Guer­ra dos se­xos no sé­cu­lo 17

BBC History Brasil - - História Agora / Notícias -

Uma no­va pes­qui­sa mos­tra que, nos pri­mór­di­os da In­gla­ter­ra mo­der­na, os ho­mens te­mi­am ser su­plan­ta­dos em nú­me­ro pe­las mu­lhe­res. Por

Na me­ta­de do sé­cu­lo 17, mui­tos ho­mens acre­di­ta­vam que o país es­ta­va em cri­se. A ter­ra es­ta­va ar­ra­sa­da pe­la guer­ra ci­vil e as pra­gas. Ou­tros paí­ses eu­ro­peus e do Ori­en­te Mé­dio pa­re­ci­am es­tar se de­sen­vol­ven­do mais ra­pi­da­men­te. E ago­ra sur­gia uma no­va ame­a­ça: a In­gla­ter­ra, ao que pa­re­cia, es­ta­va sen­do in­va­di­da pe­las mu­lhe­res.

Os ho­mens re­al­men­te acre­di­ta­vam que es­ta­vam sen­do su­plan­ta­dos nu­me­ri­ca­men­te pe­lo se­xo opos­to, co­mo de­ta­lha a his­to­ri­a­do­ra da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, Mar­ga­ret Pel­ling, em uma no­va pes­qui­sa.

Pel­ling es­miu­çou re­gis­tros da épo­ca, in­cluin­do li­vros, pan­fle­tos e fo­lhe­tos re­li­gi­o­sos, e des­co­briu que a su­pre­ma­cia nu­mé­ri­ca das mu­lhe­res era am­pla­men­te acei­ta co­mo um fa­to – ape­sar de não exis­tir qual­quer evi­dên­cia es­ta­tís­ti­ca pa­ra apoi­ar tal cons­ta­ta­ção.

O al­qui­mis­ta John Hey­don fez uma ano­ta­ção à mão em um li­vro de 1660, que di­zia: “Uma vez que o nú­me­ro de mu­lhe­res ul­tra­pas­sou mui­to o de ho­mens...”, en­quan­to o aca­dê­mi­co Thomas Brow­ne de­cla­ra­va que, “de­vi­do ao nú­me­ro de­si­gual en­tre os se­xos (a po­li­ga­mia) po­de se tor­nar uma ne­ces­si­da­de”.

Co­mo eles che­ga­ram a tais con­clu­sões? Pri­mei­ra­men­te, de acor­do com Pel­ling, a guer­ra ci­vil le­vou à mor­te de um gran­de nú­me­ro de ho­mens, en­quan­to ou­tros fo­ram em bus­ca de uma vi­da me­lhor em ou­tros paí­ses. Mas os ho­mens eram tam­bém res­pon­sá­veis por pro­pa­gar seus pró­pri­os me­dos, ali­men­ta­dos por uma cer­ta mi­so­gi­nia. “Os pri­mei­ros ho­mens mo­der­nos ti­nham mais pro­pen­são a re­cla­mar do nú­me­ro mai­or de mu­lhe­res quan­do se tra­ta­va do ti­po ‘pro­ble­má­ti­co’. Es­pe­ra­va-se das mu­lhe­res que fos­sem qui­e­tas, re­ca­ta­das e se man­ti­ves­sem con­fi­na­das no lar. A iden­ti­da­de fe­mi­ni­na es­ta­va sub­mis­sa à de seus ma­ri­dos, pais ou pa­trões.”

In­fe­liz­men­te, pa­ra aque­les que te­mi­am que as nor­mas so­ci­ais vi­gen­tes es­ti­ves­sem sen­do ata­ca­das, a In­gla­ter­ra do sé­cu­lo 17, com su­as agi­ta­ções po­lí­ti­cas e so­ci­ais, da­va mui­tos mo­ti­vos pa­ra que te­mes­sem que a ve­lha “or­dem na­tu­ral” es­ti­ves­se sen­do der­ru­ba­da. E o nú­me­ro de mu­lhe­res “pro­ble­má­ti­cas” pa­re­cia só cres­cer. “Em par­ti­cu­lar, as mu­lhe­res in­de­pen­den­tes eram cen­su­rá­veis”, afir­ma Pel­ling. “Es­pe­ci­al­men­te se elas se unis­sem em de­mons­tra­ções pú­bli­cas de so­li­da­ri­e­da­de fe­mi­ni­na com mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas e re­li­gi­o­sas”, com­ple­ta.

Es­sa sen­sa­ção dos ho­mens de que es­ta­vam sen­do su­pe­ra­dos, ba­se­a­va-se em par­te no fa­to de que, em ge­ral, as pes­so­as da épo­ca não ti­nham mui­ta no­ção so­bre os nú­me­ros re­ais da po­pu­la­ção. É por is­so que o tra­ba­lho de John Graunt, um ven­de­dor de ar­ma­ri­nhos nas­ci­do em 1620, é im­por­tan­te. Su­as aná­li­ses pi­o­nei­ras dos re­gis­tros da mor­ta­li­da­de na ca­pi­tal in­gle­sa são acla­ma­das pe­la gran­de con­tri­bui­ção que de­ram ao de­sen­vol­vi­men­to dos es­tu­dos so­bre as po­pu­la­ções. Em sua pes­qui­sa, Graunt de­mons­trou que o me­do dos ho­mens de es­ta­rem sen­do su­pe­ra­dos nu­me­ri­ca­men­te pe­las mu­lhe­res eram in­fun­da­dos, pe­lo me­nos em Lon­dres. “Co­mo Graunt de­mons­trou, nas­ci­am um pou­co mais de ho­mens do que mu­lhe­res – o que man­ti­nha um cer­to equi­lí­brio”, lem­bra Pel­ling. Ou se­ja, nas­ci­am mais ho­mens que mu­lhe­res, po­rém, os ho­mens mor­ri­am an­tes.

Si­nal de aler­ta Ilus­tra­ção do sé­cu­lo 17 de uma mu­lher fu­man­do ca­chim­bo. Os ho­mens es­ta­vam pre­o­cu­pa­dos com as mu­lhe­res in­de­pen­den­tes ou “pro­ble­má­ti­cas”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.