal que o con­de­na­va.

He­róis e vi­lões

Mais de 200 anos de­pois exis­te uma ten­dên­cia de lim­par ou man­char re­pu­ta­ções. Es­te é par­ti­cu­lar­men­te o ca­so de Dan­ton e Des­mou­lins – mui­tas ve­zes vis­tos co­mo he­róis – e de Ro­bes­pi­er­re e Saint-Just – es­tig­ma­ti­za­dos co­mo vi­lões. A ver­da­de é um pou­co mais com­pli­ca­da.

Mui­tos dos lí­de­res re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os fo­ram tan­to au­to­res co­mo ví­ti­mas do ter­ror. O fa­to de vá­ri­os de­les te­rem agi­do por me­do, ou pe­la con­vic­ção de que es­ta­vam de­fen­den­do a Re­pú­bli­ca, po­de aju­dar a ex­pli­car su­as es­co­lhas, mas não di­mi­nui o hor­ror do que fi­ze­ram. Pa­ra su­as mu­lhe­res, no en­tan­to, a ques­tão mo­ral é mais sim­ples. Elas não per­pe­tra­ram o ter­ror em si, mas so­fre­ram lu­to, ver­go­nha pú­bli­ca e, mui­tas ve­zes, o con­fis­co de seus bens e pro­pri­e­da­des fa­mi­li­a­res.

A úl­ti­ma car­ta man­cha­da de lá­gri­ma que Ca­mil­le Des­mou­lins es­cre­veu à sua es­po­sa ain­da re­pou­sa nos Ar­qui­vos Na­ci­o­nais Fran­ce­ses, mas Lu­ci­le nun­ca viu a cor­res­pon­dên­cia. Quan­do a car­ta foi es­cri­ta, já es­ta­va pre­sa. Ale­gou-se que ha­via ten­ta­do usar su­bor­no pa­ra pro­vo­car uma revolta na pri­são, em uma la­men­tá­vel ten­ta­ti­va de sal­var a vi­da de seu ma­ri­do. Foi con­de­na­da al­guns di­as após Ca­mil­le. No ca­mi­nho pa­ra a mor­te, es­ta­va ao la­do da viú­va de Hé­bert. Seus ma­ri­dos ha­vi­am fei­to mui­to pa­ra des­truir um ao ou­tro, mas ao pé da gui­lho­ti­na as du­as mu­lhe­res se abra­ça­ram, de­sa­fi­an­do a po­lí­ti­ca re­vo­lu­ci­o­ná­ria, de­sa­fi­an­do a mor­te.

“O Ca­so Dan­ton é com­pa­ra­do a um es­pe­tá­cu­lo, on­de Ro­bes­pi­er­re in­ter­pre­ta uma fi­gu­ra sta­li­nis­ta de san­gue frio”

Ma­ri­sa Lin­ton é pes­qui­sa­do­ra de his­tó­ria na Kings­ton Uni­ver­sity, Lon­dres

Que­da do po­der - Uma gra­vu­ra mos­tra mem­bros dos Gi­ron­di­nos na pri­são, em 1793. A fac­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria rei­vin­di­ca­va o fim da imu­ni­da­de dos de­pu­ta­dos à pe­na de mor­te, mas eles mes­mos fo­ram pa­ra a gui­lho­ti­na em mas­sa, seis me­ses de­pois

Tra­gé­dia em fa­mí­lia Ca­mil­le e Lu­ci­le Des­mou­lins – com o fi­lho, Ho­ra­ce – fo­ram pa­ra a gui­lho­ti­na com uma di­fe­ren­ça de pou­cos di­as en­tre am­bos

Me­lho­res ami­gos - De­pu­ta­dos da Con­ven­ção Na­ci­o­nal no Pa­lá­cio das Tu­lhe­ri­as, em maio de 1793. A Re­pú­bli­ca cri­a­da por eles foi di­ta co­mo “úni­ca e in­di­vi­sí­vel”

Um re­tra­to de Ma­xi­mi­li­en Ro­bes­pi­er­re, um dos ar­qui­te­tos do re­gi­me do ter­ror

Mo­men­tos fi­nais Uma ví­ti­ma do ter­ror se pre­pa­ra pa­ra co­nhe­cer a mor­te. Uma vez pre­sos, lí­de­res re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os não ti­nham chan­ce de es­ca­par da gui­lho­ti­na – al­guns nem ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de de­fe­sa no jul­ga­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.