QUÃO SAN­GREN­TA ERA A VI­DA NA IDA­DE MÉ­DIA?

BBC History Brasil - - Violência medieval -

No ano de 1300, no nor­te da Fran­ça, um per­so­na­gem de­sa­gra­dá­vel cha­ma­do Jac­que­mon su­bor­nou um car­ce­rei­ro pa­ra ga­ran­tir que seu gen­ro in­de­se­ja­do ti­ves­se uma mor­te do­lo­ro­sa na pri­são. De­pois, o mes­mo Jac­que­mon, com a aju­da de seu fi­lho, ma­tou seu so­bri­nho, Co­lart Cor­de­le. O po­bre Cor­de­le aju­da­va Jac­que­mon du­ran­te a co­lhei­ta, ten­tan­do re­co­lher o tri­go atrás de­le, mas o ir­ri­tou por ter che­ga­do per­to de­mais. Jac­que­mon agar­rou seu so­bri­nho pe­lo ca­puz, ar­re­mes­sou-o bru­tal­men­te ao chão e “es­ti­mu­lou seu ca­va­lo a pas­sar vá­ri­as ve­zes” so­bre o cor­po caí­do.

Es­te epi­só­dio po­de­ria ter si­do ti­ra­do de Ga­me of Th­ro­nes – não ad-

De bri­gas de bê­ba­dos a es­tu­pros e as­sas­si­na­tos em mas­sa, a vi­o­lên­cia lan­ça uma gran­de som­bra so­bre a Ida­de Mé­dia. Ain­da as­sim, diz Han­nah Sko­da, nos­sos an­te­pas­sa­dos fi­ca­vam tão cho­ca­dos com atos de bru­ta­li­da­de co­mo fi­ca­mos ho­je

As me­di­das da vi­o­lên­cia

mi­ra a épo­ca ter se tor­na­do sinô­ni­mo de bru­ta­li­da­de. Não por aca­so, em uma ce­na bru­tal no fil­me Pulp Fic­ti­on: Tem­po de Vi­o­lên­cia, um dos per­so­na­gens ame­a­ça: “Eu vou dar uma de me­di­e­val com vo­cê”. Não há ne­ces­si­da­de de ex­pli­car o que is­so po­de­ria en­vol­ver, por­que o es­te­reó­ti­po da Ida­de Mé­dia vi­o­len­ta e sá­di­ca é bem co­nhe­ci­do.

Mas o quan­to es­se es­te­reó­ti­po cor­res­pon­de à re­a­li­da­de? Co­mo mos­tra o epi­só­dio de Jac­que­mon, há mui­tas coi­sas cho­can­tes e per­tur­ba­do­ras nos re­gis­tros do fi­nal da Ida­de Mé­dia que fo­ram pre­ser­va­dos. Por ou­tro la­do, im­pres­si­o­na tam­bém sa­ber que os con­tem­po­râ­ne­os me­di­e­vais fi­ca­vam hor­ro­ri­za­dos com tais even­tos. Só co­nhe­ce­mos o ca­so re­la­ta­do por­que hou­ve re­a­ção le­gal: não foi vis­to co­mo acei­tá­vel ou mes­mo nor­mal. Os ní­veis de vi­o­lên­cia in­ter­pes­so­al eram cer­ta­men­te mais ele­va­dos na Ida­de Mé­dia do que ho­je, mas é mui­to di­fí­cil quan­ti­fi­car is­so pre­ci­sa­men­te – ain­da mais se so­mar­mos a guer­ra e os hor­ro­res do ge­no­cí­dio na equa­ção. Em par­te, is­so acon­te­ce de­vi­do à na­tu­re­za mu­tá­vel dos pro­ces­sos le­gais, o que sig­ni­fi­ca que não es­ta­mos com­pa­ran­do si­tu­a­ções iguais. As de­fi­ni­ções de cri­me vi­o­len­to tam­bém mu­da­ram; por exem­plo, es­tu­pro e agres­sões do­més­ti­cas eram de­fi­ni­dos de uma for­ma mui­to res­tri­ti­va na Ida­de Mé­dia.

O his­to­ri­a­dor La­wren­ce Sto­ne cal­cu­lou que os ní­veis de ho­mi­cí­di­os na In­gla­ter­ra me­di­e­val eram pe­lo me­nos 10 ve­zes mai­o­res do que são ho­je. Cer­ta­men­te, não po­de­mos du­vi­dar de que era uma épo­ca pe­ri­go­sa pa­ra se vi­ver. Um ca­so ex­cep­ci­o­nal, mes­mo pa­ra os pa­drões me­di­e­vais, acon­te­ceu no sé­cu­lo 14 em Ox­ford. Os ní­veis de vi­o­lên­cia lá eram con­si­de­ra­dos ina­cei­ta­vel­men­te al­tos: em 1340, a ta­xa de ho­mi­cí­di­os era de cer­ca de 110 a ca­da 100 mil. (No Rei­no Uni­do em 2011, a mes­ma ta­xa era de um a ca­da 100 mil.)

Por que os ní­veis de vi­o­lên­cia in­ter­pes­so­al eram tão al­tos na Ida­de Mé­dia? His­to­ri­a­do­res de­ram vá­ri­as ex­pli­ca­ções. Steven Pin­ker apre­sen­tou uma te­o­ria psi­co­ló­gi­ca, ale­gan­do que a hu­ma­ni­da­de apren­deu ape­nas re­cen­te­men­te a do­mar seus im­pul­sos mais sel­va­gens, mas is­so re­al­men­te não ex­pli­ca a com­ple­xi­da­de das re­a­ções à vi­o­lên­cia no pe­río­do me­di­e­val, co­mo ve­re­mos.

Ou­tros apon­ta­ram pa­ra a pre­va­lên­cia do ál­co­ol e o fa­to de mui­tas pes­so­as an­da­rem ar­ma­das com pu­nhais e ou­tras fa­cas. Não ha­via for­ças po­li­ci­ais per­ma­nen­tes co­mo há ago­ra e, em mui­tos ca­sos, a cap­tu­ra de um cri­mi­no­so de­pen­dia da co­o­pe­ra­ção da co­mu­ni­da­de. Além dis­so, em uma épo­ca de cui­da­dos mé­di­cos ru­di­men­ta­res, mui­tos mor­ri­am de fe­ri­men­tos que atu­al­men­te po­dem ser tra­ta­dos com su­ces­so.

Exis­tem ex­pli­ca­ções mais com­ple­xas tam­bém. Co­mo a de que ha­via uma cul­tu­ra em que a hon­ra era pri­mor­di­al e a vi­o­lên­cia re­co­nhe­ci­da co­mo um meio de pas­sar cer­tas men­sa­gens. Se vo­cê cor­tas­se fo­ra o na­riz de uma mu­lher, por exem­plo, a mai­o­ria das pes­so­as re­co­nhe­ce­ria is­so co­mo um si­nal de adul­té­rio. Ha­via ain­da cul­tu­ras pro­fun­da­men­te de­si­guais, ca­rac­te­ri­za­das – es­pe­ci­al­men­te a par­tir do sé­cu­lo 14 – por al­tos ní­veis de in­qui­e­ta­ção so­ci­al. So­ció­lo­gos e his­to­ri­a­do­res têm si­do ca­pa­zes de de­mons­trar uma cor­re­la­ção en­tre os ní­veis de de­si­gual­da­de e a vi­o­lên­cia, o que é par­ti­cu­lar­men­te in­te­res­san­te pa­ra a Eu­ro­pa me­di­e­val.

Ví­ti­mas fe­mi­ni­nas

Os ho­mi­cí­di­os va­ri­a­vam de ata­ques pre­me­di­ta­dos a bri­gas em ta­ver­nas que aca­ba­vam em de­sas­tre. Mui­tas ve­zes, eram epi­só­di­os bas­tan­te co­muns que de­ram ter­ri­vel­men­te er­ra­do. Em 1304, por exem­plo, Ger­la­ch de Wets­la­ria, di­ri­gen­te de uma igreja na di­o­ce­se de Salz­burg, so­li­ci­tou per­dão por ter ma­ta­do um co­le­ga es­tu­dan­te mui­tos anos an­tes, quan­do uma lu­ta de brin­ca­dei­ra com es­pa­das ter­mi­na­ra em tra­gé­dia.

Co­me­ter um ato vi­o­len­to pa­re­ce ter si­do tan­to uma for­ma de mos­trar-se for­te di­an­te dos ou­tros e de que per­ten­cia a um gru­po, quan­to ame­dron­tar a ví­ti­ma – o que po­de­ria ex­pli­car por que ho­mens em gan­gues eram res­pon­sá­veis por gran­de par­te do ca­os. Es­se sen­ti­men­to de fra­ter­ni­da­de ca­rac­te­ri­za um ban­do li­de­ra­do por Ro­bert Staf­ford. Ele era um ca­pe­lão e, tal­vez por cau­sa de seu sta­tus cle­ri­cal, es­pi­ri­tu­o­sa­men­te se cha­ma­va de Frei Tuck, das len­das de Ro­bin Ho­od. As ações de sua gan­gue eram prin­ci­pal­men­te ca­ça ile­gal e cri­mes con­tra a pro­pri­e­da­de, em­bo­ra hou­ves­se tons mais bru­tais – apa­ren­te­men­te “eles ame­a­ça­vam os guar­da-ca­ças de mor­te ou mu­ti­la­ção”. É mui­to mais ra­ro en­con­trar mu­lhe­res co­me­ten­do cri­mes vi­o­len­tos; mais fre­quen­te­men­te elas eram as ví­ti­mas. É mui­to di­fí­cil ava­li­ar os ní­veis de es­tu­pro, por­que o cri­me es­ta­va su­jei­to a al­te­ra­ção de de­fi­ni­ções, e a mai­o­ria pa­re­ce­ria mui­to li­mi­ta­da pa­ra os nos­sos olhos mo­der­nos. As mu­lhe­res ti­nham que ser ca­pa­zes de de­mons­trar fi­si­ca­men­te a sua fal­ta de con­sen­ti­men­to, e ar­ris­ca­vam sua re­pu­ta­ção e pu­ni­ção ao fa­zê-lo. As chan­ces es­ta­vam con­tra elas.

Os ca­sos que even­tu­al­men­te eram de­nun­ci­a­dos ti­nham a ten­dên­cia a se­rem par­ti­cu­lar­men­te bru­tais. Em 1438, Tho­mas Elam ata­cou Mar­ga­ret Per­man. Ele in­va­diu a ca­sa de­la, ten­tou es­tu­prá-la e “mal­do­sa­men­te ar­ran­cou o na­riz de Mar­ga­ret com uma mor­di­da e que­brou três cos­te­las de­la”. O ca­so che­gou ao tri­bu­nal por­que ela mor­reu em conqeuên­cia dos fe­ri­men­tos. Elam foi con­de­na­do à for­ca.

De­fi­ni­ções de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca tam­bém eram ra­di­cal­men­te di­fe­ren­tes no fi­nal da Ida­de Mé­dia. A mai­o­ria das agres­sões que nós con­si­de­ra­ría­mos cri­mi­no­sas ho­je eram, na épo­ca, vis­tas co­mo atos acei­tá­veis de dis­ci­pli­na­men­to. Se uma es­po­sa de­so­be­de­ces­se ao ma­ri­do, con­si­de­ra­va­se cor­re­to e apro­pri­a­do que fos­se pu­ni­da. A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, po­rém, às ve­zes apa­re­cia nos re­gis­tros dos tri­bu­nais ecle­siás­ti­cos quan­do uma mu­lher pe­dia o di­vór­cio, ou nos re­gis­tos cri­mi­nais quan­do a vi­o­lên­cia re­sul­ta­va em mu­ti­la­ções per­ma­nen­tes, abor­to ou mor­te.

Co­mo dis­tin­guir en­tre ní­veis “acei­tá­veis” e “ina­cei­tá­veis” era um pro­ble­ma cons­tan­te. Uma so­lu­ção fa­mo­sa fre­quen­te­men­te ci­ta­da era a “re­gra de ou­ro”, na qual – afir­ma­va­se – era ad­mis­sí­vel ba­ter em sua es­po­sa con­tan­to que a va­re­ta usa­da fos­se mais fi­na do que o po­le­gar do ma­ri­do. No en­tan­to, na prá­ti­ca, as dis­cus­sões eram mais so­fis­ti­ca­das e me­nos con­clu­si­vas do que is­so.

Em 1326, em Pa­ris, Co­lin le Bar­bi­er ba­teu em sua mu­lher com um ta­co de bi­lhar com tan­ta for­ça que ela mor­reu. Ele foi jul­ga­do e con­si­de­ra­do cul­pa­do de ho­mi­cí­dio. No en­tan­to, re­cor­reu ale­gan­do que sua es­po­sa me­re­cia o so­fri­men­to por­que ha­via re­cla­ma­do acin­to­sa­men­te de­le em pú­bli­co. Afir­mou ain­da que não ti­nha a in­ten­ção de ma­tá-la: “Que­ria ape­nas as­sus­tá-la, pa­ra que fi­cas­se qui­e­ta; no en­tan­to, o ta­co aci­den­tal­men­te per­fu­rou sua co­xa um pou­co aci­ma do jo­e­lho”. A ra­zão pe­la qual ela ti­nha mor­ri­do, ele acres­cen­tou, foi “por­que ela não con­se­guiu cui­dar [da fe­ri­da] ade­qua­da­men­te” e não por­que ele a ti­nha mal­tra­ta­do. A sua pos­te­ri­or ab­sol­vi­ção nos diz mui­to so­bre as ati­tu­des na­que­le pe­río­do.

Ho­mi­cí­dio, es­tu­pro e vi­o­lên­cia do­més­ti­ca po­de­ri­am ser en­con­tra­dos em to­do o es­pec­tro so­ci­al. No en­tan­to, al­guns ti­pos de agres­são eram mais co­muns em cer­tos am­bi­en­tes. Os rou­bos vi­o­len­tos eram mais fre­quen­te­men­te per­pe­tra­do por pes­so­as nas mar­gens econô­mi­cas da so­ci­e­da­de, que rou­ba­vam por de­ses­pe­ro. Fo­ram mais co­muns du­ran­te os pe­río­dos de pi­co de al­gu­ma pri­va­ção, co­mo a Gran­de Fo­me da dé­ca­da de 1310, du­ran­te a qual 25% da po­pu­la­ção pe­re­ceu.

A In­gla­ter­ra nos sé­cu­los 14 e 15 tam­bém foi no­tó­ria pe­la pre­va­lên­cia de gan­gues as­sus­ta­do­ras que mui­tas ve-

“Os ho­mi­cí­di­os va­ri­a­vam de ata­ques pre­me­di­ta­dos a bri­gas em ta­ver­nas que aca­ba­vam em de­sas­tre. Mui­tas ve­zes, eram epi­só­di­os bas­tan­te co­muns que de­ram ter­ri­vel­men­te er­ra­do”

Uma ques­tão de hon­ra

zes in­cluíam pes­so­as de bo­as fa­mí­li­as e até mes­mo da no­bre­za. Elas sa­que­a­vam a zo­na ru­ral, rou­ban­do e dei­xan­do um ras­tro de san­gue. Em 1332, por exem­plo, a gan­gue Fol­vil­le foi acu­sa­da de se­ques­trar um fun­ci­o­ná­rio re­al; o mes­mo ban­do já ha­via ma­ta­do um ba­rão do te­sou­ro pú­bli­co. Eram jo­vens que li­te­ral­men­te jul­ga­vam es­tar aci­ma da lei, mui­tas ve­zes en­vol­vi­dos em ri­xas e vin­gan­ças, e pa­ra quem a hon­ra era um con­cei­to-cha­ve. A vi­o­lên­cia ins­ti­ga­da pe­la hon­ra era pre­va­len­te no topo da pi­râ­mi­de so­ci­al. Du­ran­te os pe­río­dos de rei­na­dos fra­cos, as agres­sões co­me­ti­das por no­bres atin­gi­am ní­veis ater­ro­ri­zan­tes. No co­me­ço do sé­cu­lo 15, na Fran­ça, com um rei (Car­los VI, “o Lou­co”) que so­fria in­ter­mi­ten­te­men­te de es­qui­zo­fre­nia pa­ra­noi­de e acre­di­ta­va ser fei­to de vi­dro, no­bres po­de­ro­sos ri­vais con­se­gui­ram as­su­mir o con­tro­le. O re­sul­ta­do dis­so foi uma es­pi­ral de vi­o­lên­cia que cul­mi­nou, em 1407, com o as­sas­si­na­to do du­que de Or­léans e, por fim, a in­va­são in­gle­sa da Fran­ça.

As coi­sas não eram mui­to mais ani­ma­do­ras pa­ra os in­gle­ses. Na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo 15, a fra­que­za do mo­nar­ca rei­nan­te, Hen­ri­que VI, e a acu­mu­la­ção de enor­mes sé­qui­tos por aris­to­cra­tas hos­tis fo­ram, pe­lo me­nos em gran­de par­te, res­pon­sá­veis pe­la Guer­ra das Ro­sas. Os li­mi­tes en­tre vi­o­lên­cia in­ter­pes­so­al, guer­ra ci­vil e guer­ra mi­li­ta­ri­za­da eram in­dis­tin­tos.

No ou­tro ex­tre­mo do es­pec­tro so­ci­al, no fi­nal da Ida­de Mé­dia, as cres­cen­tes de­si­gual­da­des es­tru­tu­rais cri­a­das pe­la rá­pi­da ur­ba­ni­za­ção, bem co­mo pe­las for­mas con­cor­ren­tes de go­ver­no, ge­ra­ram uma sé­rie de mo­tins e re­vol­tas. Se co­lo­ca­dos em um ma­pa, eles apa­re­cem con­cen­tra­dos ao lon­go do prin­ci­pal ei­xo de co­mér­cio da Eu­ro­pa me­di­e­val, de Lon­dres a Pa­ris, e na Ho­lan­da atra­vés dos mer­ca­dos da província de Cham­pa­nhe aos re­du­tos co­mer­ci­ais do nor­te da Itá­lia. Os exem­plos mais fa­mo­sos fo­ram a Revolta Cam­po­ne­sa de 1381, na In­gla­ter­ra; a Revolta dos Ci­om­pi de 1378, em Florença; e a Re­be­lião de Pa­ris e a revolta Jac­que­rie no nor­te da Fran­ça, em 1358. To­dos en­vol­ve­ram ali­an­ças com­ple­xas de re­bel­des de vá­ri­os gru­pos so­ci­ais que exi­gi­am uma mai­or re­pre­sen­ta­ção, cri­ti­ca­vam a cor­rup­ção e pro­tes­ta­vam con­tra sua mar­gi­na­li­za­ção econô­mi­ca.

Re­vol­tas nos ní­veis so­ci­ais às ve­zes eram so­bre­pos­tas por vi­o­lên­cia im­pul­si­o­na­da pe­la re­li­gião. No­to­ri­a­men­te, a Eu­ro­pa me­di­e­val foi mar­ca­da por on­das de per­se­gui­ção re­li­gi­o­sa po­pu­lar, com o an­tis­se­mi­tis­mo dan­do o ar da gra­ça com uma frequên­cia de­sa­ni­ma­do­ra.

No en­tan­to, tal­vez a di­men­são mais vi­o­len­ta da vi­da me­di­e­val era a da lei, que pos­suía seus pró­pri­os ri­tu­ais re­pul­si­vos. A pu­ni­ção ti­nha a in­ten­ção de ser es­pe­ta­cu­lar. A mai­o­ria dos cri­mes gra­ves eram pu­ní­veis por en­for­ca­men­to, mas vá­ri­as ma­nei­ras mais cri­a­ti­vas de eli­mi­nar os cri­mi­no­sos eram em­pre­ga­das. Em mui­tas áre­as da Eu­ro­pa, os cul­pa­dos de fal­si­fi­ca­ção de di­nhei­ro eram fer­vi­dos vi­vos.

Es­sa ob­ses­são em apre­sen­tar um es­pe­tá­cu­lo de vi­o­lên­cia pa­ra en­fa­ti­zar a cul­pa do acu­sa­do e dis­su­a­dir e in­ti­mi­dar os ob­ser­va­do­res le­vou a al­guns epi­só­di­os qua­se ri­dí­cu­los. Na dé­ca­da de 1290, um ido­so se lem­brou que,

quan­do era jo­vem, viu um ho­mem sen­do en­for­ca­do por as­sas­si­na­to. O cor­po foi ti­ra­do da for­ca por uma ju­ris­di­ção con­cor­ren­te e en­for­ca­do no­va­men­te – ape­nas pa­ra que a ju­ris­di­ção ori­gi­nal cons­truís­se uma efí­gie de pa­lha pa­ra en­for­car.

Re­a­ções à vi­o­lên­cia

Fi­ca­mos, en­tão, com a ima­gem de uma so­ci­e­da­de ex­tre­ma­men­te vi­o­len­ta. Em­bo­ra se­ja mui­to di­fí­cil che­gar a nú­me­ros pre­ci­sos, es­tá cla­ro que não era uma so­ci­e­da­de que al­guém de­se­ja­ria vi­si­tar por qual­quer pe­río­do de tem­po.

Exis­te, po­rém, um ou­tro la­do de tu­do is­so. As evi­dên­ci­as su­ge­rem que, ape­sar de a vi­o­lên­cia ser co­mum, as pes­so­as não es­ta­vam sim­ples­men­te ha­bi­tu­a­das a ela. Pe­lo con­trá­rio – elas re­al­men­te se in­co­mo­da­vam com is­so. Is­so não quer di­zer que a vi­o­lên­cia era sim­ples­men­te con­si­de­ra­da er­ra­da: ela era um pro­ble­ma com o qual as pes­so­as se pre­o­cu­pa­vam e con­ver­sa­vam.

O sis­te­ma de ca­va­la­ria re­pre­sen­ta­va uma ten­ta­ti­va de ca­na­li­zar a vi­o­lên­cia. O Có­di­go de Hon­ra da Ca­va­la­ria su­ge­ria que a pes­soa de­ve­ria lu­tar ape­nas com cer­tos ti­pos de ar­mas; que de­ve­ria bus­car ape­nas ad­ver­sá­ri­os dig­nos; e que de­ve­ria exer­cer mi­se­ri­cór­dia e ge­ne­ro­si­da­de. A re­a­li­da­de, po­rém, é que a ca­va­la­ria foi o pi­lar de al­guns dos epi­só­di­os mais bru­tais e san­gren­tos da his­tó­ria (par­ti­cu­lar­men­te a Guer­ra dos Cem Anos). A ques­tão é que se tra­ta­va de um con­jun­to de cos­tu­mes ge­ra­do a par­tir da pre­o­cu­pa­ção e de um sen­ti­men­to de que a vi­o­lên­cia po­de­ria se tor­nar um pro­ble­ma.

A pis­ta mais im­por­tan­te de que as pes­so­as se pre­o­cu­pa­vam com a vi­o­lên­cia é o fa­to de que es­cre­vi­am so­bre is­so. A li­te­ra­tu­ra me­di­e­val es­tá re­ple­ta de des­cri­ções de tor­tu­ra, mas lei­tu­ras mais de­ta­lha­das des­ses tex­tos mos­tram que os tor­tu­ra­do­res eram de­mo­ni­za­dos. Tal es­tra­té­gia só fun­ci­o­na­ria se as pes­so­as sen­tis­sem que a tor­tu­ra era pro­fun­da­men­te pro­ble­má­ti­ca – e elas cer­ta­men­te a con­si­de­ra­vam as­sim. No sé­cu­lo 14, na Fran­ça, os tri­bu­nais pe­nais nor­mal­men­te sub­me­ti­am as evi­dên­ci­as ob­ti­das atra­vés de tor­tu­ra a um exa­me mais mi­nu­ci­o­so por­que eram con­si­de­ra­das pou­co con­fiá­veis.

As crô­ni­cas, his­tó­ri­as ofi­ci­ais es­cri­tas na Ida­de Mé­dia, ten­dem a pro­por­ci­o­nar re­la­tos des­con­tro­la­da­men­te exa­ge­ra­dos de ní­veis de vi­o­lên­cia, par­ti­cu­lar­men­te em re­vol­tas. No­va­men­te, po­rém, o efei­to li­te­rá­rio e po­lí­ti­co de­se­ja­do só fun­ci­o­nou por­que as pes­so­as con­si­de­ra­ram tal vi­o­lên­cia per­tur­ba­do­ra. A mai­o­ria das nos­sas evi­dên­ci­as es­tá em do­cu­men­tos le­gais. Sis­te­mas ju­rí­di­cos em de­sen­vol­vi­men­to nes­se pe­río­do só se pre­o­cu­pa­ram em pro­du­zir tal do­cu­men­ta­ção de­vi­do aos al­tos ní­veis de vi­o­lên­cia, con­si­de­ra­dos ina­cei­tá­veis.

Nas re­pre­sen­ta­ções li­te­rá­ri­as da vi­o­lên­cia, co­mo as his­tó­ri­as di­ver­ti­das de Re­nard the Fox, po­pu­lar em to­da a Eu­ro­pa, a vi­o­lên­cia e a cru­el­da­de eram oni­pre­sen­tes pre­ci­sa­men­te por­que eram cho­can­tes. A his­tó­ria ter­rí­vel da ra­po­sa que es­tu­prou a es­po­sa de seu ami­go, o lo­bo, e de­pois uri­nou nos fi­lhos de­la pro­vo­ca­va ri­sos ner­vo­sos nas pla­tei­as me­di­e­vais.

Na po­e­sia da épo­ca tam­bém po­de­mos en­con­trar co­men­tá­ri­os so­bre a na­tu­re­za per­tur­ba­do­ra da vi­o­lên­cia. De acor­do com o In­fer­no de Dan­te, no sé­cu­lo 14, o in­fer­no é ca­rac­te­ri­za­do

“Ma­nei­ras cri­a­ti­vas de eli­mi­nar os cri­mi­no­sos eram em­pre­ga­das. Em mui­tas áre­as da Eu­ro­pa, os cul­pa­dos de fal­si­fi­ca­ção de di­nhei­ro eram fer­vi­dos vi­vos”

por ci­clos in­ter­mi­ná­veis de vi­o­lên­cia. E na Ba­la­da dos En­for­ca­dos, do po­e­ta fran­cês Fran­çois Vil­lon, os cor­pos em de­com­po­si­ção ba­lan­çan­do no pa­tí­bu­lo fa­lam di­re­ta­men­te:

Ir­mãos hu­ma­nos, que após mor­rer­mos vi­ve­rão

Não en­du­re­çais con­tra nós o vos­so co­ra­ção

...

O ba­tis­mo da chu­va nos la­vou e lim­pou

O ca­lor do sol nos quei­mou e se­cou

Ver­mes e cor­vos nos­sos olhos de­vo­ra­ram

Nos­sas bar­bas e so­bran­ce­lhas ar­ran­ca­ram

Nun­ca es­ti­ve­mos pa­ra­dos

Pe­lo ven­to so­mos ba­lan­ça­dos

...

Ir­mãos, não há na­da en­gra­ça­do aqui,

Que Deus nos per­doe.

É uma ima­gem im­pres­si­o­nan­te – uma re­pre­sen­ta­ção mui­to cla­ra da pre­va­lên­cia da vi­o­lên­cia na Ida­de Mé­dia e que mos­tra tam­bém que aque­la foi uma épo­ca pro­fun­da­men­te per­tur­ba­do­ra.

Han­nah Sko­da é es­pe­ci­a­lis­ta em his­tó­ria me­di­e­val na Uni­ver­si­da­de de Ox­ford

Uma ilus­tra­ção fran­ce­sa do sé­cu­lo 14 mos­tra al­guns fa­to­res que con­tri­buíam pa­ra a vi­o­lên­cia: ál­co­ol dis­po­ní­vel li­vre­men­te e pes­so­as ar­ma­das por to­dos os la­dos

Uma ilus­tra­ção do sé­cu­lo 14 de uma par­te do po­e­ma fran­cês Ro­man­ce da Ro­sa ilus­tra um “cri­me de ciú­mes vi­o­len­to”

Uma mi­ni­a­tu­ra fran­ce­sa de apro­xi­ma­da­men­te 1470 mos­tra cavaleiros em com­ba­te em um tor­neio. A hon­ra ca­va­lhei­res­ca era o pi­lar de al­guns dos epi­só­di­os mais san­gren­tos da épo­ca

San­to Elí­gio aper­ta o na­riz do di­a­bo em uma ilus­tra­ção fran­ce­sa de 1337 ti­ra­da de uma his­tó­ria da pri­mei­ra Cru­za­da. O fer­vor re­li­gi­o­so pro­vo­ca­va vi­o­lên­cia ge­ne­ra­li­za­da

Wat Ty­ler e John Ball, lí­de­res da Revolta Cam­po­ne­sa, são mos­tra­dos jun­tos em uma mi­ni­a­tu­ra do sé­cu­lo 15

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.