Os pe­ri­gos de cair no so­no no iní­cio da Era Mo­der­na

BBC History Brasil - - História Agora / Notícias -

For­ças das trevas as­som­bra­vam aque­les que ti­nham maus hábitos na ho­ra de dor­mir, co­mo mos­tra El­lie Cawthor­ne

Não con­se­gue dor­mir oi­to ho­ras por noi­te? Re­vi­ra-se na ca­ma? En­tão, de acor­do com nos­sos an­te­pas­sa­dos, na nas­cen­te Era Mo­der­na, vo­cê es­ta­ria se ex­pon­do aos mais va­ri­a­dos pe­ri­gos, de uma pa­ra­li­sia à vi­si­ta de es­pí­ri­tos ma­lig­nos. É o que des­co­briu a his­to­ri­a­do­ra Sasha Han­dley, da Uni­ver­si­da­de de Ya­le.

Com ba­se em diá­ri­os, car­tas, ma­nu­ais, ser­mões e ima­gens, a pes­qui­sa de Han­dley con­clui que o so­no era fon­te de pre­o­cu­pa­ções na épo­ca. “Um bom so­no era ti­do co­mo um re­vi­go­ran­te sem igual pa­ra o cor­po e a men­te. Era con­si­de­ra­do es­sen­ci­al não só pa­ra a saúde fí­si­ca e men­tal, co­mo tam­bém pa­ra a pros­pe­ri­da­de econô­mi­ca e a re­pu­ta­ção pes­so­al”, diz a his­to­ri­a­do­ra.

Nas con­sul­tas, os mé­di­cos de­fen­di­am os be­ne­fí­ci­os de uma boa noi­te de so­no, que, de acor­do com uma car­ti­lha po­pu­lar de 1539, aju­da­va a “en­gor­dar e ter a men­te mais cal­ma e lim­pa” e a “equi­li­brar os hu­mo­res”. E ti­nha mais: dor­mir bem era vis­to co­mo uma ma­nei­ra de as­se­gu­rar o bem-es­tar es­pi­ri­tu­al. “Ado­tar hábitos noturnos bem dis­ci­pli­na­dos era um jei­to bem prá­ti­co de vo­cê mos­trar que era um bom cris­tão”, afir­ma Han­dley. Dor­mir de­mais era si­nal de pre­gui­ça, en­quan­to dor­mir pou­co era pe­ca­do e pre­ju­di­ca­va o cor­po.

En­tre­tan­to, o so­no era cheio de pe­ri­gos. Era vis­to co­mo um es­ta­do em que o mun­do na­tu­ral se cho­ca­va com o so­bre­na­tu­ral e o demô­nio se apro­vei­ta­va pa­ra in­va­dir e pre­gar no in­cons­ci­en­te das pes­so­as. Inú­me­ros hor­ro­res es­pe­ra­vam aque­les que dor­mi­am de bar­ri­ga pra ci­ma, o que po­de­ria fa­zer com que os flui­dos do cor­po fos­sem pa­ra o cé­re­bro. Is­so pro­vo­ca­va pe­sa­de­los e até mes­mo abrir as por­tas pa­ra a vi­si­ta de um in­cu­bus, um es­pí­ri­to ma­lig­no que se sen­ta­va so­bre o pei­to das ví­ti­mas e as pa­ra­li­sa­va.

As­sim, sur­giu um ema­ra­nha­do de ri­tu­ais e hábitos pa­ra ma­xi­mi­zar os be­ne­fí­ci­os do so­no e mi­ni­mi­zar seus pe­ri­gos. As ca­mas pas­sa­ram a ser cui­da­do­sa­men­te lim­pas e ar­ru­ma­das, com ob­je­tos re­li­gi­o­sos so­bre elas, bem co­mo so­lu­ções aro­má­ti­cas de la­van­da e ca­mo­mi­la man­ti­das à mão pa­ra aju­dar a ter uma noi­te se­gu­ra e re­la­xan­te.

Os hábitos noturnos eram mo­ni­to­ra­dos de per­to: ora­ções eram en­co­ra­ja­das, en­quan­to cos­tu­mes que pu­des­sem per­tur­bar a qua­li­da­de do so­no, co­mo o con­su­mo de co­mi­das pe­sa­das e be­bi­das al­coó­li­cas eram con­tra-in­di­ca­dos. Os dor­mi­nho­cos eram ori­en­ta­dos a dor­mir com a ca­be­ça ele­va­da (pa­ra pre­ve­nir uma pos­sí­vel re­gur­gi­ta­ção du­ran­te o so­no) do seu la­do di­rei­to e de­pois vi­ra- rem pa­ra a es­quer­da, a fim de li­be­rar os va­po­res es­to­ma­cais e aju­dar a di­ges­tão.

Ou­tra ro­ti­na po­pu­lar era dor­mir “em blo­cos”. Ou se­ja, em dois ci­clos com um in­ter­va­lo de uma ou du­as ho­ras, tem­po que po­dia ser usa­do pa­ra ler, re­zar, fa­zer se­xo, li­dar com as ta­re­fas do­més­ti­cas ou mes­mo be­ber cer­ve­ja.

Han­dley de­fen­de que, di­an­te de to­das es­sas cren­ças apa­ren­te­men­te es­tra­nhas so­bre os hábitos noturnos, no iní­cio da Mo­der­ni­da­de, as pes­so­as es­ta­vam me­lhor pre­pa­ra­das pa­ra uma boa noi­te de des­can­so do que es­ta­mos atu­al­men­te, já que ti­nham mais de tem­po de so­bra pa­ra in­ves­tir na re­gu­la­ção do so­no. Ela su­ge­re que no sé­cu­lo 21, em que o la­zer no­tur­no e a tec­no­lo­gia des­va­lo­ri­za­ram o so­no, po­de­mos ti­rar li­ções im­por­tan­tes re­fle­tin­do so­bre os hábitos an­ti­gos. “É in­te­res­san­te co­mo a im­pren­sa e os pro­fis­si­o­nais de saúde atu­ais es­tão se vol­tan­do pa­ra es­se pe­río­do – par­ti­cu­lar­men­te na ques­tão do so­no seg­men­ta­do – co­mo a ‘épo­ca de ou­ro’ do so­no. Es­pe­ro que mi­nha pes­qui­sa in­cen­ti­ve as pes­so­as a re­co­nhe­ce­rem que a cul­tu­ra e o am­bi­en­te, e não ape­nas a bi­o­lo­gia, têm um pa­pel crí­ti­co na cons­tru­ção das ro­ti­nas e ri­tu­ais que en­vol­vem o so­no e im­pac­tam em sua qua­li­da­de”, con­clui a his­to­ri­a­do­ra.

Ce­na no­tur­na

Um in­cu­bus as­som­bra o so­no de uma mu­lher nes­te qua­dro de Henry Fu­se­li, de 1781

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.