Te­mer, pres­tes a per­der ba­ta­lha con­tra de­nún­ci­as

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer viu cres­cer o mo­vi­men­to de par­la­men­ta­res que con­cor­dam que ele se­ja pro­ces­sa­do pe­lo cri­me de cor­rup­ção pas­si­va.

No dia em que pro­to­co­lou sua de­fe­sa na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (PMDB) viu cres­cer o mo­vi­men­to de par­la­men­ta­res que con­cor­dam que ele se­ja pro­ces­sa­do pe­lo cri­me de cor­rup­ção pas­si­va. Tan­to de­pu­ta­dos go­ver­nis­tas quan­to opo­si­to­res di­zem que di­fi­cil­men­te o co­le­gi­a­do ve­ta­rá a aber­tu­ra do pro­ces­so con­tra o pe­e­me­de­bis­ta. Na CCJ, bas­ta mai­o­ria sim­ples pa­ra que um pe­di­do de aber­tu­ra do pro­ces­so se­ja apro­va­do. Na pró­xi­ma eta­pa, no ple­ná­rio da Câ­ma­ra, são necessários 342 vo­tos dos 513 par­la­men­ta­res, um quó­rum al­tís­si­mo e, por en­quan­to, di­fí­cil de ser al­can­ça­do. Ca­so es­se nú­me­ro se­ja atin­gi­do no round fi­nal, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral es­ta­ria au­to­ri­za­do a jul­gar se acei­ta ou não a de­nún­cia con­tra Te­mer que po­de afas­tá-lo do po­der.

A opo­si­ção diz que têm en­tre 38 e 40 vo­tos, en­tre 65 pos­sí­veis da CCJ. Os go­ver­nis­tas, ofi­ci­al­men­te, afir­mam que con­se­gui­rão bar­rar o pro­ces­so. Mas nos bas­ti­do­res já ad­mi­tem que es­tá di­fí­cil che­gar aos 30 apoi­a­do­res. Eis o dis­cur­so ofi­ci­al dos go­ver­nis­tas, nas pa­la­vras do vi­ce-lí­der do Go­ver­no, Car­los Ma­run (PMDB-MS): “Te­mos 34 vo­tos, mas que­re­mos che­gar aos 40”. E o da opo­si­ção, na voz de Alessandro Mo­lon (RE­DE-RJ): “Os go­ver- nis­tas não che­gam aos 27 vo­tos. E se is­so se con­fir­mar aqui na CCJ, di­fi­cil­men­te o Go­ver­no se­gu­ra a ba­se no ple­ná­rio da Câ­ma­ra”.

Su­ces­sor de Dil­ma rous­seff (PT) após o im­pe­a­ch­ment de­la sob acu­sa­ção de cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de, Mi­chel Te­mer é acu­sa­do pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da re­pú­bli­ca do cri­me de cor­rup­ção pas­si­va. O pre­si­den­te é apon­ta­do co­mo o re­cep­tor de 500.000 re­ais de pro­pi­na pa­gos pe­lo em­pre­sá­rio Joesley Ba­tis­ta, só­cio da J&F – a con­tro­la­do­ra da em­pre­sa de ali­men­tos JBS. Em seu acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da, Joesley gra­vou uma reu­nião clan­des­ti­na que te­ve com Te­mer na ga­ra­gem do Pa­lá­cio do Ja­bu­ru e en­tre­gou o áu­dio pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Na oca­sião, cons­ta­tou-se que Te­mer te­ria con­cor­da­do em “com­prar” o si­lên­cio de Edu­ar­do Cu­nha (PMDBrj), o de­pu­ta­do fe­de­ral cas­sa­do que es­tá pre­so em Curitiba.

Na de­fe­sa que en­tre­gou à co­mis­são, o ad­vo­ga­do de Te­mer, Antô­nio Claudio Ma­riz de Oli­vei­ra, ale­ga que o pre­si­den­te não co­me­teu ne­nhum cri­me e a de­nún­cia de Ja­not é “in­con­sis­ten­te, frá­gil, des­pro­vi­da de for­ça pro­ba­tó­ria”. E, por es­sa ra­zão, a Câ­ma­ra não de­ve­ria au­to­ri­zar o STF a jul­gar o pre­si­den­te. quan­do che­gou a uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va pa­ra tra­tar do as­sun­to, Ma­riz per­gun­tou em tom de brin­ca­dei­ra: “Aqui que é a gui­lho­ti­na”?

Na con­ver­sa com os jor­na­lis­tas, o ad­vo­ga­do de Te­mer de­sa­fi­ou o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral: “Lan­ço um de­sa­fio aos acu­sa­do­res, pa­ra que de­mons­trem atra­vés de um úni­co in­dí­cio que se­ja, mais frá­gil que se­ja, de que o pre­si­den­te

da re­pú­bli­ca te­ria so­li­ci­ta­do al­go, re­ce­bi­do al­go, ou fa­vo­re­ci­do al­guém. É um rep­to que eu lan­ço pa­ra mos­trar que a de­fe­sa es­tá ab­so­lu­ta­men­te cons­ci­en­te de que a acu­sa­ção não se fun­da em pro­va e se­quer se fun­da em in­dí­ci­os”.

Mais de­poi­men­tos

En­quan­to a aná­li­se do ca­so do pre­su­den­te pe­lo re­la­tor Sér­gio Zvei­ter (PMDB-RJ) não é con- cluí­da, a opo­si­ção ten­ta con­ven­cer o pre­si­den­te da CCJ, ro­dri­go Pa­che­co (PMDB-MG), a ou­vir no­vas tes­te­mu­nhas. En­tre elas, os pe­ri­tos que ana­li­sa­ram o áu­dio gra­va­do por Joesley, o pro­cu­ra­dor Ja­not, o ex- de­pu­ta­do ro­dri­go ro­cha Lou­res ( PMDB- Pr) – o de­pu­ta­do fla­gra­do com a ma­la de pro­pi­na que, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, te­ria co­mo des­ti­na­tá­rio Te­mer – , além do pró­prio pre­si­den­te. A de­ci­são so­bre es­sa ques­tão de­ve ser to­ma­da nes­ta quin­ta- fei­ra, quan­do a CCJ vol­ta a se reu­nir pa­ra de­ba­ter o ca­so Te­mer.

Ma­riz, o ad­vo­ga­do do pre­si­den­te, diz que se­ria con­ve­ni­en­te ou­vir to­das as par­tes, mas que o re­gi­men­to não per­mi­te tal ato. “Se me per­gun­ta­rem se eu qu­e­ro [ou­vir as tes­te­mu­nhas], sim. Sou um ho­mem do con­tra­di­tó­rio. qu­e­ro fa- zer per­gun­tas. qu­e­ro es­tar vis-à-vis [cara a cara] com aque­les que acu­sam o pre­si­den­te. Ago­ra, não sei se o mo­men­to é opor­tu­no e o se o âm­bi­to é o cer­to”.

Na es­tra­té­gia de con­ven­cer os de­pu­ta­dos e sa­ben­do que, di­fi­cil­men­te, to­dos le­rão as 98 pá­gi­nas da de­fe­sa, Ma­riz fez um ví­deo de pou­co mais de dois mi­nu­tos pa­ra de­fen­der o ar­qui­va­men­to da de­nún­cia. Na gra­va­ção, ele ci­ta que os de­la­to­res da JBS es­tão sain­do im­pu­nes de pos­sí­veis cri­mes que co­me­te­ram e que Te­mer é “pro­bo e dig­no, com ima­cu­la­da tra­je­tó­ria po­lí­ti­ca”. A bri­ga pa­ra con­ven­cer os par­la­men­ta­res es­tá ape­nas co­me­çan­do. A ex­pec­ta­ti­va na CCJ é que até a pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra o re­la­tó­rio de Zvei­ter se­ja li­do, vo­ta­do en­tre quar­ta e quin­ta-fei­ra. No ple­ná­rio, a ex­pec­ta­ti­va é que a vo­ta­ção cru­ci­al acon­te­ça até o dia 17 de ju­lho, um dia an­tes do iní­cio do re­ces­so par­la­men­tar.

É com es­se cro­no­gra­ma que Te­mer de­ve vi­a­jar nes­ta quin­ta-fei­ra pa­ra a Ale­ma­nha pa­ra par­ti­ci­par da reu­nião do G20, que reú­ne as 20 mai­o­res eco­no­mi­as mun­di­ais. A vi­a­gem che­gou a fi­car sob ame­a­ça por cau­sa da cri­se po­lí­ti­ca, mas o Pla­nal­to de­ci­diu man­tê­la. An­tes de em­bar­car, no en­tan­to, o pre­si­den­te fez ques­tão de con­vo­car uma reu­nião mi­nis­te­ri­al no Pla­nal­to na noi­te des­ta quar­ta pa­ra co­brar que sua equi­pe de­fen­da seu Go­ver­no em sua au­sên­cia. Te­mer vi­a­ja ain­da mo­ni­to­ran­do um ou­tro mo­vi­men­to: o do lo­bis­ta do PMDB pre­so pe­la La­va Ja­to, Lú­cio Fu­na­ro, apon­ta­do co­mo ope­ra­dor do ex-de­pu­ta­do Edu­ar­do Cu­nha. Nes­ta quar­ta, Fu­na­ro aca­ba de ser trans­fe­ri­do do pre­sí­dio da Pa­pu­da pa­ra a se­de da Po­lí­cia Fe­de­ral em Bra­sí­lia em meio às es­pe­cu­la­ções so­bre a ne­go­ci­a­ção de uma de­la­ção pre­mi­a­da con­si­de­ra­da es­tra­té­gi­ca.

Ma­riz de Oli­vei­ra, o ad­vo­ga­do de Te­mer, na Câ­ma­ra.

AG.BRA­SIL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.