Após 10 anos, nin­guém foi con­de­na­do por aci­den­te da TAM em Con­go­nhas

Brasil em Folhas - - Geral -

a tra­gé­dia do voo 3054 da TAM, que dei­xou 199 mortos, com­ple­ta dez anos nes­ta se­gun­da-fei­ra (17) sem ne­nhu­ma pes­soa con­de­na­da pe­lo aci­den­te. o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral che­gou a acu­sar três pes­so­as, mas to­das fo­ram ino­cen­ta­das. a ae­ro­na­ve, que saiu de Por­to ale­gre, no rio gran­de do sul, não con­se­guiu pa­rar na pis­ta do ae­ro­por­to de con­go­nhas, na Zo­na sul de são Pau­lo, pas­sou so­bre a ave­ni­da Washing­ton luís e co­li­diu com um pré­dio da mes­ma com­pa­nhia. To­das as 187 pes­so­as que es­ta­vam no avião e ou­tras 12 em so­lo mor­re­ram.

as in­ves­ti­ga­ções da Po­lí­cia Fe­de­ral so­bre o aci­den­te co­me­ça­ram ain­da em 2007 e le­va­ram dois anos e meio pa­ra se­rem con­cluí­das. o do­cu­men­to não apon­tou cul­pa­dos. a PF ale­gou não ter en­con­tra­do ne­xo de cau­sa­li­da­de que vin­cu­las­se a tra­gé­dia às pes­so­as que, de al­gu­ma for­ma, ti­nham res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o ae­ro­por­to, o avião ou o se­tor aé­reo. na prá­ti­ca, a con­clu­são é de que o aci­den­te te­ria si­do cau­sa­do ex­clu­si­va­men­te por um er­ro dos pi­lo­tos do air­bus 320. as cai­xas-pre­tas do avião in­di­cam que os co­man­dan­tes Kley­ber li­ma e Hen­ri­que ste­fa­ni­ni di sac­co ma­nu­se­a­ram os ma­ne­tes (ace­le­ra­do­res) de ma­nei­ra di­fe­ren­te da re­co­men­da­da. Um de­les per­ma­ne­ceu na po­si­ção de ace­le­ra­ção, dei­xan­do a ae­ro­na­ve des­go­ver­na­da.

MPF - ape­sar do inqué­ri­to, o pro­cu­ra­dor da re­pú­bli­ca ro­dri­go de gran­dis de­nun­ci­ou, em 2011, três pes­so­as pe­la tra­gé­dia: o en­tão di­re­tor de se­gu­ran­ça de voo da TAM, Marco au­ré­lio dos san­tos de Mi­ran­da e cas­tro; o en­tão vi­ce-pre­si­den­te de ope­ra­ções da aé­rea, al­ber­to Fa­jer­man; e De­ni­se abreu, que na épo­ca era di­re­to­ra da agên­cia na­ci­o­nal de avi­a­ção ci­vil (anac). em 2014, po­rém, o pró­prio MPF pe­diu a ab­sol­vi­ção de Fa­jer­man, pois ava­li­ou que não fo­ram ob­ti­das pro­vas su­fi­ci­en­tes pa­ra sua con­de­na­ção. a Pro­cu­ra­do­ria, en­tão, pe­diu a con­de­na­ção de De­ni­se e de Marco au­ré­lio a 24 anos de pri­são por aten­ta­do con­tra a se­gu­ran­ça de transporte aé­reo na mo­da­li­da­de do­lo­sa (quan­do há a in­ten­ção). se­gun­do a de­nún­cia, o di­re­tor da TAM ti­nha co­nhe­ci­men­to “das pés­si­mas con­di­ções de atri­to e fre­na­gem da pis­ta prin­ci­pal do ae­ro­por­to de con­go­nhas” e não to­mou pro­vi­dên­ci­as pa­ra que os pou­sos fos­sem re­di­re­ci­o­na­dos pa­ra ou­tros ae­ro­por­tos, em con­di­ções de pis­ta mo­lha­da. o MPF con­si­de­rou que a en­tão di­re­to­ra da anac, De­ni­se abreu, “agiu com im­pru­dên­cia” ao liberar a pis­ta do ae­ro­por­to de con­go­nhas, a par­tir de 29 de ju­nho de 2007, “sem a re­a­li­za­ção do ser­vi­ço de ‘gro­o­ving’ e sem re­a­li­zar for­mal­men­te uma ins­pe­ção, a fim de ates­tar sua con­di­ção ope­ra­ci­o­nal em con­for­mi­da­de com os pa­drões de se­gu­ran­ça ae­ro­náu­ti­ca”.

na épo­ca, o cri­mi­na­lis­ta an­to­nio claudio Ma­riz de oliveira, que de­fen­dia Marco au­ré­lio, dis­se que “não há nem mes­mo me­ros in­dí­ci­os de que al­gu­ma pes­soa te­nha con­cor­ri­do de al­gum mo­do, mes­mo que cul­po­so, pa­ra o trá­gi­co acon­te­ci­men­to”. em no­ta di­vul­ga­da no mes­mo ano, a de­fe­sa de De­ni­se abreu afir­mou que “pos­sui to­das as for­mas de de­mons­trar a sua ab­so­lu­ta ino­cên­cia”.

Arquivo

Avião da TAM ex­plo­diu após ba­ter em pré­dio da com­pa­nhia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.