O mu­la­to ri­co e o ra­cis­mo do Bra­sil co­lo­ni­al

BBC History Brasil - - História Agora / Notícias -

Por mui­to tem­po, as pes­qui­sas his­tó­ri­cas so­bre o Bra­sil Co­lo­ni­al se con­cen­tra­ram nas re­la­ções des­te com a Co­roa Por­tu­gue­sa. No en­tan­to, des­de os anos 90, es­se pa­no­ra­ma co­me­çou a ser al­te­ra­do, com es­tu­dos mais vol­ta­dos pa­ra a di­nâ­mi­ca in­ter­na do pe­río­do, a vi­da so­ci­al e as re­la­ções de clas­se. Com is­so, a aná­li­se das tra­je­tó­ri­as de per­so­na­gens an­tes re­le­ga­dos às es­ta­tís­ti­cas tor­nou-se fon­te de in­for­ma­ções va­li­o­sas so­bre co­mo se for­mou a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra – o li­vro O Po­vo Bra­si­lei­ro, do an­tro­pó­lo­go Darcy Ri­bei­ro (1995), cer­ta­men­te é um ex­po­en­te des­ta ten­dên­cia, ca­da vez mais for­te en­tre os his­to­ri­a­do­res que bus­cam am­pli­ar a vi­são na­ci­o­nal so­bre um pe­río­do im­por­tan­te na for­ma­ção da “bra­si­li­da­de”.

Não ra­ra­men­te, es­ses es­tu­dos re­ve­lam as­pec­tos nem sem­pre mui­to dis­cu­ti­dos – às ve­zes, se­quer co­nhe­ci­dos – do Bra­sil Colô­nia. Um exem­plo é o ar­ti­go Ma­ti­as Vi­dal de Ne­grei­ros – Mu­la­to en­tre a nor­ma rei­nol e as prá­ti­cas ul­tra­ma­ri­nas, do his­to­ri­a­dor Ro­nald Ra­mi­nel­li, pu­bli­ca­do pe­la re­vis­ta Va­ria His­to­ria, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG). No tra­ba­lho, o au­tor res­ga­ta a tra­je­tó­ria de Ma­ti­as Vi­dal de Ne­grei­ros, fi­lho ile­gí­ti­mo de um po­lí­ti­co e mi­li­tar por­tu­guês de mui­tas pos­ses e bem-vis­to na Cor­te Por­tu­gue­sa. Es­te, ja­mais re­co­nhe­ceu a pa­ter­ni­da­de, o que não im- pe­diu Ma­ti­as de pro­cu­rar seus di­rei­tos jun­to ao rei e tor­nar-se her­dei­ro de uma gran­de par­te da for­tu­na pa­ter­na. “O im­pe­di­men­to da ra­ça de mu­la­to não o im­pos­si­bi­li­tou de re­ce­ber as be­nes­ses. No en­tan­to, se em Lis­boa, de­vi­do às qua­li­da­des do pai, tor­nou-se no­bre e ri­co, no ul­tra­mar não te­ve boa acei­ta­ção por par­te das au­to­ri­da­des”, afir­ma Ra­mi­nel­li. Is­so pa­re­ce dei­xar cla­ro que o ra­cis­mo na colô­nia era mui­to mais aflo­ra­do do que na pró­pria cor­te. Após ser re­cu­sa­do co­mo ca­va­lei­ro da Or­dem de Cris­to, Ma­ti­as mais uma vez re­cor­reu ao rei e te­ve aca­ta­do o pe­di­do de uma “car­ta de le­gi­ti­ma­ção”, tor­nan­do-se en­tão fi­lho re­co­nhe­ci­do de André Vi­dal, tem­pos de­pois da mor­te des­te. Com is­so, foi acei­to na Or­dem.

Mas o pa­re­cer que re­co­men­da sua ad­mis­são não dei­xa de fa­zer re­fe­rên­ci­as pe­jo­ra­ti­vas à sua as­cen­dên­cia. “Co­mo de cos­tu­me, o do­cu­men­to des­ta­cou os ser­vi­ços do pai e de Ma­ti­as, am­bos be­ne­mé­ri­tos no ser­vi­ço do rei­no de Por­tu­gal e, em se­gui­da, as­se­ve­rou que a sua ‘mu­la­ti­ce’ es­ta­va per­do­a­da por­que era ‘de­fei­to’ mui­to co­mum na­que­la ca­pi­ta­nia: ‘(...) por par­te de mãe é de­fei­to or­di­ná­rio em qua­se to­dos os na­tu­rais de Per­nam­bu­co”, des­ta­ca o ar­ti­go.

“A tra­je­tó­ria de Ma­ti­as reforça a hi­pó­te­se de que a so­ci­e­da­de es­cra­vis­ta era mui­to mais ex­clu­den­te do que as nor­mas me­tro­po­li­ta­nas. As de­ter­mi­na­ções ré­gi­as po­di­am até be­ne­fi­ci­ar a mu­la­tos ri­cos e che­fes in­dí­ge­nas, mas não con­se­gui­am con­tra­ri­ar os há­bi­tos e hi­e­rar­qui­as di­ta­dos pe­la es­cra­vi­dão”, con­clui Ro­nald.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.