O Gran­de Cis­ma “As di­vi­sões re­li­gi­o­sas es­tão ca­da vez mais pe­ri­go­sas”

BBC History Brasil - - Com a Palavra -

Sen­ta­do em uma me­sa ve­lha, gas­ta por sé­cu­los de uso, no re­fei­tó­rio do mos­tei­ro bi­zan­ti­no de Ho­zo­vi­o­tis­sa na ilha gre­ga de Amor­gos, me­xo um ca­fé do­ce fei­to pe­los mon­ges (com um co­po de ra­ko­me­lo – um li­cor al­coó­li­co – do la­do!). Re­cons­truí­do pe­lo im­pe­ra­dor Alei­xo I Com­ne­no em 1088, é um lu­gar sur­pre­en­den­te, en­cra­va­do aos pés de uma ro­cha aver­me­lha­da de 300 me­tros de al­tu­ra. Pe­la ja­ne­la, se vê ape­nas mar e céu: a se­pa­ra­ção pri­mor­di­al da cri­a­ção no li­vro do Gê­ne­sis. Aqui vo­cê po­de ex­pe­ri­men­tar uma fon­te de ins­pi­ra­ção re­li­gi­o­sa pre­sen­te em to­das as so­ci­e­da­des hu­ma­nas. Foi er­gui­do pou­co de­pois da di­vi­são mais de­ci­si­va da his­tó­ria do Cris­ti­a­nis­mo, mais até do que a Re­for­ma Pro­tes­tan­te, e re­pre­sen­tou o ra­cha en­tre as igre­jas do Oci­den­te e do Ori­en­te, se­la­do em 1054 após ex­co­mu­nhões re­cí­pro­cas: o Gran­de Cis­ma do Ori­en­te.

Até o sé­cu­lo 8, as igre­jas do Ori­en­te e do Oci­den­te eram es­sen­ci­al­men­te uma só. Ha­via di­vi­sões – cop­tas, ar­mê­ni­os, etío­pes – mas nos pri­mei­ros sé­cu­los, o mun­do cris­tão era uni­do. Quan­do a con­ver­são dos bár­ba­ros no Oci­den­te co­me­çou a per­der fô­le­go, ain­da nos anos 600, Ro­ma man­dou um ar­ce­bis­po gre­go pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma: Te­o­do­ro de Tar­so.

A dou­tri­na e as prá­ti­cas eram ori­en­ta­das por con­cí­li­os ecu­mê­ni­cos, o úl­ti­mo re­a­li­za­do em 787. En­tão sur­gi­ram dis­sen­ções que cul­mi­na­ram com o Pa­pa Ni­co­lau I (858-867) de­cla­ran­do a pri­ma­zia do Pa­pa so­bre o mun­do cris­tão. Pa­ra os ori­en­tais, is­so era he­re­sia. A sim­ples ideia de ha­ver um su­pre­mo pon­tí­fi­ce era im­pen­sá­vel pa­ra a Igre­ja Or­to­do­xa. Ain­da ho­je es­sa é a “pri­mei­ra e mais di­fí­cil di­fe­ren­ça”, ex­pli­cou um dos mon­ges. “Sim­ples­men­te não é apos­tó­li­co”, com­ple­tou.

No Oci­den­te tam­bém ha­via aque­les que não gos­ta­ram: o gran­de li­tur­gis­ta Inc­ma­ro de Reims, por exem­plo. Mas o es­tra­go es­ta­va fei­to. O Cre­do de Ni­ceia tam­bém cau­sou mui­ta dis­cus­são. Es­ta­be­le­ci­do no quar­to sé­cu­lo pe­los Pri­mei­ro e Se­gun­do Con­cí­li­os, per­ma­ne­ce co­mo a pro­fis­são de fé fun­da­men­tal pa­ra os cris­tãos. Mas à fra­se: “O Es­pí­ri­to San­to ema­na de Deus”, o oci­den­te acres­cen­tou a fa­tí­di­ca fi­li­a­ção, “e do Fi­lho”. Pa­ra os or­to­do­xos, mais uma vez, se tra­ta­va de he­re­sia.

As di­fe­ren­ças lo­go se mul­ti­pli­ca­ram na dou­tri­na, nos ri­tu­ais e cos­tu­mes. En­quan­to a Igre­ja Or­to­do­xa via sua ta­re­fa co­mo sen­do a de pre­ser­var a tra­di­ção apos­tó­li­ca, em con­for­mi­da­de com os pri­mei­ros con­cí­li­os ecu­mê­ni­cos, a Igre­ja Ca­tó­li­ca se tor­na­va ca­da vez mais uma igre­ja de con­ver­são, en­con­tran­do se­gui­do­res en­tre os bár­ba­ros, fran­cos, go­dos e sa­xões. E usa­va abor­da­gens in­co­muns, co­mo a dou­tri­na do pur­ga­tó­rio, por exem­plo, que não faz par­te da tra­di­ção apos­tó­li­ca, nem das cren­ças da Igre­ja Or­to­do­xa.

As­sim, as igre­jas se se­pa­ra­ram for­mal­men­te em 1054. Du­zen­tos anos de­pois, cru­za­dos sa­que­a­ri­am a pró­pria Cons­tan­ti­no­pla. Cer­ca­da pe­la hos­ti­li­da­de do mun­do mu­çul­ma­no, o im­pé­rio es­pi­ri­tu­al da Igre­ja do Ori­en­te en­co­lheu (me­nos nos paí­ses es­la­vos e na Rús­sia), in­sis­tin­do ain­da que pre­ser­va­va so­zi­nho a tra­di­ção cris­tão. En­quan­to is­so, a Igre­ja Ca­tó­li­ca en­con­tra­va no­vos mun­dos pa­ra con­ver­ter, mui­tas ve­zes às cus­tas de per­se­gui­ções que não ti­ve­ram pa­ra­le­lo no Ori­en­te. Diz-se que um lí­der mi­li­tar bi­zan­ti­no pre­fe­ria “o tur­ban­te” à “ti­a­ra pa­pal”.

As ex­co­mu­nhões re­cí­pro­cas de 1054 fo­ram abo­li­das ape­nas em 1965 e, des­de os anos de 1980, fo­ram fei­tas di­ver­sas ten­ta­ti­vas de en­con­trar um ca­mi­nho pa­ra a re­con­ci­li­a­ção. No en­tan­to, es­sas coi­sas não são um me­ro as­sun­to dou­tri­ná­rio obs­cu­ro. Atu­al­men­te, pre­sen­ci­a­mos a de­vas­ta­ção da cris­tan­da­de ori­en­tal na ter­ra em que ela nas­ceu. Ao mes­mo tem­po, a or­to­do­xia rus­sa es­tá sen­do re­vi­vi­da com um vi­go­ro­so evan­ge­lis­mo ali­a­do a um es­ta­do au­to­ri­tá­rio.

Ho­je, por to­da par­te, di­vi­sões re­li­gi­o­sas es­tão cres­cen­do e se tor­nan­do mais pe­ri­go­sas, es­pe­ci­al­men­te – mas não ape­nas – no mun­do is­lâ­mi­co. O en­re­do do Gran­de Cis­ma é um lem­bre­te de co­mo as re­li­giões sem­pre são re­mo­de­la­das pe­la His­tó­ria. E a his­tó­ria sem­pre nos aju­da a vol­tar às ori­gens.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.