No­vas ati­tu­des

BBC History Brasil - - Século 19 -

Os ro­ma­nos não mu­da­ram as re­gras bá­si­cas des­se có­di­go de con­du­tas, mas mu­da­ram seu des­fe­cho. Ao in­vés de ape­nas le­var su­as pi­lha­gens, gra­du­al­men­te pas­sa­ram a man­ter con­ta­to per­ma­nen­te com aque­les que ha­via des­truí­do, tor­nan­do-os ci­da­dãos ro­ma­nos ou for­man­do, sob ame­a­ças, ali­an­ças per­ma­nen­tes.

Por que is­so acon­te­ceu é um mis­té­rio. Tal­vez não te­nha si­do pla­ne­ja­do, sen­do mais um im­pro­vi­so que deu cer­to do que uma es­tra­té­gia bem ela­bo­ra­da. Mas te­ve con­sequên­ci­as re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as. De saí­da, Ro­ma que­bra­va a re­la­ção que se fa­zia na An­ti­gui­da­de en­tre ci­da­da­nia e ori­gem. Na de­mo­cra­cia ate­ni­en­se, por exem­plo, a ci­da­da­nia ple­na só era con­ce­di­da aos nas­ci­dos de pai e mãe ate­ni­en­ses. Os ro­ma­nos de­fen­di­am en­fa­ti­ca­men­te que a ci­da­da­nia não de­pen­dia ape­nas de on­de ou de quem vo­cê nas­cia. Era pos­sí­vel até mes­mo ser ci­da­dão de dois lu­ga­res ao mes­mo tem­po: de sua ci­da­de na­tal e de Ro­ma. im­pe­ri­al. Fo­ram es­ses prin­cí­pi­os que de­ram a Ro­ma uma enor­me van­ta­gem pa­ra sem­pre ven­cer as ba­ta­lhas con­tra seus vi­zi­nhos.

A ci­da­da­nia ti­nha pri­vi­lé­gi­os, co­mo ser pro­te­gi­do pe­las leis ro­ma­nas e o di­rei­to ao vo­to (ape­sar de só po­der­mos ten­tar adi­vi­nhar quan­tas pes­so­as se dis­pu­nham a sair de su­as co­mu­ni­da­des, a quilô­me­tros de dis­tân­cia, pa­ra exer­cê-lo). Mas tam­bém acar­re­ta­va obri­ga­ções: a prin­ci­pal de­las era a dos ho­mens ser­vi­rem nos exér­ci­tos ro­ma­nos. Em re­su­mo, quan­to mais Ro­ma ab­sor­via aque­les a quem der­ro­ta­va, ao in­vés de aban­do­ná-los e vol­tar a com­ba­tê-los em ou­tro pe­río­do, mais sol­da­dos ti­nha à sua dis­po­si­ção.

Um me­ca­nis­mo bri­lhan­te (mes­mo que não pla­ne­ja­do) que con­ver­tia ini­mi­gos em sol­da­dos que pas­sa­vam a com­par­ti­lhar das vi­tó­ri­as ro­ma­nas – to­dos re­ce­bi­am uma par­te dos sa­ques após os triun­fos. Is­so le­va­va a mais êxi­tos que pro­du­zi­am mais sol­da­dos e mais vi­tó­ri­as, e as­sim por di­an­te. Na me­ta­de do sé­cu­lo 2 a.C., de acor­do com um há­bil ob­ser­va­dor gre­go, Ro­ma po­dia reu­nir mais de 700 mil sol­da­dos – con­tin­gen­te mui­to mai­or do que o de qual­quer ou­tra po­tên­cia oci­den­tal. Quan­do um dos mai­o­res ini­mi­gos de Ro­ma, o car­ta­gi­nês Aní­bal, der­ro­ta­va le­giões ro­ma­nas umas após as ou­tras, sem­pre ha­via mais uma a ser en­vi­a­da.

Es­sa van­ta­gem nu­mé­ri­ca foi o se­gre­do do su­ces­so ro­ma­no. Se­ria in­ge­nui­da­de ima­gi­nar que ne­nhum ro­ma­no co­bi­ças­se as ri­que­zas das con­quis­tas, ou que des­pre­zas­se a chan­ce de as­su­mir um pos­to de co­man­do nas ter­ras con­quis­ta­das. Mais tar­de, al­guns ro­ma­nos afir­ma­ri­am que o Im­pé­rio ha­via si­do uma dá­di­va dos deu­ses; Vir­gí­lio, o gran­de po­e­ta do sé­cu­lo 1 a.C, ima­gi­na­va que Jú­pi­ter ha­via pro­fe­ti­za­do que os ro­ma­nos te­ri­am “um im­pé­rio sem li­mi­tes”. Mas a prin­ci­pal cau­sa da ex­pan­são ro­ma­na do sé­cu­lo 5 a.C. em di­an­te fo­ram os re­cur­sos hu­ma­nos ob­ti­dos gra­ças à ex­ten­são sem pre­ce­den­tes da ci­da­da­nia ro­ma­na.

Os ro­ma­nos des­co­bri­am por eles mes­mos co­mo is­so era im­por­tan­te, e en­fa­ti­za­ram is­so nas his­tó­ri­as so­bre su­as ori­gens. Os ate­ni­en­ses, as­sim co­mo os ci­da­dãos de mui­tas ci­da­desEs­ta­do gre­gas, afir­ma­vam que sua po­pu­la­ção ori­gi­nal nas­ce­ra mi­la­gro­sa­men­te no so­lo da pró­pria ci­da­de: a ter­ra e as pes­so­as ha­vi­am sur­gi­do jun­tos. Os mi­tos ro­ma­nos eram bem di­fe­ren­tes, e as­se­gu­ra­vam que, em cer­to sen­ti­do, seus ci­da­dãos sem­pre ha­vi­am si­do es­tran­gei­ros em sua pró­pria pá­tria.

Um fa­mo­so con­to da Enei­da de Vir­gí­lio, re­ve­la co­mo os ro­ma­nos se es­ta­be­le­ce­ram na Itá­lia a par­tir de um re­fu­gi­a­do de guer­ra: Enéi­as, em fu­ga de sua dis­tan­te ter­ra na­tal, após es­ta ter si­do des­truí­da pe­los gre­gos na mí­ti­ca Guer­ra de Tróia. Em ou­tro mi­to, fo­ca­do no di­le­ma de Rô­mu­lo que, se­gun­do a his­tó­ria, lo­go após fun­dar a ci­da­de a de­cla­rou um re­fú­gio, anun­ci­an­do que cri­mi­no­sos, fu­gi­ti­vos ex-es­cra­vos se­ri­am bem-vin­dos. A ideia era sim­ples: Ro­ma se er­gue­ria e pros­pe­ra­ria ao in­cor­po­rar no­vos ci­da­dãos.

De cer­ta ma­nei­ra, es­se ain­da é um de­sa­fio que per­ma­ne­ce atu­al. À me­di­da que ve­mos cres­cer o de­se­jo de re­for­çar e até fe­char fron­tei­ras, tal­vez fos­se bom lem­brar que o mai­or im­pé­rio oci­den­tal foi or­gu­lho­sa­men­te cons­truí­do so­bre a ideia de uma na­ção de re­fu­gi­a­dos. Não es­tou su­ge­rin­do que se­ja uma li­ção a ser to­ma­da ao pé da le­tra; os ro­ma­nos ra­ra­men­te nos ofe­re­ce­ram es­se ti­po de exem­plo. Mas is­so nos mos­tra que, quan­do pen­sa­mos em fe­char nos­sas fron­tei­ras ou fe­char os olhos pa­ra o que acon­te­ce nas prai­as da Gré­cia atu­al ou nos cam­pos de Ca­lais, na Fran­ça, há uma ou­tra ma­nei­ra de en­fren­tar o pro­ble­ma. Ain­da que in­di­re­ta­men­te, as ori­gens do Im­pé­rio Ro­ma­no têm al­go a nos en­si­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.