MST VOL­TA

a OCU­PAR fa­zen­das e BLOQUEAR es­tra­das

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

in­te­gran­tes do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res ru­rais Sem Ter­ra (MST) ocu­pou du­as fa­zen­das já ocu­pa­das an­te­ri­or­men­te pa­ra pe­dir pres­sa no as­sen­ta­men­to das fa­mí­li­as. Se­gun­do mi­li­tan­tes, a ma­ni­fes­ta­ção faz par­te da Jor­na­da Na­ci­o­nal de Lu­tas do MST.

in­te­gran­tes do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res ru­rais Sem Ter­ra (MST) ocu­pou on­tem(17), no es­ta­do de São Pau­lo, du­as fa­zen­das já ocu­pa­das an­te­ri­or­men­te pa­ra pe­dir pres­sa no as­sen­ta­men­to das fa­mí­li­as. Se­gun­do mi­li­tan­tes, a ma­ni­fes­ta­ção faz par­te da Jor­na­da Na­ci­o­nal de Lu­tas do MST.

uma das pro­pri­e­da­des fi­ca em Tau­ba­té, no va­le do Pa­raí­ba, in­te­ri­or do es­ta­do, às mar­gens da ro­do­via Pre­si­den­te Du­tra, na al­tu­ra do km 119. a Fa­zen­da Gu­as­sahy tem cer­ca de 100 hec­ta­res (ca­da hec­ta­re cor­res­pon­de, apro­xi­ma­da­men­te, à área de um campo de fu­te­bol de me­di­das ofi­ci­ais) e, se­gun­do o MST, es­tá aban­do­na­da e per­ten­ce à pre­fei­tu­ra de Tau­ba­té.

a pre­fei­tu­ra não con­fir­mou se é pro­pri­e­tá­ria do ter­re­no. “Nes­ta ter­ça-fei­ra [18], com o re­tor­no às ati­vi­da­des, se­rá pos­sí­vel con­fir­mar e ava­li­ar a ne­ces­si­da­de de aci­o­nar­mos a Se­cre­ta­ria de Ne­gó­ci­os Ju­rí­di­cos pa­ra ado­tar as me­di­das ca­bí­veis”, in­for­mou a as­ses­so­ria da Pre­fei­tu­ra, em no­ta.

Guar­das mu­ni­ci­pais e po­li­ci­ais mi­li­ta­res es­ti­ve­ram no lo­cal e dei­xa­ram a área sem con­fron­to. Dois fun­ci­o­ná­ri­os de em­pre­sas pró­xi­mas ao ter­re­no in­for­ma­ram que o lo­cal é usa­do pa­ra cri­a­ção de ga­do e, even­tu­al­men­te, pro­vas es­por­ti­vas. Em abril de 2009, quan­do ocu­pou a Fa­zen­da Gu­as­sahy, co­mo par­te do cha­ma­do abril ver­me­lho, o MST ale­gou que a área era im­pro­du­ti­va e es­ta­va em si­tu­a­ção de aban­do­no.

a Lei Mu­ni­ci­pal 4.444, de 2010, au­to­ri­zou a pre­fei­tu­ra a do­ar par­te da área da an­ti­ga Fa­zen­da Gu­as­sahy pa­ra em­pre­sas do gru­po uni­me­tal Par­ti­ci­pa­ções, ao qual per­ten­ce a Bra­sil Car­bo­nos S/a, pro­pri­e­tá­ria de uma ex­ten­sa área con­tí­gua ao ter­re­no ocu­pa­do. a Pe­tro­bras Dis­tri­bui­do­ra é só­cia do Gru­po uni­me­tal no em­pre­en­di­men­to.

To­dos os anos, o MST re­a­li­za, em abril, atos pa­ra lem­brar a mor­te de 19 cam­po­ne­ses em 1996, no epi­só­dio que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo Mas­sa­cre de El­do­ra­do dos Ca­ra­jás.

Se­gun­do o mo­vi­men­to, mi­lha­res de sem-ter­ra es­tão acam­pa­dos na Pra­ça Si­nim­bu, em Ma­ceió (al), pa­ra co­brar a re­for­ma agrá­ria. Em Mi­nas Ge­rais, um gru­po de mi­li­tan­tes fe­chou um tre­cho da Br-116, pró­xi­mo a Frei ino­cên­cio. Li­de­ran­ças do mo­vi­men­to in­for­mou que há mo­bi­li­za­ções tam­bém em San­ta Catarina, no Pa­rá, em Per­nam­bu­co, no Pi­auí, em São Pau­lo e ala­go­as, no rio Gran­de do Sul, em Mi­nas Ge­rais e Goiás, no Ce­a­rá, na Bahia, no Pa­ra­ná e Dis­tri­to Fe­de­ral.

Cu­tra­le

Na mes­ma ho­ra em que os sem-ter­ra agi­am em Tau­ba­té, cer­ca de 300 fa­mí­li­as ocu­pa­vam uma fa­zen­da em Bo­re­bi (SP), a cer­ca de 450 quilô­me­tros de dis­tân­cia. Se­gun­do o MST, os 2.500 hec­ta­res da Fa­zen­da San- to Hen­ri­que per­ten­cem à união e es­tão sen­do usa­das in­de­vi­da­men­te pe­la Cu­tra­le, mai­or ex­por­ta­do­ra mun­di­al de su­co de la­ran­ja.

o MST já ocu­pou a área ou­tras ve­zes. En­tre 2001 e 2014, hou­ve 14 ocu­pa­ções, com o ob­je­ti­vo de pres­si­o­nar as au­to­ri­da­des pú­bli­cas a des­ti­nar a área pa­ra a re­for­ma agrá­ria. Em 2009, imagens de sem-ter­ra usan­do um tra­tor pa­ra des­truir par­te dos la­ran­jais da fa­zen­da le­va­ram ao in­di­ci­a­men­to de 21 in­te­gran­tes do mo­vi­men­to.

De acor­do com o MST, en­quan­to ter­ras pú­bli­cas são “gri­la­das” por gran­des em­pre­sas de­nun­ci­a­das por des­res­pei­to aos di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, cer­ca de 3 mil fa­mí­li­as es­tão acam­pa­das ape­nas em São Pau­lo, sem ter on­de mo­rar e tra­ba­lhar, à es­pe­ra de uma so­lu­ção do Po­der Pú­bli­co. o MST diz que, no país to­do, exis­tem 120 mil fa­mí­li­as acam­pa­das, à es­pe­ra de ter­ra.

a re­por­ta­gem en­trou em con­ta­to com a Cu­tra­le, que ain­da não se pro­nun­ci­ou so­bre a ocu­pa­ção.

Ag. Bra­sil

ag. Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.