… e eles tor­na­ram as coi­sas pi­o­res

BBC History Brasil - - Capa -

En­quan­to gê­ni­os e es­pí­ri­tos ilu­mi­na­dos usam seus dons pa­ra me­lho­rar o pla­ne­ta, ou­tros se es­for­çam pa­ra es­tra­gar tu­do. E con­se­guem, pa­ra nos­sa in­fe­li­ci­da­de

Eles re­pre­sen­tam o ou­tro la­do da mo­e­da. Al­guns po­dem até ter ti­do bo­as in­ten­ções, mas aca­ba­ram usan­do de mei­os equi­vo­ca­dos pa­ra atin­gir seus ob­je­ti­vos e en­tra­ram pa­ra a His­tó­ria co­mo vi­lões, res­pon­sá­veis pe­la per­da de mi­lha­res – em al­guns ca­sos, mi­lhões – de vi­das. Su­as ações tor­na­ram o mun­do um lu­gar mais pe­ri­go­so e dis­se­mi­na­ram ódio, pre­con­cei­to, in­jus­ti­ça, mi­sé­ria, vin­gan­ça e ou­tros ma­les. A lis­ta de pes­so­as que pi­o­ra­ram o mun­do é tão gran­de (tal­vez, mai­or) quan­to a dos que o me­lho­ra­ram. As tra­gé­di­as pro­vo­ca­das por es­ses lí­de­res não po­dem ser apa­ga­das. São lem­bran­ças de que ne­nhum fim, por mais no­bre que se pre­ten­da, ja­mais jus­ti­fi­ca­rá a vi­o­lên­cia co­mo meio. E a His­tó­ria, por mais do­lo­ro­sa que se­ja, não po­de ser es­con­di­da, nem dis­tor­ci­da ou “es­que­ci­da”, sob o ris­co de que os er­ros que tor­na­ram pos­sí­veis as atro­ci­da­des co­man­da­das por tais pes­so­as se­jam re­pe­ti­dos.

Mao Tse Tung

Nas­ci­do em 26 de de­zem­bro de 1893, des­de mui­to jo­vem Mao Tse Tung ini­ci­ou sua mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca. Em 1911 jun­tou-se ao Ku­o­mi­tang, o Par­ti­do Na­ci­o­na­lis­ta Chi­nês e, dez anos de­pois, in­gres­sou no Par­ti­do Co­mu­nis­ta (PCC). Mas não se­ria pe­la via po­lí­ti­ca que al­can­ça­ria o po­der. Obs­ti­na­do, a par­tir de 1928 li­de­rou um mo­vi­men­to de guer­ri­lhas pa­ra com­ba­ter o go­ver­no do Par­ti­do Na­ci­o­na­lis­ta, que mer­gu­lha­ra o país em um ca­os po­lí­ti­co. A lu­ta de Mao e dos co­mu­nis­tas te­ria êxi­to 21 anos de­pois e cen­te­nas de mi­lha­res de cam­po­ne­ses mor­tos. Mas era ape­nas o iní­cio dos pro­ble­mas pa­ra ou­tros mi­lhões de chi­ne­ses.

Pou­cos de­pois de as­su­mir o co­man­do, em 1950, Mao tra­tou de eli­mi­nar a opo­si­ção, es­pa­lhan­do o ter­ror por to­das as pro­vín­ci­as, ao or­de­nar que su­as tro­pas exe­cu­tas­sem qual­quer sus­pei­to de ati­vi­da­de an­ti­co­mu­nis­ta. Em 1958, im­plan­tou o cha­ma­do “Gran­de Sal­to em Fren­te”, um pla­no que pre­ten­dia pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co do país mas que na prá­ti­ca cau­sou uma gran­de fo­me, tal­vez a mai­or do sé­cu­lo com 20, com nú­me­ro es­ti­ma­do de 30 mi­lhões mor­tes. Ou­tro pe­río­do som­brio foi a cha­ma­da Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral, ini­ci­a­da em 1966, com o ob­je­ti­vo de eli­mi­nar ve­lhos e no­vos há­bi­tos que não es­ti­ves­sem de acor­do com as idei­as de co­mu­nis­mo do lí­der. O nú­me­ro de as­sas­si­na­tos pro­mo­vi­do pe­los fa­ná­ti­cos se­gui­do­res da dou­tri­na ma­oís­ta ain­da é in­cer­to, já que o go­ver­no chi­nês proí­be qual­quer in­ves­ti­ga­ção in­de­pen­den­te so­bre o as­sun­to. Mao Tse Tung mor­reu em 9 de se­tem­bro de 1976, dez anos de­pois, a Chi­na ini­ci­ou seu ver­da­dei­ro gran­de sal­to, pro­van­do que, de­fi­ni­ti­va­men­te, não pre­ci­sa­va do mas­sa­cre ma­oís­ta pa­ra atin­gir o atu­al sta­tus de po­tên­cia mun­di­al.

Adolf Hi­tler

Fo­ram seis anos de uma guer­ra inin­ter­rup­ta que, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, afe­tou a vi­da de to­das as na­ções. Pro­va­vel­men­te ja­mais se sa­be­rá o nú­me­ro exa­to de mor­tos nas cen­te­nas de con­fli­tos ar­ma­dos pe­lo pla­ne­ta en­tre os anos de 1939 e 1945. Há es­ti­ma­ti­vas que vão des­de 40 mi­lhões a 85 mi­lhões. Por trás des­sa tra­gé­dia há um no­me: Adolf Hi­tler. Cla­ro que ele não fez tu­do so­zi­nho e nem a guer­ra foi de­fla­gra­da de uma ho­ra pa­ra ou­tra. Hou­ve um con­tex­to his­tó­ri­co que po­de ser re­mon­ta­do ao sé­cu­lo an­te­ri­or, e o cha­ma­do Ei­xo con­ta­va com ou­tros lí­de­res tão equi­vo­ca­dos quan­to ele, mas não há dú­vi­das que Hi­tler foi o gran­de cul­pa­do pe­la 2ª Guer­ra Mun­di­al.

O di­ta­dor dei­xou um ne­fas­to le­ga­do que es­tá na raiz de inú­me­ros con­fli­tos atu­ais. A ver­da­de é que o mun­do ain­da não se re­fez to­tal­men­te dos es­tra­gos da 2ª Guer­ra e não con­se­guiu se li­vrar da du­vi­do­sa ide­o­lo­gia na­zis­ta, pro­pa­ga­da por Hi­tler e seus se­gui­do­res.

Nas­ci­do em 20 de abril de 1889, em Brau­nau, na fron­tei­ra da Áus­tria com a Ale­ma­nha, mu­dou-se pa­ra Mu­ni­que em 1907, já ór­fão de pai e mãe. Des­de a ado­les­cên­cia sim­pa­ti­zou com ide­o­lo­gi­as na­ci­o­na­lis­tas e ra­cis­tas. Lu­tou na 1ª Guer­ra Mun­di­al e após o fim do con­fli­to in­gres­sou na po­lí­ti­ca. Sua as­cen­são ao po­der, co­mo lí­der do Par­ti­do Na­zis­ta, foi len­ta, mas em 1934, após uma sé­rie de ma­no­bras nos bas­ti­do­res da com­pli­ca­da po­lí­ti­ca ale­mã, che­gou ao po­der, o qual, co­mo ele mes­mo afir­mou, só aban­do­na­ria mor­to, 11 anos de­pois, com o país des­truí­do. Sui­ci­dou­se em 30 de abril de 1945.

Josef Sta­lin

Em­bo­ra te­nha si­do fun­da­men­tal pa­ra a der­ro­ta da Ale­ma­nha de Hi­tler, Sta­lin tem em sua con­ta um nú­me­ro de mor­tos tão es­pan­to­so quan­to o do lí­der na­zis­ta. Seu go­ver­no, que du­rou de 1922 a 1953, foi mar­ca­do pe­lo ter­ror, res­pon­sá­vel pe­la mor­te de mi­lhões de pes­so­as no les­te eu­ro­peu, a mai­o­ria por mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca. Sem con­tar tor­tu­ras, de­por­ta­ções e per­se­gui­ções. No au­ge de sua po­lí­ti­ca ter­ro­ris­ta, en­tre 1936 e 1938, pro­mo­veu o cha­ma­do “Gran­de Ex­pur­go”, du­ran­te o qual or­de­nou as­sas­si­na­tos e pri­sões em mas­sa, es­ta­be­le­cen­do um cli­ma de ter­ror que atin­giu to­das as ca­ma­das da so­ci­e­da­de rus­sa. Até mes­mo ali­a­dos pró­xi­mos e fa­mi­li­a­res do lí­der fo­ram “ex­pur­ga­dos”.

Após o fim da 2ª Guer­ra, co­mo um dos ven­ce­do­res, Sta­lin viu seu po­der au­men­tar sen­si­vel­men­te e re­for­çou o cul­to à sua per­so­na­li­da­de. Por to­da a URSS, em qua­se 100% das ca­sas, ha­via um re­tra­to de­le, sem­pre co­lo­ca­do à vis­ta pa­ra evi­tar de­nún­ci­as. In­ter­na­men­te, as mor­tes e per­se­gui­ções que ha­vi­am ces­sa­do um pou­co du­ran­te a guer­ra fo­ram re­to­ma­das. Em ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, deu sua con­tri­bui­ção pa­ra es­ta­be­le­cer a cha­ma­da Guer­ra Fria, além de fo­men­tar e fi­nan­ci­ar inú­me­ros con­fli­tos. Mes­mo após o des­mo­ro­na­men­to da URSS, ocor­ri­do dé­ca­das após sua mor­te, as po­lí­ti­cas es­ta­be­le­ci­das por ele re­per­cu­tem, co­mo na re­cen­te cri­se da Cri­meia. O di­ta­dor só não fez mais ví­ti­mas por­que mor­reu de he­mor­ra­gia ce­re­bral, em 1953, aos 75 anos.

Pa­blo Es­co­bar Osa­ma Bin La­den

Um dos no­mes mais co­nhe­ci­dos do sé­cu­lo 21 e ao mes­mo tem­po uma per­so­na­li­da­de en­vol­ta em mis­té­ri­os. Sua bi­o­gra­fia é con­tro­ver­sa, uma vez que as fon­tes oci­den­tais ten­dem a de­mo­ni­zá-lo e as de ori­gem is­lâ­mi­ca a tra­tá-lo co­mo he­roi. O que nin­guém po­de ne­gar, po­rém, é que as ações do fun­da­dor da re­de ter­ro­ris­ta Al Qa­e­da, res­pon­sá­vel pe­los aten­ta­dos de 11 de se­tem­bro de 2001, mu­da­ram de­fi­ni­ti­va­men­te o mun­do con­tem­po­râ­neo. Pa­ra pi­or.

Osa­ma Bin La­den nas­ceu em 1957, em Ri­ad, ca­pi­tal da Ará­bia Sau­di­ta. Her­dei­ro de uma gran­de for­tu­na, nos anos 70 já es­ta­va en­vol­vi­do com or­ga­ni­za­ções que mi­li­ta­vam pe­la cau­sa is­lâ­mi­ca. Quan­do os so­vié­ti­cos in­va­di­ram o Afe­ga­nis­tão, usou sua for­tu­na pa­ra fi­nan­ci­ar um mo­vi­men­to de re­sis­tên­cia, o Ta­le­ban, in­clu­si­ve com apoio dos nor­te-ame­ri­ca­nos, que se tor­na­ri­am seus gran­des ini­mi­gos. Des­de en­tão, ja­mais dei­xou a lu­ta ar­ma­da e su­as po­si­ções fo­ram se tor­nan­do ca­da vez mais ra­di­cais. Em 1991, acu­sa­do de tra­mar a der­ru­ba­da da mo­nar­quia sau­di­ta, foi ex­pul­so do país. Após os fa­mo­sos aten­ta­dos de No­va York, tor­nou-se o ter­ro­ris­ta mais pro­cu­ra­do do mun­do, sen­do cap­tu­ra­do e mor­to ape­nas em 2011, no Pa­quis­tão, por for­ças nor­te-ame­ri­ca­nas. A mor­te, po­rém, não evi­tou que sua men­sa­gem de ódio, vi­o­lên­cia e in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa ins­pi­ras­se ex­tre­mis­tas a es­pa­lha­rem o ter­ror pe­lo pla­ne­ta.

As dro­gas en­tor­pe­cen­tes sem­pre es­ti­ve­ram pre­sen­tes na his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, mas nun­ca em uma es­ca­la co­mo a atu­al. Tor­na­ram-se um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca mun­di­al, que tem tam­bém sé­ri­as con­sequên­ci­as de ca­rá­ter so­ci­al. Há mui­tos fa­to­res que le­va­ram a es­sa si­tu­a­ção e a as­cen­são de Pa­blo Emi­lio Es­co­bar Ga­vi­ria na Colôm­bia é um de­les. Es­co­bar era um de­lin­quen­te co­mum da ci­da­de de Me­del­lín, na Colôm­bia, quan­do se en­vol­veu com o trá­fi­co de co­caí­na. Na dé­ca­da de 1980, co­mo che­fe do Car­tel de Me­del­lín, uma vi­o­len­ta or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa sus­ten­ta­da pe­lo di­nhei­ro do trá­fi­co, era res­pon­sá­vel pe­lo for­ne­ci­men­to de 80% da co­caí­na no mun­do. Só pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos che­gou a “ex­por­tar” 15 to­ne­la­das de co­caí­na por dia. Com is­so, tor­nou-se um bi­li­o­ná­rio e che­gou a ter um exér­ci­to pró­prio. Seus mé­to­dos pa­ra man­ter o ne­gó­cio eram par­ti­cu­lar­men­te vi­o­len­tos. Seu le­ma era “pla­ta o plo­mo” (pra­ta ou chum­bo). Es­ti­ma-se que te­nha se en­vol­vi­do em pe­lo me­nos seis mil as­sas­si­na­tos. Inú­me­ros co­me­ti­dos com as pró­pri­as mãos.

Mas o gran­de es­tra­go foi mes­mo as to­ne­la­das de co­caí­na que des­pe­jou em vá­ri­os paí­ses e que le­vou um nú­me­ro in­cal­cu­lá­vel de jo­vens à mor­te ou a se en­tre­ga­rem ao ví­cio, de­ses­tru­tu­ran­do la­res e sua pró­pri­as vi­das. “El Pa­trón”, um de seus ape­li­dos, foi mor­to por for­ças es­pe­ci­ais do exér­ci­to co­lom­bi­a­no em 2 de de­zem­bro de 1993.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.