A bre­ve his­tó­ria de um clás­si­co

BBC History Brasil - - Guerra e paz -

A BBC TV adap­tou, re­cen­te­men­te, o ro­man­ce épi­co de Tols­tói. Ago­ra Sa­rah Huds­pith res­pon­de a al­gu­mas ques­tões que acen­dem a dis­cus­são em tor­no do li­vro e su­as co­ne­xões com a Rús­sia do sé­cu­lo 19

Por que Guer­ra e Paz é um ro­man­ce tão lon­go?

Na Rús­sia do sé­cu­lo 19 era co­mum que os ro­man­ces fos­sem pu­bli­ca­dos em for­ma de sé­rie, e Guer­ra e Paz não foi uma ex­ce­ção. Ele foi se­ri­a­do na re­vis­ta li­te­rá­ria The Rus­si­an He­rald, en­tre 1865 e 1867, an­tes que a obra com­ple­ta fos­se lan­ça­da em for­ma de li­vro em 1869. O for­ma­to com­ple­to po­de não ter ti­do tan­to im­pac­to so­bre os pri­mei­ros lei­to­res, que po­de­ri­am es­pe­rar pe­las edi­ções as­sim co­mo mui­tos fãs es­pe­ram pe­los epi­só­di­os de su­as sé­ri­es, ou pe­lo pró­xi­mo li­vro de Ga­me of Th­ro­nes. Tols­tói ti­nha gran­des idei­as pa­ra seu ro­man­ce, com o in­tui­to de com­pre­en­der os inú­me­ros fa­to­res que moldaram seu país e sua clas­se so­ci­al. Ele acre­di­ta­va que a mis­são de um ar­tis­ta era fa­zer as pes­so­as ama­rem a vi­da e seus ines­go­tá­veis fenô­me­nos. Guer­ra e Paz deu a Tols­tói o es­pa­ço pa­ra cap­tu­rar tan­tos fenô­me­nos quan­to ele po­de­ria.

Ele tam­bém era um per­fec­ci­o­nis­ta. Sua se­gu­ran­ça fi­nan­cei­ra lhe ga­ran­tiu o lu­xo de se de­bru­çar so­bre a es­cri­ta até que es­ti­ves­se sa­tis­fei­to. So­fia, sua es­po­sa so­fri­da, co­pi­ou pe­lo me­nos se­te ras­cu­nhos do ro­man­ce e, após a mor­te do ma­ri­do, to­dos os ma­nus­cri­tos que ha­via pre­ser­va­do en­che­ram 12 cai­xas de ma­dei­ra.

Por que Tosl­toi es­co­lheu am­bi­en­tar Guer­ra e Paz nas Guer­ras Na­po­leô­ni­cas?

Na re­a­li­da­de, Tols­tói pre­ten­dia, no iní­cio, es­cre­ver so­bre um pe­río­do um pou­co mais re­cen­te: o mo­vi­men­to de­zem­bris­ta. Os de­zem­bris­tas eram ho­mens da no­bre­za que li­de­ra­ram uma revolta du­ran­te um cur­to pe­río­do que se se­guiu à mor­te do czar Ale­xan­dre I, em de­zem­bro de 1825. Pa­ra com­pre­en­der o que po­de­ria mo­ver um no­bre a se jun­tar a tal mo­vi­men­to, Tols­tói se sen­tiu com­pe­li­do a vol­tar no tem­po. Olhan­do pa­ra os even­tos en­tre 1805 e

1812, ex­pe­ri­men­tou uma re­a­ção cu­ri­o­sa: “Sen­ti-me en­ver­go­nha­do por con­tar a his­tó­ria de nos­sas vi­tó­ri­as so­bre Napoleão e seus exér­ci­tos sem tam­bém men­ci­o­nar nos­sos pró­pri­os de­sas­tres, nos­sas pró­pri­as des­gra­ças”, es­cre­veu mais tar­de. A der­ro­ta de Napoleão, que in­cor­reu no tem­po­rá­rio sa­cri­fí­cio de Mos­cou, foi um im­por­tan­te mo­men­to de aflo­ra­men­to da iden­ti­da­de na­ci­o­nal rus­sa. Is­so ins­pi­rou di­ver­sas in­ter­pre­ta­ções ar­tís­ti­cas e li­te­rá­ri­as que aju­da­ram a de­fi­nir a psi­que da na­ção.

Tols­tói pre­sen­ci­ou de ma­nei­ra ati­va a Guer­ra da Cri­meia e es­ta­va in­te­res­sa­do em sa­ber o que a co­ra­gem sig­ni­fi­ca­va pa­ra pes­so­as di­fe­ren­tes, co­mo elas ex­pres­sa­vam seu amor por seus paí­ses e as im­pli­ca­ções morais da ba­ta­lha.

Quais são as prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre a épo­ca em que Tols­tói vi­veu e o pe­río­do so­bre o qual ele es­cre­veu?

Em ter­mos de co­ti­di­a­no e clas­ses edu­ca­das, não ha­via mui­tas di­fe­ren­ças. A vi­da so­ci­al de bai­les e sa­lões mos­tra­da no ro­man­ce tam­bém era tí­pi­ca na so­ci­e­da­de de Tols­tói. Os ho­mens ti­nham opor­tu­ni­da­des de car­rei­ra si­mi­la­res, e as con­di­ções pa­ra as mu­lhe­res eram as mes­mas. De qual­quer ma­nei­ra, o an­seio pe­la re­for­ma pós Ale­xan­dre I no co­me­ço do sé­cu­lo 19 ha­via si­do su­fo­ca­do pe­lo seu re­pres­si­vo su­ces­sor, Ni­co­lau I, e a der­ro­ta da Rús­sia na Guer­ra da Cri­meia ini­ci­ou um in­ten­so de­ba­te so­bre o fu­tu­ro do país.

Um di­vi­sor de águas na his­tó­ria rus­sa foi a eman­ci­pa­ção dos ser­vos pro­mo­vi­da por Ale­xan­dre II em 1861. Em­bo­ra, na prá­ti­ca, a ação te­nha fei­to pou­co pa­ra ali­vi­ar as con­di­ções de vi­da dos ser­vos, a me­di­da exi­giu uma enor­me mu­dan­ça de ati­tu­de no sen­ti­do de en­xer­gar os vas­sa­los co­mo mem­bros in­di­vi­du­ais da so­ci­e­da­de. Guer­ra e Paz mos­tra o pa­pel in­ter­pre­ta­do por pes­so­as co­muns e as li­ções que a no­bre­za po­de­ria apren­der com o po­vo.

Quais fon­tes Tols­tói con­sul­tou pa­ra es­cre­ver Guer­ra e Paz?

Os fi­lhos de fa­mí­li­as da pe­que­na no­bre­za na Rús­sia cos­tu­ma­vam se­guir car­rei­ras mi­li­ta­res ou no ser­vi­ço ci­vil. Tols­tói brin­cou com seu ir­mão ca­çu­la an­tes de se­guir o mais ve­lho pa­ra a re­gião do Cáu­ca­so e se jun­tar à ar­ti­lha­ria, que ali­ou su­as jo­vens pre­o­cu­pa­ções a jo­gos de azar e mu­lhe­res. Ele se dis­tin­guiu nas cam­pa­nhas no Cáu­ca­so, foi pro­mo­vi­do e trans­fe­ri­do pa­ra a de­fe­sa de Se­bas­to­pol, em 1854. Lá, ex­pe­ri­men­tou em pri­mei­ra mão a vi­o­lên­cia da ba­ta­lha, as con­fli­tu­o­sas emo­ções de ter­ror, a lu­xú­ria da glória, as ca­te­go­ri­as va­gas de “ami­go” e “ini­mi­go”, bem co­mo a des­co­ne­xão en­tre aque­les que es­ta­vam no co­man­do e os que iam pa­ra a li­nha de fren­te. Tu­do is­so te­ve lu­gar em Guer­ra e Paz.

Tols­tói tam­bém leu inú­me­ros do­cu­men­tos his­tó­ri­cos das Guer­ras Na­po­leô­ni­cas, fran­ce­ses e rus­sos, e vi­si­tou o cam­po de ba­ta­lha de Bo­ro­di­no, on­de a Rús­sia deu um gol­pe pe­sa­do em Napoleão em se­tem­bro de 1812. O es­cri­tor se ins­pi­rou em ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais pa­ra de­se­nhar as vi­das das fa­mí­li­as no ro­man­ce. Ten­do per­di­do seus pais ain­da mui­to no­vo, ele era fas­ci­na­do pe­los de­ta­lhes da vi­da fa­mi­li­ar e to-

mou pa­ra seu li­vros os as­pec­tos das fa­mí­li­as de pes­so­as pró­xi­mas. Par­ti­cu­lar­men­te, Ta­ti­a­na, a re­chon­chu­da ir­mã mais no­va de sua es­po­sa, foi o mo­de­lo pa­ra Na­tasha Ros­tov.

Quão his­to­ri­ca­men­te pre­ci­sa é a obra de Tols­tói?

Guer­ra e Paz é pre­ci­so em ter­mos de even­tos his­tó­ri­cos e as fi­gu­ras en­vol­vi­das ne­les. Mas, en­quan­to ver­da­dei­ro so­bre os fa­tos, Tols­tói cri­ou ele­men­tos pa­ra ser­vir a vá­ri­os pro­pó­si­tos na tra­ma. Por exem­plo, seu in­te­res­se na cam­pa­nha mi­li­tar ter­mi­na em 1812 – em­bo­ra a Rús­sia ti­ves­se o mai­or su­ces­so con­tra Napoleão na Eu­ro­pa Ori­en­tal em 1813-1814 – por­que foi a ba­ta­lha de Bo­ro­di­no, de 1812, que ge­rou a mai­or on­da de pa­tri­o­tis­mo.

Da mes­ma ma­nei­ra, Tols­tói des­con­si­de­ra lí­de­res de ori­gem es­tran­gei­ra, en­quan­to re­tra­ta Fi­eld-Marshal Ku­tu­zov co­mo um lí­der ins­tin­ti­vo, ins­pi­ra­do nas re­a­ções in­tui­ti­vas de seus ho­mens, em ba­ta­lhas que po­de­ri­am não ter si­do pla­ne­ja­das por es­tra­te­gis­tas mi­li­ta­res. Tols­tói cri­ou uma in­ter­pre­ta­ção do pe­río­do em que o es­pí­ri­to do po­vo rus­so re­pe­liu Napoleão.

Por que o ro­man­ce con­tém en­sai­os his­tó­ri­cos?

Os en­sai­os his­tó­ri­cos – nos quais Tols­tói se afas­ta da his­tó­ria fic­ci­o­nal pa­ra dis­cu­tir o sen­ti­do da his­tó­ria re­al – é o as­pec­to mais de­sa­fi­a­dor do ro­man­ce, que, por ou­tro la­do, tor­na a lei­tu­ra con­sis­ten­te e pra­ze­ro­sa. As­sim co­mo o au­tor tra­ba­lhou em ci­ma de su­as fon­tes fac­tu­ais e as con­tras­tou com o jei­to co­mo gos­ta­ria de de­mons­trar o im­pac­to da guer­ra na vi­da de qual­quer pes­soa, ele tam­bém co­me­çou a ques­ti­o­nar a pró­pria His­tó­ria co­mo dis­ci­pli­na.

Tosl­toi tam­bém per­ce­beu que é da na­tu­re­za hu­ma­na re­con­tar his­tó­ri­as de ma­nei­ra equi­vo­ca­da. Is­so se tor­na cla­ro quan­do Ni­ko­lai Ros­tov exa­ge­ra ao con­tar sua par­ti­ci­pa­ção na ba­ta­lha a seu am­bi­ci­o­so pri­mo Bo­ris. As­sim, Guer­ra e Paz se tor­nou um tra­ba­lho so­bre a es­sên­cia da His­tó­ria.

Co­mo a obra foi re­ce­bi­da na épo­ca de Tols­tói?

Os lei­to­res ti­nham um gran­de ape­ti­te por Guer­ra e Paz en­quan­to sé­rie, e não per­di­am o in­te­res­se na me­di­da em que Tols­tói sur­gia com o quin­to ou o sex­to vo­lu­me. Em 1869, a se­gun­da edi­ção do vo­lu­me im­pres­so foi lan­ça­da qua­se ime­di­a­ta­men­te após a pri­mei­ra edi­ção.

De qual­quer mo­do, as crí­ti­cas fo­ram equi­li­bra­das, prin­ci­pal­men­te por cau­sa da in­ter­pre­ta­ção de Tols­tói so­bre os even­tos his­tó­ri­cos, e tam­bém de­vi­do aos en­sai­os. Na ter­cei­ra edi­ção, os en­sai­os fo­ram pu­bli­ca­dos co­mo apên­di­ces. Na quin­ta edi­ção, edi­ta­da por So­fia, es­po­sa de Tols­tói, eles fo­ram res­tau­ra­dos às pá­gi­nas ori­gi­nais.

Qual é a im­por­tân­cia de Guer­ra e Paz com o pas­sar dos anos?

O ro­man­ce é mais que um clás­si­co da li­te­ra­tu­ra rus­sa; é um fenô­me­no que es­tá pró­xi­mo do li­mi­te das per­cep­ções dos rus­sos so­bre eles mes­mos, e ou­tras vi­sões da Rús­sia. Em­bo­ra su­as aná­li­ses de pa­tri­o­tis­mo se­jam so­fis­ti­ca­das e mul­ti­fa­ce­ta­das, is­so não pa­rou Sta­lin ao re­co­nhe­cer no li­vro um po­ten­ci­al de pro­pa­gan­da du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra.

Guer­ra e Paz tam­bém tem fei­to mais do que qual­quer ou­tro tra­ba­lho de li­te­ra­tu­ra ou ar­te no sen­ti­do de mol­dar a vi­são rus­sa so­bre as Guer­ras Na­po­leô­ni­cas. Frag­men­tos do ro­man­ce ain­da fa­zem par­te do cur­rí­cu­lo es­co­lar da Rús­sia, e ele foi es­co­lhi­do pa­ra re­pre­sen­tar a cul­tu­ra do país do sé­cu­lo 19 du­ran­te a ce­rimô­nia de aber­tu­ra dos Jo­gos Olím­pi­cos de In­ver­no em So­chi, 2014.

As re­fle­xões cau­te­lo­sas so­bre os pa­péis de “gran­des ho­mens” que de­ter­mi­na­ram o cur­so da His­tó­ria ain­da res­so­am pe­lo mun­do, ins­ti­gan­do co­men­ta­ris­tas po­lí­ti­cos a in­vo­cá-las em aná­li­ses de con­fli­tos do sé­cu­lo 21, in­cluin­do a re­cen­te ane­xa­ção da Cri­meia pe­la Rús­sia. Is­so co­lo­ca, con­sis­ten­te­men­te, Guer­ra e Paz no ran­king dos mai­o­res ro­man­ces do mun­do, um sta­tus que o li­vro re­al­men­te me­re­ce.

Sa­rah Huds­pith é pro­fes­so­ra dou­to­ra, es­pe­ci­a­lis­ta em Rús­sia, na Uni­ver­si­da­de de Le­eds

Lily Ja­mes e Ja­mes Nor­ton dão vi­da a Na­tasha Ros­tov e ao Prín­ci­pe An­drei na adap­ta­ção da BBC pa­ra o ro­man­ce

As ca­va­la­ri­as rus­sa e fran­ce­sa se en­fren­tam em Bo­ro­di­no, em 7 de se­tem­bro de 1812 (ou 26 de agos­to no ca­len­dá­rio an­ti­go), na ba­ta­lha mais san­gren­ta das Guer­ras Na­po­leô­ni­cas. Guer­ra e Paz evo­ca em de­ta­lhes o im­pac­to do con­fli­to so­bre os sol­da­dos da aris­to­cra­cia e su­as fa­mí­li­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.