Ti­ra­den­tes: o “la­ran­ja” da In­con­fi­dên­cia

BBC History Brasil - - Brasil -

To­dos os anos, no dia 21 de abril, em­pre­sas pri­va­das, re­par­ti­ções pú­bli­cas, co­mér­cio, es­co­las e in­dús­tri­as de to­do ti­po fe­cham su­as por­tas pa­ra mais um fe­ri­a­do ins­ti­tuí­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral

Épro­vá­vel que mui­tos sai­bam que a da­ta tra­ta-se do “dia” de Ti­ra­den­tes. No en­tan­to, tal­vez nem to­dos fos­sem ca­pa­zes de acres­cen­tar o porquê de tal ho­mem ser re­ve­ren­ci­a­do, mui­to me­nos os de­ta­lhes de sua vi­da. En­quan­to a fol­ga con­ten­ta a po­pu­la­ção, o gran­de pro­ble­ma é que nem mes­mo os his­to­ri­a­do­res che­gam a um con­sen­so so­bre o que, de fa­to, há de ver­da­dei­ro por trás da fi­gu­ra de Ti­ra­den­tes.

Jo­a­quim Jo­sé da Sil­va Xa­vi­er nas­ceu na Fa­zen­da do Pombal, on­de ho­je si­tua-se a ci­da­de de São João Del Rei, Mi­nas Ge­rais, no ano de 1746. Com a mor­te pre­co­ce de seus pais (per­deu a mãe aos no­ve anos de ida­de e o pai aos 15), o me­ni­no foi dei­xa­do sob a tu­te­la do tio e pa­dri­nho Se­bas­tião Fer­rei­ra. E foi jus­ta­men­te a pro­fis­são de seu no­vo tu­tor a res­pon­sá­vel por lhe dar o ape­li­do que lhe acom­pa­nha­ria pe­lo res­to da vi­da, já que o jo­vem Jo­a­quim se­guiu os pas­sos do tio e tam­bém exer­ceu a fun­ção de ci­rur­gião den­tis­ta.

No en­tan­to, já adul­to, Ti­ra­den­tes re­sol­veu se aven­tu­rar por ou­tras áre­as: foi tro­pei­ro, mas­ca­te, mi­ne­ra­dor e tam­bém mi­li­tar, che­gan­do ao pos­to

Már­tir

de al­fe­res no Re­gi­men­to de Ca­va­la­ria Re­gu­lar. Den­tro do exér­ci­to, o ofi­ci­al pas­sou a ter con­ta­to com os ide­ais ilu­mi­nis­tas vin­dos da Eu­ro­pa e co­me­çou a se apro­xi­mar de gru­pos que cri­ti­ca­vam o do­mí­nio por­tu­guês so­bre as ca­pi­ta­ni­as por on­de cir­cu­la­va.

Mes­mo após li­cen­ci­ar-se da Ca­va­la­ria, o mi­nei­ro não dei­xou de la­do seu en­ga­ja­men­to: pas­sou a pre­gar os prin­cí­pi­os apren­di­dos na ci­da­de de Vi­la Ri­ca e ar­re­do­res (atu­al Ou­ro Pre­to), a re­gião mais ri­ca das Ge­rais. Mais do que is­so, jun­tou-se a um mo­vi­men­to ali­a­do a in­te­lec­tu­ais in­te­gran­tes do cle­ro e da eli­te mi­nei­ra, co­mo Cláu­dio Ma­nu­el da Cos­ta, an­ti­go se­cre­tá­rio de go­ver­no, To­más Antô­nio Gon­za­ga, po­e­ta e ex-ou­vi­dor da co­mar­ca, e Iná­cio Jo­sé de Al­va­ren­ga Pei­xo­to, co­ro­nel, mi­ne­ra­dor e gran­de pro­pri­e­tá­rio de ter­ras na co­mar­ca do Rio das Mor­tes.

In­con­fi­dên­cia

Com o blo­co já mol­da­do, o pla­no dos re­vol­to­sos foi pos­to em prá­ti­ca às vés­pe­ras da co­bran­ça da der­ra­ma, que con­sis­tia no con­fis­co de bens e pro­pri­e­da­des da­que­les que não pa­ga­vam ou­tros im­pos­tos já im­ple­men­ta­dos, co­mo o fa­mo­so quin­to. Uma das in­ten­ções, in­clu­si­ve, era exe­cu­tar o go­ver­na­dor de Mi­nas em pra­ça pú­bli­ca, to­man­do o con­tro­le to­tal da província.

Po­rém, ape­sar de am­bi­ções gran­des co­mo a pro­cla­ma­ção de uma Re­pú­bli­ca que atraís­se in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros pa­ra a ins­ta­la­ção de fá­bri­cas e a cons­tru­ção de uma Uni­ver­si­da­de, os lí­de­res da cam­pa­nha não ti­nham um pro­je­to de go­ver­no con­so­li­da­do. Uma das con­tro­vér­si­as, por exem­plo, diz res­pei­to aos es­cra­vos. Man­ter a es­cra­vi­dão era con­tra as con­vic­ções que pre­ten­di­am pôr em prá­ti­ca. Con­tu­do, ca­so os li­ber­tas­sem, os in­con­fi­den­tes te­mi­am que os ne­gros, que eram a mai­o­ria, ten­tas­sem as­sas­si­nar to­dos os bran­cos pa­ra to­mar o po­der da re­gião.

Não bas­tas­se pe­car em al­guns pon­tos cru­ci­ais, o mo­vi­men­to ain­da con­tou com um trai­dor. O X-9 aten­dia pe­lo no­me de Jo­a­quim Sil­vé­rio dos Reis, co­ro­nel da Ca­va­la­ria de Bor­da do Cam­po que fez a de­nún­cia pa­ra ob­ter per­dão de su­as dí­vi­das com a Co­roa Por­tu­gue­sa. As­sim, com ba­se na de­la­ção, o go­ver­na­dor lo­go to­mou co­nhe­ci­men­to da revolta e tra­tou de acu­sar os réus pe­lo cri­me de le­sa-ma­jes­ta­de, quan­do vi­o­la-se a dig­ni­da­de de um so­be­ra­no ou con­tra o Es­ta­do. Os lí­de­res da In­con­fi­dên­cia fo­ram de­ti­dos e en­vi­a­dos pa­ra o Rio de Ja­nei­ro. Du­ran­te o inqué­ri­to ju­di­ci­al, to­dos ne­ga­ram a sua par­ti­ci­pa­ção no mo­vi­men­to, ex­ce­to um de­les. Sim, fa­la­mos do pró­prio Ti­ra­den­tes, o qual as­su­miu o pa­pel de che­fe do mo­vi­men­to. E, em­bo­ra os doze cap­tu­ra­dos te­nham si­do con­de­na­dos à mor­te, uma au­di­ên­cia no dia se­guin­te foi mar­ca­da pe­lo de­cre­to de Ma­ria I, rai­nha de Por­tu­gal, pe­lo qual to­dos, à ex­ce­ção (no­va­men­te) de Jo­a­quim, ti­ve­ram a pe­na co­mu­ta­da. As te­o­ri­as con­jec­tu­ra­das acre­di­tam que a de­ci­são ocor­reu pe­lo in­con­fi­den­te ser o de po­si­ção so­ci­al mais bai­xa, ha­ja vis­ta que to­dos os ou­tros ou eram mais ri­cos ou mi­li­ta­res de pa­ten­te su­pe­ri­or. Ou­tra hi­pó­te­se diz res­pei­to ao fa­to de o réu con­fes­so ser um dos úni­cos do mo­vi­men­to que não era ma­çom.

Des­sa ma­nei­ra, en­quan­to ci­vis e mi­li­ta­res fo­ram des­ti­na­dos às colô­ni­as por­tu­gue­sas na Áfri­ca, os re­li­gi­o­sos fo­ram en­vi­a­dos a con­ven­tos no pró­prio rei­no de Por­tu­gal. Por sua vez, nu­ma ma­nhã de sá­ba­do (a fa­tí­di­ca da­ta de 21 de abril, do ano de 1792), Ti­ra­den­tes per­cor­reu em pro­cis­são as ru­as do cen­tro da ci­da­de do Rio de Ja­nei­ro em di­re­ção ao pa­tí­bu­lo. Por lá, o que se viu foi uma exe­cu­ção pre­pa­ra­da co­mo um gran­de even­to pe­la Co­roa Por­tu­gue­sa. Com di­rei­to à fan­far­ra e dis­cur­sos pro­lon­ga­dos, o réu foi es-

“Não bas­tas­se pe­car em al­guns pon­tos cru­ci­ais, o mo­vi­men­to ain­da con­tou com um trai­dor”

quar­te­ja­do e sua ca­be­ça sal­ga­da e le­va­da pa­ra ser ex­pos­ta em um pos­te em Vi­la Ri­ca – o mem­bro foi ra­pi­da­men­te fur­ta­do e nun­ca mais lo­ca­li­za­do.

Mi­tos e ver­da­des

O cru­el cas­ti­go ti­nha co­mo ob­je­ti­vo er­ra­di­car qual­quer ou­tra ten­ta­ti­va de qu­es­ti­o­na­men­to do po­der da me­tró­po­le. Pa­ra al­guns his­to­ri­a­do­res, a pro­pos­ta sur­tiu ou­tro efei­to: a es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção de sua mor­te foi uma das cau­sas da pre­ser­va­ção de sua me­mó­ria, des­per­tan­do ira por par­te da po­pu­la­ção.

No en­tan­to, a gran­de po­lê­mi­ca em tor­no da fi­gu­ra de Ti­ra­den­tes é a de que ele se­ria um he­rói in­ven­ta­do. A his­to­ri­o­gra­fia re­cen­te afir­ma que a cons­pi­ra­ção dos mi­nei­ros era, em sua es­sên­cia, um mo­vi­men­to de oli­gar­qui­as vi­san­do seus pró­pri­os in­te­res­ses, sen­do o no­me do po­vo in­vo­ca­do ape­nas co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va, e que ob­je­ti­va­va não a in­de­pen­dên­cia do Bra­sil, mas sim a de Mi­nas Ge­rais.

Con­tu­do, a par­tir da Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca, o no­vo re­gi­me pre­ci­sa­va de um íco­ne im­po­nen­te que so­bre­pu­jas­se D. Pe­dro I, fi­gu­ra for­te­men­te atre­la­da à mo­nar­quia. O ven­ce­dor não po­de­ria ser ou­tro. As­sim, os re­pu­bli­ca­nos cri­a­ram bus­tos, qua­dros e a da­ta co­me­mo­ra­ti­va em me­mó­ria de Jo­a­quim Jo­sé da Sil­va Xa­vi­er.

Um dos fa­to­res que en­dos­sam a te­se

“O no­vo re­gi­me pre­ci­sa­va de um íco­ne im­po­nen­te que so­bre­pu­jas­se D. Pe­dro I”

es­tá li­ga­do à cons­tru­ção de seus re­tra­tos. Não há ne­nhu­ma fo­to ou re­gis­tro ofi­ci­al de co­mo eram as fei­ções de Ti­ra­den­tes. Po­rém, os re­tra­tos pro­du­zi­dos não con­di­zem com a re­a­li­da­de, e é fá­cil en­ten­der: em sua épo­ca de mi­li­tar, os mem­bros do exér­ci­to de­vi­am mo­de­rar a quan­ti­da­de de pe­los em seu ros­to; em seu pe­río­do na pri­são, os pe­los eram cor­ta­dos a fim de evi­tar pi­o­lhos; já no mo­men­to de sua exe­cu­ção, to­dos os con­de­na­dos à for­ca de­ve­ri­am ter a ca­be­ça e a bar­ba ras­pa­das, pa­ra ex­por bem o ros­to. Po­rém, o ca­be­lo e a bar­ba gran­des fic­tí­ci­os ti­nham a in­ten­ção de lhe con­fe­rir um ca­rá­ter mes­si­â­ni­co. Se Cris­to ha­via mor­ri­do pa­ra sal­var a hu­ma­ni­da­de, nos­so már­tir per­de­ra a vi­da pa­ra o bem do Bra­sil.

“Não há ne­nhu­ma fo­to ou re­gis­tro ofi­ci­al de co­mo eram as fei­ções de Ti­ra­den­tes”

A ima­gem ide­a­li­za­da de Jo­a­quim Jo­sé da Sil­va Xa­vi­er em uma pin­tu­ra de Dé­cio Vil­la­res

Vi­la Ri­ca (atu­al Ou­ro Pre­to), em 1820, o pal­co das ações de Ti­ra­den­tes, na pa­le­ta do fran­cês Ar­naud Ju­li­en Pal­li­e­re

Ti­ra­den­tes es­quar­te­ja­do, te­la de 1893 do pa­rai­ba­no Pe­dro Américo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.