Câ­ma­ra vo­ta mu­dan­ças na CLT nes­ta quar­tas na CLT nes­ta quar­ta

Brasil em Folhas - - Política -

Por 27 vo­tos a 10, a mais im­por­tan­te re­for­ma tra­ba­lhis­ta des­de a cri­a­ção da CLT (Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho) em 1943 foi apro­va­da na co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, o pri­mei­ro pas­so do tex­to na Ca­sa. O pro­je­to se­rá le­va­do aos de­pu­ta­dos pa­ra vo­ta­ção em ple­ná­rio nes­ta quar­ta 26. Os nú­me­ros da ses­são des­ta tar­de si­na­li­zam que o Go­ver­no Mi­chel Te­mer ( PMDB) de­ve ter fa­ci­li­da­de em apro­var uma de su­as pro­pos­tas pri­o­ri­tá­ri­as em tra­mi­ta­ção no Le­gis­la­ti­vo. A aná­li­se dos par­la­men­ta­res das mu­dan­ças nas re­gras tra­ba­lhis­tas, que pre­ci­sa da mai­o­ria dos de­pu­ta­dos pre­sen­tes pa­ra pas­sar, se­rá um tes­te de for­ça pa­ra a ges­tão pe­e­me­de­bis­ta que pre­ten­de apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, uma mu­dan­ça cons­ti­tu­ci­o­nal que re­quer ao mai­o­ria qua­li­fi­ca­da na Câ­ma­ra, ou me­nos 308 vo­tos, pa­ra ser en­vi­a­da ao Se­na­do.

A vo­ta­ção des­ta ter­ça ocor­reu sem con­fron­tos, ape­sar de o Con­gres­so re­gis­trar dois pro­tes­tos nas mais de se­te ho­ras de du­ra­ção da ses­são. Cer­ca de 300 ser­vi­do­res do Le­gis­la­ti­vo per­cor­re­ram os cor­re­do­res da Câ­ma­ra em um ato con­tra as re­for­mas tra­ba­lhis­ta e da Pre­vi­dên­cia. Do la­do de fo­ra, apro­xi­ma­da­men­te 3.000 in­dí­ge­nas, se­gun­do os or­ga­ni­za­do­res do ato, ten­ta­ram in­gres­sar na se­de do Le­gis­la­ti­vo sem a au­to­ri­za­ção. Fo­ram re­ce­bi­dos com bom­bas de gás la­cri­mo­gê­neo e spray de pimenta. Os in­dí­ge­nas se ma­ni­fes­ta­vam con­tra a pa­ra­li­sa­ção na de­mar­ca­ção de ter­ras e pro­pos­tas de al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas so­bre es­se te­ma.

TRO­PA DE CHO­QUE DE LO­BIS­TAS

O tex­to prin­ci­pal da re­for­ma tra­ba­lhis­ta pre­vê que o ne­go­ci­a­do en­tre tra­ba­lha­do­res e em­pre­ga­do­res pos­sa va­ler mais do que a le­tra da lei em ca­sos co­mo de­fi­ni­ção da jor­na­da, in­ter­va­lo pa­ra al­mo­ço e parcelamento de fé­ri­as, por exem­plo. A pro­pos­ta tam­bém es­ta­be­le­ce o fim da obri­ga­to­ri­e­da­de da con­tri­bui­ção sin­di­cal e re­gu­la­men­ta mo­da­li­da­des de con­tra­ta­ção co­mo a do tra­ba­lho intermitente, por jor­na­da ou ho­ra de ser­vi­ço, e tam­bém o tra­ba­lho re­mo­to (ve­ja aqui os prin­ci­pais pon­tos).

A vo­ta­ção na co­mis­são foi en­cer­ra­da sem a aná­li­se de 25 des­ta­ques, que são emen­das apre­sen­ta­das pa­ra ten­tar mo­di­fi­car o tex­to prin­ci­pal. Boa par­te des­sas pro­pos­tas foi re­di­gi­da por re­pre­sen­tan­tes de en­ti­da­des pa­tro­nais, co­mo a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI), e la­bo­rais, co­mo o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Ae­ro­nau­tas e o sin­di­ca­to dos me­ta­lúr­gi­cos de São Pau­lo. Lo­bis­tas des­ses gru­pos es­ta­vam a to­do mo­men­to mu­ni­ci­an­do os par­la­men­ta­res com in­for­ma­ções pa­ra apre­sen­ta­rem as al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas. O re­la­tor da co­mis­são es­pe­ci­al, de­pu­ta­do Ro­gé­rio Ma­ri­nho (PSDB-RN), dis­se ter aca­ta­do al­gu­mas mu­dan­ças, co­mo a que re­ti­ra os pi­lo­tos de ae­ro­na­ves das re­gras de con­tra­ta­ção de ser­vi­ços in­ter­mi­ten­tes.

No ca­so da CNI, o tra­ba­lho de lobby era o mais pro­fis­si­o­nal. Uma equi­pe, for­ma­da por mu­lhe­res e ho­mens, es­ta­va a pos­tos com uma sé­rie de emen­das a se­rem su­ge­ri­das aos par­la­men­ta­res. Quan­do acha­vam que al­guns de­les po­de­ria as­si­nar a emen­da, fa­zi­am uma rá­pi­da reu­nião in­for­mal do gru­po e en­ca­mi­nha­vam o do­cu­men­to ao de­pu­ta­do. A de­sig­na­da pe­la equi­pe pa­ra ser a por­ta­do­ra da pro­pos­ta ao par­la­men­tar era uma loi­ra que po­de­ria ser mo­de- lo pu­bli­ci­tá­ria. Sim­pá­ti­ca e con­cen­tra­da, ela ge­ral­men­te vol­ta­va ao gru­po ten­do ga­ran­ti­do a as­si­na­tu­ra de­se­ja­da. Em cer­to mo­men­to, a con­tra­ta­da da CNI re­ce­beu uma li­ga­ção em seu ce­lu­lar e di­an­te da in­sis­tên­cia do in­ter­lo­cu­tor, emen­dou: “Quan­do vo­cê es­tá no ti­ro­teio vo­cê des­via sua aten­ção? En­tão, ago­ra es­tou nu­ma ba­ta­lha. De­pois fa­la­mos.”

Por ora, a ba­ta­lha da equi­pe da CNI saiu-se vi­to­ri­o­sa. Já os opo­si­to­res ca­pi­ta­ne­a­dos pe­lo PT e PC­DOB e PSOL, der­ro­ta­dos no vo­to, ago­ra es­pe­ram ao me­nos en­gros­sar o co­ro das ma­ni­fes­ta­ções da sex­ta 28, pa­ra quan­do se con­vo­ca uma gre­ve ge­ral no país con­tra as re­for­mas da ges­tão Te­mer.

Jus­ti­ça do tra­ba­lho

En­quan­to o front es­quer­dis­ta no Con­gres­so e nas cen­trais sin­di­cais in­sis­te que as mu­dan­ças pre­ca­ri­za­rão o em­pre­go no Bra­sil e en­fra­que­ce­rão po­der de ne­go­ci­a­ção dos tra­ba­lha­do­res, os de­fen­so­res da pro­pos­ta ar­gu­men­tam que é pre­ci­so aca­bar com a con­tri­bui­ção obri­ga­tó­ria sin­di­cal, tal qual no es­tá no tex­to, pa­ra des­man­te­lar a in­dús­tria que es­ti­mu­la a cri­a­ção de no­vos sin­di­ca­tos _são cer­ca de 11.000 sin­di­ca­tos de tra­ba­lha­do­res e mais de 6.000 de em­pre­ga­do­res.

Os crí­ti­cos do pro­je­to tam­bém te­mem que as no­vas re­gras di­fi­cul­tem o aces­so à Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. Pe­lo tex­to, quem en­trar com uma ação con­tra seu an­ti­go em­pre­ga­dor se­rá obri­ga­do a com­pa­re­cer às au­di­ên­ci­as na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho e ar­car com o gas­to no pro­ces­so, ca­so per­ca a ação. Atu­al­men­te, o em­pre­ga­do po­de fal­tar a até três au­di­ên­ci­as. Os au­to­res da pro­pos­ta, por sua vez, di­zem que é pre­ci­so de­ter a en­xur­ra­da de no­vas ações tra­ba­lhis­tas _só em 2016 fo­ram mais 4 mi­lhões, se­gun­do o tex­to: “Até quan­do os tri­bu­nais tra­ba­lhis­tas su­por­ta­rão es­se vo­lu­me de pro­ces­sos?” O se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL), em sua cru­za­da pa­ra se des­co­lar do Go­ver­no Te­mer, tam­bém cri­ti­cou, acom­pa­nha­do o lí­der do PT na Ca­sa, Car­los Za­rat­ti­ni (SP): “Es­te pro­je­to ti­ra di­rei­tos tra­ba­lhis­tas e vai in­cen­di­ar o país”.

EBC

De­pu­ta­dos co­me­mo­ram apro­va­ção do re­la­tó­rio da re­for­ma tra­ba­lhis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.