‘HÁ UMA TEN­TA­TI­VA DE ME TI­RAR DO JO­GO PO­LÍ­TI­CO’, DIZ LU­LA APÓS CON­DE­NA­ÇÃO

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Em sua primeira de­cla­ra­ção após ser con­de­na­do pe­la La­va Ja­to, o ex-pre­si­den­te Luiz iná­cio Lu­la da Sil­va, 71, dis­se, nes­ta quin­ta-fei­ra (13), que a de­ci­são ju­di­ci­al des­per­tou sua dis­po­si­ção pa­ra se lan­çar can­di­da­to às elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018.

Em sua primeira de­cla­ra­ção após ser con­de­na­do pe­la La­va Ja­to, o ex-pre­si­den­te Luiz iná­cio Lu­la da Sil­va, 71, dis­se, nes­ta quin­ta­fei­ra ( 13), que a de­ci­são ju­di­ci­al des­per­tou sua dis­po­si­ção pa­ra se lan­çar can­di­da­to às elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018.

“Se al­guém pen­sa que com es­sa sen­ten­ça me ti­ra­ram do jo­go, po­de sa­ber que eu tô no jo­go”, afir­mou Lu­la.

“E que­ro di­zer ao meu par­ti­do que até ago­ra não ti­nha rei­vin­di­ca­do, mas vou rei­vin­di­car, de me co­lo­car co­mo pos­tu­lan­te à Pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca em 2018.”

Do la­do de fo­ra do Di­re­tó­rio Na­ci­o­nal do PT, no cen­tro de São Pau­lo, es­sa fa­la foi re­ce­bi­da com aplau­sos por cer­ca de 300 mi­li­tan­tes e apoi­a­do­res do ex-pre­si­den­te, que pro­mo­ve­ram um “abra­ço sim­bó­li­co” a Lu­la na rua. No car­ro de som, anun­ci­a­va-se a mo­bi­li­za­ção co­mo lan­ça­men­to da pré-can­di­da­tu­ra do pe­tis­ta.

“qu­em acha que é o fim do Lu­la vai que­brar a ca­ra. qu­em tem o di­rei­to de de­cre­tar o meu fim é o po­vo brasileiro”, pros­se­guiu o pe­tis­ta. Na rua, a mo­bi­li­za­ção, com car­ro de som e apoi­a­do­res er­guen­do ban­dei­ras e ves­tin­do ca­mi­se­tas do par­ti­do, ga­nhou ares de co­mí­cio.

“Nós va­mos lan­çar Lu­la ime­di­a­ta­men­te can­di­da­to à Pre­si­dên­cia”, dis­cur­sou o se­na­dor Lind­bergh Fa­ri­as (PT-RJ), em fren­te ao pré- dio do di­re­tó­rio, ao la­do de Glei­si Hoff­mann, pre­si­den­te da le­gen­da, e Luiz Ma­ri­nho, pre­si­den­te es­ta­du­al.

Glei­si dis­se que qu­em qui­ser im­pe­dir a can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te “vai res­pon­der pe­la ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca no país”: “Não va­mos ad­mi­tir uma elei­ção sem Lu­la”. Ma­ri­nho anun­ci­ou que o pe­tis­ta irá per­cor­rer o país — co­me­çan­do, pro­va­vel­men­te, no pró­xi­mo dia 20 de ju­lho, quan­do es­tá pro­gra­ma­da uma ma­ni­fes­ta­ção na avenida Pau­lis­ta.

PRO­CES­SO

Na quar­ta (12), o juiz Ser­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­lo pro­ces­so em primeira ins­tân­cia sen­ten­ci­ou o pre­si­den­te por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro no ca­so do trí­plex de Gua­ru­já (SP).

Lu­la cri­ti­cou a de­ci­são do juiz e afir­mou que irá re­cor­rer “em to­das as ins­tân­ci­as”.

“acho que é pre­ci­so pro­ces­sar es­sa sen­ten­ça no CNJ [Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça]. É pre­ci­so fa­zer pro­ces­so con­tra qu­em men­te, con­tra qu­em não dis­ser a verdade nes­se país”, afir­mou.

Lu­la dis­se que não ha­via pro­vas su­fi­ci­en­tes na de­ci­são —uma ten­ta­ti­va de ti­rá­lo do jo­go po­lí­ti­co.

“Fi­ca­ria mais fe­liz se eu fos­se con­de­na­do com ba­se em uma pro­va. o que me dei­xa in­dig­na­do, mas sem per­der a ter­nu­ra, é per­ce­ber que fui ví­ti­ma de um gru­po de pes­so­as que con­tou uma primeira men- ti­ra e pas­sa a vi­da pa­ra jus­ti­fi­car aque­la primeira men­ti­ra”, afir­mou.

“Não sei co­mo al­guém con­se­gue es­cre­ver quase 300 pá­gi­nas pa­ra não di­zer ab­so­lu­ta­men­te na­da.”

CRÍTICAS

À me­sa, Lu­la es­ta­va acom­pa­nha­do de Glei­si Hoff­mann, pre­si­den­te na­ci­o­nal do PT, e de de­pu­ta­dos da si­gla. Tam­bém ro­de­a­ram o ex-pre­si­den­te li­de­ran­ças de mo­vi­men­tos so­ci­ais, co­mo Gui­lher­me Bou­los, do MTST, e vag­ner Frei­tas, pre­si­den­te na­ci­o­nal da CUT.

Em di­ver­sos mo­men­tos, o ex-pre­si­den­te cri­ti­cou os mé­to­dos da La­va Ja­to e da co­ber­tu­ra da im­pren­sa do ca­so –ci­tou a re­vis­ta ve­ja e a Tv Glo­bo.

Lu­la dis­se que, quan­do cri­ti­ca a Po­lí­cia Fe­de­ral e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, não se re­fe­re à ins­ti­tui­ção, mas à for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to.

“Mo­ro de­ve pres­tar con­tas pa­ra a his­tó­ria, co­mo eu. a his­tó­ria é que vai di­zer qu­em es­tá cer­to e qu­em es­tá er­ra­do. Não é pos­sí­vel ter Es­ta­do de di­rei­to se a gen­te não acre­di­tar na Jus­ti­ça. E por is­so a Jus­ti­ça não po­de men­tir, não po­de to­mar de­ci­sões po­lí­ti­cas. Tem que to­mar de­ci­sões ba­se­a­das nos au­tos.”

Na sen­ten­ça que con­de­nou Lu­la, Mo­ro diz que ele

re­ce­beu van­ta­gens in­de­vi­das da cons­tru­to­ra oas na for­ma de um trí­plex re­for­ma­do em Gua­ru­já (SP).

o pe­tis­ta não se­rá pre­so –pe­lo en­ten­di­men­to do Su­pre­mo, só co­me­ça­rá a cum­prir a pe­na se a se­gun­da ins­tân­cia ra­ti­fi­car a de­ci­são. o PT de­ve man­ter a can­di­da­tu­ra de Lu­la à Pre­si­dên­cia em 2018, afir­mou, na quar­ta (12), o ex-mi­nis­tro Tar­so Gen­ro: “Ele é a úni­ca li­de­ran­ça, com ape­lo po­pu­lar e ca­pa­ci­da­de po­lí­ti­ca, pa­ra en­ca­mi­nhar uma saí­da não vi­o­len­ta pa­ra a cri­se”.

Tam­bém em en­tre­vis­ta a jor­na­lis­tas, na quar­ta (12), a de­fe­sa de Lu­la dis­se que Mo­ro “des­pre­zou as pro­vas da ino­cên­cia” e “usou o pro­ces­so pa­ra fins de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca” ao con­de­nar o ex-pre­si­den­te.

O QUE AIN­DA PESA

ou­tras acu­sa­ções con­tra o pe­tis­ta

AÇÕES PENAIS JUL.2016

on­de: ação cor­re no DF Ca­so: Lu­la vi­rou réu pe­la 1ª vez acu­sa­do de ten­tar com­prar o si­lên­cio de Nes­tor Cer­ve­ró, ex-di­re­tor da Pe­tro­bras

acu­sa­ção: obs­tru­ção de jus­ti­ça

o que diz a de­fe­sa: Lu­la nun­ca in­ter­fe­riu ou ten­tou in­ter­fe­rir em de­poi­men­tos re­la­ti­vos à La­va Ja­to

OUT.2016

on­de: ope­ra­ção Ja­nus Ca­so: Te­ria agi­do pa­ra fa­vo­re­cer a ode­bre­cht em con­tra­tos em an­go­la fi­nan­ci­a­dos pe­lo BNDES

acu­sa­ções: Cor­rup­ção pas­si­va, la­va­gem de di­nhei­ro, trá­fi­co de in­fluên­cia e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa

o que diz a de­fe­sa: Lu­la não tra­tou, nem quan­do era pre­si­den­te nem de­pois, des­sas re­la­ções co­mer­ci­ais

DEZ. 2016

on­de: ope­ra­ção Ze­lo­tes Ca­so: Lu­la in­te­gra­ria um es­que­ma pa­ra be­ne­fi­ci­ar as em­pre­sas MMC, Ca­oa e Sa­ab. um fi­lho de te­ria re­ce­bi­do em tro­ca r$ 2,5 mi­lhões

acu­sa­ções: La­va­gem de di­nhei­ro, trá­fi­co de in­fluên­cia e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa

o que diz a de­fe­sa: Nem o ex- pre­si­den­te nem seu fi­lho par­ti­ci­pa­ram de atos li­ga­dos a es­sas em­pre­sas

DEZ. 2016

on­de: ação sob res­pon­sa­bi­li­da­de de Mo­ro

Ca­so: Ele te­ria re­ce­bi­do pro­pi­na da ode­bre­cht por meio da com­pra de um ter­re­no pa­ra no­va se­de do ins­ti­tu­to Lu­la e um apar­ta­men­to

acu­sa­ção: cor­rup­ção pas­si­va

o que diz a de­fe­sa: Lu­la alu­ga­va o apar­ta­men­to. Seu ins­ti­tu­to fun­ci­o­na em ou­tro lo­cal há anos

Mai. 2017

on­de: La­va Ja­to Ca­so: re­la­ci­o­na­das ao sí­tio de ati­baia ( SP), re­for­ma­do por ode­bre­cht e oas. acu­sa­ção ain­da não foi apre­ci­a­da por Mo­ro

acu­sa­ções: Cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro

o que diz a de­fe­sa: De­nún­cia é per­se­gui­ção po­lí­ti­ca; não há pro­vas de que o sí­tio se­ja de Lu­la

Arquivo

O ex-pre­si­den­te Lu­la fa­la em pro­nun­ci­a­men­to à im­pren­sa na se­de do par­ti­do em São Pau­lo

PT

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.