LU­LA fa­la CO­MO CAN­DI­DA­TO e De­sa­fia La­va JA­TO a re­ve­lar PRO­VAS CON­TRA ele

A cam­pa­nha pre­si­den­ci­al de 2018 já co­me­çou pa­ra Lu­la. O ex-pre­si­den­te do Bra­sil é a úni­ca al­ter­na­ti­va viá­vel do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res e, por is­so, a ca­da evento, tem re­for­ça­do seu dis­cur­so de pre­si­den­ciá­vel. As crí­ti­cas à ope­ra­ção La­va Ja­to, da qual é

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Acam­pa­nha pre­si­den­ci­al de 2018 já co­me­çou pa­ra Luiz Inácio Lu­la da Sil­va (PT). O ex-pre­si­den­te do Bra­sil é a úni­ca al­ter­na­ti­va viá­vel do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res e, por is­so, a ca­da evento, tem re­for­ça­do seu dis­cur­so de pre­si­den­ciá­vel. As crí­ti­cas à ope­ra­ção La­va Ja­to, da qual é um dos prin­ci­pais al­vos, tam­bém só cres­cem.

Em um elo­quen­te dis­cur­so pa­ra pe­tis­tas du­ran­te um se­mi­ná­rio so­bre eco­no­mia em Bra­sí­lia, nes­ta se­gun­da-fei­ra, Lu­la dis­se que es­tá com “von­ta­de de bri­gar”, que na dis­pu­ta elei­to­ral do ano que vem vai de­fen­der seu le­ga­do apre­sen­tan­do pro­pos­tas me­lho­res do que as que mar­ca­ram os Go­ver­nos pe­tis­tas e co­brou a elei­ção de par­la­men­ta­res di­fe­ren­tes dos que fo­ram elei­tos em 2014. O atu­al Con­gres­so Na­ci­o­nal é con­si­de­ra­do um dos mais con­ser­va­do­res das úl­ti­mas dé­ca­das e foi o res­pon­sá­vel por apro­var o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff (PT), a im­po­pu­lar su­ces­so­ra e afi­lha­da po­lí­ti­ca de Lu­la na pre­si­dên­cia.

“Se tu­do der cer­to e eu pos­sa ser can­di­da­to, eu não pos­so ser can­di­da­to pa­ra di­zer ape­nas o que eu já fiz. Eu te­nho de fa­zer um pou­co mais. Por­que, se al­guém se se­pa­rar da mu­lher, ou a mu­lher do ho­mem, e de­pois de dez anos qui­ser vol­tar pa­ra fa­zer a mes­ma coi­sa, não vai dar jo­go. Al­guém tem de ter me­lho­ra­do”, afir­mou o ex-pre­si­den­te.

Co­mo exem­plo, no seu dis­cur­so aos mi­li­tan­tes, Lu­la dis­se que em seu even­tu­al ter­cei­ro man­da­to o Ban­co Na­ci­o­nal do De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) vol­ta­rá a fi­nan­ci­ar as em­pre­sas, que o Ban­co do Bra­sil te­rá um pa­pel de es­ti­mu­la­dor da so­ci­e­da­de e que as re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais fo­ca­rão a re­la­ção do Bra­sil com a Amé­ri­ca La­ti­na e com a Áfri­ca. Afir­mou ain­da que apre­sen­ta­rá um pro­je­to de re­gu­la­ção da mí­dia, um de seus le­mas elei­to­rais do iní­cio da dé­ca­da de 1990 que ele não con­se­guiu im- plan­tar nos seus oi­to anos de go­ver­no (2003-2010).

Sem ci­tar no­mes, o ex­pre­si­den­te ain­da dis­se que é ina­cei­tá­vel que um fas­cis­ta ou um na­zis­ta se­ja in­di­ca­do co­mo can­di­da­to à Pre­si­dên­cia. Fa­lou tam­bém que con­si­de­ra a ges­tão Mi­chel Te­mer (PMDB) ile­gí­ti­ma e uma das al­ter­na­ti­vas pa­ra o Bra­sil dei­xar es­tan­car uma cri­se po­lí­ti­ca se­ria a an­te­ci­pa­ção das elei­ções pre­vis­tas pa­ra o ano que vem.

“SEM fa­la­tó­rio”

Ao tra­tar de ope­ra­ções po­li­ci­ais – ele réu em cin­co ações pe­nais por cri­mes co­mo trá­fi­co de in­fluên­cia, la­va­gem de di­nhei­ro e cor­rup­ção – o ex-pre­si­den­te dis­se que che­gou a ho­ra de aca­bar com o “fa­la­tó­rio” de de­la­to­res. “Es­tá che­gan­do a ho­ra de pa­rar com o fa­la­tó­rio e mos­trar a pro­va. Acho que es­tá che­gan­do a ho­ra que a pro­va tem de apa­re­cer em ci­ma do pa­pel. Eu que­ro que eles mos­trem um re­al em uma con­ta mi­nha fo­ra des­se país ou in­de­vi­da”, dis­se pa­ra de­pois com­ple­tar: “Pro­vem um des­vio meu de con­du­ta de quan­do eu era pre­si­den­te ou não era pre­si­den­te”. Lu­la é um dos ci­ta­dos na lis­ta dos de­la­to­res da em­prei­tei­ra Ode­bre­cht.

Na se­ma­na pas­sa­da, o em­prei­tei­ro Ade­má­rio Pi­nhei­ro Fi­lho, co­nhe­ci­do co­mo Léo, afir­mou ao juiz Ser­gio Mo­ro, da La­va Ja­to, que a em­pre­sa da qual é só­cio, a OAS, pa­gou pro­pi­na ao ex-pre­si­den­te em um es­que­ma de cor­rup­ção li­ga­do à Pe­tro­bras. Ele acu­sou Lu­la de pe­dir que des­truís­se pro­vas de pa­ga­men­tos in­de­vi­dos ao PT.

O pe­tis­ta apro­vei­tou o es­pa­ço de de­ba­tes do PT pa­ra di­zer que não vê pro­ble­mas em um even­tu­al adi­a­men­to de sua oi­ti­va pe­lo juiz

Mo­ro, em Cu­ri­ti­ba (PR). O de­poi­men­to de­le es­ta­va agen­da­do pa­ra o pró­xi­mo dia 3 de maio, mas de­vi­do às pro­mes­sas de pro­tes­tos de mi­li­tan­tes pró e con­tra Lu­la agen­da­dos pa­ra es­sa da­ta, o ma­gis­tra­do ana­li­sa a pos­si­bi­li­da­de de adi­ar es­sa au­di­ên­cia. “Que­ro com­pa­re­cer por­que é a pri­mei­ra gran­de opor­tu­ni­da­de que eu não vou ser ata­ca­do pe­las re­vis­tas e pe­las te­le­vi­sões. Eu vou ter, de vi­va voz, o di­rei­to de me de­fen­der. No meu pri­mei­ro mo­men­to, o ho­rá­rio é meu. Faz três anos que eu es­tou só ou­vin­do”, afir­mou.

ELPAIS

O ex-pre­si­den­te Lu­la em evento do PT

ELPAIS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.