Mor­tes em ma­ni­fes­ta­ções na Ve­ne­zu­e­la

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

A opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na saiu às ru­as em Ca­ra­cas pa­ra pro­tes­tar con­tra o Governo de Ni­co­lás Ma­du­ro e foi re­ce­bi­da com vi­o­lên­cia.

Ao­po­si­ção ve­ne­zu­e­la­na saiu às ru­as em Ca­ra­cas nes­ta quar­ta-fei­ra pa­ra pro­tes­tar con­tra o Governo de Ni­co­lás Ma­du­ro e foi re­ce­bi­da com vi­o­lên­cia. Ao me­nos du­as pes­so­as mor­re­ram ví­ti­mas da re­pres­são nas ru­as. Um es­tu­dan­te de 18 anos cha­ma­do Car­los Jo­sé Mo­re­no mor­reu após re­ce­ber um dis­pa­ro na ca­be­ça, em meio a mo­bi­li­za­ção des­ta ma­nhã. Uma mu­lher de 23 anos foi atin­gi­da por um ou­tro dis­pa­ro no Es­ta­do de Tá­chi­ra. On­tem à noi­te, o pre­si­den­te do país fez um pro­nun­ci­a­men­to na te­le­vi­são pa­ra de­nun­ci­ar o que cha­mou de um “com­plô mi­li­tar” con­tra o Governo.

Ma­du­ro afir­mou que fo­ram “des­man­te­la­dos vá­ri­os gru­pos” e que um lí­der apo­sen­ta­do foi iden­ti­fi­ca­do e pre­so co­mo um dos “ca­be­ças” do que o cha­vis­mo con­si­de­ra uma “ten­ta­ti­va de gol­pe de Es­ta­do” es­ti­mu­la­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos. O Exe­cu­ti­vo co­mu­ni­cou a ati­va­ção de uma ope­ra­ção cha­ma­da pla­no Za­mo­ra, que con­sis­te na mo­bi­li­za­ção da es­tru­tu­ra, mi­li­tar, po­li­ci­al e ci­vil “pa­ra ga­ran­tir o fun­ci­o­na­men­to” do país, “sua se­gu­ran­ça, a or­dem in­ter­na e a in­te­gra­ção so­ci­al”. “A ju­ris­di­ção mi­li­tar es­tá pro­ces­san­do to­dos os re­be­la­dos ci­vis e mi­li­ta­res, apo­sen­ta­dos nes­te ca­so, ati­vos, já cap­tu­ra­dos ou em fu­ga pa­ra a Colôm­bia”, acres­cen­tou.

O go­ver­nan­te, de quem os lí­de­res da opo­si­ção exi­gem a re­a­li­za­ção de elei­ções e a li­ber­ta­ção de pre­sos po­lí­ti­cos co­mo Le­o­pol­do Ló­pez, apon­tou além dis­so os que vê co­mo res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos. Por exem­plo, afir­mou que o pre­si­den­te da As­sem­bleia ve­ne­zu­e­la­na, o opo­si­tor Ju­lio Bor­ges, de­ve ser pro­ces­sa­do. “O que Bor­ges fez ho­je con­fi­gu­ra um de­li­to con­tra a Cons­ti­tui­ção e por­tan­to de­ve ser pro­ces­sa­do. Cha­ma aber­ta­men­te pa­ra um gol­pe de Es­ta­do os fun- ci­o­ná­ri­os das For­ças Ar­ma­das, pas­san­do por ci­ma de su­as li­nhas, de seus lí­de­res e de seu co­man­dan­te em che­fe. Is­so es­tá ti­pi­fi­ca­do co­mo rup­tu­ra cons­ti­tu­ci­o­nal”, dis­se. Bor­ges ti­nha pe­di­do aos mi­li­ta­res que agis­sem com cons­ci­ên­cia du­ran­te as mo­bi­li­za­ções, afir­man­do que a re­de de co­man­do não li­vra es­ses fun­ci­o­ná­ri­os de sua res­pon­sa­bi­li­da­de. Tam­bém ti­nha co­mu­ni­ca­do que seu par­ti­do, Pri­mei­ro Jus­ti­ça, de­nun­ci­ou ao Tri­bu­nal de Haia um “ca­so de tor­tu­ra” de dois di­ri­gen­tes ju­ve­nis do par­ti­do.

A opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na saiu em mar­char em cli­ma de al­ta ten­são por con­ta das de­mons­tra­ções de for­ça do cha­vis­mo, de­pois da on­da de pro­tes­tos das úl­ti­mas se­ma­nas. De­pois de so­li­ci­tar o res­pal­do “in­con­di­ci­o­nal” do exér­ci­to, o pre­si­den­te anun­ci­ou tam­bém sua in­ten­ção de ar­mar no fu­tu­ro um mi­lhão de ci­vis co­mo mem­bros da Mi­lí­cia Na­ci­o­nal Bo­li­va­ri­a­na, um cor­po de apoio às for­ças ar­ma­das que já con­ta com cen­te­nas de mi­lha­res de efe­ti­vos.

“Um fu­zil pa­ra ca­da mi- li­ci­a­no, um fu­zil pa­ra ca­da mi­li­ci­a­na”, pro­cla­mou Ma­du­ro ao tér­mi­no de um ato mi­li­tar con­vo­ca­do na se­gun­da-fei­ra, dis­se, “em de­fe­sa da mo­ral” e “em re­pú­dio aos trai­do­res da pá­tria”, acres­cen­tou em re­fe­rên­cia aos di­ri­gen­tes opo­si­to­res. O go­ver­nan­te ve­ne­zu­e­la­no lan­çou nos di­as an­te­ri­o­res à ma­ni­fes­ta­ção, à qual o Governo res­pon­de­rá com uma mo­bi­li­za­ção al­ter­na­ti­va, vá­ri­as men­sa­gens de cu­nho mi­li­ta­ris­ta. O úl­ti­mo foi o anún­cio de am­pli­a­ção da mi­lí­cia ci­vil e a co­mu­ni­ca­ção des­sa ope­ra­ção.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.