Re­for­ma tra­ba­lhis­ta im­põe mais em­pe­ci­lhos pa­ra tra­ba­lha­do­res en­tra­rem na Jus­ti­ça

Brasil em Folhas - - Política -

Are­for­ma tra­ba­lhis­ta apro­va­da na quar­ta-fei­ra na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos cri­ou re­gras que po­dem di­fi­cul­tar o ca­mi­nho de quem pre­ten­de en­trar com al­gu­ma ação tra­ba­lhis­ta na Jus­ti­ça e o tor­nou mais cus­to­so. O tex­to, que ain­da se­rá en­ca­mi­nha­do pa­ra o Se­na­do, pre­vê, por exem­plo, que quem in­gres­sar com uma ação re­cla­man­do de da­nos que a em­pre­sa lhe cau­sou po­de ter de pa­gar por is­so. To­man­do o ca­so hi­po­té­ti­co de al­guém que ale­gue uma do­en­ça con­traí­da em am­bi­en­te de tra­ba­lho. Ele se­rá res­pon­sa­bi­li­za­do pe­lo pa­ga­men­to dos ho­no­rá­ri­os dos pe­ri­tos ca­so per­ca o pro­ces­so. Ho­je, o tra­ba­lha­dor não ar­ca­ria com cus­tos, mes­mo que a ale­ga­da do­en­ça não fos­se com­pro­va­da. A con­ta é pa­ga pe­lo Ju­di­ciá­rio. Ago­ra, o be­ne­fí­cio da Jus­ti­ça gra­tui­ta pas­sa­rá a ser con­ce­di­do ape­nas aos que com­pro­va­rem in­su­fi­ci­ên­cia de re­cur­sos. An­tes era ne­ces­sá­rio ape­nas as­si­nar uma de­cla­ra­ção.

O tra­ba­lha­dor tam­bém te­rá que pa­gar os cus­tos pro­ces­su­ais se fal­tar em um jul­ga­men­to, sal­vo se com­pro­var, no pra­zo de oi­to di­as, que o não com­pa­re­ci­men­to ocor­reu por um mo­ti­vo le­gal­men­te jus­ti­fi­cá­vel. Só após qui­tar es­se va­lor ou se jus­ti­fi­car, o tra­ba­lha­dor po­de­rá en­trar com uma no­va de­man­da. Atu­al­men­te, ele po­de fal­tar em até três au­di­ên­ci­as ju­di­ci­ais. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Ma­gis­tra­dos da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho (Ana­ma­tra), Ger­ma­no Si­quei­ra, con­si­de­ra a me­di­da in­jus­ta com o tra­ba­lha­dor, já que im­pre­vis­tos po­dem acon­te­cer e são di­fí­ceis de pro­var. “Se um tra­ba­lha­dor per­der o ôni­bus e se atra­sar pa­ra a au­di­ên­cia, ele se­rá pe­na­li­za­do fi­nan­cei­ra­men­te por is­so. E com o no­vo tex­to, o juiz não te­rá co­mo isen­tar es­sas cus­tas. Es­sa lei es­tá fe­chan­do a por­ta do se­tor do Ju­di­ciá­rio pa­ra os tra­ba­lha­do­res”, ex­pli­ca Si­quei­ra.

Se­gun­do o pre­si­den­te da Ana­ma­tra, não era ne­ces­sá­ria es­sa pu­ni­ção já que o no­vo tex­to já de­fi­ne re­gras pa­ras as pes­so­as que agi­rem com má-fé ou fal­ta­rem com a ver­da­de, se­ja ela o re­cla­man­te (tra­ba­lha­dor), o re­cla­ma­do (em­pre­sa) ou in­ter­ve­ni­en­te (tes­te­mu­nha). Se­gun­do a pro­pos­ta apro­va­da nes­ta quar­ta-fei­ra, se­rá con­si­de­ra­da de má-fé a pes­soa que al­te­rar a ver­da­de dos fa­tos, usar o pro­ces­so pa­ra con­se­guir ob­je­ti­vo ile­gal, ge­rar re­sis­tên­cia in­jus­ti­fi­ca­da ao an­da­men­to do pro­ces­so, pro­ce­der de mo­do te­me­rá­rio, en­tre ou­tros. O juiz po­de­rá apli­car uma mul­ta de até 10% do va­lor da cau­sa, além de obri­gar a pes­soa de má-fé a in­de­ni­zar a par­te con­trá­ria.

De acor­do com o pa­re­cer do re­la­tor da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, de­pu­ta­do Ro­gé­rio Ma­ri­nho (PSDB-RN), as no­vas nor­mas apre­sen­ta­das vi­sam di­mi­nuir o nú­me­ro de ações na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, que che­ga­ram a qua­se três mi­lhões no ano pas­sa­do. Além dis­so, o pro­je­to tam­bém in­cen­ti­va so­lu­ções al­ter­na­ti­vas, co­mo a ar­bi­tra­gem e a me­di­a­ção. A ar­bi­tra­gem é um mé­to­do de re­so­lu­ção de con­fli­tos on­de as par­tes de­fi­nem quem vai me­di­ar e so­lu­ci­o­nar a dis­pu­ta, sem a par­ti­ci­pa­ção do ju­di­ciá­rio. Ele ofe­re­ce, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, de- ci­sões mais rá­pi­das pa­ra a so­lu­ção de con­tro­vér­si­as. O mé­to­do, en­tre­tan­to, só po­de­rá ser pac­tu­a­do nos con­tra­tos in­di­vi­du­ais com o tra­ba­lha­dor que re­ce­ber um sa­lá­rio igual ou mai­or a du­as ve­zes o te­to dos be­ne­fí­ci­os do Re­gi­me Ge­ral da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, o que ho­je cor­res­pon­de a 11.062 re­ais.

Pa­ra Adau­to Du­ar­te, con­se­lhei­ro ju­rí­di­co do Ins­ti­tu­to Via Iu­ris, a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho se trans­for­mou em uma ver­da­dei­ra aven­tu­ra na bus­ca de di­nhei­ro fá­cil. “Exis­te o ci­da­dão que bus­ca seu di­rei­to, mas exis­tem mui­tos que pen­sam que to­do mun­do que en­tra co­mo uma ação tra­ba­lhis­ta ga­nha al­gu­ma coi­sa. E, mui­tas ve­zes, ga­nham não por­que me­re­ce, mas por­que o em­pre­ga­dor aca­ba pre­fe­rin­do fa­zer um acor­do a pa­gar os al­tos cus­tos pro­ces­su­ais”, ex­pli­ca.

Es­se ti­po de abu­so na Jus­ti­ça, no en­tan­to, se­rá di­fi­cul­ta­do, se­gun­do Du­ar­te, com a no­vas re­gras. “A pe­ti­ção ini­ci­al já não po­de­rá ser mais ge­né­ri­ca, te­rá que ser mais es­pe­cí­fi­ca. E ca­so o pe­di­do de­le não ti­ver fun­da­men­to, ele te­rá que pa­gar as cus­tas pro­ces­su­ais. Is­so ini­bi­rá os aven­tu­rei­ros. Vi­rou uma jus­ti­ça pa­ra gen­te sé­ria”, diz o con­se­lhei­ro ju­rí­di­co, que de­fen­de que as pes­so­as que re­al­men­te es­tão atrás de um di­rei­to que lhes foi ne­ga­do não se­rão pre­ju­di­ca­das.

AG. SE­NA­DO

De­pu­ta­dos vo­tam no ple­ná­rio da Câ­ma­ra o pro­je­to que tra­ta da re­for­ma tra­ba­lhis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.