Je­o­van­ca Nas­ci­men­to, é elei­ta Miss Goiás 2017

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

A es­tu­dan­te de di­rei­to Je­o­van­ca Vas­con­ce­los do Nas­ci­men­to, de 26 anos, foi elei­ta, na ter­ça­fei­ra (18), a Miss Goiás 2017.

Aes­tu­dan­te de di­rei­to Je­o­van­ca Vas­con­ce­los do Nas­ci­men­to, de 26 anos, foi elei­ta, na ter­ça­fei­ra (18), a Miss Goiás 2017. Em um con­cur­so que va­lo­ri­zou, além da be­le­za, a opi­nião e a pos­tu­ra das can­di­da­tas di­an­te do em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no, a Miss Pi­re­nó­po­lis se des­ta­cou, en­tre as 18 can­di­da­tas, com seu ca­ris­ma e for­te per­so­na­li­da­de.

Pa­ra ela, um dos mai­o­res sím­bo­los da for­ça fe­mi­ni­na é não se ca­lar di­an­te de abu­sos. “O mai­or exem­plo de em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no nos di­as de ho­je são as mu­lhe­res que de­nun­ci­am as agres­sões que so­frem no dia a dia, quan­do so­frem. É um exer­cí­cio de ci­da­da­nia na ten­ta­ti­va de tor­nar a so­ci­e­da­de mais justa”, afir­ma a cam­peã.

O con­cur­so foi re­a­li­za­do na noi­te de ter­ça-fei­ra em um sa­lão de even­tos do Se­tor Bu­e­no, na re­gião sul de ca­pi­tal. A Miss Goi­â­nia, a odon­tó­lo­ga Na­tál­lia Li­ma Fi­guei­ra, de 25 anos, fi­cou em se­gun­do lu­gar, e a es­tu­dan­te de di­rei­to Rayan­ne Coutinho da Sil­va, de 18, Miss Pi­ra­can­ju­ba, em ter­cei­ro. A co­roa à cam- peã foi en­tre­gue pe­la Miss Goiás 2016, Mô­ni­ca Fran­ça.

Fo­ram fi­na­lis­tas as can­di­da­tas de Goi­a­né­sia, Pi­ra­can­ju­ba, Goi­â­nia, Pi­re­nó­po­lis e Trindade. No que­si­to be­le­za, elas ti­ve­ram que des­fi­lar com tra­je des­po­ja­do informal, com tra­je de ba­nho e rou­pa de ga­la.

Be­le­za

Com 1,75 me­tro de al­tu­ra, 90 cen­tí­me­tros de bus­to, 58 de cin­tu­ra e 90 de qua­dril, a Miss Goiás 2017 não acre­di­ta que exis­ta um pa­drão de be­le­za. Pa­ra ela, a ri­que­za da so­ci­e­da­de es­tá na diversidade.

“Na mi­nha opi­nião não exis­te um pa­drão de be­le­za, por­que o mun­do é mui­to ri­co. Vi­ve­mos di­an­te de in­fi­ni­tas di­ver­si­da­des, cul­tu­ras, ra­ças, es­ti­los”, dis­se.

Je­o­van­ca afir­ma que, além do as­pec­to fí­si­co e de per­so­na­li­da­de das can­di­da­tas, o con­cur­so te­ve o ob­je­ti­vo de va­lo­ri­zar a cul­tu­ra de ca­da uma de­las.

“O pa­pel dos con­cur­sos não é ape­nas mos­trar a be­le­za fí­si­ca da mu­lher, mas ge­rar uni­da­de e in­te­gra­ção en­tre con­cor­ren­tes e as cul­tu­ras que re­pre­sen­tam, re­ve­lan­do a be­le­za in­te­ri­or da mu­lher e seu va­lor di­an­te do mun­do”, afir­ma.

Pro­pos­ta

O di­re­tor ge­ral do con­cur­so, Ar­man­do Abran­ches, ex­pli­cou que as can­di­da­tas pas­sam por di­ver­sas en­tre­vis­tas e des­fi­les an­tes de se­rem se­le­ci­o­na­das pe­los ju­ra­dos. Se­gun­do ele, o pro­gra­ma tam­bém pe­de que as con­cor­ren­tes se­jam re­pre­sen­tan­tes ati­vas de al­gu­ma cau­sa.

“É im­por­tan­te que ela se­ja por­ta-voz de al­gu­ma men­sa­gem, que ela pos­sa di­fun­dir uma ideia. Ela pre­ci­sa ter po­der no que diz, sa­ber trans­mi­tir uma men­sa­gem. Pre­ci­sam sa­ber se po­si­ci­o­nar”, ex­pli­cou ao jor­nal. Abran­ches res­sal­tou que o even­to bus­ca va­lo­ri­zar o es­pa­ço da mu­lher e dar po­der ao pú­bli­co fe­mi­ni­no. Se­gun­do ele, o con­cur­so tem o ob­je­ti­vo dis­cu­tir com as can­di­da­tas o fe­mi­nis­mo e os di­rei­tos con­quis­ta­dos pe­las mu­lhe­res.

“O even­to tem co­mo mo­te o em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no. Mui­tas per­gun­tas são vol­ta­das pa­ra ques­tões de igual­da­de de gê­ne­ro, por exem­plo. A bandeira do fe­mi­nis­mo vem sen­do er­gui­da cons­tan­te­men­te e abor­da­mos o as­sun­to du­ran­te as en­tre­vis­tas com elas”, afir­mou.

Con­for­me o di­re­tor, o con­cur­so pas­sou por di­ver­sas mu­dan­ças ao lon­go dos anos, mas a mais sig­ni­fi­ca­ti­va, se­gun­do ele, foi a va­lo­ri­za­ção do in­te­lec­to das can­di­da­tas. Ele con­ta que as con­cor­ren­tes não são ava­li­a­das ape­nas pe­la be­le­za.

“An­tes, a Miss pre­ci­sa­va apre­sen­tar uma cer­ta me­di­da de bus­to, cin­tu­ra e qua­dril. Ho­je ain­da pre­ci­sa ter har­mo­nia nas for­mas, mas pre­ci­sam ser mu­lhe­res de ati­tu­de, que opi­nam, que dis­cu­tem. A mai­o­ria das can­di­da­tas cur­sam ou cur­sa­ram fa­cul­da­de e têm tra­ba­lhos. Mes­mo com pou­ca ida­de, pre­ci­sam sem pes­so­as a fren­te, não mais aque­le per­fil de mo­ça in­gê­nua e ima­cu­la­da”, ava­li­ou.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.