Maya An­ge­lou

A ra­di­a­lis­ta Na­ga Mun­chetty es­co­lhe

BBC History Brasil - - Minha heroína histórica - En­tre­vis­ta: Spen­cer Mi­ze

O1928 – 2014

ter­mo “mul­ti ta­len­to­sa” tal­vez se­ja o que mais fa­ça jus­ti­ça a Maya An­ge­lou. Foi atriz, ro­tei­ris­ta, dan­ça­ri­na, mu­si­cis­ta, po­e­ti­sa, es­cri­to­ra e ati­vis­ta pe­los di­rei­tos ci­vis. Atu­ou ao la­do de Mal­colm X e Mar­tin Luther King. Te­ve uma in­fân­cia trau­má­ti­ca – foi es­tu­pra­da aos oi­to anos, agres­são re­ve­la­da em su­as me­mó­ri­as, pu­bli­ca­das em 1969, sob o tí­tu­lo Eu sei por­que um pás­sa­ro en­gai­o­la­do can­ta, que se tor­nou o pri­mei­ro best-sel­ler de não-fic­ção es­cri­to por uma afro-ame­ri­ca­na. Sua po­si­ção co­mo uma das per­so­na­gens mais im­por­tan­tes da cul­tu­ra ame­ri­ca­na foi con­so­li­da­da quan­do re­ci­tou seu po­e­ma On the Pul­se of Mor­ning na pos­se do pre­si­den­te Bill Clin­ton, em 1993.

Quan­do vo­cê ou­viu fa­lar de Maya An­ge­lou pe­la pri­mei­ra vez?

Quan­do li Eu sei por­que um pás­sa­ro en­gai­o­la­do can­ta na es­co­la. Foi um dos pri­mei­ros tex­tos de uma au­to­ra ne­gra que eu co­nhe­ci – e, pa­ra mi­nha ca­be­ça de ado­les­cen­te, foi re­ve­la­dor. De re­pen­te des­co­bri que nem to­da a li­te­ra­tu­ra ha­via si­do es­cri­ta por ro­man­cis­tas vi­to­ri­a­nos ou edu­ar­di­a­nos!

Qual foi o gran­de mo­men­to de An­ge­lou?

É im­pos­sí­vel apon­tar um fa­to em par­ti­cu­lar, já que ela fez mui­tas coi­sas ma­ra­vi­lho­sas em sua vi­da. No en­tan­to, Eu sei por­que um pás­sa­ro en­gai­o­la­do can­ta se­rá sem­pre es­pe­ci­al pa­ra mim. É in­cri­vel­men­te ho­nes­to. De­ve ter si­do mui­to do­lo­ro­so pa­ra ela con­fron­tar o es­tu­pro co­me­ti­do pe­lo na­mo­ra­do de sua mãe. Por vin­gan­ça, um tio de­la ma­tou o su­jei­to. An­ge­lou fi­cou tão trau­ma­ti­za­da com o epi­só­dio que per­ma­ne­ceu mu­da por anos. Foi um pe­río­do ter­rí­vel na vi­da de­la, e expô-lo nes­se li­vro ma­ra­vi­lho­so, um fei­to ex­tra­or­di­ná­rio.

Que ti­po de pes­soa ela era?

Co­ra­jo­sa. Mui­to co­ra­jo­sa. Ela vi­veu em uma épo­ca na qual as mu­lhe­res ne­gras não ti­nham voz e não po­di­am se­quer pen­sar em mu­dar o mun­do. Mas ela ja­mais se viu co­mo uma pes­soa que po­dia ser re­bai­xa­da ou ig­no­ra­da. E de­mons­trou is­so de vá­ri­as ma­nei­ras. Por exem­plo: foi a pri- mei­ra mu­lher ne­gra ame­ri­ca­na a di­ri­gir um bon­de elé­tri­co, foi co-au­to­ra de uma can­ção com a can­to­ra Ro­ber­ta Flack, can­tou e atu­ou no fil­me Ao Com­pas­so do Ca­lip­so. Por fim, cri­ou co­ra­gem e se mu­dou pa­ra Ga­na com um aman­te – o que não era na­da co­mum pa­ra uma mu­lher nos anos 60. Foi uma su­pre­ma que­bra­do­ra de pa­drões e su­pe­rou mui­tos obs­tá­cu­los em sua vi­da, de ra­cis­mo e abu­so se­xu­al às mor­tes re­pen­ti­nas de seus ami­gos Mar­tin Luther King e Mal­colm X. King foi mor­to no dia em que ela com­ple­ta­va 40 anos – o que a fez dei­xar de ce­le­brar seu ani­ver­sá­rio por anos.

Por que vo­cê a con­si­de­ra uma he­roí­na?

Por sua in­crí­vel co­ra­gem e por ter ins­pi­ra­do mu­lhe­res de vá­ri­as ge­ra­ções. Sua vi­da tem re­per­cus­sões tan­to pa­ra pes­so­as 20 anos mais ve­lhas do que eu, co­mo 20 anos mais no­vas. Vo­cê po­de no­tar is­so em ar­tis­tas jo­vens co­mo a can­to­ra de soul Lau­ra Mvu­la, cu­ja can­ção Phe­no­me­nal Wo­man foi ins­pi­ra­da em um po­e­ma de An­ge­lou de mes­mo no­me.

O que vo­cê acha que An­ge­lou po­de­ria fa­zer pe­la po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na ho­je?

Uma das fra­ses mais fa­mo­sas de­la é: “O ódio já cau­sou mui­tos pro­ble­mas no mun­do, mas ain­da não re­sol­veu ne­nhum”. Nun­ca es­sas pa­la­vras fo­ram tão per­ti­nen­tes co­mo nes­te mo­men­to. Acho que ela fi­ca­ria mui­to tris­te em sa­ber que ain­da in­sis­ti­mos em fa­zer cer­tos gru­pos de pes­so­as de bo­de ex­pi­a­tó­rio.

Se vo­cê ti­ves­se a chan­ce de en­tre­vis­tá-la ho­je, o que lhe per­gun­ta­ria?

Per­gun­ta­ria quan­do ela des­co­briu que po­de­ria ser o que qui­ses­se. E tam­bém até que pon­to ela acre­di­ta­ria que as mu­lhe­res ain­da são po­da­das pe­las li­mi­ta­ções da so­ci­e­da­de.

“Ela vi­veu em uma épo­ca em que as mu­lhe­res ne­gras não ti­nham voz. Mas Maya An­ge­lou ti­nha uma e a usou de mui­tas ma­nei­ras”

Na­ga Mun­chetty é apre­sen­ta­do­ra de vá­ri­os pro­gra­mas ra­di­ofô­ni­cos na rá­dio BBC One

Maya An­ge­lou, em fo­to de 2005, foi uma “su­pre­ma que­bra­do­ra de pa­drões”, afir­ma Na­ga Mun­chetty

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.