O Bra­sil Vai Pa­rar?

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

En­quan­to em Bra­sí­lia o Go­ver­no de Mi­chel Te­mer e os de­pu­ta­dos da sua ba­se dei­xam cla­ra a pres­sa pa­ra apro­var as re­for­mas tra­ba­lhis­ta e pre­vi­den­ciá­ria, se­to­res da so­ci­e­da­de ci­vil se pre­pa­ram pa­ra uma gre­ve ge­ral na sex­ta-fei­ra, 28 de abril. Ban­cá­ri­os, me­tro­viá­ri­os e mo­to­ris­tas de ôni­bus de São Pau­lo, pro­fes­so­res da re­de pú­bli­ca, pe­tro­lei­ros e ser­vi­do­res de vá­ri­as re­giões do Bra­sil já anun­ci­a­ram sua ade­são à pa­ra­li­sa­ção na­ci­o­nal. Ae­ro­nau­tas de­ci­di­rão sua par­ti­ci­pa­ção na gre­ve nes­ta quin­ta – mas não de­vem pa­rar to­tal­men­te.

En­quan­to em Bra­sí­lia o Go­ver­no de Mi­chel Te­mer e os de­pu­ta­dos da sua ba­se dei­xam cla­ra a pres­sa pa­ra apro­var as re­for­mas tra­ba­lhis­ta e pre­vi­den­ciá­ria, se­to­res da so­ci­e­da­de ci­vil se pre­pa­ram pa­ra uma gre­ve ge­ral na sex­ta-fei­ra, 28 de abril. Ban­cá­ri­os, me­tro­viá­ri­os e mo­to­ris­tas de ôni­bus de São Pau­lo, pro­fes­so­res da re­de pú­bli­ca, pe­tro­lei­ros e ser­vi­do­res de vá­ri­as re­giões do Bra­sil já anun­ci­a­ram sua ade­são à pa­ra­li­sa­ção na­ci­o­nal. Ae­ro­nau­tas de­ci­di­rão sua par­ti­ci­pa­ção na gre­ve nes­ta quin­ta – mas não de­vem pa­rar to­tal­men­te. Pa­ra além das par­ti­ci­pa­ções de ca­te­go­ri­as es­pe­ra­das, pro­fes­so­res de al­gu­mas es­co­las par­ti­cu­la­res, em São Pau­lo, no Rio e For­ta­le­za, se so­ma­ram ao pro­tes­to, com apoio de par­te das di­re­to­ri­as. “Sa­be­mos que na con­vo­ca­ção fei­ta pa­ra a pa­ra­li­sa­ção da pró­xi­ma sex­ta exis­tem di­fe­ren­tes mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas. A plu­ra­li­da­de de opi­niões, no en­tan­to, é fun­da­men­tal pa­ra o pro­ces­so de­mo­crá­ti­co”, es­cre­veu, nu­ma lon­ga car­ta aos pais, a di­re­ção do co­lé­gio je­suí­ta São Luís, ins­ta­la­do em ple­na ave­ni­da Pau­lis­ta, cu­ja men­sa­li­da­de su­pe­ra os 2.000 re­ais. A es­co­la afir­ma que a gre­ve de­ve ser tra­ta­da co­mo um “fa­to edu­ca­ti­vo”, “re­fle­tin­do so­bre o mo­men­to his­tó­ri­co pe­lo qual pas­sa­mos”.

Ou­tras es­co­las ca­tó­li­cas ade­ri­ram, apoi­a­das na ori­en­ta­ção da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB). Vá­ri­as li­de­ran­ças da Igre­ja de­ci­di­ram se ma­ni­fes­tar aber­ta­men­te. O bis­po da di­o­cé­se de San­ta­rém, no Pa­rá, dom Fla­vio Gi­o­va­ne­le, por exem­plo, gra­vou um ví­deo con­vo­can­do os fi­eis a se uni­rem ao pro­tes­to. “Con­vi­do to­dos a par­ti­ci­par [da gre­ve], com or­dem e sem ba­gun­ça, pois se se quer um Bra­sil de paz, é pre­ci­so ma­ni­fes­ta­ções pa­cí­fi­cas, mas tam­bém ma­ni­fes­tan­do com fir­me­za qual é a nos­sa po­si­ção es­pe­ci­al­men­te em re­la­ção à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e tra­ba­lhis­ta”.

Es­ta se­rá a pri­mei­ra ma­ni­fes­ta­ção con­tra o Go­ver­no des­de que as de­la­ções da Ode­bre­cht vi­e­ram à to­na e im­pli­ca­ram ain­da mais in­te­gran­tes do pri­mei­ro es­ca­lão de Te­mer e o pró­prio pre­si­den­te. Or­ga­ni­za­da pe­las mai­o­res cen­trais sin­di­cais do país, co­mo a Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT) e a For­ça Sin­di­cal, o ato se vol­ta­rá con­tra o com­bo das re­for­mas da Pre­vi­dên­cia e tra­ba­lhis­ta pro­pos­to pe­lo Pla­nal­to. Em São Pau­lo, a con­cen­tra­ção es­tá pre­vis­ta pa­ra as 16h no Lar­go da Ba­ta­ta, zo­na oes­te, e de­ve se­guir em pas­se­a­ta até a re­si­dên­cia do pre­si­den­te, no bair­ro de Pi­nhei­ros. No Rio de Ja­nei­ro o ato co­me­ça­rá às 17h, na Ci­ne­lân­dia, re­gião cen­tral. As ma­ni­fes­ta­ções con­tam com o apoio de mo­vi­men­tos de opo­si­ção ao Pla­nal­to, co­mo a Fren­te Bra­sil Po­pu­lar e Po­vo Sem Me­do. No fi­nal de mar­ço, mo­vi­men­tos de es­quer­da já ha­vi­am ido às ru­as con­tra as re­for­mas em to­do o país, em atos que ti­ve­ram gran­de ade­são, e que ti­ve­ram co­mo fo­co as re­for­mas e o gri­to de “Fo­ra Te­mer”.

Des­ta vez, tem a par­ti­ci­pa­ção do de­pu­ta­do fe­de­ral Pau­li­nho da For­ça (SD-SP), pre­si­den­te da For­ça Sin­di­cal. Seu par­ti­do in­te­gra a ba­se do Go­ver­no Te­mer. Pau­li­nho afir­mou que a gre­ve “tem tu­do pa­ra tor­nar-se um mar­co his­tó­ri­co na re­sis­tên­cia da clas­se tra­ba­lha­do­ra con­tra as fre­quen­tes ame­a­ças do Go­ver­no de, sob a ale­ga­ção de sa­nar os co­fres pú­bli­cos, su­pri­mir di­rei­tos de to­dos os bra­si­lei­ros”. A po­si­ção do par­la­men­tar, que de­fen­deu o im­pe­a­ch­ment da ex­pre­si­den­ta Dil­ma, e é al­vo de inqué­ri­tos da Ope­ra­ção La­va Ja­to, é in­flu­en­ci­a­da por um dos pon­tos da re­for­ma tra­ba­lhis­ta: o fim do im­pos­to sin­di­cal obri­ga­tó­rio. “Sem di­nhei­ro o sin­di­ca­to não tem co­mo se man­ter e ne­go­ci­ar”, afir­ma Pau­li­nho. O re­la­tor da pro­pos­ta na Câ­ma­ra, Ro­gé­rio Ma­ri­nho (PSDB-RN), propôs em seu tex­to o fim da con­tri­bui­ção sin­di­cal obri­ga­tó­ria, uma das mai­o­res fon­tes de ren­da da For­ça. Atu­al­men­te o pa­ga­men­to cor­res­pon­de a um dia de tra­ba­lho, e va­le pa­ra tra­ba­lha­do­res sin­di­ca­li­za­dos e os não as­so­ci­a­dos.

O de­pu­ta­do tam­bém des­ta­ca que “a re­for­ma tra­ba­lhis­ta tem uma sé­rie de pro­ble­mi­nhas me­no­res, mas o mai­or pa­ra nós é a cri­a­ção de uma co­mis­são de fá­bri­ca sem par­ti­ci­pa­ção do sin­di­ca­to. Se­rá co­mo um sin­di­ca­to da em­pre­sa”, diz. Ele tam­bém dis­pa­ra con­tra as mu­dan­ças na Pre­vi­dên­cia (“dei­xa mui­ta gen­te de fo­ra”), e diz não te­mer re­pre­sá­li­as do Pla­nal­to: “Se ti­ver que sair do Go­ver­no nós sai­re­mos, is­so não é pro­ble­ma”.

Já a CUT de­fen­de o fim da con­tri­bui­ção, mas cri­ti­ca a ma­nei­ra co­mo o Go­ver­no es­tá tra­tan­do o te­ma. “Qu­e­re­mos é que es­sa con­tri­bui­ção se­ja de­ci­di­da por meio de as­sem­bleia, de­mo­cra­ti­ca­men­te. E is­so não es­tá cla­ro no pro­je­to do re­la­tor”, afir­mou Quin­ti­no Se­ve­ro, se­cre­tá­rio de Fi­nan­ças da en­ti­da­de à re­pór­ter He­loí­sa

Men­don­ça. A no­va pa­ra­li­sa­ção mas­si­va ocor­re­rá qua­se 100 anos após a pri­mei­ra gre­ve ge­ral da his­tó­ria do país, ocor­ri­da em ju­lho de 1917 e ca­pi­ta­ne­a­da por or­ga­ni­za­ções ope­rá­ri­as de ins­pi­ra­ção anar­quis­ta. Em 1996, uma gre­ve ge­ral con­tra as pri­va­ti­za­ções pro­pos­tas pe­lo en­tão pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so mo­bi­li­zou cer­ca de 12 mi­lhões de pes­so­as. Além dos sin­di­ca­tos que con­fir­ma­ram ade­são exis­te a ex­pec­ta­ti­va que ou­tras or­ga­ni­za­ções en­gros­sem o ato, uma vez que as­sem­blei­as de clas­se ain­da irão ocor­rer até o dia da gre­ve.

Alhei­os à mo­bi­li­za­ção po­pu­lar, de­pu­ta­dos fe­de­rais apro­va­ram em co­mis­são es­pe­ci­al nes­ta ter­ça o re­la­tó­rio so­bre a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, e vol­tam nes­ta quar­ta-fei­ra ao ple­ná­rio da Ca­sa pa­ra vo­tar o pro­je­to de lei, cu­jo de­ta­lha­men­to, de 140 pá­gi­nas, foi di­vul­ga­do pou­cas ho­ras an­tes de­le en­trar em Co­mis­são. A no­va le­gis­la­ção pre­vê mu­dan­ças que ter­mi­nam com in­ter­pre­ta­ções dú­bi­as de al­guns pro­ces­sos – a mes­ma cau­sa tra­ba­lhis­ta po­de ter vi­tó­ria ou der­ro­ta de­pen­den­do do juiz que ana­li­sa – e ao mes­mo tem­po cria obs­tá­cu­los no aces­so de em­pre­ga­dos à Jus­ti­ça, so­li­ci­tan­do que ele ar­que com cus­tos de pe­ri­tos se ne­ces­sá­ri­os, por exem­plo. A gra­tui­da­de dos pro­ces­sos, se­gun­do o pro­je­to do Go­ver­no, le­va a abu­sos que mul­ti­pli­cam as ações tra­ba­lhis­tas nos tri­bu­nais.

AG. BRA

AG. BRA­SIL

Pro­tes­to re­a­li­za­do no fim de mar­ço con­tra as re­for­mas tra­ba­lhis­ta e da pre­vi­dên­cia, em São Pau­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.