Pre­so pe­la PF: sa­ga do mai­or tra­fi­can­te do Bra­sil

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Os ca­be­los já não eram gri­sa­lhos, o ros­to es­ta­va re­ju­ve­nes­ci­do por ci­rur­gi­as plás­ti­cas. O me­ga­tra­fi­can­te Luiz Car­los da Ro­cha o “Cabeça bran­ca”.

Os ca­be­los já não eram gri­sa­lhos, o ros­to es­ta­va re­ju­ve­nes­ci­do por ci­rur­gi­as plás­ti­cas. Mas o me­ga­tra­fi­can­te Luiz Car­los da Ro­cha, cu­ja ca­be­lei­ra pra­te­a­da lhe ren­deu o ape­li­do de “Cabeça bran­ca”, con­ti­nu­a­va na con­di­ção de “ba­rão do trá­fi­co” mais pro­cu­ra­do da Amé­ri­ca do Sul quan­do foi pre­so na ma­nhã des­te sá­ba­do pe­la Ope­ra­ção Spec­trum da Po­lí­cia Fe­de­ral. “Cabeça bran­ca” é o que os po­li­ci­ais cha­mam de “ma­tu­to”, um em­pre­sá­rio do cri­me, con­si­de­ra­do o prin­ci­pal for­ne­ce­dor de dro­gas pa­ra as du­as prin­ci­pais fac­ções cri­mi­no­sas do Bra­sil, o Co­man­do Ver­me­lho (CV) e o Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal (PCC).

A ca­ça­da a “Cabeça bran­ca” ter­mi­nou em Sor­ri­so, no Ma­to Gros­so, as­sim que ele vol­tou pa­ra uma ca­sa de al­to pa­drão on­de cos­tu­ma­va pas­sar al­guns di­as. Po­li­ci­ais fe­de­rais à pai­sa­na fa­zi­am to­caia no lo­cal há mais de du­as se­ma­nas. Tam­bém ha­via equi­pes de pron­ti­dão em uma ca­sa de três an­da­res em Osas­co, na re­gião me­tro­po­li­ta­na de São Paulo, on­de os po­li­ci­ais re­la­ta­ram a apre­en­são de mais de 2 mi­lhões de dó­la­res em es­pé­cie, guar­da­dos em malas, e tam­bém de uma ar­ma no qu­ar­to do tra­fi­can­te.

Res­pon­sá­vel por uma ope­ra­ção com­ple­xa de com­pra e re­ven­da de dro- gas, o tra­fi­can­te im­por­ta­va co­caí­na di­re­ta­men­te de pro­du­to­res do Pe­ru, da Colôm­bia e da Bo­lí­via, de acor­do com as in­ves­ti­ga­ções. Tra­zia a dro­ga em pe­que­nos aviões, pa­ra ar­ma­ze­na­gem em fa­zen­das no Ma­to Gros- so. De lá, os en­tor­pe­cen­tes eram es­con­di­dos em ca­mi­nhões e des­pa­cha­dos pa­ra São Paulo, on­de che­ga­vam pa­ra fac­ções bra­si­lei­ras ou eram ven­di­dos pa­ra qua­dri­lhas de ou­tros paí­ses. Es­sa re­de de ne­gó­ci­os fez com que ele fos­se con­si­de­ra­do ho­je o mai­or tra­fi­can­te da Amé­ri­ca do Sul.

“Ele tra­ba­lha­va na es­cu­ri­dão. Tan­to é que o no­me da Ope­ra­ção Spec­trum foi jus­ta­men­te cu­nha­do pe­lo fa­to de­le vi­ver nas som- bras, sem­pre ocul­to. Cal­cu­la­mos que o pa­trimô­nio de­le se­ja de 100 mi­lhões de dó­la­res”, afir­mou ao EL PAÍS o de­le­ga­do El­vis Sec­co, da Po­lí­cia Fe­de­ral de Lon­dri­na, o res­pon­sá­vel pe­las in­ves­ti­ga­ções.

“Cabeça bran­ca” es­ta­va fo­ra­gi­do há 32 anos e tam­bém es­ta­va na lis­ta de pro­cu­ra­dos da In­ter­pol. Já es­tá con­de­na­do a cer­ca de 50 anos de pri­são em três pro­ces­sos, mas nun­ca pas­sou um dia na ca­deia. Co­mo ne­go­ci­a­va tran­qui­la­men­te com di­fe­ren­tes fac­ções, nun­ca fi­cou na li­nha de fren­te das guer­ras do trá­fi­co. Es­ca­pou até ago­ra da dis­pu­ta do Co­man­do Ver­me­lho com o Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal, de­fla­gra­da em ou­tu­bro do ano pas­sa­do. “Ele não é con­si­de­ra­do vi­o­len­to. É um em­bai­xa­dor do trá­fi­co. A guer­ra das fac­ções es­tou­rou e ele con­ti­nu­a­va imu­ne jus­ta­men­te pe­la boa re­la­ção di­plo­má­ti­ca que ti­nha com to­das as fac­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais”, ex­pli­cou o de­le­ga­do.

O tra­fi­can­te tam­bém era ex­tre­ma­men­te cui­da­do­so. Ti­nha apa­rên­cia di­fe­ren­te às fotos re­gis­tra­das em car­ta­zes de fo­ra­gi­dos da po­lí­cia e tam­bém uti­li­za­va do­cu­men­tos fal­sos com a iden­ti­da­de de Vi­tor Luiz de Mo­ra­es, de acor­do com a po­lí­cia. O pró­xi­mo pas­so da in­ves­ti­ga­ção é con­fis­car o pa­trimô­nio da qua­dri­lha de “Cabeça Bran­ca”.

PO­LÍ­CIA FE­DE­RAL

O tra­fi­can­te Luiz Car­los da Ro­cha, co­nhe­ci­do co­mo “Cabeça bran­ca”, pre­so em Sor­ri­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.