Terrorismo le­va me­do de vol­ta à Fran­ça às vés­pe­ras da elei­ção

Brasil em Folhas - - Mundo -

Ome­do vol­ta à Fran­ça. Dois anos de atentados ter­ro­ris­tas não al­te­ra­ram a vi­da co­ti­di­a­na dos fran­ce­ses, mas dei­xa­ram as pes­so­as em es­ta­do de aler­ta ex­tre­mo, uma agu­da sen­si­bi­li­da­de a qual­quer pos­si­bi­li­da­de de que o dra­ma se re­pi­ta. O ti­ro­teio quin­ta­fei­ra em Champs Ély­sées – no lu­gar mais tu­rís­ti­co de Paris e a três di­as do pri­mei­ro tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al – de­sen­ca­de­ou te­mo­res de que o pi­or vol­te a acon­te­cer.

O au­tor do aten­ta­do ter­ro­ris­ta foi iden­ti­fi­ca­do pe­la im­pren­sa fran­ce­sa co­mo Ka­rim Cheur­fi, um fran­cês de 39 anos com an­te­ce­den­tes pe­nais e que pe­lo me­nos des­de o co­me­ço do ano es­ta­va na mi­ra das for­ças an­ti­ter­ro­ris­tas por sua pos­sí­vel ra­di­ca­li­za­ção e li­ga­ção com o gru­po au­to­de­no­mi­na­do Es­ta­do Is­lâ­mi­co. O ata­que ar­ma­do con­tra po­li­ci­ais cer­ta­men­te vai per­tur­bar uma cam­pa­nha elei­to­ral que acon­te­ceu à som­bra de um pos­sí­vel ata­que ter­ro­ris­ta.

O sím­bo­lo é du­plo. Pe­lo lu­gar, a ave­ni­da cen­tral da ca­pi­tal fran­ce­sa, cen­tro de la­zer e co­mér­cio que co­nec­ta o Ar­co do Triun­fo à Pla­ce de la Con­cor­de, la­de­a­da pe­la re­si­dên­cia pre­si­den­ci­al, o Pa­lá­cio do Eli­seu. E sim­bó­li­co pe­la da­ta, 72 ho­ras an­tes de que se co­nhe­ça os no­mes dos dois can­di­da­tos que, no se­gun­do tur­no, no dia 7 de maio, vão dis­pu­tar a pre­si­dên­cia da Fran­ça.

Não é a pri­mei­ra vez que um ato vi­o­len­to, po­ten­ci­al­men­te ter­ro­ris­ta, afe­ta a cor­ri­da pa­ra o Eli­seu. No dia 18 de mar­ço um ho­mem ata­cou três sol­da­dos no ae­ro­por­to de Orly e foi mor­to a ti­ros. Apa­ren­te­men­te ti­nha to­ma­do dro­gas e ál­co­ol, e seus mo­ti­vos eram im­pre­ci­sos. Nes­se ca­so a hi­pó­te­se ter­ro­ris­ta aca­bou se di­luin­do.

Nes­ta se­ma­na, as au­to­ri­da­des fran­ce­sas re­ve­la­ram a de­sar­ti­cu­la­ção de uma tra­ma em Mar­se­lha pa­ra re­a­li­zar um aten­ta­do na cam- pa­nha. As me­di­das de se­gu­ran­ça fo­ram re­for­ça­das nos co­mí­ci­os dos can­di­da­tos. Co­mo ocor­reu na elei­ção nor­te-ame­ri­ca­na em no­vem­bro, a hi­pó­te­se de que um gru­po ter­ro­ris­ta ou pes­so­as ins­pi­ra­das por al­gum gru­po, ten­tem in­flu­en­ci­ar o re­sul­ta­do es­tá pre­sen­te.

A te­le­vi­são fran­ce­sa vi­veu um es­tra­nho mo­men­to de dis­so­ci­a­ção. Na emis­so­ra pú­bli­ca Fran­ce 2 es­ta­va pas­san­do um pro­gra­ma es­pe­ci­al com os on­ze can­di­da­tos pre­si­den­ci­ais. En­quan­to is­so, as re­des de no­tí­ci­as ofe­re­ci­am as pri­mei­ras no­tí­ci­as so­bre o ti­ro­teio. Al­guns fa­la­vam so­bre seus pro­gra­mas elei­to­rais, em abs­tra­to, sem re­fe­rên­cia ao incidente, co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do, ou não co­nhe­ces­sem a no­tí­cia. Ao mes­mo tem­po, o pre­si­den­te Fran­çois Hol­lan­de se reu­nia com seu ga­bi­ne­te de se­gu­ran­ça.

Du­ran­te uma par­te do de­ba­te, era co­mo se a cam­pa­nha fos­se por um la­do e a po­lí­ti­ca re­al, por ou­tro. Mais tar­de, os can­di­da­tos fa­la­ram so­bre o ata­que. O con­ser­va­dor Fran­çois Fil­lon dis­se que iria can­ce­lar seus even­tos de cam­pa­nha na sex­ta-fei­ra. “Te­mos que aca­bar com a mo­le­za, com a in­ge­nui­da­de”, dis­se Ma­ri­ne Le Pen, que se apre­sen­ta co­mo a can­di­da­ta da mão du­ra con­tra o terrorismo.

Na Fran­ça mor­re­ram, des­de 2015, 230 pes­so­as em atentados ter­ro­ris­tas or­ga­ni­za­dos ou ins­pi­ra­dos por gru­pos is­lâ­mi­cos ra­ci­ais, prin­ci­pal­men­te o Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Des­de no­vem­bro da­que­le ano es­tá em vi­gor o es­ta­do de emer­gên­cia que foi pror­ro­ga­do por di­ver­sas ve­zes e con­ti­nu­a­rá pe­lo me­nos até ju­lho pró­xi­mo. E des­de al­guns me­ses an­tes es­tá em an­da­men­to a cha­ma­da Ope­ra­ção Sen­ti­ne­la, que in­clui o des­lo­ca­men­to de se­te mil sol­da­dos por to­do o país.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.