Gil­mar Men­des man­da sol­tar Ei­ke Ba­tis­ta

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do STF, de­ter­mi­nou a li­ber­ta­ção do em­pre­sá­rio Ei­ke Ba­tis­ta, pre­so em Ban­gu pe­la Ope­ra­ção Efi­ci­ên­cia.

Omi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), de­ter­mi­nou a li­ber­ta­ção do em­pre­sá­rio Ei­ke Ba­tis­ta, pre­so em Ban­gu pe­la Ope­ra­ção Efi­ci­ên­cia, que in­ves­ti­ga con­tra­tos frau­du­len­tos de em­pre­sas com o governo do Rio de Ja­nei­ro. O mi­nis­tro sus­pen­deu a pri­são pre­ven­ti­va de­cre­ta­da em ja­nei­ro pe­lo juiz Mar­ce­lo Bre­tas, da 7ª Va­ra Fe­de­ral do Rio. O mi­nis­tro tam­bém afir­mou que o juiz po­de ana­li­sar a ne­ces­si­da­de de apli­ca­ção de me­di­das cau­te­la­res – co­mo, por exem­plo, a pri­são do­mi­ci­li­ar ou o mo­ni­to­ra­men­to por tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca.

Na de­ci­são, Gil­mar pon­de­rou que os cri­mes são gra­ves – no en­tan­to, is­so não é um mo­ti­vo for­te o su­fi­ci­en­te pa­ra jus­ti­fi­car que ele fi­que pre­so. “O fa­to de o pa­ci­en­te ter si­do de­nun­ci­a­do por cri­mes gra­ves – cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro –, por si só, não po­de ser­vir de fun­da­men­to úni­co e ex­clu­si­vo pa­ra ma­nu­ten­ção de sua pri­são pre­ven­ti­va”, afir­mou.

Se­gun­do o mi­nis­tro, não há pro­va con­cre­ta de que Ei­ke te­ria ten­ta­do atra­pa­lhar as in­ves­ti­ga­ções, co­mo afir­mou Bre­tas no de­cre­to de pri­são. “Não há no­tí­cia de que o in­ves­ti­ga­do te­nha ado­ta­do ul­te­ri­or con­du­ta pa­ra en­co­brir pro­vas, além de even­tu­al­men­te ter par­ti­ci­pa­do de reu­niões”, ano­tou o mi­nis­tro. Gil­mar acres­cen­tou que os cri­mes su­pos­ta­men­te pra­ti­ca­dos pe­lo em­pre­sá­rio es­tão li­ga­dos ao gru­po po­lí­ti­co do ex-go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral, que já não es­tá mais no po­der – e, por­tan­to, não ha­ve­ria mais chan­ce de con­ti­nui­da­de dos de­li­tos.

Gil­mar ex­pli­cou, ain­da, que Ei­ke é sus­pei­to de ter co­me­ti­do cor­rup­ção pas­si­va. Ou se­ja, ele pa­ga­va pro­pi­na no su­pos­to es­que­ma de frau­des em con­tra­tos. Por­tan­to, a li­ber­ta­ção de­le não se­ria uma ame­a­ça pa­ra se re­cu­pe­rar o di­nhei­ro des­vi­a­do, já que as quan­ti­as não es­ta­ria, mais sob o do­mí­nio do em­pre­sá­rio. “Acres­cen­to que o pa­ci­en­te te­ria atu­a­do do la­do ati­vo da cor­rup­ção. Não há, em prin­cí­pio, pos­si­bi­li­da­de de ma­nu­ten­ção de re­cur­sos ocul­tos pro­ve­ni­en­tes dos cri­mes em ques­tão”, es­cre­veu o mi­nis­tro.

Se­gun­do o mi­nis­tro, “o pe­ri­go que a li­ber­da­de do pa­ci­en­te re­pre­sen­ta à or­dem pú­bli­ca ou à ins­tru­ção cri­mi­nal po­de ser mi­ti­ga­do por me­di­das cau­te­la­res me­nos gra­vo­sas do que a pri- são”. Ou se­ja, na vi­são de Gil­mar, o uso de tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca, ou a apre­sen­ta­ção do in­ves­ti­ga­do de for­ma pe­rió­di­ca ao juiz, por exem­plo, po­de­ri­am ser me­di­das su­fi­ci­en­tes pa­ra ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de das in­ves­ti­ga­ções e pa­ra pre­ve­nir que Ei­ke co­me­ta ou­tros cri­mes.

O ad­vo­ga­do Fer­nan­do Mar­tins, que de­fen­de o em­pre­sá­rio, in­for­mou que ain­da aguar­da a li­be­ra­ção dos ofí­ci­os no STF, que se­rão en­ca­mi­nha­dos pa­ra o Jus­ti­ça do Rio pa­ra a ex­pe­di­ção do al­va­rá de sol­tu­ra, o que de­ve ocor­rer nes­te sá­ba­do ou do­min­go.

- O mi­nis­tro iden­ti­fi­cou a fal­ta dos re­qui­si­tos pa­ra a ma­nu­ten­ção da pri­são pre­ven­ti­va con­for­me nós apon­ta­mos no pe­di­do - co- men­tou o ad­vo­ga­do.

Quan­do a pri­são foi de­cre­ta­da, a de­fe­sa re­cor­reu ao Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral (TRF) da 2ª Re­gião, que ne­gou o pe­di­do de ha­be­as cor­pus. Os ad­vo­ga­dos re­cor­re­ram ao Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), on­de a mi­nis­tra Ma­ria The­re­za de As­sis Mou­ra tam­bém ne­gou li­mi­nar a Ei­ke. A de­fe­sa ape­lou pa­ra o STF. Nor­mal­men­te, o tri­bu­nal não jul­ga es­se ti­po de pe­di­do quan­do o STJ ain­da não ana­li­sou o mé­ri­to da ques­tão – o que acon­te­ceu no ca­so do em­pre­sá­rio. No en­tan­to, Gil­mar con­si­de­rou a pri­são ile­gal e, por is­so, re­sol­veu jul­gar o pro­ces­so mes­mo sem que o STJ te­nha en­cer­ra­do sua aná­li­se.

Ei­ke é in­ves­ti­ga­do de ter pa­go pro­pi­na ao en­tão go­ver- na­dor Sér­gio Ca­bral no va­lor de US$ 16,5 mi­lhões. Tam­bém é sus­pei­to de ter pra­ti­ca­do la­va­gem de di­nhei­ro, por­que ocul­tou a ori­gem do di­nhei­ro. Se­gun­do a de­nún­cia, Flá­vio Go­di­nho, li­ga­do a Ei­ke, te­ria si­do o res­pon­sá­vel por mon­tar con­tra­tos in­ter­na­ci­o­nais fic­tí­ci­os de pres­ta­ção de ser­vi­ços de con­sul­to­ria pa­ra jus­ti­fi­car o re­pas­se dos re­cur­sos no ex­te­ri­or.

A pri­são pre­ven­ti­va de Ei­ke foi de­cre­ta­da no dia 13 de ja­nei­ro, pe­la 7ª Va­ra Fe­de­ral Cri­mi­nal do Rio de Ja­nei­ro. O em­pre­sá­rio, que es­ta­va em vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal, re­tor­nou ao Brasil e se en­tre­gou à Po­lí­cia Fe­de­ral dia 30 da­que­le mês.

Ei­ke es­tá pre­so na Pe­ni­ten­ciá­ria Ban­dei­ra Stam­pa (Ban­gu 9), no Com­ple­xo Pe­ni­ten­ciá­rio de Ge­ri­ci­nó, na Zo­na Oes­te do Rio. A uni­da­de re­ce­be pre­sos do re­gi­me fe­cha­do, em sua mai­o­ria po­li­ci­ais cum­prin­do pe­na por en­vol­vi­men­to com mi­lí­ci­as. De acor­do com da­dos co­le­ta­dos em de­zem­bro, a uni­da­de tam­bém ope­ra aci­ma da ca­pa­ci­da­de: na oca­sião, ti­nha 657 pre­sos pa­ra 547 va­gas. Se­gun­do agen­tes da Se­ap, as ce­las são pa­ra seis de­ten­tos ca­da.

ARQUIVO/OGLOBO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.