In­ves­ti­ga­ção con­tra Trump lem­bra Wa­ter­ga­te

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Quem ima­gi­na­va que is­so po­de­ria acon­te­cer de no­vo?” A per­gun­ta gui­ou o re­en­con­tro de 50 ex­mem­bros do Co­mi­tê do Wa­ter­ga­te.

Quem ima­gi­na­va que is­so po­de­ria acon­te­cer de no­vo?” Ine­vi­ta­vel­men­te, a per­gun­ta gui­ou o re­en­con­tro de 50 ex-mem­bros do Co­mi­tê do Wa­ter­ga­te no Se­na­do no úl­ti­mo dia 17, no pré­dio-sím­bo­lo do es­cân­da­lo, 45 anos após a eclo­são do ca­so que le­vou à que­da do pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon (1969-1974).

En­tre os ex-as­ses­so­res, não ha­via di­fi­cul­da­des em apon­tar as se­me­lhan­ças en­tre as in­ves­ti­ga­ções so­bre uma pos­sí­vel in­ter­fe­rên­cia rus­sa nas elei­ções de 2016 –e o en­vol­vi­men­to de mem­bros da equi­pe do pre­si­den­te Do­nald Trump–, e o ca­so so­bre o qual se de­bru­ça­ram há mais de qua­tro dé­ca­das.

Um de­les era o ad­vo­ga­do Ru­fus Ed­mis­ten, 75, o ho­mem res­pon­sá­vel por le­var até a Ca­sa Bran­ca, em ju­lho de 1973, a in­ti­ma­ção pa­ra que o pre­si­den­te Ni­xon en­tre­gas­se as gra­va­ções fei­tas de su­as con­ver­sas no Sa­lão Oval.

“Eu sem­pre achei que vi­ria um no­vo Wa­ter­ga­te, mas não com tan­tas se­me­lhan­ças as­sus­ta­do­ras”, dis­se à Fo­lha, na úl­ti­ma sex­ta (30).

Ed­mis­ten era o vi­ce-con­se­lhei­ro-che­fe do Co­mi­tê do Wa­ter­ga­te no Se­na­do e o bra­ço di­rei­to do se­na­dor de­mo­cra­ta Sam Er­vin, que pre­si­dia o co­mi­tê jun­to com o re­pre­sen­tan­te da mi­no­ria re­pu­bli­ca­na, Lowell P. Wei- cker. Seu pa­pel era va­ri­a­do, in­do des­de pré-sa­ba­ti­nar as tes­te­mu­nhas an­tes da au­di­ên­cia no co­mi­tê até cui­dar das cre­den­ci­ais de im­pren­sa. Ho­je, Ed­mis­ten, que é só­cio num es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia na Ca­ro­li­na do Nor­te, com­pa­ra o com­por­ta­men­to dos dois pre­si­den­tes re­pu­bli­ca­nos fren­te aos es­cân­da­los.

“Co­mo Ni­xon, Trump pa­re­ce acre­di­tar que o Exe­cu­ti­vo tem mais po­der do que o Le­gis­la­ti­vo e o Ju­di­ciá­rio”, diz. “Os dois tam­bém de­mi­ti­ram pes­so­as im­por­tan­tes re­la­ci­o­na­das às in­ves­ti­ga­ções: Ni­xon re­ti­rou o pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al do ca­so [Ar­chi­bald Cox], Trump, o [di­re­tor do FBI Ja­mes] Co­mey.”

No ca­so de Ni­xon, tu­do co­me­çou com a invasão da se­de do Par­ti­do De­mo­cra­ta no Wa­ter­ga­te em ju­nho de 1972, du­ran­te a cam­pa­nha à Pre­si­dên­cia na qual ele con­cor­ria à re­e­lei­ção. Ape­sar de ter si­do di­vul­ga­do, an­tes do plei­to, que o FBI des­co­bri­ra a li­ga­ção en­tre a ação e a equi­pe de cam­pa­nha de Ni­xon, o re­pu­bli­ca­no foi re­e­lei­to.

Ape­nas em fe­ve­rei­ro de 1973, o co­mi­tê do Wa­ter­ga­te no Se­na­do se­ria for­ma­do.

Ape­sar da com­pa­ra­ção, Ed­mis­ten res­sal­ta que as in­ves­ti­ga­ções so­bre uma su­pos­ta in­ter­ven­ção da Rús­sia nas elei­ções e a pos­sí­vel par­ti­ci­pa­ção da equi­pe de Trump es­tá em “es­tá­gio mui­to ini­ci­al”.

“A in­ves­ti­ga­ção do Wa­ter­ga­te co­me­çou em 1972, e Ni­xon não dei­xou o pos­to até 1974. Es­sas coisas não acon­te­cem da noi­te pa­ra o dia”, lem­bra. “As pes­so­as es­pe­ram ter um re­sul­ta­do na ve­lo­ci­da­de da mí­dia, que traz no­tí­ci­as 24h, mas não acon­te­ce des­sa for­ma. A lei é mais de­va­gar.”

Gor­don Fre­ed­man, 65, que aos 21 se tor­nou um dos as­sis­ten­tes do co­mi­tê, lem­bra que as pro­vas li­gan­do Ni­xon só vi­e­ram com a des­co­ber­ta de que ha­via fi­tas, por meio de um depoimento de um as­ses­sor, e a li­be­ra­ção, um ano de­pois, da gra­va­ção que com­pro­va­va a ten­ta­ti­va de obs­tru­ção da Jus­ti­ça.

“Até que is­so acon­te­ces­se no Wa­ter­ga­te, nun­ca nin­guém pen­sou que che­ga­ria até o pre­si­den­te”, afir­ma Fre­ed­man, que ti­nha co­mo prin­ci­pal ta­re­fa ana­li­sar a am­pla pa­pe­la­da re­la­ci­o­na- da às cam­pa­nhas de 1972 em bus­ca de pro­vas.

No ca­so de Trump, o pró­prio pre­si­den­te já su­ge­riu que a de­mis­são do ex-di­re­tor do FBI es­ta­ria re­la­ci­o­na­da à in­ves­ti­ga­ção so­bre a Rús­sia. Co­mey tam­bém afir­ma que Trump te­ria pe­di­do pa­ra que ele dei­xas­se de la­do o ca­so en­vol­ven­do as re­la­ções do ex-con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal Mi­cha­el Flynn com Mos­cou. O pre­si­den­te che­gou a su­ge­rir que te­ria gra­va­do as con­ver­sas com Co­mey, mas se­ma­nas de­pois ne­gou a pró­pria de­cla­ra­ção. “Os ca­sos são mui­to pa­re­ci­dos no sen­ti­do de que hou­ve pro­ble­mas du­ran­te a cam­pa­nha que têm que ser in­ves­ti­ga­dos, já com o no­vo pre­si­den­te no pos­to”, diz Fre­ed­man, que ho­je tem uma ONG de edu­ca­ção. “Mas a in­ves­ti­ga­ção so­bre a Rús­sia é po­ten­ci­al­men­te mui­to mais des­tru­ti­va, por­que, se com­pro­va­da, é a pro­va de um go­ver­no es­tran­gei­ro in­ter­fe­rin­do na po­lí­ti­ca do­més­ti­ca.”

Ed­mis­ten dis­se já ter da­do um con­se­lho ao ami­go Ri­chard Burr, re­pu­bli­ca­no à fren­te do Co­mi­tê de In­te­li­gên­cia do Se­na­do, que in­ves­ti­ga o ca­so da Rús­sia. “Dis­se que eles têm que ter um es­for­ço bi­par­ti­dá­rio e man­ter um co­mi­tê não po­lí­ti­co. E que não po­dem cor­rer [por re­sul­ta­dos], que têm que fa­zer no seu tem­po”, diz. “Mas acho que es­tão fa­zen­do um bom tra­ba­lho.”

AR­QUI­VO/PRESS

Em mar­ço de 1974, o en­tão pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon fa­la du­ran­te uma en­tre­vis­ta à im­pren­sa do Te­xas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.