O AMOR PE­LA HIS­TÓ­RIA NOS CE­GA?

À me­di­da que nos­sa ob­ses­são pe­lo pas­sa­do cres­ce, tam­bém au­men­ta a ten­dên­cia em mi­ti­fi­cá-lo ou dis­tor­cê-lo pa­ra jus­ti­fi­car nos­sos prin­cí­pio po­lí­ti­cos

BBC History Brasil - - Manipulando o passado - Por Da­ni­el Snow­man

Eu amo his­tó­ria des­de cri­an­ça. Cri­a­do du­ran­te a guer­ra, lem­bro de mi­nha mãe apon­tan­do os es­qua­drões de ca­ça­bom­bar­dei­ros no céu na par­te da ma­nhã e, de­pois, à noi­te, ob­ser­van­do-os re­tor­nar, mui­tas ve­zes com um ou dois va­zi­os do­lo­ro­sos em sua for­ma­ção. E não es­que­ço o ba­ru­lho – e de­pois o si­lên­cio si­nis­tro se­gui­do por uma ex­plo­são dis­tan­te

– das “bom­bas vo­a­do­ras” que ou­vía­mos jun­tos em nos­so abri­go im­pro­vi­sa­do. Meu pai, por sua vez, es­ta­va na cos­ta de Kent aba­ten­do aviões na­zis­tas. Tu­do is­so, mi­nha mãe di­zia, um dia se­ria par­te da his­tó­ria. Eu es­cu­tei as trans­mis­sões de Chur­chill ao la­do de­la, co­me­mo­rei a no­tí­cia da mor­te de Hi­tler e dan­cei ao re­dor da fo­guei­ra na rua na­que­la que apren­di a cha­mar de “Noi­te da Vi­tó­ria”. Dos meus avós e de ou­tros, eu gra­du­al­men­te apren­di so­bre a guer­ra mun­di­al an­te­ri­or, tam­bém con­tra “os ale­mães”, e co­mo nun­ca de­ve­ria ha­ver ou­tra. E mais tar­de, co­mo es­tu­dan­te, apren­di al­go so­bre tem­pos an­te­ri­o­res: de Dis­ra­e­li e Glads­to­ne até os an­ti­gos Tu­dors e Stu­arts e além, e con­ti­nu­ei até a gra­du­a­ção em His­tó­ria.

Ain­da amo His­tó­ria, e te­nho uma bol­sa de pesquisa sê­ni­or no Ins­ti­tu­te of His­to­ri­cal Re­se­ar­ch (IHR – Ins­ti­tu­to de Pesquisa His­tó­ri­ca) da Uni­ver­si­da­de de Lon­dres. Uma das coi­sas que fa­ço atu­al­men­te no IHR é pre­si­dir uma sé­rie de se­mi­ná­ri­os pú­bli­cos em que al­guns de nos­sos prin­ci­pais his­to­ri­a­do­res de­ba­tem so­bre as ma­nei­ras co­mo as pes­so­as usam – e abu­sam – o que eles en­ten­dem que te­nha acon­te­ci­do na “his­tó­ria”. Tu­do co­me­çou com o que pa­re­ce ser um pa­ra­do­xo ex­tra­or­di­ná­rio. Por um la­do, há cla­ra­men­te um enor­me mer­ca­do pa­ra o que vo­cê po­de­ria cha­mar de his­tó­ria “po­pu­lar”. No en­tan­to, ao mes­mo tem­po, mui­tas pes­so­as tam­bém pa­re­cem não ter qual­quer sen­ti­do re­al da con­ti­nui­da­de en­tre pas­sa­do e pre­sen­te: co­mo o que acon­te­ce ho­je é o pro­du­to de tu­do o que o pre­ce­deu. Nós de­ve­ría­mos nos pre­o­cu­par com is­so?

A “his­tó­ria”, em seus vá­ri­os as­pec­tos, é mais po­pu­lar ho­je em dia do que an­tes: em es­co­las e uni­ver­si­da­des, fil­mes, TV e in­ter­net, na ven­da de bi­o­gra­fi­as, no nú­me­ro de vi­si­tan­tes aos pa­trimô­ni­os his­tó­ri­cos, na his­tó­ria fa­mi­li­ar, nas so­ci­e­da­des de re­en­ce­na­ção his­tó­ri­ca e afins. Na Grã-Bre­ta­nha, mi­lhões as­sis­tem dra­mas co­mo Down­ton Ab­bey ou Wolf Hall, en­quan­to li­vros e pro­gra­mas de TV es­tão chei­os de da­tas his­tó­ri­cas (Mag­na Car­ta, Azin­court, Wa­ter­loo, a 1ª Guer­ra Mun­di­al).

Exis­tem pa­ra­le­los em ou­tros lu­ga­res tam­bém – nos EUA, por exem­plo, on­de o 150º aniversário do fim da Guer­ra Ci­vil e da mor­te de Abraham Lin­coln foi mar­ca­do por uma en­xur­ra­da de no­vos li­vros e pro­gra­mas de TV.

No en­tan­to, nós tam­bém vi­ve­mos em uma cul­tu­ra que pa­re­ce ca­re­cer de cons­ci­ên­cia his­tó­ri­ca. A im­pren­sa e os po­lí­ti­cos gos­tam de nos dei­xar alar­ma­dos, por exem­plo, ao di­vul­ga­rem pes­qui­sas que re­ve­lam que ape­nas um ado­les­cen­te bri­tâ­ni­co em seis sa­be que o du­que de Wel­ling­ton li­de­rou o exér­ci­to na ba­ta­lha de Wa­ter­loo e que ape­nas um em dez sa­be fa­lar o no­me de um pri­mei­ro-mi­nis­tro in­glês do sé­cu­lo 19. Ou que 80% dos en­tre­vis­ta­dos em uma pesquisa dos EUA não sa­bia quem era o pre­si­den­te du­ran­te a 1ª Guer­ra Mun­di­al.

Não é ape­nas uma ques­tão ig­no­rar os “fa­tos”. Mais pro­fun­da­men­te, te­mas atu­ais im­por­tan­tes sem­pre são dis­cu­ti­dos com pou­ca con­si­de­ra­ção ao con­tex­to his­tó­ri­co, co­mo acon­te­ce com a po­lí­ti­ca de mi­gra­ção, a ade­são bri­tâ­ni­ca à UE, o en­vol­vi­men­to da Rús­sia na Ucrâ­nia ou a guer­ra e a vi­o­lên­cia cons­tan­tes no Ori­en­te Mé­dio.

Quan­do as pes­so­as se vol­tam pa­ra uma ver­são da his­tó­ria, pa­ra uma per­so­na­li­da­de ou um even­to fun­da­men­tal no pas­sa­do pa­ra abor­dar pre­o­cu­pa­ções con­tem­po­râ­ne­as, cos­tu­mam ser al­ta­men­te se­le­ti­vas: in­vo­cam o pas­sa­do ape­nas pa­ra re­for­çar ati­tu­des atu­ais. Pen­se em co­mo per­so­na­li­da­des es­tran­gei­ras odi­a­das, uma após a ou­tra, fo­ram com­pa­ra­das a Hi­tler, ou ain­da co­mo de­fen­so­res de in­ter­ven­ções mi­li­ta­res no ex­te­ri­or in­vo­cam ana­lo­gi­as ques­ti­o­ná­veis com a si­tu­a­ção na Eu­ro­pa em 1939.

Por tu­do is­so, o in­te­res­se po­pu­lar no pas­sa­do ain­da é gran­de. Um exem­plo é o ape­lo ge­ne­ra­li­za­do pe­lo “pa­trimô­nio”. Na Grã-Bre­ta­nha, e em ou­tros lu­ga­res, sem­pre hou­ve aque­les com­pro­me­ti­dos com a con­ser­va­ção ou a re­no­va­ção dos res­tos va­li­o­sos do pas­sa­do. Mas nos­sa re­ve­rên­cia a um Pa­trimô­nio (as­sim mes­mo, com P maiús­cu­lo) tor­nou-se mais di­fun­di­da do que nun­ca nas úl­ti­mas dé­ca­das, tal­vez jun­to com o cres­cen­te sen­ti­men­to de que gran­de par­te do nos­so te­ci­do his­tó­ri­co cor­re o ris­co de ser per­di­do. As tra­di­ci­o­nais lo­ji­nhas de es­qui­na fo­ram subs­ti­tuí­das por ga­le­ri­as e shop­ping­cen­ters, en­quan­to aris­to­cra­tas de­ca­den­tes fo­ram for­ça­dos a de­so­cu­par su­as ca­sas de

“Quan­do as pes­so­as se vol­tam pa­ra uma ver­são da his­tó­ria ou pa­ra uma per­so­na­li­da­de do pas­sa­do ao abor­dar as pre­o­cu­pa­ções con­tem­po­râ­ne­as, cos­tu­mam ser al­ta­men­te se­le­ti­vas”

cam­po, mui­tas ve­zes dei­xan­dos pa­ra trás mo­ra­di­as em ruí­nas ou subs­ti­tuí­das por torres de con­cre­to.

Di­zem que a his­tó­ria ga­nha im­por­tân­cia em épo­cas tur­bu­len­tas. Nes­se pon­to, a pró­pria exis­tên­cia fí­si­ca do pas­sa­do es­ta­va ame­a­ça­da, pres­si­o­nan­do as au­to­ri­da­des, que co­me­ça­ram a to­mar me­di­das, co­mo a cri­a­ção de uma ins­ti­tui­ção ofi­ci­al pa­ra pre­ser­var o pa­trimô­nio pú­bli­co in­glês, em 1983. Quem po­de­ria con­tes­tar a ideia de que, en­quan­to ain­da ha­via tem­po, o pa­trimô­nio da na­ção pre­ci­sa­va ser sal­vo?

Bem, hou­ve crí­ti­cas. Al­gu­mas, sim­pá­ti­cas à ideia fun­da­men­tal de se pre­ser­var o le­ga­do do pas­sa­do, es­ta­vam pre­o­cu­pa­das com a for­ma co­mo is­so es­ta­va sen­do fei­to. O his­to­ri­a­dor Pa­trick Wright, por exem­plo, ar­gu­men­tou que nos­sa his­tó­ria cor­ria o ris­co de ser en­go­li­da por pe­cu­li­a­ri­da­des e ar­caís­mos, e que uma nar­ra­ti­va po­li­da da his­tó­ria na­ci­o­nal es­ta­va sen­do su­bor­di­na­da a fins po­lí­ti­cos. Da­vid Can­na­di­ne, por sua vez, es­ta­va pre­o­cu­pa­do com a pró­pria ideia de que um “pa­trimô­nio na­ci­o­nal” pu­des­se in­cen­ti­var o que ele ape­li­dou de “uma ver­são de car­tão-pos­tal da Grã-Bre­ta­nha”. E Ro­bert Hewi­son es­cre­veu uma po­lê­mi­ca po­de­ro­sa so­bre o que ele cha­mou de “In­dús­tria do Pa­trimô­nio”, ar­gu­men­tan­do que o pas­sa­do es­ta­va sen­do co­mer­ci­a­li­za­do e mer­can­ti­li­za­do: o ti­po de coi­sa que foi sa­gaz­men­te evo­ca­do por Alan Ben­nett em sua pe­ça Pe­o­ple, pro­du­zi­da no Teatro Na­ci­o­nal em 2012.

To­do mun­do, eu acre­di­to, con­cor­da com a im­por­tân­cia de uma na­ção man­ter vi­va a per­cep­ção de seu pró­prio pas­sa­do e de um pou­co da fi­si­ca­li­da­de des­se pas­sa­do. Ain­da as­sim, per­ma­ne­cem al­guns ques­ti­o­na­men­tos. O que exa­ta­men­te de­ve ser con­ser­va­do e des­car­ta­do? Por que es­se pré­dio e não aque­le? Não é, em cer­to sen­ti­do, fal­so pa­ra a his­tó­ria res­tau­rar um edi­fí­cio aban­do­na­do ao seu es­ta­do “ori­gi­nal”?

Pen­se em Up­park, uma mag­ní­fi­ca ca­sa de cam­po do sé­cu­lo 17 em Sus­sex, que foi de­vas­ta­da por um in­cên­dio em 1989, mas so­ber­ba­men­te res­tau­ra­da e, em 1995, re­a­ber­ta ao pú­bli­co. E quem po­de ne­gar a mag­ni­fi­cên­cia da Frau­en­kir­che de Dres­den, na Ale­ma­nha, me­ti­cu­lo­sa­men­te re­cons­truí­da exa­ta­men­te co­mo era quan­do foi des­truí­da pe­lo bom­bar­deio ali­a­do em fe­ve­rei­ro de 1945? No en­tan­to, eu fi­co ima­gi­nan­do, ca­so a Ca­te­dral de São Pau­lo ti­ves­se si­do atin­gi­da du­ran­te a guer­ra (o que qua­se acon­te­ceu), se nós er­gue­ría­mos pos­te­ri­or­men­te uma ré­pli­ca da obra-pri­ma de Wren no lo­cal ori­gi­nal; mais pro­vá­vel, eu sus­pei­to, se­ria al­go “mo­der­no” co­mo a Ca­te­dral Me­tro­po­li­ta­na de Li­ver­po­ol ou a Co­ven­try Cathe­dral de Ba­sil Spen­ce.

E po­de-se en­ten­der o ar­gu­men­to de que, no in­te­res­se da “au­ten­ti­ci­da­de”, a gran­de Tor­re de Pi­sa de­ve­ria ser co­lo­ca­da de vol­ta à sua po­si­ção per­pen­di­cu­lar ori­gi­nal – ou que a dei­xas­sem cair – em vez de fi­car per­ma­nen­te e ar­ti­fi­ci­al­men­te sus­ten­ta­da em um ân­gu­lo pa­re­ci­do com o que ela fi­cou al­gum tem­po de­pois de sua cons­tru­ção ori­gi­nal. En­tão, por que re­no­var Up­park, a Frau­en­kir­che ou a Tor­re de Pi­sa en­quan­to con­ti­nu­a­mos a eli­mi­nar fa­ve­las ou fá­bri­cas so­bre­vi­ven­tes da era in­dus­tri­al? Pa­ra seus crí­ti­cos, o “pa­trimô­nio” po­de ser um mo­vi­men­to sen­ti­men­tal e de de­fen­si­va, que ten­de a su­per­va­lo­ri­zar um pas­sa­do aris­to­crá­ti­co e cle­ri­cal, um sin­to­ma de nos­sa bus­ca an­si­o­sa por uma iden­ti­da­de na­ci­o­nal co­mum, que tal­vez pri­o­ri­ze o “be­lo” ao me­ra­men­te “his­tó­ri­co”. No en­tan­to, co­mo po­de­mos ter es­pe­ran­ça de apren­der com o pas­sa­do sem fa­zer o es­for­ço pa­ra pre­ser­var e con­ser­var seus pro­du­tos va­li­o­sos que so­bre­vi­ve­ram? Di­to is­so, a ideia de “pa­trimô­nio” con­ti­nua sen­do um te­ma ca­paz de des­per­tar pai­xões po­de­ro­sas.

“Pa­ra seus crí­ti­cos, o ‘pa­trimô­nio’ po­de ser um mo­vi­men­to sen­ti­men­tal e de de­fen­si­va, que ten­de a su­per­va­lo­ri­zar um pas­sa­do aris­to­crá­ti­co e cle­ri­cal”

A re­la­ção en­tre his­tó­ria e mi­to – ou­tro te­ma dis­cu­ti­do na sé­rie de se­mi­ná­ri­os do IHR – po­de de­sen­ca­de­ar de­ba­tes fe­ro­zes tam­bém. O que vo­cê sa­be – e co­mo e de que fon­tes – so­bre Bo­a­di­ceia e sua car­ru­a­gem car­re­ga­da de fa­cas? Ou so­bre Dra­ke ter jo­ga­do bo­cha an­tes de der­ro­tar a Ar­ma­da Es­pa­nho­la? Ou so­bre a Guer­ra de Troia, ou Jo­a­na D’Arc ter der­ro­ta­do os in­gle­ses? Ge­or­ge Washing­ton e a ce­re­jei­ra (se vo­cê for ame­ri­ca­no) ou o Gri­to do Ipi­ran­ga (se bra­si­lei­ro)? Quem fo­ram os “he­róis” e “vi­lões” da his­tó­ria?

Vá­ri­os mi­tos his­tó­ri­cos am­pla­men­te di­fun­di­dos di­zem res­pei­to às ori­gens, aos cri­a­do­res e à pos­te­ri­or con­ti­nui­da­de dos Es­ta­dos-na­ção. Co­mo uma cri­an­ça que cres­ceu em Lon­dres, eu re­pe­tia or­gu­lho­sa­men­te que “nós ga­nha­mos a guer­ra” e co­mo tí­nha­mos ti­do uma mo­nar­quia con­tí­nua e que nun­ca ha­vía­mos si­do in­va­di­dos com su­ces­so em apro­xi­ma­da­men­te mil anos. Ver­da­de? No má­xi­mo, uma meia- ver­da­de. Mas a pró­pria re­pe­ti­ção de cer­tas mi­to­lo­gi­as, co­mo as de Ho­me­ro ou Vir­gí­lio, pas­san­do pe­las pi­a­das so­bre Al­fre­do, o Gran­de ou Ma­ria An­to­ni­e­ta e à si­su­da Rai­nha Vi­tó­ria, nos lembra da res­so­nân­cia his­tó­ri­ca que tais re­la­tos po­dem ad­qui­rir.

Qual­quer his­to­ri­a­dor que se pre­ze evi­ta­ria, cla­ro, a re­pe­ti­ção de mi­tos so­bre o pas­sa­do co­mo se fos­sem “ver­da­des”. En­tão, por que ne­nhu­ma in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca pa­re­ce ser de­fi­ni­ti­va, a pa­la­vra fi­nal so­bre o as­sun­to? Exis­te mes­mo uma “re­a­li­da­de” his­tó­ri­ca?

Tal­vez to­dos nós, ape­sar dos pro­tes­tos con­trá­ri­os, ve­ja­mos o pas­sa­do atra­vés de pers­pec­ti­vas mo­ve­di­ças do pre­sen­te – com ca­da ge­ra­ção apa­ren­te­men­te for­ça­da a rein­ter­pre­tar e até mes­mo “re­mi­ti­fi­car” o pas­sa­do. Mui­tas ve­zes, os mi­tos e dis­tor­ções do pas­sa­do são es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­cos. As­sim, os ja­po­ne­ses, nos úl­ti­mos anos, es­tão re­es­cre­ven­do os li­vros es­co­la­res de his­tó­ria (es­pe­ci­al­men­te as par­tes so­bre a 2ª Guer­ra Mun­di­al), e al­go pa­re­ci­do es­tá sen­do fei­to na Ucrâ­nia e na Polô­nia, na ten­ta­ti­va de se dis­tan­ci­ar da Rús­sia. O im­pé­rio bri­tâ­ni­co aju­dou a edu­car mi­lhões em to­do o mun­do em be­ne­fí­cio da de­mo­cra­cia, ou foi prin­ci­pal­men­te uma for­ma de ex­plo­ra­ção co­mer­ci­al im­pla­cá­vel (e ra­cis­ta)?

Co­mo vo­cê jul­ga – e ro­tu­la – o as­sas­si­na­to em mas­sa de ar­mê­ni­os tur­cos um sé­cu­lo atrás? Lin­coln lu­tou a Guer­ra Ci­vil a fim de li­ber­tar os es­cra­vos ou ape­nas pa­ra evi­tar que sua na­ção caís­se aos pe­da­ços? Es­te ano mar­ca o cen­te­ná­rio da Revolta da Pás­coa, em

Du­blin, e o pró­xi­mo ano mar­ca o da Re­vo­lu­ção So­vié­ti­ca: mui­to es­pa­ço aqui, eu po­de­ria su­por, pa­ra re­es­cre­ver a his­tó­ria!

Até que pon­to a ar­te po­de nos dar per­cep­ções ge­nuí­nas so­bre o pas­sa­do? A pri­mei­ra vez que fi­quei sa­ben­do de al­go so­bre Hen­ri­que V e Ri­car­do III e ou­tras fi­gu­ras his­tó­ri­cas foi atra­vés de Sha­kes­pe­a­re. Su­as nar­ra­ti­vas so­bre os Plan­ta­ge­ne­tas cer­ta­men­te de­tur­pa­ram al­guns fa­tos, e po­de­mos di­zer o mes­mo do qua­dro de uma ba­ta­lha em um va­so gre­go, uma es­tá­tua de Luís XIV, a re­pre­sen­ta­ção fei­ta por Schil­ler (ou Ver­di) de Fi­li­pe II de Es­pa­nha ou Os Bur­gue­ses de Ca­lais de Ro­din. Mas as obras de ar­te, por mais que pos­sam mi­ti­fi­car o pas­sa­do, tal­vez aju­dem a for­ne­cer um ca­mi­nho em di­re­ção à nos­sa com­pre­en­são so­bre ele. Co­mo pro­du­tos au­tên­ti­cos de seu pró­prio tem­po e lu­gar, elas cer­ta­men­te nos di­zem al­go so­bre co­mo as pes­so­as em uma épo­ca an­te­ri­or con­si­de­ra­vam aque­les de um pe­río­do ain­da mais an­ti­go, for­ne­cen­do, as­sim, da­dos iguais a qual­quer ou­tro pa­ra os his­to­ri­a­do­res usa­rem.

No ano pas­sa­do, em meio ao ex­tra­or­di­ná­rio tu­mul­to so­bre o re­en­ter­ro de Ri­car­do III, eu as­sis­ti no­va­men­te o fil­me de 1955, di­ri­gi­do por Lau­ren­ce Olivier, da pe­ça de Sha­kes­pe­a­re. O fa­to de que o Bar­do não era ne­nhum his­to­ri­a­dor é re­co­nhe­ci­do nos tí­tu­los de aber­tu­ra, on­de uma imi­ta­ção de ma­nus­cri­to me­di­e­val in­for­ma aos es­pec­ta­do­res que, em­bo­ra a pe­ça pos­sa não ser uma obra de eru­di­ção his­tó­ri­ca, não é mui­to pi­or que is­so: “A his­tó­ria do mun­do, co­mo car­tas sem po­e­sia, flo­res sem per­fu­me, ou pen­sa­men­tos sem ima­gi­na­ção, se­ria uma ma­té­ria se­ca, de fa­to, sem su­as len­das, e mui­tas de­las, em­bo­ra des­de­nha­das cen­te­nas de ve­zes por não te­rem uma pro­va, pa­re­cem ser me­re­ce­do­ras de pre­ser­va­ção pa­ra seu pró­prio be­ne­fí­cio.”

En­tão, a his­tó­ria aca­dê­mi­ca é a “ma­té­ria se­ca” com ris­co de ser co­mo flo­res sem per­fu­me, pen­sa­men­tos sem ima­gi­na­ção, se for des­pro­vi­da de mi­tos e len­das? Va­mos tor­cer pa­ra que não. De qual­quer for­ma, eu sin­to que ho­je em dia es­pe­ra­mos que os gran­des ar­tis­tas te­nham pa­drões mais exi­gen­tes de pre­ci­são his­tó­ri­ca do que os que eram exi­gi­dos de Sha­kes­pe­a­re. Obras co­mo os ro­man­ces de Hi­lary Man­tel so­bre a di­nas­tia Tu­dor são pas­sí­veis de des

per­tar a crí­ti­ca aca­dê­mi­ca se fo­rem

con­si­de­ra­das his­to­ri­ca­men­te equi­vo­ca­das. Mas, ao mes­mo tem­po, en­quan­to al­guns ale­gam se­ri­a­men­te te­rem apren­di­do a au­tên­ti­ca his­tó­ria es­co­ce­sa com Co­ra­ção Va­len­te, de Mel Gib­son, o fil­me aca­bou sen­do ins­pi­ra­ção pa­ra al­guns na­ci­o­na­lis­tas es­co­ce­ses emer­gen­tes da mes­ma for­ma que uma ópe­ra an­ti­ga de Ver­di foi pa­ra aque­les que an­si­a­vam por um Es­ta­do ita­li­a­no.

De uma for­ma ou de ou­tra, o que cha­ma­mos li­vre­men­te de “his­tó­ria” é, com cer­te­za, in­cri­vel­men­te po­pu­lar. Mas o que is­so sig­ni­fi­ca pa­ra to­dos aque­les que de for­ma tão ví­vi­da a con­so­mem, usam e abu­sam de­la? Pa­ra al­guns, es­pe­ci­al­men­te en­tre os aman­tes mais ve­lhos de his­tó­ria, tal­vez, o pas­sa­do pos­sa for­ne­cer um ele­men­to agra­dá­vel de nos­tal­gia ou al­gum con­so­lo, en­quan­to ou­tros po­dem se ver ex­pe­ri­men­tan­do uma sen­sa­ção de or­gu­lho ou rei­vin­di­ca­ção com­par­ti­lha­da. Al­guns, sem dú­vi­da, bus­cam afir­ma­ções de iden­ti­da­de pes­so­al en­quan­to vas­cu­lham o pas­sa­do (pen­se na po­pu­la­ri­da­de das his­tó­ri­as de fa­mí­lia e nas re­fe­ren­tes a gê­ne­ro, et­nia e na­ci­o­na­li­da­de). E quem en­tre nós nun­ca gos­tou de sa­ber um pou­co mais so­bre a vi­da de um he­rói mui­to ama­do ou um vi­lão mui­to odi­a­do do pas­sa­do?

A his­tó­ria sig­ni­fi­ca mui­tas coi­sas pa­ra mui­tas pes­so­as. Mas seu fo­co mu­dou des­de que eu apren­di tu­do so­bre reis e ge­ne­rais, de uma ên­fa­se à his­tó­ria econô­mi­ca e so­ci­al, de­pois pa­ra a his­tó­ria cul­tu­ral, uma ex­plo­são de pós-mo­der­nis­mo de al­guns his­to­ri­a­do­res e, mais re­cen­te­men­te, um mui­to anun­ci­a­do “re­tor­no à nar­ra­ti­va”.

Qual no­va “vi­ra­da” his­to­ri­o­grá­fi­ca de­ve­mos an­te­ci­par pa­ra os pró­xi­mos anos? À me­di­da que a era di­gi­tal ga­nha mais es­pa­ço, co­mo as pes­so­as pro­cu­ra­rão a sua “po­si­ção” his­tó­ri­ca? Ain­da, é pro­vá­vel que mui­tos pre­fi­ram pes­qui­sar na in­ter­net ou aces­sar o BBC iP­layer do que ler li­vros ex­ten­sos. Mu­seus e cen­tros pa­tri­mo­ni­ais cres­cem en­quan­to li­vra­ri­as e edi­to­ras de­ca­em. Va­mos tor­cer pa­ra que, na­que­la que é con­si­de­ra­da uma épo­ca ca­da vez mais “gui­a­da pe­lo pre­sen­te”, o de­ba­te so­bre o pre­sen­te e o fu­tu­ro es­te­ja de­vi­da­men­te apoi­a­do em uma cons­ci­ên­cia in­for­ma­da de tu­do o que o pre­ce­deu. Pois, co­mo o gran­de his­to­ri­a­dor fran­cês Marc Blo­ch sa­bi­a­men­te dis­se há mui­tos anos: “A in­com­pre­en­são do pre­sen­te é a con­sequên­cia ine­vi­tá­vel da ig­no­rân­cia do pas­sa­do”.

Da­ni­el Snow­man é pes­qui­sa­dor sê­ni­or do Ins­ti­tu­te of His­to­ri­cal Re­se­ar­ch da Uni­ver­si­da­de de Lon­dres e au­tor de nu­me­ro­sos li­vros so­bre his­tó­ria

“Es­te ano mar­ca o cen­te­ná­rio da Revolta da Pás­coa, em Du­blin, e o pró­xi­mo ano mar­ca o da Re­vo­lu­ção So­vié­ti­ca: mui­to es­pa­ço aqui, eu po­de­ria su­por, pa­ra re­es­cre­ver a his­tó­ria!”

Es­pec­ta­do­res jo­gam ro­sas bran­cas no cai­xão de Ri­car­do III em seu ca­mi­nho pa­ra a Ca­te­dral de Lei­ces­ter pa­ra ser re­en­ter­ra­do. Por cau­sa de sua pai­xão pe­la his­tó­ria, mui­tas pes­so­as não con­se­guem en­ten­der que “o que acon­te­ce ho­je é o pro­du­to de tu­do o que o pre­ce­deu”, diz Da­ni­el Snow­man

Dra­mas co­mo Down­ton Ab­bey têm con­du­zi­do a on­da do ca­so amo­ro­so do pú­bli­co com o pas­sa­do

A Frau­en­kir­che de Dres­den, que foi re­cons­truí­da de­pois de sua des­trui­ção pe­lo bom­bar­deio ali­a­do em 1945 (no­te as pe­dras mais es­cu­ras da­ni­fi­ca­das pe­lo fo­go, que fa­zi­am par­te da igreja ori­gi­nal). É fal­so pa­ra a his­tó­ria res­tau­rar um pré­dio bom­bar­de­a­do ao seu es­ta­do “ori­gi­nal”?

Um ho­mem re­tra­ta­do no acam­pa­men­to de mi­gran­tes de Ca­lais, em 3 de no­vem­bro de 2015. “Te­mas atu­ais são fre­quen­te­men­te dis­cu­ti­dos com pou­ca con­si­de­ra­ção ao con­tex­to his­tó­ri­co: po­lí­ti­ca de mi­gra­ção, por exem­plo, ou a con­ti­nui­da­de da as­so­ci­a­ção bri­tâ­ni­ca à EU...”, diz Da­ni­el Snow­man

A ar­te his­tó­ri­ca – por exem­plo, Hen­ri­que V de Sha­kes­pe­a­re – po­de ex­pli­car co­mo nos­sos an­te­pas­sa­dos con­si­de­ra­vam seu pró­prio pas­sa­do

Tro­pas bri­tâ­ni­cas fa­zem uma bar­ri­ca­da im­pro­vi­sa­da em Du­blin, em abril de 1916. Su­ces­si­vas ge­ra­ções têm rein­ter­pre­ta­do – até mes­mo re­mi­ti­fi­ca­do – even­tos co­mo a Revolta da Pás­coa atra­vés do pris­ma do pre­sen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.