Re­gra ds apo­sen­ta­do­ri­as pi­o­ra a de­si­gual­da­de no país

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

He­ran­ça mal­di­ta da ri­xa en­tre a ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff e Edu­ar­do Cu­nha, a fór­mu­la 85/95 agra­vou a de­si­gual­da­de de ren­da.

He­ran­ça mal­di­ta da ri­xa en­tre a ex­pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff e o ex-de­pu­ta­do fe­de­ral Edu­ar­do Cu­nha, a fór­mu­la 85/95 agra­vou a de­si­gual­da­de de ren­da e cus­ta ao me­nos R$ 200 mi­lhões por mês aos co­fres do go­ver­no. Des­de que pas­sou a vi­go­rar, em ju­lho de 2015, até maio de 2017 (úl­ti­mo da­do dis­po­ní­vel), ela be­ne­fi­ci­ou 4 em ca­da 10 pes­so­as que se apo­sen­ta­ram pe­la mo­da­li­da­de de tem­po de con­tri­bui­ção.

Em mé­dia, ho­mens adi­a­ram em um ano sua apo­sen­ta­do­ria e con­se­gui­ram ob­ter um be­ne­fí­cio até 49% mai­or do que os que usa­ram o fa­tor pre­vi­den­ciá­rio, se­gun­do ba­lan­ço fei­to pe­lo INSS a pe­di­do da Fo­lha.

En­tre mu­lhe­res, a es­pe­ra foi mai­or -2 anos-, mas o ga­nho no va­lor da apo­sen­ta­do­ria foi de até 81% em re­la­ção às que usa­ram o fa­tor.

A van­ta­gem é sig­ni­fi­ca­ti­va tam­bém em re­la­ção ao ga­nho de cer­ca de 7% ao ano que uma mes­ma pes­soa ob­tém ao es­pe­rar mais tem­po pa­ra usar o fa­tor pre­vi­den­ciá­rio.

ELITE da ELITE

is­so ocor­re por­que a no­va fór­mu­la ga­ran­te be­ne­fí­cio in­te­gral a quem atin­ge os pon­tos ne­ces­sá­ri­os. An­tes de ju­lho de 2015, o fa­tor pre­vi­den­ciá­rio re­du­zia o va­lor to­tal do be­ne­fí­cio. Uma mu­lher, por exem­plo, com 32 anos de con­tri­bui­ção e 53 anos de ida­de po­de re­ce­ber per­to de R$ 5.500 se ti­ver con­tri­buí­do pe­lo te­to do INSS.

Sem a fór­mu­la 85/95, o va­lor se­ria re­du­zi­do pe­lo fa­tor pre­vi­den­ciá­rio de 0,544, ou se­ja, re­ce­be­ria R$ 3.009,03.

A bre­cha aber­ta pe­la fór­mu­la cri­ou uma “elite den­tro da elite” -os que se apo­sen­tam ho­je por tem­po de con­tri­bui­ção, sem exi­gên­cia de ida­de mí­ni­ma.

De ja­nei­ro a maio de 2017, o va­lor mé­dio re­ce­bi­do por quem che­gou à so­ma de pon­tos foi R$ 2.937,31 (am­bos os gê­ne­ros), 45% aci­ma dos R$ 2.021,55 de quem usou o fa­tor pre­vi­den­ciá­rio.

Abis­mo mai­or

A re­gra ele­vou ain­da mais a de­si­gual­da­de en­tre os bra­si­lei­ros mais ri­cos, com mais aces­so ao tra­ba­lho for­mal, e os su­jei­tos a tra­ba­lho com vín­cu­los mais pre­cá­ri­os, que se apo­sen­tam por ida­de.

quan­do se com­pa­ram as fa­ti­as ex­tre­mas, a apo­sen­ta­do­ria pe­lo fa­tor 85/95 che­ga a ser o tri­plo da por ida­de (na mé­dia de 2015). Des­de que a fór­mu­la foi cri­a­da, o be­ne­fí­cio mé­dio foi 2,5 ve­zes o de quem se apo­sen­ta por ida­de.

“o ba­lan­ço dei­xa cla­ro que os mais po­bres, me­nos ins­truí­dos e mais su­jei­tos a de­sem­pre­go são os que se apo­sen­tam por ida­de, com be­ne­fí­ci­os me­no­res”, diz o eco­no­mis­ta Pau­lo Taf­ner, pes­qui­sa­dor do ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da (ipea) e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Can­di­do Men­des.

qua­se 8 em ca­da 10 dos que pre­ci­sa­ram es­pe­rar a ida­de mí­ni­ma re­ce­bem só um sa­lá­rio mí­ni­mo por mês, e 93% fi­cam na fai­xa até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos, mos­tra o ba­lan­ço da Pre­vi­dên­cia.

Mais de 70% dos que es­ta­vam de­sem­pre­ga­dos ou eram tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos se apo­sen­ta­ram por ida­de.

Já en­tre os que es­ta­vam em­pre­ga­dos na ho­ra da apo­sen­ta­do­ria, 70% usa­ram o mo­de­lo por tem­po de con­tri­bui­ção, sen­do que 28% ob­ti­ve­ram o be­ne­fí­cio in­te­gral ga­ran­ti­do pe­la fór­mu­la 85/95.

Além dis­so, os mais ri­cos con­se­guem con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do após a apo­sen­ta­do­ria, o que tor­na sua ren­da ain­da mai­or em re­la­ção à dos mais po­bres.

CONTRARREFORMA

“A re­gra foi na ver­da­de uma contrarreforma da Pre­vi­dên­cia”, co­men­ta o eco­no­mis­ta e con­sul­tor do Se­na­do Pe­dro Nery. “Ela re­ver­te o fa­tor pre­vi­den­ciá­rio, que já era um re­men­do pa­ra a au­sên­cia de ida­de mí­ni­ma, ins­ti­tuí­do na re­for­ma de 1998”.

Nery diz que o au­men­to no cus­to pa­ra a Pre­vi­dên­cia só não é mai­or “pe­lo ime­di­a­tis­mo dos se­gu­ra­dos, que op­tam por se apo­sen­tar o quan­to an­tes”. Ele res­sal­ta, no en­tan­to, que a ten­dên­cia é que a pro­por­ção dos que se be­ne­fi­ci­am da fór­mu­la de­ve cair.

“quan­do a no­va re­gra co­me­çou a va­ler, ha­via um es­to­que gran­de de se­gu­ra­dos es­pe­ran­do pa­ra con­se­guir um fa­tor pre­vi­den­ciá­rio mais van­ta­jo­so. De uma ho­ra pa­ra a ou­tra, eles pas­sa­ram a ter os re­qui­si­tos pa­ra con­se­guir a apo­sen­ta­do­ria cheia.”

Ain­da que a pro­por­ção se re­du­za, os efei­tos se­rão du­ra­dou­ros, no­ta o eco­no­mis­ta do ipea (ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da) Ro­gé­rio Na­ga­mi­ne Cos­tan­zi.

“A ida­de mé­dia das mu­lhe­res que usa­ram a fór­mu­la 85/95 é 56 anos. is­so cor­res­pon­de a uma ex­pec­ta­ti­va de so­bre­vi­da de 27 anos, ou se­ja, o be­ne­fí­cio mai­or te­rá im­pac­to por mais três dé­ca­das.”

No to­tal, 218.656 pes­so­as ob­ti­ve­ram apo­sen­ta­ria pe­lo va­lor mais al­to en­tre ju­lho de 2015 e abril des­te ano. A um va­lor mé­dio de R$ 2.813,44, elas cus­ta­vam na­que­le mês R$ 615 mi­lhões.

Se es­ti­ves­sem re­ce­ben­do a mé­dia dos que não usa­ram a fór­mu­la ( R$ 1.901,79), o cus­to men­sal des­sa fa­tia se­ria de R$ 416 mi­lhões, de acor­do com os da­dos da Pre­vi­dên­cia.

FO­LHA

O re­la­tor re­jei­tou a ida­de mí­ni­ma de 70 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.