In­ter­câm­bio cul­tu­ral na An­ti­gui­da­de “A his­tó­ria de Xu­an­zang nos mos­tra o que é a ci­vi­li­za­ção”

BBC History Brasil - - Com A Palavra -

O pri­mei­ro con­ta­to en­tre du­as ci­vi­li­za­ções nem sem­pre é pa­cí­fi­co ou en­ri­que­ce­dor. Re­ve­lar-se a ou­tra cul­tu­ra re­quer pa­ci­ên­cia e hu­mil­da­de. É pre­ci­so es­tar dis­pos­to a abrir mão de su­as pró­pri­as pré-con­cep­ções e es­tar pre­pa­ra­do pa­ra ser mu­da­do pe­la ex­pe­ri­ên­cia do ou­tro.

Is­so já acon­te­ceu al­gu­mas ve­zes em gran­de es­ca­la: ima­gi­ne o im­pac­to cau­sa­do pe­las tra­du­ções do le­ga­do gre­go pa­ra os mun­dos ára­be e per­sa; ou a ten­ta­ti­va de con­ci­li­ar Is­la­mis­mo e Hin­duís­mo no Im­pé­rio Mon­gol. Ou­tro gran­de exem­plo é a in­crí­vel vi­a­gem re­a­li­za­da pe­lo mon­ge bu­dis­ta Xu­an­zang pe­la Índia, no sé­cu­lo 7, a fim de le­var as au­tên­ti­cas es­cri­tu­ras bu­dis­tas de vol­ta pa­ra a Chi­na.

As sin­cro­ni­as da His­tó­ria mui­tas ve­zes nos sur­pre­en­dem. Quan­do Xu­an­zang che­gou à Ca­xe­mi­ra, o Bu­dis­mo tal­vez ti­ves­se mais se­gui­do­res do que qual­quer ou­tra re­li­gião or­ga­ni­za­da da épo­ca. Em ju­nho de 632, lon­ge da­li, em Me­di­na (Ará­bia Sau­di­ta), mor­ria o pro­fe­ta Ma­o­mé, que de­ra or­dens a seus se­gui­do­res pa­ra bus­car o co­nhe­ci­men­to em “lu­ga­res tão dis­tan­tes quan­to a Chi­na”. Co­me­ça­va uma no­va fa­se na his­tó­ria do mun­do – em ape­nas um sé­cu­lo fo­ram es­ta­be­le­ci­dos os pri­mei­ros ca­li­fa­dos e o Is­la­mis­mo se ex­pan­diu em uma fai­xa ter­ri­to­ri­al que vai da Es­pa­nha ao Va­le do In­do.

Mais dis­tan­te, a les­te, a re­cep­ti­vi­da­de dos chi­ne­ses ao Bu­dis­mo trans­for­ma­ria a cul­tu­ra do país e le­va­ria es­sa re­li­gião até o Ja­pão, Co­réia e ou­tras na­ções asiá­ti­cas – que atu­al­men­te abri­gam a mai­o­ria dos cer­ca de meio mi­lhão de se­gui­do­res da fé em Bu­da.

Há mui­to as vi­a­gens de Xu­an­zang me fas­ci­nam. Em 1984, eu fiz a Ro­ta da Se­da, a mes­ma que ele se­guiu pa­ra atin­gir os recôn­di­tos da Chi­na. No fi­nal dos anos de 1990, en­quan­to se­guia os pas­sos de Ale­xan­dre, o Gran­de, na Ásia cen­tral, cru­zei seus ca­mi­nhos mais uma vez. E mais re­cen­te­men­te, du­ran­te as fil­ma­gens de um do­cu­men­tá­rio so­bre a his­tó­ria da Chi­na, eu vol­tei a al­guns mos­tei­ros fun­da­dos por ele, chei­os de mon­ges que or­gu­lho­sa­men­te man­têm sua me­mó­ria vi­va.

Xu­an­zang pas­sou 16 anos vi­a­jan­do pe­la Índia e es­tu­dan­do sâns­cri­to e pa­li. Quan­do re­tor­nou à Chi­na, em 645, le­vou con­si­go 600 ma­nus­cri­tos bu­dis­tas, e fun­dou um cen­tro de es­tu­dos na ca­pi­tal da di­nas­tia Tang, Chang’an (atu­al Xi­an), pa­ra tra­du­zi-los pa­ra o chi­nês. “Es­ta é a mis­são da mi­nha vi­da”, dis­se ele. O Pa­go­de do Gran­de Gan­so Sel­va­gem, cons­truí­do pa­ra guar­dar os ma­nus­cri­tos, ain­da es­tá de pé, as­sim co­mo o pe­que­no mos­tei­ro no qual pas­sou seus úl­ti­mos di­as, lo­ca­li­za­do em um bu­có­li­co va­le nas pro­xi­mi­da­des da ci­da­de. A bi­bli­o­te­ca do mos­tei­ro pre­ser­va ma­nus­cri­tos em fo­lhas de pal­mei­ra na lín­gua pa­li do Sri Lan­ka.

Mas ape­nas re­cen­te­men­te as có­pi­as de su­as car­tas, en­de­re­ça­das a ve­lhos ami­gos in­di­a­nos, fo­ram tra­du­zi­das pa­ra o in­glês (pa­ra o por­tu­guês, ain­da não). Pa­ra um aba­de de Ma­ga­da (nor­des­te da Índia), ele es­cre­veu: “O gran­de im­pe­ra­dor do Tang (Tai­zong), com a com­pai­xão de um cha­kra­var­ti­ra­ja go­ver­na com tran­qui­li­da­de e pro­mo­ve os en­si­na­men­tos do Bu­da. Ele es­cre­veu de pró­prio pu­nho o pre­fá­cio de uma tra­du­ção que man­dou co­pi­ar e di­vul­gar, as­sim, es­tá sen­do es­tu­da­da tam­bém nos paí­ses vi­zi­nhos”.

Na car­ta ao aba­de de Bodh­ga­va, o tom é ain­da mais co­mo­ven­te se con­si­de­rar­mos que eles per­ten­ci­am a es­co­las bu­dis­tas an­tagô­ni­cas: “Já faz mui­to tem­po que par­ti­mos, o que só fez au­men­tar mi­nha ad­mi­ra­ção por vo­cê... Um men­sa­gei­ro es­tá vol­tan­do à Índia. En­vio-lhe meus sin­ce­ros cum­pri­men­tos e uma pe­que­na lem­bran­ça, ina­de­qua­da pa­ra ex­pres­sar a pro­fun­di­da­de dos meus sen­ti­men­tos. Es­pe­ro que gos­te... Sen­do só pa­ra o mo­men­to. Aten­ci­o­sa­men­te, o mon­ge Xan­zang.”

Um in­ter­câm­bio co­mo­ven­te. Da mes­ma épo­ca de Be­owulf na In­gla­ter­ra, e das con­quis­tas ára­bes no Ori­en­te Pró­xi­mo. A his­tó­ria de Xu­an­zang nos mos­tra o que é a ci­vi­li­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.