O li­to­ral bel­ga

BBC History Brasil - - Passeando - Por Kathryn Fer­ry

Dan­do sequên­cia às nos­sas di­cas de pas­sei­os his­tó­ri­cos, Kathryn des­cre­ve as de­lí­ci­as dos re­sorts na cos­ta bel­ga

Em agos­to de 1863, o fa­mo­so teó­lo­go John Henry New­man es­ta­va de fé­ri­as em Os­tend quan­do pas­sou por Le­o­pol­do I, en­tão o rei da Bél­gi­ca, des­fru­tan­do de um pas­seio pe­la praia. Gra­ças ao apa­dri­nha­men­to do so­be­ra­no, e do seu fi­lho Le­o­pol­do II, Os­tend pas­sou por uma trans­for­ma­ção no sé­cu­lo 19, tor­nan­do-se um dos bal­neá­ri­os mais cos­mo­po­li­tas da Eu­ro­pa.

New­man no­tou a mul­ti­dão de vi­si­tan­tes ilus­tres, mas des­co­briu que po­dia ca­mi­nhar in­cóg­ni­to, uma vez que ha­via pou­cos in­gle­ses en­tre eles. Mes­mo ho­je, ape­sar do de­sen­vol­vi­men­to dos re­sorts li­to­râ­ne­os, a his­tó­ria do país nas guer­ras, a ma­ra­vi­lho­sa cu­li­ná­ria com fru­tos do mar e a aces­si­bi­li­da­de, os vi­si­tan­tes bri­tâ­ni­cos ain­da são mi­no­ria.

Por trás das prai­as de areia dourada, re­ser­vas na­tu­rais que­bram a mo­no­to­nia da pai­sa­gem ur­ba­na dos blo­cos de apar­ta­men­tos à bei­ra-mar. Du­ran­te a Bel­le Épo­que, no fi­nal do sé­cu­lo 19, quan­do Os­tend era o point do ve­rão da al­ta-so­ci­e­da­de eu­ro­peia e no­vos re­sorts bus­ca­vam ga­nhar al­gum des­ta­que, a or­la da praia era um mix de gran­des ho­téis e man­sões. É di­ver­ti­do des­co­brir as re­mi­nis­cên­ci­as des­sa épo­ca en­cap­su­la­das en­tre as no­vas cons­tru­ções, não ape­nas pe­la jus­ta­po­si­ção do an­ti­go e do novo que con­ta a his­tó­ria de um li­to­ral de­di­ca­do ao la­zer, mas que por du­as ve­zes foi o pal­co de gran­des ba­ta­lhas nos mai­o­res con­fli­tos glo­bais.

Um gran­de exem­plo é a Ga­le­ria Re­al, uma ar­ca­da ne­o­clás­si­ca cons­truí­da en­tre 1902 e 1906, pa­ra man­ter o rei Le­o­pol­do II aque­ci­do e se­co du­ran­te as ca­mi­nha­das en­tre a re­si­dên­cia re­al e a re­cém-cons­truí­da pis­ta de cor­ri­da de ca­va­los. A es­tru­tu­ra se­ria mu­ra­da de­pois, co­mo par­te da “Mu­ra­lha Atlân­ti­ca” de Hi­tler, du­ran­te a ocu­pa­ção ale­mã.

A oes­te de Os­tend, as bem-cons­truí­das de­fe­sas ale­mãs po­dem ser ex­plo­ra­das em Do­mein Ra­ver­sij­de, on­de de­pó­si­tos de ar­ma­men­tos e mu­ni­ções, trin­chei­ras e ou­tras cons­tru­ções es­tão pre­ser­va­das em um mu­seu a céu aber­to.

Em Ni­euw­po­ort, um me­mo­ri­al ce­le­bra a aber­tu­ra das com­por­tas da bar­ra­gem que pro­vo­cou uma inun­da­ção e bar­rou o avan­ço das tro­pas ale­mãs na Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, em 1914. Com is­so, os bel­gas pu­de­ram sair de su­as ca­sas (até en­tão iso­la­das pe­los ger­mâ­ni­cos) e en­tre se­tem­bro de 1914 e mar­ço de 1915, dezenas de mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos in­va­di­ram Os­tend. Mui­tos en­con­tra­ri­am abri­go na

Um mo­der­no trai­ler de praia em De Pan­ne, he­ran­ça das an­ti­gas ca­bi­nes de ba­nho

Os­tend, no li­to­ral bel­ga, du­ran­te a Bel­le Épo­que, quan­do a al­ta-so­ci­e­da­de eu­ro­peia fre­quen­ta­va o re­sort

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.