CRI­MI­NO­SOS DA BLITZ

Joshua Le­vi­ne re­ve­la co­mo o bom­bar­deio ale­mão a ci­da­des bri­tâ­ni­cas na 2ª Guer­ra Mun­di­al cri­ou no­vas opor­tu­ni­da­des pa­ra a ile­ga­li­da­de

BBC History Brasil - - 2ª guerra mundial -

Wally Thomp­son era um la­drão es­for­ça­do que sem­pre pro­cu­ra­va se apro­vei­tar de qual­quer si­tu­a­ção. Du­ran­te pe­sa­do um ata­que aé­reo em 1941, ele di­ri­gia um ca­mi­nhão rou­ba­do em uma rua es­trei­ta na Lon­don Brid­ge. Mem­bro da Pre­cau­ções con­tra Ata­ques Aé­re­os (ARP), Thomp­son usa­va seu uni­for­me, o que lhe per­mi­tia an­dar por Lon­dres li­vre­men­te e sem sus­pei­tas. Ao la­do de­le no ca­mi­nhão es­ta­vam os mem­bros de sua gan­gue – Ba­tesy, Bob e “Spi­der”.

O pla­no do gru­po era in­va­dir um ar­ma­zém, pe­gar um co­fre no es­cri­tó­rio e ir em­bo­ra. En­quan­to o fo­go an­ti­aé­reo se in­ten­si­fi­ca­va e os bom­bar­dei­ros pas­sa­vam zu­nin­do, Ba­tesy des­ceu e abriu as por­tas do ar­ma­zém com uma cha­ve clo­na­da. Spi­der – um la­drão ex­pe­ri­en­te – cor­reu pa­ra a fren­te e for­çou uma ja­ne­la, an­tes de abrir por den­tro a por­ta prin­ci­pal com um pé-de-ca­bra. Em pou­cos ins­tan­tes, os qua­tro ho­mens es­ta­vam lá den­tro, em­pur­ran­do o co­fre pa­ra o ca­mi­nhão. Mas quan­do che­ga­ram à por­ta, uma bom­ba ex­plo­diu lá fo­ra. O chão foi ar­re­mes­sa­do pa­ra a fren­te, e Thomp­son ati­ra­do es­ca­da abai­xo. Os por­tões fo­ram des­truí­dos, o ca­mi­nhão fi­cou de ca­be­ça pa­ra bai­xo e um in­cên­dio co­me­çou. To­dos es­ta­vam aba­la­dos – mas ile­sos. En­gas­gan­do com a po­ei­ra, amal­di­ço­an­do sua sor­te, Thomp­son dis­se pa­ra seus ho­mens fu­gi­rem.

Spi­der ti­nha ou­tras idei­as. Avis­tan­do uma me­ni­na pre­sa em um edi­fí­cio pró­xi­mo, ele co­me­çou a es­ca­lar uma pa­re­de pa­ra che­gar até ela. Mi­nu­tos de­pois, um car­ro de bom­bei­ros che­gou, e uma es­ca­da foi co­lo­ca­da no pa­ra­pei­to, on­de Spi­der es­ta­va pen­du­ra­do com a me­ni­na nos bra­ços. Ele des­ceu e a en­tre­gou a um po­li­ci­al – que es­ta­va pro­fun­da­men­te im­pres­si­o­na­do. Ele pe­diu o no­me e o en­de­re­ço de Spi­der; ta­ma­nha co­ra­gem me­re­cia re­co­nhe­ci­men­to. No en­tan­to, Spi­der se re­cu­sou a dar seus da­dos. Fin­gin­do hu­mil­da­de, ele e seus co­le­gas de­sa­pa­re­ce­ram si­len­ci­o­sa­men­te na noi­te. Sem o co­fre.

De acor­do com Thomp­son, aque­la foi uma épo­ca de ou­ro pa­ra os cri­mi­no­sos. “Bom­bar­dei­os aé­re­os”, ele lem­brou, “fo­ram os me­lho­res ali­a­dos que os ban­di­dos de Lon­dres já ti­ve­ram”. Billy Hill, que se tor­nou co­nhe­ci­do co­mo o che­fe do sub­mun­do bri­tâ­ni­co de­pois da guer­ra, con­cor­da: “Eram di­as for­mi­dá­veis. O di­nhei­ro era fá­cil, os ban­di­dos eram chei­os da gra­na, e nós es­tá­va­mos to­dos ocu­pa­dos.”

On­da de cri­mes

A evi­dên­cia ane­dó­ti­ca é apoi­a­da por da­dos ofi­ci­ais. Em 1941, a Po­lí­cia Me­tro­po­li­ta­na fez 5.280 de­ten­ções e re­gis­trou 4.681 in­fra­ções pe­nais a mais que em 1939 – a prin­ci­pal ra­zão sen­do o au­men­to de opor­tu­ni­da­des pa­ra os cri- mi­no­sos. No en­tan­to, en­quan­to ban­di­dos de car­rei­ra ex­plo­ra­vam os apa­gões e a au­sên­cia da po­lí­cia, um gru­po mui­to mai­or se via ca­da vez mais no la­do er­ra­do da lei: os ci­da­dãos co­muns.

A Blitz du­rou de 7 de se­tem­bro de 1940 a maio de 1941 e le­vou pe­ri­go pa­ra as ci­da­des e ca­os pa­ra o país co­mo um to­do, in­du­zin­do as pes­so­as a se com­por­ta­rem de ma­nei­ra ex­tre­ma e in­co­mum. Um re­sul­ta­do dis­so foi o “es­pí­ri­to da Blitz”, a des­co­ber­ta ins­tin­ti­va de que a vi­da – e as pes­so­as – ti­nha va­lor. Mas os re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos tam­bém eram evi­den­tes – e um cri­me trá­gi­co re­ve­la mui­to so­bre aque­le pe­río­do.

No fi­nal de se­tem­bro de 1940, Ida Rodway, uma mu­lher cum­pri­do­ra da lei com seus 60 anos, e seu ma­ri­do ce­go, Jo­seph, um mo­to­ris­ta apo­sen­ta­do, fo­ram bom­bar­de­a­dos do la­do de fo­ra de sua ca­sa em Hack­ney. O ca­sal de­vo­to co­me­çou a dor­mir no chão da ca­sa da ir­mã de Ida. Mas à me­di­da que os di­as se trans­for­ma­ram em se­ma­nas, o es­ta­do men­tal de Jo­seph se de­te­ri­o­rou e o di­nhei­ro de­les co­me­çou a aca­bar. Sem as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra ou qual­quer es­pe­ran­ça pa­ra o fu­tu­ro, Ida fez o que con­si­de­ra­va ser a me­lhor coi­sa pa­ra Jo­seph. Em vez de le­var uma xí­ca­ra de chá pa­ra ele de ma­nhã, le­vou uma fa­ca e cor­tou a gar­gan­ta de­le an­tes de se en­tre­gar à po­lí­cia.

Ida Rodway foi acu­sa­da de as­sas­si­na­to e ao Tri­bu­nal Cen­tral Cri­mi­nal – on­de o mé­di­co do jul­ga­men­to in­ter­pre-

tou sua in­sis­tên­cia em di­zer que não ha­via fei­to na­da de er­ra­do co­mo evi­dên­cia de in­sa­ni­da­de. Ele po­de­ria igual­men­te ter vis­to o fa­to co­mo pro­va de prag­ma­tis­mo opri­mi­do. No en­tan­to, seu pon­to de vis­ta sal­vou Ida do car­ras­co. O jú­ri foi ins­truí­do a pro­nun­ci­ar um ve­re­dic­to de cul­pa­da, mas lou­ca, e ela foi in­ter­na­da no hos­pi­tal Bro­ad­mo­or, on­de mor­reu em abril de 1946.

O ca­so de Rodway de­mons­tra que, no iní­cio da Blitz, as au­to­ri­da­des ti­nham pou­ca com­pre­en­são de co­mo li­dar com os efei­tos do bom­bar­deio. Eles fi­ca­ram sur­pre­sos com a quan­ti­da­de re­la­ti­va­men­te pe­que­na de mor­tes em com­pa­ra­ção com o enor­me vo­lu­me de da­nos a edi­fí­ci­os. O re­sul­ta­do foi que mui­tas pes­so­as fi­ca­ram de­sa­bri­ga­das sem lu­gar pa­ra ir. Le­va­ria al­gu­mas se­ma­nas an­tes que o re­cém-no­me­a­do co­mis­sá­rio es­pe­ci­al pa­ra os de­sa­bri­ga­dos, Henry Wil­link, pu­des­se co­me­çar a or­ga­ni­zar o sis­te­ma. Ele ra­pi­da­men­te dis­po­ni­bi­li­zou ca­sas, in­tro­du­ziu um con­jun­to viá­vel de be­ne­fí­ci­os e cri­ou uma re­de de cen­tros de in­for­ma­ção. Ele tam­bém eli­mi­nou a po­bre men­ta­li­da­de da lei que fa­zia com que os re­cla­man­tes se sen­tis­sem mais co­mo men­di­gos do que co­mo ví­ti­mas de um bom­bar­deio na­zis­ta. Se­ria jus­to di­zer que Wil­link – um mem­bro con­ser­va­dor do Par­la­men­to – deu o pon­ta­pé ini­ci­al pa­ra o es­ta­do de bem-es­tar. Era tar­de de­mais, no en­tan­to, pa­ra sal­var Ida Rodway de seu des­ti­no cri­mi­no­so.

In­frin­gin­do a lei

A in­tro­du­ção de re­gras de de­fe­sa em 1939 cri­ou vá­ri­as no­vas for­mas de in­frin­gir a lei – des­de com­prar um fran­go não pe­sa­do a pin­tar um car­ro de azul-cla­ro. Ro­bert Col­vin-Graham, di­ri­gen­te da igreja Old Bo­ling­bro­ke, em Lin­colnshi­re, des­co­briu o quan­to is­so era ver­da­dei­ro no fi­nal do ve­rão de 1940, quan­do foi le­va­do di­an­te de ma­gis­tra­dos lo­cais acu­sa­do de to­car os si­nos de sua igreja – um ato que ti­nha re­cen­te­men­te se tor­na­do ile­gal, ex­ce­to co­mo um avi­so de in­va­são aé­rea. Os pro­tes­tos de Col­vin-Graham fo­ram ig­no­ra­dos pe­lo tri­bu­nal, que o con­de­nou a um mês de pri­são.

No Tri­bu­nal Po­li­ci­al de Ox­ford, en­quan­to is­so, Ce­cil Hughes foi acu­sa­do de fa­zer uma de­cla­ra­ção ca­paz de cau­sar alar­me ou de­ses­pe­ro. En­quan­to fa­zia a lei­tu­ra do me­di­dor de ener­gia elé­tri­ca de uma se­nho­ra de ida­de, ele ten­tou fa­zer uma sé­rie de pi­a­das re­la­ti­vas à ca­pa­ci­da­de dos na­zis­tas de in­va­dir a Grã-Bre­ta­nha. Ele es­co­lheu a pla­teia er­ra­da. “Foi uma for­ma es­tra­nha de um su­jei­to bri­tâ­ni­co fa­lar”, a se­nho­ra dis­se aos ma­gis­tra­dos, que con­si­de­ra­ram Hughes cul­pa­do (de­pois de um lon­go in­ter­va­lo) e o mul­ta­ram em cin­co li­bras.

Ha­via mui­tas for­mas no­vas de uma pes­soa co­mum se tor­nar fo­ra da lei. Em­bo­ra al­guns dos res­pon­sá­veis por sa­ques de­pois de ata­ques aé­re­os fos­sem cri­mi­no­sos co­nhe­ci­dos, a mai­o­ria era de opor­tu­nis­tas re­a­gin­do ao mo­men­to. De fa­to, en­tre se­tem­bro de 1940 e maio de 1941, ina­cre­di­tá­veis 48% dos sa­que­a­do­res pre­sos após ata­ques aé­re­os eram cri­an­ças. Em­bo­ra sa­que­ar fos­se pu­ní­vel com a mor­te pe­lo Re­gu­la­men­to 38A, es­se era um cri­me que qua­se sem­pre não da­va em na­da. O che­fe de uma equi­pe de res­ga­te pe­sa­do, por exem­plo, foi pre­so por pe­gar uma gar­ra­fa qua­se va­zia de gim das ruí­nas de um bar e en­tre­gá-la a seus ho­mens can­sa­dos, en­quan­to um pen­si­o­nis­ta ido­so re­ce­beu seis me­ses de pri­são por pe­gar um pou­co de cor­da e um jar­ro ve­lho de uma ca­sa em ruí­nas.

O mer­ca­do ne­gro tam­bém foi res­pon­sá­vel pe­la cri­mi­na­li­za­ção de pes­so­as co­muns. “To­do mun­do ti­nha su­as ar­ti­ma­nhas, era a úni­ca ma­nei­ra de so­bre­vi­ver”, lem­brou Fran­cis God­dard, um bom­bei­ro de Tot­te­nham. A es­po­sa de God­dard tra­ba­lha­va em um res­tau­ran­te, on­de ti­nha aces­so a car­nes, sal­mão e ou­tras igua­ri­as. No fi­nal de uma noi­te di­fí­cil, ela em­bru­lhou al­guns itens em pa­pel de se­da e os le­vou pa­ra ca­sa es­con­di­dos em sua cal­ci­nha. “Eu es­pe­ro que vo­cê não te­nha tra­ba­lha­do mui­to”, lembra o ma­ri­do rin­do. “E es­pe­ro que não te­nha trans­pi­ra­do mui­to tam­bém...”

A sú­bi­ta dis­po­ni­bi­li­da­de de ar­mas de fo­go tam­bém de­sem­pe­nhou um pa­pel na on­da de cri­mes. O jo­vem re­cru­ta Ja­mes Bur­nham vol­tou pa­ra ca­sa de li- cen­ça e en­con­trou sua aman­te dor­min­do em um abri­go nos bra­ços de ou­tro ho­mem. Não he­si­tou em dis­pa­rar seu ri­fle do exér­ci­to du­as ve­zes em di­re­ção ao ca­sal: uma ba­la er­rou o al­vo e a se­gun­da que­brou o bra­ço do ho­mem. Um po­li­ci­al mi­li­tar ca­na­den­se, por sua vez, pre­ci­san­do de­ses­pe­ra­da­men­te de di­nhei­ro pa­ra se ca­sar com sua na­mo­ra­da in­gle­sa, as­sal­tou o bar Co­a­ch and Hor­ses em Co­vent Gar­den, Lon­dres. Ele lu­tou com o bar­man, ma­tan­do-o com um ti­ro. Sem aces­so a ar­mas de fo­go, es­ses e ou­tros in­ci­den­tes pa­re­ci­dos po­de­ri­am ter ter­mi­na­do de ma­nei­ra mui­to di­fe­ren­te.

Cul­pa­do de ho­mi­cí­dio

Mas de to­dos os de­li­tos que ocor­re­ram du­ran­te a Blitz, um ato pa­re­ce se di­fe­ren­ci­ar co­mo o cri­me ar­que­tí­pi­co do pe­río­do. Tu­do co­me­çou com a des­co­ber­ta de um cor­po em um lo­cal bom­bar­de­a­do. De iní­cio, ne­nhu­ma sur­pre­sa. Mas quan­do se per­ce­beu que a ví­ti­ma ti­nha si­do es­tran­gu­la­da foi ins­tau­ra­do um inqué­ri­to de ho­mi­cí­dio. O cor­po foi iden­ti­fi­ca­do uti­li­zan­do dois no­vos mé­to­dos: o es­tu­do da ar­ca­da den­tá­ria e a so­bre­po­si­ção de uma fo­to­gra­fia da ví­ti­ma a uma fo­to­gra­fia do

crâ­nio. Co­mo re­sul­ta­do, Har­ry Dob­kin foi con­si­de­ra­do cul­pa­do pe­lo as­sas­si­na­to de sua es­po­sa Rachel. Ele ha­via ten­ta­do – e fa­lha­do – fa­zê-la se pas­sar por uma ví­ti­ma da Blitz. Po­de­mos ima­gi­nar quan­tas ou­tras pes­so­as as­sas­si­na­das fo­ram mais ha­bil­men­te ocul­ta­das en­quan­to as bom­bas caíam, e quan­tas pe­le­jas po­dem ter si­do “re­sol­vi­das” des­sa for­ma.

A ga­ma de cri­mes co­me­ti­dos du­ran­te a Blitz, de vi­o­la­ções de re­gras a as­sas­si­na­tos a san­gue-frio, era gran­de. E, en­quan­to al­guns eram co­me­ti­dos por trans­gres­so­res in­ve­te­ra­dos, mui­tos eram re­a­li­za­dos por pes­so­as co­muns re­a­gin­do à opor­tu­ni­da­de.

Mas além da oca­sião, ha­via um mun­do de in­cer­te­zas. As pes­so­as da épo­ca te­mi­am que o ama­nhã nun­ca che­gas­se. Es­ta­vam su­jei­tas a ris­cos e com­por­ta­men­tos não fa­mi­li­a­res de to­dos os ti­pos. Sob o cla­rão de uma bom­ba, “Spi­der” foi do rou­bo de um co­fre ao sal­va­men­to de uma vi­da. E mes­mo quan­do o pe­ri­go não es­ta­va ime­di­a­ta­men­te pre­sen­te, a bru­ta­li­da­de cons­tan­te da Blitz fi­ca­va no fun­do, ele­van­do a tem­pe­ra­tu­ra da na­ção. Em ne­nhum lu­gar is­so é mais cla­ro do que no ca­so de Ge­or­ge Hobbs.

Hobbs, um as­sis­ten­te de ne­cro­té­rio de 43 anos, con­si­de­ra­do cul­pa­do de rou­bar itens de cor­pos de ví­ti­mas dos ata­ques aé­re­os. Ao sen­ten­ciá-lo, o juiz cha­mou o seu ca­so de “hor­rí­vel e re­pug­nan­te”.

Mas o ape­lo de Hobbs no pro­ces­so é re­ve­la­dor. Ele dis­se ao tri­bu­nal que nin­guém po­de­ria ima­gi­nar o as­pec­to de cor­pos re­cu­pe­ra­dos dos lo­cais bom­bar­de­a­dos. Is­so, afir­mou, com­bi­na­do com o me­do de que ele pró­prio po­de­ria se tor­nar ví­ti­ma de um ata­que aé­reo, te­ve um efei­to so­bre sua men­te. Ele fa­zia aque­le tra­ba­lho há mui­tos anos; mas era um ser­vi­ço que, de re­pen­te, tor­nou-se mais ex­tre­mo e re­che­a­do de me­dos.

Su­as pa­la­vras não de­vem ser ig­no­ra­das. Elas têm a cha­ve da com­pre­en­são de boa par­te do com­por­ta­men­to do pe­río­do. Des­se es­ta­do de me­do e con­fu­são veio tan­to o bem quan­to o mal. O es­pí­ri­to da Blitz é fre­quen­te­men­te ce­le­bra­do; a cri­mi­na­li­da­de da Blitz é ra­ra­men­te ad­mi­ti­da. No en­tan­to, eles es­tão jun­tos co­mo sin­to­mas in­di­vi­du­ais de uma cau­sa co­mum.

Joshua Le­vi­ne é um es­cri­tor e his­to­ri­a­dor, com vá­ri­os li­vros pu­bli­ca­dos so­bre a 2ª Guer­ra Mun­di­al, mas ain­da é iné­di­to no Bra­sil.

Ho­mens abrem ca­mi­nho atra­vés de uma rua ar­ra­sa­da du­ran­te um bom­bar­deio ale­mão. Mais tar­de, um cri­mi­no­so afir­mou que os ata­ques aé­re­os fo­ram o me­lhor ali­a­do que os ban­di­dos de Lon­dres já ti­ve­ram

Uma tro­ca em Cu­tler Stre­et – tam­bém co­nhe­ci­da co­mo “Tra­ves­sa do Di­nhei­ro”

– em 1945. O mer­ca­do ne­gro cri­mi­na­li­zou mui­tas pes­so­as co­muns

Ví­ti­mas de­sa­bri­ga­das pe­la Blitz, por vol­ta de 1940. Além do “es­pí­ri­to da Blitz”, a mi­sé­ria e o so­fri­men­to le­va­ram al­gu­mas pes­so­as ao cri­me

Har­ry Dob­kin as­sas­si­nou sua es­po­sa, Rachel, e de­pois ten­tou fa­zê-la pas­sar por mais uma ví­ti­ma da Blitz

Um avi­so da po­lí­cia dei­xa cla­ro quais pu­ni­ções es­pe­ra­vam os la­drões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.