Con­se­lho en­ter­ra pro­ces­so de cas­sa­ção de Aé­cio Neves

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

O Con­se­lho de Éti­ca do se­na­do sal­vou o man­da­to do se­na­dor aé­cio Neves.por 12 vo­tos a4, o co­le­gi­a­do de­ci­diu que não ha­ve­ria ele­men­tos.

OCon­se­lho de Éti­ca do se­na­do sal­vou o man­da­to do se­na­dor aé­cio Neves (Psdb-mg). Por 12 vo­tos a 4, o co­le­gi­a­do de­ci­diu que não ha­ve­ria ele­men­tos nem para jul­gar se o tu­ca­no que­brou o de­co­ro par­la­men­tar e, as­sim, en­ter­rou o pro­ces­so em de­fi­ni­ti­vo. O se­na­dor mi­nei­ro foi acu­sa­do no su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral pe­lo cri­me de cor­rup­ção e obs­tru­ção à Jus­ti­ça.

aé­cio re­ce­beu 2 mi­lhões de re­ais do em­pre­sá­rio da Jbs Jo­es­ley ba­tis­ta que, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, foi en­tre­gue como pa­ga­men­to de pro­pi­na. a ir­mã de­le, an­drea Neves, e um pri­mo, Fre­de­ri­co Pa­che­co, che­ga­ram a ser pre­sos por con­ta des­ses cri­mes e ho­je cum­prem pri­são do­mi­ci­li­ar. O pró­prio aé­cio foi afas­ta­do de suas fun­ções le­gis­la­ti­vas por 46 di­as por­que o STF en­ten­deu que ele po­de­ria in­ter­fe­rir nas in­ves­ti­ga­ções. a Pro­cu­ra­do­ria pe­diu a sua pri­são, mas o pe­di­do não foi aca­ta­do pe­lo Ju­di­ciá­rio. O par­la­men­tar diz que o va­lor era um em­prés­ti­mo pes­so­al e o re­cur­so se­ria usa­do para pa­gar os ad­vo­ga­dos que o de­fen­dem nos se­te inqué­ri­tos que res­pon­de no âm­bi­to da ope­ra­ção lava Jato.

ao salvar aé­cio, em um cla­ro pe­di­do do go­ver­no Mi­chel Te­mer (PMDB) para sus­ten­tar o apoio do Psdb, os se­na­do­res aca­ba­ram pen­san­do em si mes­mos. Dos 20 mem­bros, ao me­nos três são in­ves­ti­ga­dos na lava Jato. E, como a ope­ra­ção po­li­ci­al ainda não se en­cer­rou, a ten­dên­cia é que o nú­me­ro au­men­te nos pró­xi­mos me­ses. a ma­nu­ten­ção dos tu­ca­nos na ba­se de apoio de Te­mer é con­si­de­ra­da fun­da­men­tal para a con­ti­nui­da­de da gestão.

O pla­car de 12 a 4 trou­xe uma ques­tão cu­ri­o­sa. O caso aé­cio já ha­via si­do en­ga­ve­ta­do mo­no­cra­ti­ca­men­te pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho, João al­ber­to sou­za (PMDB-MA) no mês pas­sa­do. só foi re­a­ber­to de­pois que cin­co mem­bros do Con­se­lho re­cor­re­ram da de­ci­são. Nes­ta quin­ta-fei­ra, no en­tan­to, um dos sig­na­tá­ri­os do re­cur­so, o se­na­dor Pe­dro Cha­ves (PSC-MS), en­ten­deu que não há ele­men­tos para in­ves­ti­gar o par­la­men­tar tu­ca­no. Cha­ves só ocu­pa uma ca­dei­ra de se­na­dor por­que o ti­tu­lar do car­go, Del­cí­dio do ama­ral (ex-pt-ms) foi cas­sa­do pe­lo mes­mo se­na­do em maio de 2016.

O caso de Del­cí­dio, aliás, foi in­sis­ten­te­men­te re­lem­bra­do pe­la mi­nús­cu­la opo­si­ção no se­na­do. “Me pa­re­ce que há dois ti­pos de jul­ga­men­to, um dos que não tem po­der po­lí­ti­co no se­na­do e ou­tro de que tem po­der po­lí­ti­co”, afir­mou o se­na­dor ran­dol­fe ro­dri­gues (RE­DE- ap) ao ci­tar Del­cí­dio e De­mós­te­nes Tor­res (EX-DEM-GO), dois se­na­do­res que fo­ram cas­sa­dos por sus­pei­tas de cor­rup­ção.

O pre­si­den­te do co­le­gi­a­do, João al­ber­to, afir­mou que não ha­via “na­da nos au­tos” ca­paz de in­cri­mi­nar aé­cio e que a pres­são de se­to­res da im­pren­sa pe­lo jul­ga­men­to de­le não de­ve­ria ser le­va­do em con­ta, nes­te mo­men­to. “Temos de res­pei­tar a opinião pú­bli­ca, mas não po­día­mos con­ti­nu­ar abrin­do pro­ces- so para que ele fi­que san­gran­do o tem­po to­do. Temos de res­pei­tar a figura de um bom se­na­dor”.

Já la­si­er Mar­tins ( PSD- rs) afir­mou que o se­na­do agiu com cor­po­ra­ti­vis­mo ao ar­qui­var a denúncia e que, sem po­der jul­gar o tu­ca­no, pe­sa­rá con­tra ele uma dú­vi­da de que se o di­nhei­ro que pe­gou da Jbs era le­gal ou era pro­pi­na. “Da ma­nei­ra que fi­cou, per­du­ra a dú- vida. Como o su­pre­mo é ex­tre­ma­men­te len­to, is­so vai le­var anos. Tal­vez se­ja le­va­da até o tú­mu­lo, es­sa dú­vi­da”, pon­de­rou.

Em no­ta, aé­cio dis­se que a de­ci­são de­mons­tra a ine­xis­tên­cia de qual­quer “qual­quer ato que pos­sa ser in­ter­pre­ta­do como quebra de de­co­ro par­la­men­tar”. E que ela im­pe­diu que o se­na­do se trans­for­mas­se em “ce­ná­rio de dis­pu­tas po­lí­ti­cas me­no­res”.

Ag. SE­NA­DO

O se­na­dor Aé­cio Neves, no dia 4 de ju­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.