Pro­gres­so pós-su­frá­gio

BBC History Brasil - - Mulheres Na Política -

Os gran­des par­ti­dos se re­or­ga­ni­za­ram pa­ra a era pós-su­frá­gio e da de­mo­cra­cia das mas­sas, pois sa­bi­am que o vo­to fe­mi­ni­no po­de­ria ser de­ci­si­vo. To­dos os três já ha­vi­am mo­bi­li­za­do mu­lhe­res an­tes: os con­ser­va­do­res cri­a­ram a Prim­ro­se Le­a­gue em 1883, com ho­mens e mu­lhe­res, se­gui­da da Fe­de­ra­ção Li­be­ral das Mu­lhe­res (1886) e da Li­ga das Mu­lhe­res Tra­ba­lha­do­ras, em 1906.

Ape­sar da efi­ci­ên­cia des­sas or­ga­ni­za­ções in­tra­par­ti­dá­ri­as, que cri­a­ram fó­runs nos quais elas po­di­am ex­pres­sar su­as rei­vin­di­ca­ções, a se­gre­ga­ção se­xu­al ge­rou uma ine­vi­tá­vel mar­gi­na­li­za­ção das mu­lhe­res em re­la­ção aos par­ti­dos co­mo um to­do. Os ho­mens se man­ti­nham fir­mes em su­as po­si­ções de de­ten­to­res do po­der e lí­de­res.

En­tre 1918 e 1939, ape­nas 36 mu­lhe­res se tor­na­ram MPs, uma con­di­ção ra­ra que con­fe­ria cer­ta ce­le­bri­da­de àque­las que a con­quis­ta­vam. A con­ser­va­do­ra e fe­mi­nis­ta Thel­ma Ca­za­let-Keir, elei­ta MP em 1931, re­lem­bra: “quan­do en­trei pe­la pri­mei­ra vez na Câ­ma­ra, as mu­lhe­res par­la­men­ta­res ain­da eram vis­tas co­mo al­go bi­zar­ro, e por vá­ri­as ve­zes vi co­le­gas me apon­ta­rem pa­ra seus ami­gos com se eu fos­se uma pan­da gi­gan­te”.

Elas po­dem ter si­do pou­cas, mas a voz das mu­lhe­res lo­go se­ria ou­vi­da no Par­la­men­to – e não ape­nas a res­pei­to de as­sun­tos domésticos, co­mo mui­tos cé­ti­cos ha­vi­am pre­vis­to. Elas fi­ze­ram in­ter­ven­ções con­tun­den­tes em de­ba­tes so­bre po­lí­ti­ca externa, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te a cri­se dos anos de 1930. Ellen Wil­kin­son, a re­ne­ga­da con­ser­va­do­ra Du­que­sa de Atholl, e a in­de­pen­den­te Ele­a­nor Rath­bo­ne cons­ti­tuí­ram uma for­mi­dá­vel fa­lan­ge fe­mi­ni­na em de­fe­sa das ví­ti­mas do fas­cis­mo em to­da a Eu­ro­pa.

E con­se­gui­ram is­so ape­sar do fa­to de o Par­la­men­to fa­zer pou­cas con­ces­sões a pres­sões na­que­la épo­ca. Um gran­de nú­me­ro das pri­mei­ras par­la­men­ta­res in­gle­sas não ti­nha fi­lhos, e mui­tas não eram ca­sa­das – fa­to que ins­pi­rou o ró­tu­lo de “as sol­tei­ro­nas do Par­la­men­to”. Mui­tas pre­fe­ri­am as­su­mir o pa­pel de “mães so­ci­ais” do que bi­o­ló­gi­cas. Rath­bo­ne nun­ca se ca­sou ou te­ve fi­lhos, mas foi a mai­or de­fen­so­ra das mu­lhe­res ca­sa­das e da in­tro­du­ção de sub­sí­di­os fa­mi­li­a­res.

Nem o pe­que­no nú­me­ro de mu­lhe­res par­la­men­ta­res ali­vi­ou a an­si­e­da­de (da mai­o­ria) dos ho­mens quan­to ao su­frá­gio fe­mi­ni­no re­pre­sen­tar uma mal­di­ção de­sas­tro­sa pa­ra a Grã-Bre­ta­nha. As mu­lhe­res se­ri­am ma­ter­nais com a na­ção, e po­de­ri­am in­fan­ti­li­zar e emas­cu­lar o país, cri­an­do um Es­ta­do mi­ma­do com uma ima­gem fe­mi­ni­na – es­ses eram os me­dos de­les, al­go mui­to bem ilus­tra­do pe­los car­to­ons de WK Ha­sel­den no jor­nal Daily Mir­ror.

Os de­ba­tes que le­va­ram à igual­da­de de di­rei­tos em 1928, co­nhe­ci­dos co­mo “vo­to me­lin­dro­so” (no­me atri­buí­do às no­vas mu­lhe­res, de­ci­di­das a des­res­pei­tar as con­ven­ções da so­ci­e­da­de), fo­ram per­me­a­dos pe­lo me­do de que os ho­mens aca­ba­ri­am en­go­li­dos por uma ge­ra­ção de jo­vens so­ci­a­li­tes frí­vo­las de­ter­mi­na­das a sub­ver­ter o de­co­ro e a se­ri­e­da­de da po­lí­ti­ca.

Va­ri­a­ções so­bre es­ses mes­mos te­mas con­ti­nu­a­ram a ser co­lo­ca­das até a dé­ca­da de 1930, du­ran­te os de­ba­tes so­bre o apa­zi­gua­men­to com a Ale­ma­nha na­zis­ta. Ha­rold Ni­col­son, um MP do ex­tin­to Par­ti­do Tra­ba­lhis­ta Na­ci­o­nal e an­ti-apa­zi­gua­men­to, ti­nha cer­te­za de que as mu­lhe­res eram as res­pon­sá­veis pe­la mo­bi­li­za­ção do país em fa­vor do Tra­ta­do de Mu­ni­que, as­si­na­do em 1938. “Es­pe­ro que os his­to­ri­a­do­res de nos­so de­clí­nio e que­da pos­sam di­zer que nos­so fim acon­te­ceu quan­do ce­de­mos às mu­lhe­res o di­rei­to ao vo­to”, de­cla­rou.

É pro­vá­vel que Ni­col­son nun­ca te­nha ima­gi­na­do que 80 anos de­pois, não uma, mas du­as mu­lhe­res al­can­ça­ri­am o to­po da es­ca­da po­lí­ti­ca bri­tâ­ni­ca. Nem Mar­ga­ret That­cher nem The­re­sa se en­qua­dram nos es­trei­tos es­te­reó­ti­pos de gê­ne­ro. São mu­lhe­res mui­to di­fe­ren­tes umas das ou­tras e de mui­tas ou­tras mu­lhe­res de seu tem­po – e, em mui­tos as­pec­tos, têm pou­co em co­mum com os mo­vi­men­tos fe­mi­nis­tas. No en­tan­to, no su­ces­so de am­bas ou­vi­mos ecos das as­pi­ra­ções fe­mi­nis­tas – e tam­bém dos re­cei­os da fe­mi­ni­za­ção – que res­so­am há qua­se um sé­cu­lo.

Ellen Wil­kin­son

Co­nhe­ci­da co­mo “Ellen Ver­me­lha”, tan­to pe­la cor dos ca­be­los co­mo pe­lo po­si­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co es­quer­dis­ta, foi elei­ta pe­lo Par­ti­do Tra­ba­lhis­ta em 1924 e em 1935. No­me­a­da mi­nis­tra da Edu­ca­ção em 1945, mor­reu em seu ga­bi­ne­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.