Tec­no­lo­gia dei­xa cen­su­ra a jor­na­lis­tas mais com­ple­xa

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ti­da co­mo po­ten­ci­al ali­a­da da li­ber­da­de de ex­pres­são, a tec­no­lo­gia não acabou com a cen­su­ra, só a tor­nou mais so­fis­ti­ca­da.

Ti­da co­mo po­ten­ci­al ali­a­da da li­ber­da­de de ex­pres­são, a tec­no­lo­gia não acabou com a cen­su­ra, só a tor­nou mais com­ple­xa e so­fis­ti­ca­da, diz a edi­ção 2017 do re­la­tó­rio da ONG ame­ri­ca­na CPJ (Co­mi­tê de Pro­te­ção aos Jor­na­lis­tas).

A pu­bli­ca­ção des­cre­ve co­mo go­ver­nos, nar­co­tra­fi­can­tes e até fac­ções ter­ro­ris­tas têm usa­do a in­ter­net pa­ra ata­car o di­rei­to à in­for­ma­ção.

A cha­ma­da “re­pres­são 2.0” é apre­sen­ta­da co­mo uma com­bi­na­ção de an­ti­gas tá­ti­cas, co­mo a pri­são de jor­na­lis­tas (que che­gou ao re­cor­de de 259 em 2016), a no­vas, po­ten­ci­a­li­za­das pe­la tec­no­lo­gia. Nes­se se­gun­do gru­po es­tão o uso de sis­te­mas de con­tro­le de in­for­ma­ção, o mo­ni­to­ra­men­to di­gi­tal de crí­ti­cos —e even­tu­al blo­queio de sua atu­a­ção—, e a dis­se­mi­na­ção de no­tí­ci­as fal­sas.

“Al­guém ain­da acre­di­ta no man­tra utó­pi­co de que a in­for­ma­ção quer ser li­vre e que é im­pos­sí­vel cen­su­rar ou con­tro­lar a in­ter­net?”, ques­ti­o­na Jo­el Si­mon, di­re­tor do co­mi­tê.

En­tre os ci­ta­dos pe­la ame­a­ça à in­for­ma­ção es­tão, em des­ta­que, Chi­na e Rús­sia.

Mos­cou, além de lu­tar con­tra atu­a­ção di­gi­tal da dis­si­dên­cia ao go­ver­no Pu­tin, usa a in­ter­net pa­ra es­pa­lhar pro­pa­gan­da e ma­ni­pu­lar a opi­nião pú­bli­ca, diz o re­la­tó­rio.

Já Pe­quim pla­ne­ja um sis- te­ma de cré­di­tos pa­ra jor­na­lis­tas que pu­bli­cam con­teú­do crí­ti­co em re­des so­ci­ais, des­cre­ve a pes­qui­sa­do­ra Ya­quiu Wang. Os que re­ce­be­rem mais pon­tos po­dem ser fi­nan­cei­ra­men­te pe­na­li­za­dos, com em­prés­ti­mos ne­ga­dos e ju­ros mai­o­res, por exem­plo.

Um ca­pí­tu­lo é de­di­ca­do aos EUA, em meio à pre­o­cu­pa­ção com a dis­se­mi­na­ção de no­tí­ci­as fal­sas e com o cli­ma de “hos­ti­li­da­de e in­ti­mi­da­ção” cri­a­do, diz a pu­bli­ca­ção, pe­la re­tó­ri­ca agres­si­va do pre­si­den­te Do­nald Trump.

O CPJ ci­ta tam­bém o uso das no­vas tec­no­lo­gi­as por “for­ças vi­o­len­tas”, co­mo o Es­ta­do Is­lâ­mi­co e car­téis de tra­fi­can­tes de dro­gas, pa­ra se co­mu­ni­car di­re­ta­men­te com o pú­bli­co, li­vran­do-se da in­ter­me­di­a­ção crí­ti­ca da mí­dia.

Pe­lo uso do ar­se­nal re- pres­si­vo mais co­nhe­ci­do, o go­ver­no tur­co re­ce­be es­pe­ci­al aten­ção es­pe­ci­al, uma vez que o país exer­ce for­te con­tro­le so­bre a mí­dia eéo que mais pren­de jor­na­lis­tas —81 dos 259 de­ti­dos, se­gun­do co­mu­ni­ca­do do CPJ no fim de 2016.

Bra­sil

O Bra­sil tam­bém é men­ci­o­na­do, em tre­cho so­bre a vi­o­lên­cia con­tra jor­na­lis­tas.

“Quais as so­lu­ções pa­ra a cen­su­ra as­sas­si­na no Mé­xi­co ou em qual­quer das de­ze­nas de ou­tras de­mo­cra­ci­as co­mo Fi­li­pi­nas, Pa­quis­tão, Ni­gé­ria ou Bra­sil, on­de a im­pu­ni­da­de no as­sas­si­na­to de jor­na­lis­tas é in­con­tro­lá­vel (...)?”

Se­gun­do a Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Jor­na­lis­tas, hou­ve 161 ca­sos de vi­o­lên­cia em 2016, sen­do du­as mor­tes.

REU­TERS

Mu­lher se­gu­ra car­taz com a men­sa­gem “O jor­na­lis­mo não po­de ser jul­ga­do” em pro­tes­to em Is­tam­bul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.