GOVERNO VIRA JOGO E AVANÇA NAS REFORMAS

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O re­la­tor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, de­pu­ta­do Arthur Maia, que­brou um acor­do com o governo e si­na­li­zou que vai al­te­rar a re­gra de tran­si­ção pa­ra os ser­vi­do­res pú­bli­cos, que ele ha­via com­bi­na­do en­du­re­cer com o Exe­cu­ti­vo no iní­cio da se­ma­na. O mo­vi­men­to ocor­reu um dia após no­ve en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas de juí­zes e pro­cu­ra­do­res en­ca­mi­nha­rem ma­ni­fes­to a Maia cri­ti­can­do a de­ci­são de per­mi­tir pa­ri­da­de .

Ore­la­tor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, de­pu­ta­do Arthur Maia (PPS-BA), que­brou um acor­do com o governo e si­na­li­zou que vai al­te­rar a re­gra de tran­si­ção pa­ra os ser­vi­do­res pú­bli­cos, que ele ha­via com­bi­na­do en­du­re­cer com o Exe­cu­ti­vo no iní­cio da se­ma­na. O mo­vi­men­to ocor­reu um dia após no­ve en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas de juí­zes e pro­cu­ra­do­res en­ca­mi­nha­rem ma­ni­fes­to a Maia cri­ti­can­do a de­ci­são de per­mi­tir pa­ri­da­de (di­rei­to de con­ti­nu­ar re­ce­ben­do os re­a­jus­tes de quem es­tá na ati­va) e in­te­gra­li­da­de (di­rei­to a man­ter o sa­lá­rio in­te­gral de quan­do es­ta­va na ati­va) só pa­ra ser­vi­do­res que se apo­sen­ta­rem com ida­de mí­ni­ma de 65 anos.

O governo te­me ain­da que o re­la­tor fa­ça no­vas con­ces­sões. is­so por­que o par­la­men­tar tam­bém es­tá so­fren­do pres­sões de ou­tras ca­te­go­ri­as or­ga­ni­za­das. Pro­fes­so­res, so­bre­tu­do mu­lhe­res, bri­gam pa­ra man­ter uma ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria in­fe­ri­or à dos ho­mens da mes­ma pro­fis­são. Na ava­li­a­ção da equi­pe econô­mi­ca, no­vos re­cu­os nas re­gras po­de­rão re­du­zir a efi­cá­cia da re­for­ma. On­tem, em Washing­ton, o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, afir­mou as mu­dan­ças es­tão no li­mi­te do que po­de ser fei­to “sem al­te­rar o equi­lí­brio fis­cal”.

Maia não ad­mi­tiu o alí­vio pa­ra os ser­vi­do­res aber­ta­men­te. Mas du­ran­te a lei­tu­ra de seu re­la­tó­rio, on­tem, na co­mis­são es­pe­ci­al que tra­ta do te­ma, di­vul­gou uma er­ra­ta in­for­man­do que vai re­ver as re­gras de tran­si­ção dos ser­vi­do­res. “É evi­den­te que a sú­bi­ta im­po­si­ção das ida­des de 65 anos pa­ra ho­mens e 62 anos pa­ra mu­lhe­res co­mo con­di­ção de aces­so à pa­ri­da­de e à in­te- gra­li­da­de con­tra­ri­am o que se en­ten­de co­mo res­pei­to à ex­pec­ta­ti­va de di­rei­to, ra­zão pe­la qual se­rão ela­bo­ra­das re­gras mais com­pa­tí­veis com os le­gí­ti­mos in­te­res­ses en­vol­vi­dos no as­sun­to”, dis­se o tex­to.

Pa­ra o Pa­lá­cio do Pla­nal­to e in­te­gran­tes da equi­pe econô­mi­ca, is­so foi vis­to co­mo um si­nal cla­ro de que Maia vai aten­der à de­man­da dos ma­gis­tra­dos e pro­cu­ra­do­res. Pa­ra os téc­ni­cos do governo, o de­pu­ta­do tem uma si­tu­a­ção frá­gil uma vez que foi ci­ta­do nas de­la­ções da Ope­ra­ção La­va-ja­to.

— Ele to­mou a de­ci­são sem co­mu­ni­car Te­mer, Eli­seu Pa­di­lha (mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil), Hen­ri­que Mei­rel­les ou Mar­ce­lo Ca­e­ta­no (se­cre­tá­rio de Pre­vi­dên­cia), com a in­ten­ção de sal­var a pró­pria pe­le — dis­se um in­ter­lo­cu­tor do governo.

PRESSÃO Da Ban­ca­da fe­mi­ni­na

Per­gun­ta­do so­bre a er­ra­ta on­tem à noi­te, Maia foi cau­te­lo­so e não fez qual­quer men­ção aos ma­gis­tra­dos e pro­cu­ra­do­res. Ele ape­nas ex­pli­cou que os ser­vi­do­res pú­bli­cos têm re­gras di­fe­ren­tes de­pen­den­do do ano em que in­gres­sa­ram na car­rei­ra. Até 2003, os ser­vi­do­res ti­nham di­rei­to a se apo­sen­tar com sa­lá­rio in­te­gral. Mas, com a re­for­ma atu­al, pa­ra con­se­guir es­ses va­lo­res, eles te­rão que atin­gir a ida­de mí­ni­ma. No pro­je­to ori­gi­nal en­ca­mi­nha­do ao Le­gis­la­ti­vo, a ida­de mí­ni­ma era a mes­ma pa­ra ho­mens e mu­lhe­res, de 65 anos. Mas com a al­te­ra­ção, a pro­pos­ta te­rá que ser ajus­ta­da pa­ra que as mu­lhe­res que in­gres­sa­ram no ser­vi­ço pú­bli­co an­tes de 2003 te­nham apo­sen­ta­do­ria in­te­gral aos 62 anos.

— Não tem fle­xi­bi­li­za­ção ne­nhu­ma. Per­ma­ne­ce a re­gra de 65 anos. A er­ra­ta es­tá pro­pon­do que se­ja con­si­de­ra­da a con­di­ção de quem en­trou an­tes de 2003. Co­mo on­tem hou­ve a mu­dan­ça de 65 anos pa­ra ho­mens e de 62 anos pa­ra mu­lhe­res, es­sa con­di­ção tem que ser trans­plan­ta­da pa­ra a re­gra de in­te­gra­li­da­de. A mu­lher que en­trou em 2003 não pre­ci­sa­rá mais ter 65 anos (pa­ra se apo­sen­tar), mas 62 anos.

No ma­ni­fes­to, a Fren­te Na­ci­o­nal da Ma­gis­tra­tu­ra e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e ou­tras seis as­so­ci­a­ções re­pre­sen­ta­ti­vas cri­ti­cam o en­du­re­ci­men­to das re­gras pa­ra os que in­gres­sa­ram no ser­vi­ço pú­bli­co an­tes de 2003: “Não se tra­ta de uma pro­pos­ta dig­na do cui­da­do com que o re­la­tor es­tu­dou es­ta ma­té­ria. Não é cons­ti­tu­ci­o­nal, pe­la ab­so­lu­ta fal­ta de pro­por­ci­o­na­li­da­de e des­res­pei­to com­ple­to às re­gras vi­gen­tes. E, pa­ra além da in­jus­ti­ça pro­fun­da man­ti­da con­tra os ser­vi­do­res pú­bli­cos, não se sus­ten­ta­rá pe­ran­te o Po­der Ju­di­ciá­rio, fi­que aler­ta o país dis­so”.

O si­nal ama­re­lo pa­ra a equi­pe econô­mi­ca de que Maia ce­de­ria a pres­sões acen­deu lo­go ce­do, de­pois que ele ini­ci­ou on­tem a lei­tu­ra de seu re­la­tó­rio na co­mis­são es­pe­ci­al. De for­ma ines­pe­ra­da, o re­la­tor in­for­mou que a ida­de mí­ni­ma pa­ra a apo­sen­ta­do­ria das mu­lhe­res na área ru­ral se­ria de 57 anos e não mais de 60 anos, co­mo ha­via in­for­ma­do na vés­pe­ra. O de­pu­ta­do tam­bém re­cu­ou da ideia de fi­xar o tem­po de con- tri­bui­ção ru­ral em 20 anos. Em seu re­la­tó­rio, ele propôs que o pra­zo fi­cas­se man­ti­do em 15 anos, co­mo já ocor­re.

Per­gun­ta­do so­bre as no­vas mu­dan­ças, Maia brin­cou on­tem di­zen­do que ti­nha tra­zi­do “uma sur­pre­si­nha” no re­la­tó­rio. O ar­gu­men­to do de­pu­ta­do pa­ra que mu­lhe­res ru­rais ti­ves­sem uma ida­de mí­ni­ma me­nor é que a re­gra pa­ra elas de­ve­ria acom­pa­nhar a nor­ma ge­ral, pe­la qual ho­mens po­de­rão se apo­sen­tar aos 65 anos e mu­lhe­res aos 62 anos. No en­tan­to, es­sa ava­li­a­ção po­de aca­bar se re­fle­tin­do so­bre ou­tras ca­te­go­ri­as, co­mo pro­fes­so­ras.

A ban­ca­da fe­mi­ni­na es­tá aten­ta a is­so. Foi por pressão das par­la­men­ta­res que o re­la­tor re­du­ziu a ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria das mu­lhe­res que tra­ba­lham no cam­po. Téc­ni­cos en­vol­vi­dos nas dis­cus­sões fi­ca­ram in­dig­na­dos com a de­ci­são do re­la­tor em pro­por um tem­po de con­tri­bui­ção de ape­nas 15 anos na área ru­ral. Eles ale­gam que o dé­fi­cit da Pre­vi­dên­cia na zo­na ru­ral é mais que o do­bro do re­gis­tra­do na área ur­ba­na e que as con­di­ções de tra­ba­lho nos gran­des cen­tros ur­ba­nos são até pi­o­res em al­guns ca­sos, co­mo obras, além de di­fi­cul­da­des de des­lo­ca­men­to pa­ra o tra­ba­lho en­tre a re­si­dên­cia e o ser­vi­ço.

O governo tam­bém não con­cor­da que as pro­fes­so­ras te­nham uma ida­de in­fe­ri­or à dos pro­fes­so­res por­que os sa­lá­ri­os são os mes­mos e to­dos são con­cur­sa­dos. Per­mi­tir re­gras di­fe­ren­ci­a­das po­de pres­si­o­nar ain­da mais o rom­bo do INSS, pois mais de três mil mu­ni­cí­pi­os de pe­que­no por­te con­ti­nu­am de­pen­den­tes do re­gi­me ge­ral. Além dis­so, a me­di­da po­de­ria agra­var ain­da

mais a cri­se fis­cal nos es­ta­dos, on­de as des­pe­sas com en­si­no têm re­le­vân­cia.

O fim da apo­sen­ta­do­ria in­te­gral pa­ra os ser­vi­do­res pú­bli­cos an­tes dos 65 anos (pa­ra ho­mens e mu­lhe­res) faz par­te das me­di­das de com­pen­sa­ção de par­te das per­das de­cor­ren­tes dos re­cu­os do governo em re­la­ção ao tex­to ori­gi­nal. Ou­tro ar­gu­men­to fa­vo­rá­vel à me­di­da é que ela tem po­ten­ci­al pa­ra ali­vi­ar as con­tas dos es­ta­dos, pres­si­o­na­das por al­tos sa­lá­ri­os de juí­zes, pro­cu­ra­do­res, de­sem­bar­ga­do­res e pro­cu­ra­do­res. A ses­são da co­mis­são es­pe­ci­al co­me­çou on­tem com mais du­as ho­ras de atra­so e foi sus­pen­sa lo­go de­pois do iní­cio da lei­tu­ra do re­la­tó­rio por con­ta do iní­cio dos tra­ba­lhos no ple­ná­rio da Câ­ma­ra. Pa­ra evi­tar que a opo­si­ção obs­truís­se a lei­tu­ra do do­cu­men­to, os lí­de­res da ba­se ali­a­da fe­cha­ram acor­do pa­ra adi­ar a vo­ta­ção do tex­to fi­nal da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pa­ra 2 de maio.

Em Washing­ton, on­de par­ti­ci­pa da reu­nião anu­al do Fun­do Mo­ne­tá­rio in­ter­na­ci­o­nal (FMI), Mei­rel­les dis­se on­tem que, da for­ma co­mo es­tá o re­la­tó­rio, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia ga­ran­te 75% dos be­ne­fí­ci­os fis­cais es­ti­ma­dos na pro­pos­ta ori­gi­nal do governo nos pró­xi­mos 10 anos.

— Es­ta­mos mais ou me­nos no li­mi­te das mu­dan­ças que po­dem ser fei­tas sem al­te­rar o equi­lí­brio fis­cal do país — dis­se o mi­nis­tro. Mei­rel­les vol­tou a afir­mar que es­pe­ra a apro­va­ção da re­for­ma pe­los de­pu­ta­dos ain­da em maio e, no Se­na­do, em ju­nho, em­bo­ra não ve­ja gran­des pro­ble­mas se hou­ver mu­dan­ças de “uns dois me­ses”. Ele afir­ma que a rá­pi­da apro­va­ção, con­tu­do, é fun­da­men­tal pa­ra re­to­mar a con­fi­an­ça da eco­no­mia.

Arq. VATICANO

O GLOBO

O pre­si­den­te da co­mis­são da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, de­pu­ta­do Car­los Ma­run, du­ran­te reu­nião so­bre o pa­re­cer do re­la­tor de­pu­ta­do Arthur Maia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.