PRA­ZO Pa­ra DE­CLA­RA­ÇÃO DO IM­POS­TO De ren­da ter­mi­na HO­JE

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ter­mi­na ho­je, às 23h59, o pra­zo pa­ra a en­tre­ga da De­cla­ra­ção do Im­pos­to de Ren­da da Pes­soa Fí­si­ca, mas 7,4 mi­lhões de con­tri­buin­tes es­tão atra­sa­dos. A Re­cei­ta Fe­de­ral es­pe­ra 28,3 mi­lhões de do­cu­men­tos, com chan­ce “ze­ro” de pror­ro­ga­ção, se­gun­do o su­per­vi­sor Na­ci­o­nal do IR, Jo­a­quim Adir.

Ter­mi­na ho­je, às 23h59, o pra­zo pa­ra a en­tre­ga da De­cla­ra­ção do Im­pos­to de Ren­da da Pes­soa Fí­si­ca, mas 7,4 mi­lhões de con­tri­buin­tes es­tão atra­sa­dos. A Re­cei­ta Fe­de­ral es­pe­ra 28,3 mi­lhões de do­cu­men­tos, com chan­ce “ze­ro” de pror­ro­ga­ção, se­gun­do o su­per­vi­sor Na­ci­o­nal do IR, Jo­a­quim Adir. “É da men­ta­li­da­de do bra­si­lei­ro olhar a de­cla­ra­ção co­mo se fos­se ven­ci­men­to. En­tão, ele diz, ‘ ah, só ven­ce em 28 de abril, até lá eu fa­ço’”, diz Adir, ba­se­an­do- se em es­ta­tís­ti­cas se­gun­do as quais en­tre 3 mi­lhões e 4 mi­lhões de con­tri­buin­tes dei­xam pa­ra acer­tar as con­tas com o Leão no úl­ti­mo dia.

Adir adi­an­ta que, em 2018, vai di­mi­nuir a ida­de mí­ni­ma obri­ga­tó­ria pa­ra a iden­ti­fi­ca­ção de de­pen­den­tes pe­lo CPF na de­cla­ra­ção do IR. Es­te ano, foi de 12 anos. “A mai­o­ria dos de­pen­den­tes já tem CPF. Por is­so, cer­ta­men­te, a ida­de vai di­mi­nuir, e po­de até ser ze­ro”, dis­se. O Fis­co es­tá sem­pre atrás de no­vi­da­des tec­no­ló­gi­cas pa­ra tor­nar o pre­en­chi­men­to da de­cla­ra­ção mais fá­cil e rá­pi­do. “Ho­je, to­do mun­do sa­be fa­zer de cos­tas pa­ra o com­pu­ta­dor”, brin­ca.

A gre­ve ge­ral, no úl­ti­mo dia de en­tre­ga da de­cla­ra­ção do ir, po­de atra­pa­lhar o con­tri­buin­te?

Não. As pes­so­as vão fa­zer a de­cla­ra­ção an­tes, em ca­sa. Não vai atra­pa­lhar não. E nin­guém vai fi­car até a meia- noi­te na rua.

Há ris­co de con­ges­ti­o­na­men­to dos com­pu­ta­do­res da re­cei­ta?

Não. A Re­cei­ta es­tá preparada. Os nú­me­ros es­tão si­mi­la­res aos de anos an­te­ri­o­res. Co­mo ago­ra, fal­ta­vam 11 mi­lhões na úl­ti­ma se­ma­na de 2016. De­ve­mos ter uns 3 mi­lhões ou 4 mi­lhões que só en­tre­gam a de­cla­ra­ção no úl­ti­mo dia. É mui­to di­fí­cil 4 mi­lhões re­sol­ve­rem fa­zê- lo na mes­ma ho­ra.

Por que mui­tos dei­xam pa­ra en­tre­gar no fim do pra­zo?

É um há­bi­to. É um com­por­ta­men­to do nos­so po­vo, que dei­xa tu­do pa­ra ama­nhã. Ele olha a de­cla­ra­ção co­mo se fos­se ven­ci­men­to, e fa­la: “ah, só ven­ce em 28 de abril, até lá eu fa­ço”. Acon­te­ce com to­das as de­cla­ra­ções da Re­cei­ta, não é só com o IR. To­do ano é igual.

O se­nhor já man­dou a de­cla­ra­ção?

Fiz a pré-pre­en­chi­da por ter cer­ti­fi­ca­do di­gi­tal. É ex­ce­len­te. Tem to­das as in­for­ma­ções das fon­tes pa­ga­do­ras e a quem o con­tri­buin­te fez pa­ga­men­tos.

Co­mo a pes­soa fí­si­ca faz pa­ra ter aces­so à de­cla­ra­ção pré-pre­en­chi­da?

Pri­mei­ro, ad­qui­re o cer­ti­fi­ca­do di­gi­tal. Bai­xa o pro­gra­ma do IR. Vai ao si­te da Re­cei­ta na in­ter­net, no e- Cac, en­tra em de­cla­ra­ções e pe­de a pré- pre­en­chi­da. É um ar­qui­vo que tem os da­dos dos in­for­mes an­te­ri­o­res e traz to­das as su­as in­for­ma­ções que já che­ga­ram à Re­cei­ta. Vo­cê não pre­ci­sa de com­pro­van­tes de ren­di­men­tos, nem na­da. Es­tá tu­do lá. Pe­lo me­nos, os meus es­ta­vam. Is­so aí é a de­cla­ra­ção do fu­tu­ro. As pes­so­as têm que usar is­so. Ela aju­da o con­tri­buin­te a ace­le­rar e pre­en­cher a de­cla­ra­ção de for­ma correta. Tem até o im­pos­to cal­cu­la­do. Só pre­ci­sa con­fe­rir se não fal­ta na­da.

A pou­co tem­po do fim do pra­zo, o que di­zer aos re­tar­da­tá­ri­os?

A re­co­men­da­ção é não dei­xar pa­ra a úl­ti­ma ho­ra. As dúvidas sur­gem é na ho­ra de pre­en­cher a de­cla­ra­ção. E a fal­ta de do­cu­men­tos po­de ser um pro­ble­ma. Quem dei­xa pa­ra a úl­ti­ma ho­ra cor­re ris­cos. Um de­les é o com­pu­ta­dor es­tra­gar ou o pro­ve­dor pa­rar.

A ex­pec­ta­ti­va de 28,3 mi­lhões pres­ta­rem con­tas po­de se frus­trar?

Não creio. Não de­ve fi­car mui­to abai­xo dis­so.

em 2016, mui­ta gen­te en­tre­gou fo­ra do pra­zo?

sem­pre tem gen­te fo­ra do pra­zo. En­tre 800 mil e um mi­lhão en­tre­gam com atra­so to­do ano, en­tre maio e de­zem­bro.

Quan­tos já caí­ram na ma­lha fi­na a par­tir da de­cla­ra­ção 2017?

is­so aí não sei. Nem a mi­nha olhei pa­ra ver se es­tá na ma­lha.

Nes­sas úl­ti­mas ho­ras, o ris­co de ma­lha fis­cal re­al­men­te cres­ce?

a per­gun­ta é: en­tre­go de qual­quer jei­to? Há ris­cos. se vo­cê ti­ver im­pos­to a pa­gar e não qui­tar a pri­mei­ra co­ta, po­de man­dar uma de­cla­ra­ção re­ti­fi­ca­do­ra, mas vai pa­gar a di­fe­ren­ça de im­pos­to. En­tre­gar é sem­pre a me­lhor op­ção, mas, se en­tre­gar com in­for­ma­ção er­ra­da, tem o ris­co de pa­gar mul­ta so­bre o im­pos­to apu­ra­do.

Mui­tos con­ta­do­res dão es­se con­se­lho de en­tre­gar, mes­mo er­ra­da, e de­pois re­ti­fi­car.

Nes­se ca­so, o con­tri­buin­te po­de não pa­gar a mul­ta por atra­so, mas pa­ga pe­lo im­pos­to não re­co­lhi­do, ou vai pa­ra o fim da fi­la da res­ti­tui­ção. Quem tem im­pos­to a pa­gar e en­tre­ga com er­ro fi­ca su­jei­to a mul­ta.

Há quem en­vie por úl­ti­mo pa­ra ga­nhar com os ju­ros, na res­ti­tui­ção.

É op­ção de ca­da um. Es­ses não es­tão pre­ci­san­do de di­nhei­ro. a mai­o­ria en­tre­ga nos pri­mei­ros di­as pa­ra ir ao ban­co pe­gar em­prés­ti­mo.

al­gu­ma chan­ce de am­pli­ar o pra­zo?

Ze­ro. Ne­nhu­ma. Des­de que es­tou aqui, há 15 anos, não hou­ve ne­nhu­ma pror­ro­ga­ção. a re­cei­ta tem que mos­trar se­ri­e­da­de. se vo­cê pror­ro­ga num ano, ge­ra ex­pec­ta­ti­va con­tí­nua de pror­ro­ga­ção, e não que­re­mos is­so.

O se­nhor acre­di­ta que o con­tri­buin­te acha a de­cla­ra­ção do ir fá­cil?

To­do mun­do sa­be fa­zer a de­cla­ra­ção, ho­je, de cos­tas pa­ra o com­pu­ta­dor. É mui­to fá­cil. Quem acha com­pli­ca­do, ou re­al­men­te tem vá­ri­os ne­gó­ci­os, apli­ca­ções fi­nan­cei­ras, ou nun­ca abriu a de­cla­ra­ção. É aque­la coi­sa: não gos­to de pe­qui, mas nun­ca pro­vei.

Ha­ve­rá no­vi­da­des no pró­xi­mo ano?

Tu­do de­pen­de de re­cur­sos. Mas a aus­te­ri­da­de é gran­de por cau­sa da cri­se. Tem coi­sas que são pen­sa­das, mas de­man­dam in­ves­ti­men­tos, e a gen­te não po­de fa­lar.

Mes­mo coi­sas co­mo re­du­ção da ida­de pa­ra que de­pen­den­tes te­nham CPF?

Cer­ta­men­te, a ida­de vai di­mi­nuir dos 12 anos atu­ais. Po­de ser até ze­ro. O ob­je­ti­vo é di­mi­nuir. Cla­ro que não que­re­mos que ha­ja uma cor­re­ria pa­ra ti­rar CPF, mas te­mos con­vê­ni­os com os car­tó­ri­os e já tem CPF no re­gis­tro do nas­ci­men­to. Ho­je, a mai­o­ria dos de­pen­den­tes tem CPF.

O pro­gra­ma de ir bra­si­lei­ro es­tá na ra­bei­ra de paí­ses mais avan­ça­dos?

Não, os ou­tros é que cor­rem atrás da gen­te. Nos Es­ta­dos Uni­dos, por exem­plo, o for­mu­lá­rio ain­da é de pa­pel.

ain­da há mui­to a apri­mo­rar no mo­de­lo bra­si­lei­ro?

sem­pre é pos­sí­vel fa­ci­li­tar pa­ra o con­tri­buin­te. É de­se­jo da re­cei­ta en­con­trar uma tec­no­lo­gia que não cus­te tão ca­ro e subs­ti­tua o cer­ti­fi­ca­do di­gi­tal. O uso da de­cla­ra­ção pré- pre­en­chi­da po­de ser am­pli­a­do. Mas a re­cei­ta es­tá obri­ga­da ao si­gi­lo fis­cal e o úni­co ins­tru­men­to que dá es­sa se­gu­ran­ça, ho­je, é o cer­ti­fi­ca­do di­gi­tal.

AG. BRA

“Cer­ta­men­te, a ida­de (pa­ra ter CPF) vai di­mi­nuir dos 12 anos atu­ais. Po­de ser até ze­ro. O ob­je­ti­vo é di­mi­nuir”

Ag. bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.