Fa­mo­sas úl­ti­mas pa­la­vras

BBC History Brasil - - Roma -

O in­te­res­se de Adri­a­no pe­la vi­da in­te­lec­tu­al da Gré­cia Clás­si­ca foi mui­to além de Ate­nas. Co­mo go­ver­nan­te do mun­do ro­ma­no, ele era a úl­ti­ma ins- tân­cia na so­lu­ção de con­fli­tos lo­cais, e as ci­da­des sem­pre lhe en­vi­a­vam pe­ti­ções so­li­ci­tan­do sua aju­da. As úl­ti­mas pa­la­vras que se sa­be te­rem si­do pu­bli­ca­das por Adri­a­no es­tão re­gis­tra­das em uma car­ta en­de­re­ça­da à pe­que­na ci­da­de de Nary­ka, na an­ti­ga re­gião da Ló­cri­da (Gré­cia), e es­cri­ta em uma pla­ca de bron­ze. Ne­la, o im­pe­ra­dor res­pon­de a uma dis­cus­são so­bre Nary­ka po­der ou não se con­si­de­rar uma ci­da­de. Pa­ra jus­ti­fi­car o sta­tus de Nary­ka co­mo ci­da­de, Adri­a­no alu­diu ao pa­pel de­la no Pa­nhel­le­ni­on que ele fun­da­ra. O fa­to de Nary­ka ter ain­da re­pre­sen­ta­ção em ou­tras li­gas lo­cais era um mo­ti­vo cla­ro pa­ra con­fir­mar seu sta­tus. Adri­a­no tam­bém ci­tou co­mo evi­dên­cia em fa­vor da con­di­ção da ci­da­de, sua es­tru­tu­ra po­lí­ti­ca – seu con­se­lho, ma­gis­tra­dos, pa­dres e tri­bos. Mais sur­pre­en­den­te, po­rém, é a se­guin­te afir­ma­ção do so­be­ra­no: “Vo­cês tam­bém fo­ram men­ci­o­na­dos por al­guns dos mai­o­res cé­le­bres po­e­tas, gre­gos e ro­ma­nos, co­mo ‘Nary­ka­nos’, a eles tam­bém ci­tam al­guns he­róis que vi­e­ram de sua pó­lis”. Is­so mos­tra co­mo o pas­sa­do mís­ti­co da Gré­cia Clás­si­ca re­ver­be­rou por sé­cu­los até se tor­nar im­por­tan­te aos olhos do go­ver­nan­te do mun­do.

Vi­a­jar pe­lo im­pé­rio não era uma ne­ces­si­da­de pa­ra um im­pe­ra­dor ro­ma­no; se seus sú­di­tos pre­ci­sas­sem de aju­da, ca­bia a eles ten­tar uma au­di­ên­cia. Adri­a­no, en­tre­tan­to, foi ba­ti­za­do co­mo “o im­pe­ra­dor in­can­sá­vel”. Is­so evi­den­cia o fa­to de que ele pa­re­ce ter ti­do uma in­co­mum ati­tu­de pro­a­ti­va – ao vi­si­tar vá­ri­as par­tes do im­pé­rio pa­ra re­sol­ver con­fli­tos, ins­pe­ci­o­nar su­as tro­pas e agir co­mo ben­fei­tor pa­ra mui­tas ci­da­des pro­vin­ci­a­nas. Quem po­de cul­pá-lo se, no meio de su­as vi­a­gens, ele ti­ras­se um tem­pi­nho pa­ra apre­ci­ar as pai­sa­gens?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.