Ques­tão de imagem

BBC History Brasil - - Os Celtas -

As­sim, o mun­do clás­si­co en­tra­va em con­fli­to com os cel­tas na Itá­lia, na Gré­cia e na Ásia Me­nor. Co­mo vi­to­ri­o­sos, es­tes es­cre­ve­ram so­bre os es­tran­gei­ros bár­ba­ros, ten­do o cui­da­do de des­cre­vê-los co­mo os “ou­tros” e dan­do ên­fa­se às ca­rac­te­rís­ti­cas que os dis­tin­gui­am dos ci­vi­li­za­dos po­vos me­di­ter­râ­ne­os: os cel­tas eram guer­rei­ros va­len­tes, mas não ti­nham co­ra­ção e fu­gi­am – di­fe­ren­te dos ina­ba­lá­veis ro­ma­nos; os cel­tas be­bi­am vi­nho pu­ro e fi­ca­vam bê­ba­dos – di­fe­ren­te dos ro­ma­nos, que di­luíam a be­bi­da pa­ra se man­te­rem só­bri­os; os cel­tas lu­ta­vam nus – di­fe­ren­te dos bem ar­ma­dos ro­ma­nos, e por aí vai. É um qua­dro­ten­den­ci­o­so–qua­se­ca­ri­ca­to–mas, que co­mo qual­quer boa ca­ri­ca­tu­ra, con­tém ele­men­tos ver­da­dei­ros.

Boa par­te da imagem po­pu­la­ri­za­da dos cel­tas sur­giu des­sas fon­tes par­ci­ais. De­pois, na me­ta­de do sé­cu­lo 1 a.C., quan­do Jú­lio Cé­sar avan­çou so­bre a Gá­lia, sur­ge em seus Co­men­tá­ri­os uma imagem um pou­co mais equi­li­bra­da dos vá­ri­os gru­pos tri­bais di­fe­ren­tes, mui­tas ve­zes as­sen­ta­dos em ci­da­des bem es­ta­be­le­ci­das, com vá­ri­as for­mas de ali­an­ças, sis­te­mas es­tá­veis de go­ver­no, e pron­tos pa­ra atu­a­rem jun­tos con­tra a ame­a­ça ex­ter­na re­pre­sen­ta­da por Ro­ma. Cé­sar fi­cou im­pres­si­o­na­do pe­lo con­jun­to de cren­ças dos gau­le­ses e o po­der cen­tra­li­za­do dos drui­das. Uma das tri­bos, os Édu­os, en­vi­ou um ma­gis­tra­do, Di­vi­ti­a­cus, que tam­bém era drui­da, em bus­ca da aju­da de Ro­ma con­tra seus ini­mi­gos. Di­vi­ti­a­cus foi ao Se­na­do e se en­con­trou com Cí­ce­ro. Es­te re­gis­trou que Di­vi­ti­a­cus “de­cla­rou que es­ta­va fa­mi­li­a­ri­za­do com a or­dem na­tu­ral que os gre­gos cha­ma­vam de fi­lo­so­fia na­tu­ral e que ele a usa­va pa­ra pre­ver o fu­tu­ro, tan­to por in­fe­rên­cia co­mo por pres­sá­gi­os”. Cí­ce­ro fi­cou per­ple­xo. A imagem que po­de­mos cons­truir à par­tir des­ses en­con­tros é a de um po­vo so­fis­ti­ca­do, bem di­fe­ren­te da­que­la de sel­va­gens nus e ca­be­lu­dos que se ati­ra­vam ce­ga­men­te à ba­ta­lha.

Evi­dên­ci­as ar­que­o­ló­gi­cas tam­bém ofe­re­cem um qua­dro mais con­fiá­vel e im­par­ci­al das so­ci­e­da­des tri­bais da épo­ca. E per­mi­tem-nos en­ten­der os sé­cu­los for­ma­ti­vos da Eu­ro­pa, cu­jas re­giões Cen­tral e Oci­den­tal, por vol­ta do ano 1000 a.C., com­par­ti­lha­vam cul­tu­ras e cren­ças se­me­lhan­tes, que re­fle­ti­am uma so­ci­e­da­de na qual as pro­e­zas de guer­ra eram im­por­tan­tes. Após a fun­da­ção de Mar­se­lha, por vol­ta de 600 a.C., bens de lu­xo do Me­di­ter­râ­neo, co­mo jar­ros e vi­nho, co­me­ça­ram a ser ne­go­ci­a­dos com os che­fes vin­dos do nor­te (da re­gião en­tão cha­ma­da Halls­tatt, que com­pre­en­de par­tes da atu­al Ale­ma­nha, Suí­ça, Áus­tria, Re­pú­bli­ca Che­ca e Fran­ça). Par­te des­se ma­te­ri­al even­tu­al­men­te foi pa­rar nos tú­mu­los da eli­te, co­mo ates­tam as fa­mo­sas se­pul­tu­ras de Vix, na Bor­go­nha, e Ho­ch­dorf, pró­xi­mo a Stutt­gart. Em tro­ca de tais mer­ca­do­ri­as é pro­vá­vel que os lí­de­res do Halls­tatt ofe­re­ci­am ma­té­ri­as pri­mas co­mo ou­ro, es­ta­nho e âm­bar, bem co­mo es­cra­vos que se tor­na­vam

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.