Xa­na­du, Chi­na

BBC History Brasil - - Passeando - Por John Man

Nes­te epi­só­dio de nos­sa sé­rie de vi­a­gens, ex­plo­ra­mos um pa­lá­cio mon­gol per­di­do, ain­da não de­vas­ta­do pe­lo tu­ris­mo

Com cer­te­za mui­tas pes­so­as já ou­vi­ram o no­me Xa­na­du: o fil­me es­tre­la­do por Oli­via New­ton John; o acla­ma­do mu­si­cal da Bro­adway; uma bo­a­te; um ho­tel; a man­são em Ci­da­dão Ka­ne. Tu­do is­so soa mui­to sur­re­al, mui­to má­gi­co. E es­se é jus­ta­men­te o ape­lo de Xa­na­du, a ma­gia que faz de­la um lu­gar re­al. Me apai­xo­nei por es­sa ideia, as­sim co­mo pe­lo lu­gar em si, en­quan­to pes­qui­sa­va so­bre Gên­gis Khan e seu ne­to Kublai Khan.

Tu­do co­me­çou com Gên­gis, co­mo mui­tas coi­sas na Ásia Cen­tral. Em sua ju­ven­tu­de

(fi­nal do sé­cu­lo 12), o lí­der mon­gol sur­giu do na­da: pai mor­to, mãe aban­do­na­da. Ele er­gueu uma enor­me tribo, uma na­ção e, na épo­ca de sua mor­te em 1227, já ha­via mar­ca­do a his­tó­ria co­mo o lí­der do mai­or im­pé­rio já vis­to.

O im­pé­rio foi di­vi­di­do en­tre os des­cen­den­tes de Khan, e seu ne­to Kublai emer­giu co­mo su­pre­mo. Sob seu po­der, o im­pé­rio do­brou de ta­ma­nho no­va­men­te. Em 1294, in­cor­po­rou um sex­to de to­da a hu­ma­ni­da­de, in­cluin­do a Chi­na. A pri­mei­ra ca­pi­tal de

Kublai foi Xa­na­du, no­me­a­da quan­do Pe­quim se tor­nou a ba­se prin­ci­pal. Pe­quim era Da­du, “A Gran­de Ca­pi­tal”, en­quan­to Xa­na­du era Shang­du, “A Ca­pi­tal Mais Al­ta”.

Xa­na­du foi des­truí­da por re­bel­des em 1368, e ne­nhum vi­si­tan­te con­se­guiu che­gar lá por qua­se 600 anos, até que em 1930 os ja­po­ne­ses se in­te­res­sa­ram. En­tão veio o co­mu­nis­mo e ou­tro pe­río­do no lim­bo. Al­guns ex­plo­ra­do­res oci­den­tais a vi­si­ta­ram bre­ve­men­te, mas ape­nas na dé­ca­da de 90 o lu­gar foi to­tal­men­te aber­to pa­ra o tu­ris­mo.

Quan­do che­guei no ve­rão de 1996, en­con­trei flo­res sel­va­gens, mu­ros bai­xos e pla­ní­ci­es dis­tan­tes. Co­me­cei a ima­gi­nar o pa­lá­cio on­de Mar­co Po­lo co­nhe­ceu Kublai Khan, em 1275. Pe­guei pe­da­ços de ro­cha e guar­dei co­mo se fos­sem re­lí­qui­as sa­gra­das. Ain­da es­tou pen­san­do no que fa­zer com eles.

Xa­na­du es­ta­va pas­san­do por mu­dan­ças, al­guns ho­mens me­di­am os es­pa­ços e ar­queó­lo­gos co­me­ça­vam a es­ca­var. Mi­nha pró­xi­ma vi­si­ta, em 2004, re­ve­lou um cam­po tu­rís­ti­co e um pe­que­no mu­seu.

Em me­a­dos de 2008, não ha­via mais a área tu­rís­ti­ca, mas um pór­ti­co de qua­tro me­tros, com du­as ré­pli­cas de co­lu­nas de már­mo­re, uma cer­ca e uma bi­lhe­te­ria. Ao la­do, um re­le­vo com o exér­ci­to que se aglo­me­ra ao re­dor de Kublai em uma po­se im­pres­si­o­nan­te. Em 2012, Xa­na­du se tor­nou Pa­trimô­nio Mun­di­al da Hu­ma­ni­da­de.

Atu­al­men­te, é pos­sí­vel ver to­da a es­tru­tu­ra da ci­da­de no Go­o­gle Earth: três se­ções, to­das as pra­ças, umas den­tro de ou­tras co­mo ni­nhos. Mais ao nor­te fi­ca­va o par­que gra­ma­do on­de (nas pa­la­vras de Mar­co Po­lo), co­e­lhos cor­ri­am até que fos­sem atin­gi­dos por Kublai e seus ho­mens. A su­des­te es­ta­va a ci­da­de im­pe­ri­al, com ca­sas fei­tas de ti­jo­lo de ar­gi­la pa­ra tra­ba­lha­do­res, ar­te­sãos e ofi­ci­ais, além de mui­tos tem­plos – Xa­na­du che­gou a abri­gar 120 mil pes­so­as.

A des­pei­to do que mui­to se es­cre­veu so­bre Xa­na­du, não há ri­os (em­bo­ra exis­ta um cór­re­go si­nu­o­so, o Shan­di­an), nem ca­ver­nas ou mar sem sol. Mas Mar- co Po­lo des­cre­veu o que cha­mou de “pa­lá­cio de ca­na”. Um es­tu­do su­ge­re que se tra­ta de uma es­tru­tu­ra de bam­bu fei­ta de ma­te­ri­al chi­nês mas em for­ma­to mon­gol. Creio que se­ja o sím­bo­lo de Kublai pa­ra am­bas as cul­tu­ras. Se re­al­men­te for is­so, tra­ta-se de uma cri­a­ção ori­gi­nal e es­ton­te­an­te, par­te es­sen­ci­al da ma­gia que Xa­na­du re­pre­sen­ta ho­je.

John Man é his­to­ri­a­dor e re­pór­ter de vi­a­gem. Ele se­rá o guia em uma gran­de ex­cur­são pa­ra Xa­na­du em se­tem­bro de 2016

“CO­ME­CEI A IMA­GI­NAR CO­MO SE­RIA O PA­LÁ­CIO ON­DE MAR­CO PO­LO CO­NHE­CEU KUBLAI KHAN, EM 1275”

Um re­tra­to de Kublai Khan de 1294. Kublai er­gueu Xa­na­du co­mo seu pa­lá­cio de ve­ra­neio

SEN­TI­DO HO­RÁ­RIO A PAR­TIR DE CI­MA: As ruí­nas da mu­ra­lha do pa­lá­cio, o mon­te ao fun­do é a ba­se do pa­lá­cio prin­ci­pal de Kublai; o rio Shan­di­an; a gran­de en­tra­da de Xa­na­du com Kublai mon­ta­do em seu ca­va­lo; ca­ba­nas ao nas­cer do sol, pró­xi­mo a Xa­na­du

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.