O ju­deu in­fi­el

BBC History Brasil - - Capa -

Por ou­tro la­do, a bus­ca por Je­sus fo­ra dos tex­tos re­li­gi­o­sos tem se mos­tra­do in­fru­tí­fe­ra em re­la­ção aos re­gis­tros his­tó­ri­cos. Je­sus, as­sim co­mo seus pais, Maria e Jo­sé, era ju­deu e a his­tó­ria des­se po­vo na épo­ca em que ele vi­veu es­tá re­la­ti­va­men­te bem do­cu­men­ta­da. E é jus­ta­men­te is­so que in­tri­ga os pes­qui­sa­do­res: por que há tão pou­cas citações nos tex­tos his­tó­ri­cos so­bre per­so­na­gem tão im­por­tan­te?

Na li­te­ra­tu­ra ju­dai­ca, o tex­to mais po­lê­mi­co so­bre Je­sus é um ma­nus­cri­to cha­ma­do Sepher To­le­doth Yeshu (que po­de ser tra­du­zi­do co­mo “Li­vro da Ge­ne­a­lo­gia de Je­sus”). Tra­ta-se de um re­la­to de­pre­ci­a­ti­vo so­bre um tal Je­sus Ben Pan­de­ra, um pre­ten­so messias (ha­vi­am mui­tos) que foi des­mas­ca­ra­do por um ho­mem cha­ma­do Ju­das. A his­tó­ria pos­sui mui­tas se­me­lhan­ças (mas tam­bém enor­mes di­fe­ren­ças) com as do evan­ge­lho. Con­tu­do, se pas­sa cer­ca de 100 anos an­tes do Cris­to bí­bli­co, por is­so, mui­tos con­si­de­ram que não se tra­ta do mes­mo Je­sus. Além dis­so, o tom de­pre­ci­a­ti­vo em re­la­ção aos cris­tãos le­van­ta sus­pei­tas que pos­sa ter si­do uma in­ven­ção pa­ra ri­di­cu­la­ri­zar a no­va re­li­gião. Mas o To­le­doth é um tex­to con­tro­ver­so, que não faz par­te da li­te­ra­tu­ra ra­bí­ni­ca – é con­si­de­ra­do co­mo uma sá­ti­ra à his­tó­ria de Je­sus sur­gi­da no iní­cio da Ida­de Mé­dia.

Por ou­tro la­do, no Tal­mu­de há pe­lo me­nos cin­co pas­sa­gens so­bre per­so­na­gens com o no­me Yeshu (Je­sus, em he­brai­co), nas quais há se­me­lhan­ças tan­to com tre­chos dos evan­ge­lhos canô­ni­cos co­mo com a his­tó­ria de Ben Pan­de­ra. O mais cu­ri­o­so es­tá no tra­ta­do cha­ma­do Sa­nhe­drin, que diz: “Na vés­pe­ra da Pás­coa pen­du­ra­ram Yeshu; o de­cla­ma­dor anun­ci­a­ra por qua­ren­ta di­as: ‘(Yeshu) vai ser ape­dre­ja­do por prá­ti­ca de ma­gia e por se­du­zir e con­du­zir Is­ra­el à trans­gres­são. Qual­quer um que sai­ba al­go que o pos­sa ab­sol­ver de­ve se apre­sen­tar’. Mas nin­guém se apre­sen­tou e pen­du­ra­ram-no na vés­pe­ra da Pás­coa”. Sur­ge as­sim um Je­sus que se pa­re­cia mais com um fei­ti­cei­ro e trans­gres­sor das leis ju­dai­cas, e que aca­ba aban­do­na­do por seus pró­pri­os se­gui­do­res.

Mas é bom lem­brar que os ju­deus não fo­ram os pri­mei­ros e nem os úni­cos a zom­bar das cren­ças cris­tãs e da pes­soa de Je­sus. No sé­cu­lo 2, o fi­ló­so­fo gre­go Cel­so ri­di­cu­la­ri­zou as ori­gens de Je­sus no tra­ta­do A Pa­la­vra Ver­da­dei­ra, que em al­guns de­ta­lhes se pa­re­ce mui­to com o To­le­doth, o que au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de des­se ter si­do es­cri­to bem de­pois. Cel­so foi re­fu­ta­do por Orí­ge­nes, um dos pri­mei­ros fi­ló­so­fos cris­tãos, em uma obra cha­ma­da Con­tra Cel­so. Ape­sar da ima­gem ne­ga­ti­va, mui­tos his­to­ri­a­do­res vêem Cel­so co­mo uma pro­va his­tó­ri­ca con­vin­cen­te da exis­tên­cia de Je­sus.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.