Além da for­ça mi­li­tar

BBC History Brasil - - Caminhos Do Poder -

De iní­cio, os ro­ma­nos não eram mais mi­li­ta­ris­tas do que ne­nhu­ma ou­tra na­ção do Me­di­ter­râ­neo. Mas com cer­te­za acu­mu­la­ram re­ser­vas enor­mes atra­vés de gran­des con­quis­tas mi­li­ta­res. Em ne­nhum ou­tro pe­río­do da his­tó­ria de Ro­ma fo­ram re­a­li­za­das ce­rimô­ni­as mais es­pe­ta­cu­la­res do que os des­fi­les triun­fais pa­ra ce­le­brar as gran­des vi­tó­ri­as (ou mas­sa­cres san­gren­tos, de­pen­den­do do pon­to de vista), nos quais se ex­pu­nha, pa­ra aplau­sos e vai­as da mul­ti­dão, a pi­lha­gem e os pri­si­o­nei­ros ini­mi­gos cap­tu­ra­dos.

Nos exem­plos mais an­ti­gos des­se ti­po de os­ten­ta­ção ro­ma­na, pre­ser­va­dos em lá­pi­des e sar­có­fa­gos dos pri­mei­ros no­bres ro­ma­nos, es­tão re­gis­tra­das pro­e­zas mi­li­ta­res (“cap­tu­rou Tau­ra­sia, Ci­sau­na e Sâm­nio, sub­ju­gou to­da a Lu­ca­nia e to­mou re­féns”, as­se­gu­ra um epi­tá­fio do sé­cu­lo 3 a.C.). Mas quan­to a is­so, não eram di­fe­ren­tes de ne­nhum de seus vi­zi­nhos, que se en­vol­vi­am em guer­ra tan­to quan­to eles.

A ima­gem que her­da­mos – em par­te gra­ças aos qu­a­dri­nhos de As­te­rix – de ro­ma­nos em ban­dos e es­qua­drões avan­çan­do pe­la Gá­lia, on­de fe­li­zes ha­bi­tan­tes de uma al­deia vi­vem ocu­pa­dos com ofí­ci­os ino­fen­si­vos e de­fen­di­dos por na­da mais do que uma po­ção má­gi­ca, é bas­tan­te equi­vo­ca­da. Na ver­da­de, um viajante que fos­se à Gá­lia no iní­cio do sé­cu­lo 1 a.C. fi­ca­ria cho­ca­do com as mui­tas ca­be­ças dos ini­mi­gos pen­du­ra­das em pon­tas de lan­ças do la­do de fo­ra das pe­que­nas ca­ba­nas ga­le­sas (al­go que não se via ao sul, mas que, com o tem­po, da­va pa­ra se se acos­tu­mar).

Igual­men­te equi­vo­ca­da é a ideia de que os ro­ma­nos con­se­gui­ram sub­me­ter o mun­do gre­go nos ter­cei­ro e se­gun­do sé­cu­los a.C. sim­ples­men­te pas­san­do por ci­ma de um mon­te de fi­ló­so­fos que mal eram ca­pa­zes de lu­tar. Os gre­gos que fo­ram ví­ti­mas das es­pa­das ro­ma­nas eram os des­cen­den­tes de Ale­xan­dre, o Gran­de, não um ban­do de in­te­lec­tu­ais in­de­fe­sos.

A ques­tão não é por que os ro­ma­nos iam a guer­ra. Con­fli­tos eram en­dê­mi­cos no Me­di­ter­râ­neo an­ti­go, pe­río­dos de paz eram ra­ros, e os ro­ma­nos não eram pi­o­res nem me­lho­res do que os ou­tros. A ques­tão é: por que os ro­ma­nos sem­pre ven­ci­am?

Par­te da res­pos­ta pos­si­vel­men­te se es­con­de em al­gum de­ta­lhe do sen­ti­men­to de su­pe­ri­o­ri­da­de da psi­que ro­ma­na. Mas não há ne­nhum si­nal de que os ro­ma­nos an­ti­gos ti­ves­sem um pla­no ar­ti­cu­la­do pa­ra con­quis­tar um im­pé­rio, me­nos ca­bal ain­da é a pos­si­bli­da­de de am­bi­ci­o­sos ge­ne­rais de­bru-

En­ta­lhe do sé­cu­lo 4 d.C. mos­tra um triun­fan­te im­pe­ra­dor ro­ma­no atro­pe­lan­do seus ini­mi­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.