TE­MER MINIMIZA GREVE E DIZ QUE REFORMAS SE­RÃO de­ba­ti­das só COM o CON­GRES­SO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Lo­jas fe­cha­das, pouquís­si­mo trân­si­to e en­tra­das de ter­mi­nais de ôni­bus com­ple­ta­men­te de­ser­tas. A ima­gem se re­pe­tiu du­ran­te ho­ras nes­ta sex­ta-fei­ra nas prin­ci­pais ci­da­des bra­si­lei­ras.

Ama­nhã des­pon­tou no co­ra­ção de São Pau­lo e os tran­seun­tes que se via eram ba­si­ca­men­te os mo­ra­do­res de rua que ali pas­sam seus di­as. Lo­jas fe­cha­das, pouquís­si­mo trân­si­to e en­tra­das de me­trô com­ple­ta­men­te de­ser­tas. A ima­gem se re­pe­tiu du­ran­te ho­ras nes­ta sex­ta-fei­ra nas prin­ci­pais ci­da­des bra­si­lei­ras. Foi uma de­mons­tra­ção de for­ça do mo­vi­men­to sin­di­cal que con­vo­cou uma greve ge­ral con­tra as reformas tra­ba­lhis­ta e pre­vi­den­ciá­ria do Governo Mi­chel Te­mer e con­se­guiu pa­ra­li­sar a ro­ti­na nas ca­pi­tais gra­ças, prin­ci­pal­men­te, à cru­ci­al ade­são do se­tor de trans­por­tes. A úni­ca ex­ce­ção foi o Rio de Ja­nei­ro, on­de o me­trô não pa­rou e os ôni­bus cir­cu­la­ram par­ci­al­men­te.

Em sua pri­mei­ra pa­ra­li­sa­ção re­al­men­te na­ci­o­nal em 21 anos, os sin­di­ca­lis­tas con­ta­ram com apoi­os pou­co fre­quen­tes con­tra o Pla­nal­to, co­mo a par­ti­ci­pa­ção da For­ça Sin­di­cal, uma or­ga­ni­za­ção que apoi­ou o im­pe­a­ch­ment, a mo­bi­li­za­ção ex­plí­ci­ta da cú­pu­la ca­tó­li­ca e a in­ter­rup­ção das au­las até em ca­ros co­lé­gi­os par­ti­cu­la­res em vá­ri­as ca­pi­tais. “É pre­ci­so rei­vin­di­car nos­sos di­rei­tos que es­tão sen­do re­ti­ra­dos por um pre­si­den­te im­po­pu­lar e ile­gí­ti­mo”, di­zia, na zo­na oes­te de São Pau­lo, o es­tu­dan­te de es­co­la pri­va­da An­dré Ne­to, de 17 anos, num dos pou­cos pro­tes­tos da jor­na­da que aca­ba­ria em re­pres­são po­li­ci­al di­an­te da ca­sa de Mi­chel Te­mer na ci­da­de. En­quan­to em Bra­sí­lia hou­ve ten­são, mas não in­ci­den­tes, no Rio, as ce­nas dra­má­ti­cas de ôni­bus in­cen­di­a­dos por mas­ca­ra­dos se mes­cla­ram às dos ma­ni­fes­tan­tes cor­ren­do das bom­bas de gás la­cri­mo­gê­neo lan­ça­das pe­la po­lí­cia.

Ins­ta­do a se ma­ni­fes­tar so­bre a mo­bi­li­za­ção, o pre­si­den­te Te­mer fez uma de­cla­ra­ção pú­bli­ca na qual re­du­ziu a greve ge­ral a “pe­que­nos gru­pos que blo­que­a­ram ro­do­vi­as e ave­ni­das”. Ele in­sis­tiu que se­gui­rá seus pro­pó­si­tos de “mo­der­ni­zar a le­gis­la­ção na­ci­o­nal” e des­car­tou qual­quer diá­lo­go com sin­di­ca­tos ou ou­tros gru­pos da so­ci­e­da­de ci­vil ao ad­ver­tir que o de­ba­te so­bre as reformas se re­a­li­za­rá “na are­na ade­qua­da pa­ra es­sa dis­cus­são, que é o Con­gres­so Na­ci­o­nal”.

De fa­to, es­tá no Con­gres­so tan­to as chan­ces de so­bre­vi­vên­cia do Governo Te­mer e sua agen­da li­be­ral co­mo o termô­me­tro re­al do im­pac­to da mo­bi­li­za­ção des­ta sex­ta-fei­ra so­bre os par­la­men­ta­res. O Pla­nal­to, que con­se­guiu na Câ­ma­ra pas­sar a re­for­ma tra­ba­lhis­ta nes­ta se­ma­na, ago­ra ma­peia os par­la­men­ta­res trai­do­res pa­ra se pre­pa­rar pa­ra a ba­ta­lha mais di­fí­cil: a da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Se per­ce­ber que po­de so­frer der­ro­ta ou mais de­fec­ções em sua pres­si­o­na­da ba­se de apoio, o Governo se­rá obri­ga­do ao me­nos adi­ar o cro­no­gra­ma da vo­ta­ção na co­mis­são es­pe­ci­al do te­ma, pre­vis­ta pa­ra o dia 3, e no ple­ná­rio, en­tre 8 e 20 de maio. Se is­so acon­te­cer, po­de ser ao me­nos uma vi­tó­ria tá­ti­ca as for­ças que fo­ram às ru­as.

A men­sa­gem das or­ga­ni­za­ções da greve ge­ral é que a pressão não ces­sa­rá. No Lar­go da Ba­ta­ta, o prin­ci­pal ato em São Pau­lo, que, se­gun­do seus con­vo­ca­do­res reu­niu 70.000 pes­so­as, o co­or­de­na­dor do MTST (Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Ter­ra), Gui­lher­me Bou­los, exi­gia que, “após a mai­or greve dos úl­ti­mos 30 anos no Brasil”, os se­na­do­res ou­vis­sem “a voz das ru­as” pa­ra re­ver­ter a re­for­ma tra­ba­lhis­ta. “En­tre a apro­va­ção na Câ­ma­ra e o tex­to ir pa­ra o Se­na­do nós pa­ra­mos o Brasil”, dis­se. Por di­fe­ren­tes ra­zões, Te­mer tam­bém se vol­ta ao se­na­do­res, pre­o­cu­pa­do com os cál­cu­los de uma Ca­sa po­vo­a­da por de­nun­ci­a­dos na Ope­ra­ção La­va Ja­to e, es­pe­ci­al­men­te, com a re­sis­tên­cia de um ne­oo-

po­si­ci­o­nis­ta, o ex-pre­si­den­te do Se­na­do e im­pli­ca­do nas in­ves­ti­ga­ções, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB- AL).

a guer­ra de nar­raTi­vas so­bre a greve

No Lar­go da Ba­ta­ta tam­bém se fa­zi­am sen­tir os ecos da La­va Ja­to na pri­mei­ra ma­ni­fes­ta­ção após o bom­bar­deio das de­la­ções da Ode­bre­cht. Acu­a­dos por inqué­ri­tos da ope­ra­ção, os se­na­do­res pe­tis­tas Lind­berg Fa­ria (RJ) e Glei­si Hoff­mann (PR) dis­cur­sa­ram em ci­ma do car­ro de som. “Es­sa greve é o co­me­ço da der­ru­ba­da de Te­mer”, afir­mou Fa­ria, sem em­pol­gar a mul­ti­dão que ou­via, e in­for­man­do que a ban­ca­da do par­ti­do irá apre­sen­tar um pro­je­to de lei pa­ra an­te­ci­par as elei­ções pre­si­den­ci­ais pa­ra ou­tu­bro des­te ano.

No pú­bli­co, cri­an­ças, ban­dei­ras com o ar­co-íris sím­bo­lo do mo­vi­men­to LGBT, re­pre­sen­tan­tes do mo­vi­men­to ne­gro e de vá­ri­os co­le­ti­vos da pe­ri­fe­ria di­vi­di­am o es­pa­ço com as tra­di­ci­o­nais ban­dei­ras ver­me­lhas de mo­vi­men­tos co­mo o MTST, CUT e MST. Es­ta­va por lá tam­bém um pro­fes­sor ves­ti­do com a ca­mi­sa da se­le­ção bra­si­lei­ra e se­gu­ran­do uma ban­dei­ra do país, nu­ma in­du­men­tá­ria tí­pi­ca dos atos próim­pe­a­ch­ment de 2015 e 2016. Wir­mon­des Cor­rêa Bir­ges la­men­ta­va a par­ti­ci­pa­ção dos pe­tis­tas no ato. “Eu es­tou aqui lu­tan­do por me­lho­res con­di­ções pa­ra meus fi­lhos e ne­tos, não que­ria que PT ou PSDB trans­for­mas­sem is­so em uma coi­sa par­ti­dá­ria”, afir­mou.

O pro­fes­sor sim­bo­li­za­va uma das in­ter­ro­ga­ções da jor­na­da: a mo­bi­li­za­ção con­se­gui­ria im­plo­dir a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca en­tre for­ças es­quer­dis­tas e o PT de um la­do e for­ças à di­rei­ta do ou­tro pa­ra con­quis­tar um pú­bli­co mais ge­ral con­tra as reformas? A per­gun­ta não tem res­pos­ta cla­ra ain­da, mas o que tam­bém se viu nes­ta sex­ta-fei­ra foi uma re­en­ce­na­ção do fla-flu po­lí­ti­co, com uma fe­roz dis­pu­ta so­bre a nar­ra­ti­va da greve. Li­de­ran­do o front de re­sis­tên­cia, es­ta­va o pre­fei­to de São Pau­lo, João Do­ria (PSDB), que cha­mou os gre­vis­tas de “va­ga­bun­dos”. A con­tro­vér­sia en­vol­veu até a TV Globo, que foi cri­ti­ca­da por­que seu Jor­nal Na­ci­o­nal não ha­via no­ti­ci­a­do a greve pre­vis­ta na quin­ta. Nas re­des so­ci­ais, a re­sis­tên­cia tam­bém foi pal­pá­vel. Mes­mo com um Governo apro­va­do por me­nos de 10% da po­pu­la­ção e com uma agen­da que se­ria im­po­pu­lar em boa par­te do mun­do, hou­ve um bom vo­lu­me de crí­ti­cos dos trans­tor­nos da pa­ra­li­sa­ção e de tá­ti­cas de pi­que­tes e blo­quei­os pa­ra for­çar a ade­são ao mo­vi­men­to.

Nas ru­as, a ques­tão do apoio à pau­ta se tor­na­va mais com­ple­xa. Fa­bi­a­na Pai­va, que tra­ba­lha em um lan­cho­ne­te den­tro do ter­mi­nal Ja­ba­qua­ra, em São Pau­lo, re­cla­ma­va da cli­en­te­la fra­ca. Con­ta­va que con­se­gui­ra uma lo­ta­ção pa­ra ir ao tra­ba­lho, mas que não ti­nha a me­nor ideia de co­mo iria vol­tar pa­ra ca­sa. “Acho que es­sa pa­ra­li­sa­ção é cor­re­ta. Sou con­tra to­das es­sas reformas do Governo, mas pre­fi­ro não pro­tes­tar pa­ra não ter pro­ble­ma aqui no tra­ba­lho.”

A pre­o­cu­pa­ção de Fa­bi­a­na não soa me­nor di­an­te dos no­vos da­dos de de­sem­pre­go. Quan­do a jor­na­da da greve ain­da co­me­ça­va nes­ta sex­ta, os bra­si­lei­ros to­pa­ram com uma no­tí­cia do IBGE que re­fle­tia a pro­fun­di­da­de da cri­se econô­mi­ca. Pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria, o Brasil ul­tra­pas­sou a mar­ca de 14 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, ou 13,7% da po­pu­la­ção eco­no­mi­ca­men­te ati­va. A ci­fra é ater­ra­do­ra num país que até pou­co tem­po fler­ta­va com a ideia do ple­no em­pre­go e um com­pli­ca­dor a mais pa­ra Te­mer: não tra­zia ne­nhum si­nal da re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca pro­me­ti­da por ele.

AG. BRA

Ma­ni­fes­tan­te ges­ti­cu­la pró­xi­mo a ôni­bus in­cen­di­a­do no Rio. Po­lí­cia dis­per­sou ma­ni­fes­tan­tes com bom­bas de gás.

FOLHA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.