sí­ria acu­sa is­ra­el de dis­pa­rar mís­seis per­to de Da­mas­co

Brasil em Folhas - - Mundo -

ASí­ria acu­sou seu vi­zi­nho Is­ra­el de ter pro­vo­ca­do nes­ta quin­ta-fei­ra (27) uma enor­me ex­plo­são ao dis­pa­rar mís­seis con­tra uma po­si­ção mi­li­tar, per­to do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Da­mas­co.

O Es­ta­do he­breu, que ra­ras ve­zes con­fir­ma seus nu­me­ro­sos ata­ques lan­ça­dos em ter­ri­tó­rio sí­rio des­de o iní­cio da guerra, em 2011, deu a en­ten­der que po­de ser o au­tor do bom­bar­deio.

Ca­so o en­vol­vi­men­to de Is­ra­el se­ja con­fir­ma­do, es­te se­ria o se­gun­do ata­que do país em qua­tro di­as con­tra al­vos na Sí­ria, on­de o Hiz­bul­lah –um dos gran­des ini­mi­gos de Is­ra­el– lu­ta ao la­do do re­gi­me de Bashar al-as­sad con­tra re­bel­des e jiha­dis­tas.

“Uma po­si­ção mi­li­tar a su­do­es­te do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Da­mas­co foi al­vo ao ama­nhe­cer de uma agres­são is­ra­e­len­se com vá­ri­os mís­seis dis­pa­ra­dos a par­tir dos ter­ri­tó­ri­os ocu­pa­dos (Is­ra­el, no jar­gão do re­gi­me sí­rio), pro­vo­can­do ex­plo­sões”, afir­mou a agên­cia Sa­na ci­tan­do uma fon­te mi­li­tar.

Os dis­pa­ros pro­vo­ca­ram “da­nos ma­te­ri­ais”, acres­cen­tou, sem in­for­mar se era uma po­si­ção do exér­ci­to sí­rio.

O Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos (OSDH) in­for­mou, por sua vez, que um de­pó­si­to de mu­ni­ções, mui­to pro­va­vel­men­te per­ten­cen­te ao Hiz­bul­lah li­ba- nês, ex­plo­diu per­to do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal, si­tu­a­do a 25 km de Da­mas­co. Se­gun­do Al Ma­nar, a te­le­vi­são do Hiz­bul­lah, a ex­plo­são ocor­reu de ma­dru­ga­da “em vá­ri­os de­pó­si­tos de com­bus­tí­vel e um ar­ma­zém do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Da­mas­co e pro­va­vel­men­te foi pro­vo­ca­da por um ata­que aé­reo is­ra­e­len­se”.

Em Is­ra­el, o mi­nis­tro da In­te­li­gên­cia, Is­ra­el Katz, de­cla­rou que o su­pos­to ata­que era co­e­ren­te com a po­lí­ti­ca is­ra­e­len­se, sem con­fir­mar a res­pon­sa­bi­li­da­de de seu país.

BO­LA De FO­GO

Uma tes­te­mu­nha que vi­ve em um bair­ro do su­des­te da ca­pi­tal, Dawwar al Bay­ta­ra, con­tou à AFP ter ou­vi­do uma gran­de ex­plo­são.

“Às 04h00 da ma­nhã, ou­vi uma enor­me ex­plo­são, cor­ri pa­ra a va­ran­da e, ao olhar pa­ra o ae­ro­por­to, vi uma enor­me bo­la de fo­go”, re­la­tou Maytham, de 47 anos. “A ele­tri­ci­da­de foi cor­ta­da. A bo­la de fo­go era bem vi­sí­vel”, acres­cen­tou.

Des­de o iní­cio da guerra na Sí­ria, Is­ra­el exe­cu­tou vá­ri­os ata­ques no país con­tra al­vos sí­ri­os ou do Hiz­bul­lah li­ba­nês, ali­a­do de Da­mas­co.

No do­min­go, três mi­li­ci­a­nos le­ais ao re­gi­me mor­re­ram em um bom­bar­deio is­ra­e­len­se con­tra um acam­pa­men­to na lo­ca­li­da­de de Qu­nei­tra, nas Co­li­nas de Go­lã. O exér­ci­to de Is­ra­el tam­bém se ne­gou a co­men­tar a in­for­ma­ção.

Em 13 de ja­nei­ro, Da­mas­co acu­sou Is­ra­el de ter bom­bar­de­a­do o ae- ro­por­to mi­li­tar de Maz­ze, a oes­te da ca­pi­tal, o que pro­vo­cou in­cên­di­os. Nes­te ae­ro­por­to fi­ca o ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia da Ae­ro­náu­ti­ca.

Em 2016, vá­ri­os mís­seis is­ra­e­len­ses atin­gi­ram os ar­re­do­res des­ta ba­se mi­li­tar, se­gun­do a im­pren­sa es­ta­tal sí­ria.

No ano pas­sa­do, o pri­mei­ro- mi­nis­tro Ben­ja­min Ne­tanyahu ad­mi­tiu que Is­ra­el ata­cou de­ze­nas de com­boi­os de ar­mas des­ti­na­das ao Hiz­bul­lah.

De acor­do com o re­gi­me sí­rio, o ae­ro­por­to de Da­mas­co foi al­vo de um ata­que aé­reo em de­zem­bro de 2014.

Is­ra­el es­tá pre­o­cu­pa­do com a pre­sen­ça na Sí­ria do Hiz­bul­lah, um de seus prin­ci­pais ad­ver­sá- ri­os, que tem o apoio do Irã e das for­ças ira­ni­a­nas que res­pal­dam o re­gi­me de Bashar al- As­sad.

Em 17 de mar­ço, Is­ra­el e Sí­ria ti­ve­ram o in­ci­den­te mais gra­ve em mui­tos anos. Um ata­que is­ra­e­len­se per­to de Pal­mi­ra ( cen­tro) con­tra al­vos que o go­ver­no de Is­ra­el afir­ma que es­ta­vam re­la­ci­o­na­dos com o Hiz­bul­lah pro­vo­cou uma res­pos­ta an­ti­aé­rea das for­ças sí­ri­as e um dis­pa­ro de mís­sil, in­ter­cep­ta­do quan­do se­guia em di­re­ção ao ter­ri­tó­rio is­ra­e­len­se.

Os dois paí­ses es­tão ofi­ci­al­men­te em guerra há dé­ca­das. Is­ra­el e Lí­ba­no, vi­zi­nho da Sí­ria, tec­ni­ca­men­te tam­bém es­tão em guerra.

Em 2006 um con­fli­to en­tre Is­ra­el e Hiz­bul­lah, o gru­po ar­ma­do mais po­de­ro­so do Lí­ba­no, dei­xou 1.200 mor­tos em ter­ri­tó­rio li­ba­nês, a mai­o­ria ci­vis. Do la­do is­ra­e­len­se fo­ram re­gis­tra­das 160 mor­tes, a mai­o­ria de sol­da­dos.

Por sua vez, a guerra na Sí­ria dei­xou 320 mil mor­tos des­de 2011. Tor­nou- se ca­da vez mais com­ple­xa, já que en­vol­ve o re­gi­me, re­bel­des, ex­tre­mis­tas e di­fe­ren­tes for­ças re­gi­o­nais, as­sim co­mo po­tên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais.

REUTERS

Ima­gens de ex­plo­são per­to do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Da­mas­co, na Sí­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.